Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Eternamente Deysinha

Um dos meus defeitos neste RL é ficar limitado ao espaço das crônicas. Raramente doiu uma espiada nas Canções, Poesias , Poesias Recitadas e contos, artigos, homenagens... Não porque não goste dos outros gêneros (?), mas porque sou nulo em informática, tenho as mãos trêmulas devido aos remédios que tomo, prncipalmente para asma, e se fosse batucar o teclado teria que ser com muita força e quebraria o distinto. Por isso escrevo minhas malatraçadas com laís comum grosso e com força para nçai tremer e em letra de forma. Quem digitaé meu neto.

Talvez por isso, só ontem, à noite, depois de ler a crônica "Deyse Feliz", de Djanira Luz, foi que soube da partida para o Recanto do Céu de nissa querida Deysinha Félix. Só a chamava de Deysinha. Nem cheguei a fazer comentário sobre a crônica de Djanira, fiquei tremendo não só as mãos mas o corpo todo. A tristexa se apoderou de mim, como, uro, tivesse partido algupem da minha família.

Feysinha além de escrever muoto bem, era algupem alto astral positiva, franca, divertida, terna, efusiva, alguém que adorava a vida.Econtinua adorandoi porque a morte física ançao interrompe a vida ela prossegue noutro plano.

Tenho muitas recordações dela, uma delas era que gostava de curtir a noite barzinho, viver, se divertir sem enytregar os pontos. Lembro que quando escrevi uma malatraçada intitulada "Bolero Desconhecido", isso em abril, eu pedia que conhecesse a musica que transcrevi a letra me dissesse o t´pitulo dela e o autor. Deyse fez um comentario dizendo que assim que leu os primeiros versos cantarrolou toda a musica, que ançao lembrava de quem era mas ia peguntar ao irmao dela e a alguns amigos que cantavam na noite. Não descobriu, mas pelo menos conhecia a musica, o que muito me alegrou porque eu jpa estava achando que era umaalucinação...Fazia muitos comentários, todos eles pertinentes, ferinos, alguns, mas verdadeiros, e com a marca arretada da ternura.

Vou sentir muitoiafalta delaaqui no espaço das crônicas, como senti de Ilmar, acho que os dois e outrosestão no ecanto do Céu rindo e felizesporque seus hermanos e hermanas nunca vão esquece-los. Eternamente Deysinha. Inté.
Dartagnan Ferraz
Enviado por Dartagnan Ferraz em 07/12/2017
Código do texto: T6192692
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dartagnan Ferraz
Recife - Pernambuco - Brasil
2723 textos (59950 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 09:10)
Dartagnan Ferraz