É SÓ MAIS UM NATAL...

.

Que adianta sonhar, desejar fazer em cada natal uma festa sonoramente iluminada, quando a crise atual do nosso País nos impede que realizemos... Sinto saudades de natais passados quando a gente achava que demorava tanto de um pra outro, de tão lindo, festivo, iluminado, colorido e quando tantos sonhos se realizavam, especialmente para as crianças! Esta saudade é uma das que gosto de sentir porque tive a felicidade de viver aqueles momentos.

Hoje, quantas das nossas crianças ainda têm sonhos, acreditam no PAPAI NOEL! Algumas apenas, porque na era da informática, muitas já sabem e desde tenra idade, que isso é invenção dos empresários para que os pais gastem o que podem ou não, para concretizar sonhos e desejos dos filhos pequenos e para que os adultos troquem presentes, como se isso significasse uma prova de amizade.

Como será que fazem os miseráveis que sequer têm um lar pra chamar de seu, são andarilhos da vida... Mesmo assim, muitos ainda têm sonhos e se frustram, só em pensar que não passarão de sonhos... Quantos buscam abrigar-se na beira das estradas esperando pela solidariedade de alguns que felizmente às vezes acontece...

Lembro-me de um natal de quando ainda bem pequenina, meus pais havia mudado de cidade porque papai sendo servidor público, vez por outra, pra conseguir uma promoção, era transferido. Numa dessas cidades ainda desconhecida pra nós e eu tendo um irmão mais velho, que naquele natal, ganhara do Papai Noel um trenzinho que funcionava puxado a um barbante se é que me lembro. Foi bem assim: Véspera de natal, fizeram-nos dormir cedo para não ficarmos ansiosos pela chegada do bom velhinho.

Fomos dormir felizes da vida porque na manhã seguinte, iríamos abrir os presentes tão sonhados. Amanheceu, corremos para a árvore que ainda reluzia num canto da sala e ao pé dela, algumas caixas enfeitadas. Pois bem, na caixa onde havia o nome do meu irmão, havia aquele trenzinho o qual mencionei acima, na minha, toda enfeitada de laço cor de rosa, sabem o que havia! Imagine qual não foi a minha d e c e p ç ã o! Havia um pacote transparente, com bombons verdes claro em forma de bolas! E eu que esperava uma boneca com vestido de renda, de sapatinhos e cabelos... Deixei o pacote lá e saí chorando, sem rumo... Ainda hoje não suporto cheiro de menta em nada!

Acho até, que desde naquela época duvidei da existência do Papai Noel e acredito que muitas crianças de hoje, nos tempos atuais e de internet, algumas esperam um presente, ou alguns presentes dos pais e dos familiares que se reúnem para a festa natalina, que também já não tem o mesmo encanto de tempos atrás. Elas sabem que não foi o Papai Noel que desceu pela chaminé. Ficam felizes do mesmo jeito, porque sabem que seus pais não esqueceriam jamais! Podendo ou não, não importa o valor comercial, mas eles não esqueceriam de fazer de conta e seguem a tradição, ainda que se endividando com inúmeras prestações para o ano seguinte. Para os pais, o que importa é ver os filhos felizes. É assim o natal dos tempos atuais, embora ainda existam pequeninos que não entendem nada a não ser que esperam o Papai Noel, aquele que descerá pela chaminé enquanto elas dormem e deixam ali os presentes tão sonhados. Que bom que sempre existirá essa fase nas nossas vidas em que tudo não passa de sonhos! Para muitos assim como para mim é apenas MAIS UM NATAL.