Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sondagem

       Eu pensei que teriamos mais ócio, me enganei mais uma vez. Pensei que teríamos mais sossego, outra enganação, culpa dessa era que vivemos. Vivemos? Será que usei a expressão certa? Acho que o correto seria dizer: pensamos viver. Então  a culpa é dessa era em que pensamos viver, há uma global futilidade, uma insuportável corrida pela competição e produtividade. A Revolução Tecnológica nos cobra mais velocidade.
       Antes viver calmamente era dádiva divina; agora não. Tudo tinha seu tempo e respeitávamos isso, hoje tudo é precoce, imagine um orgasmo feminino antes do ato sexual, entende como é ruim? A vida tem se tornado algo assim, mas é um orgasmo vazio. Não temos tempo para sentir, afinal, sentir o quê? Tudo é tão superficial e  desnatural. Somos condicionados a nascer, trabalhar e morrer de forma que seja proveitoso para o sistema.
       O ser humano vive essa coisa que chama vida, tem tempo para seu mundinho egoísta e fora de moda, esbanja sua fome de se mostrar para obter prazer principalmente quando curtem e comentam fragmentos de sua ejaculação vazia dentro da desorganizada coisa que considera vida, mas não tem tempo para seu próximo, sabe que seu colega de trabalho se chama Valdo e acha que só pelo nome e por vê-lo conhece-o completamente e pode julgá-lo, afinal há  uma infernal corrida pela competição. Além de não se enxergar - e não falo de ver-se diante do espelho - não  enxerga os outros e julga-os.
       E a velocidade está sobre tudo, o ser humano não vive mais, é mais uma máquina, apenas, deseja dinheiro sobre todas as coisas, por isso há  tantas injustiças sociais, porque são  velozes e não pensam em dar um sentido humano para as suas construções, amam o dinheiro e a falta de pensar, não enxergam  mais, apenas agem conforme manda os estatutos capitalistas. Porque vivem mecanizados e ofuscados por desejos mesquinhos e ambiciosos, não sabe o que é vida, o que é  viver. Não há amor em seu ser, somente narcisismo,  não conhece o próximo nem a si mesmo, por isso é escravo. E não  entende o motivo que levou o filho do homem, há muitos séculos, a morrer, ele que sempre mostrou que somos filhos de um só pai e que a vida aqui é cuta, mas lá é eterna.
Leandro Ferreira Braga
Enviado por Leandro Ferreira Braga em 08/10/2017
Reeditado em 13/11/2017
Código do texto: T6136404
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Leandro Ferreira Braga
Fortaleza - Ceará - Brasil, 25 anos
82 textos (4611 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/19 11:16)
Leandro Ferreira Braga