Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quem é Deus?

Apesar dos avanços da humanidade, continuamos a indagar e questionar a presença de um ser superior entre nós. Não conseguimos avançar um milímetro em toda esta incógnita universal. Pregamos e acreditamos em dogmas e leis que não são mais condizentes com o conhecimento humano em relação ao universo e sua evolução. Continuamos a pregar o cristianismo das cruzadas, que em sua época conduziu o homem à idade das trevas. Sendo estas as verdades divulgadas e aceitas.

Um atraso de centenas de anos, onde o simples discordar implicava em um tribunal de inquisição, assim a doutrina cristã através dos homens desvirtuou os ensinamentos de Jesus Cristo. O jogo do poder da igreja atropelou a tudo e a todos, jogando-nos às suas pseudosofias, fazendo-nos acreditar que ter fé era obrigação de todos.

No início da humanidade, com os medos e o desconhecimento dos fenômenos naturais, aliados à falta de uma estrutura jurídica estabelecida, encontraram um terreno fértil para apregoar-se as leis fundamentais, para a propagação de um conceito religioso, criando Deuses mitológicos, politeístas e com poderes inconcebíveis aos mortais.

O desenvolvimento através dos séculos e milênios mudou alguns desses dogmas. Mas ainda assistimos o proliferar de inúmeras seitas, crenças e religiões (os chamados no Brasil nos anos 50 de Nova Seita), sempre no embasamento da presença do divino entre nós, muitas vezes fugindo a uma linha da razão e da lógica.

Temos um Deus que é a nossa imagem e semelhança, em um trono divino e com poderes sobre as forças do universo, cercado de uma hierarquia dos santos, anjos, querubins e espíritos de luz. Esses conceitos, divulgados através da humanidade, persistem até os dias atuais.

Evoluímos no campo científico, passamos a conhecer com maior profundidade o universo e sua mágica na existência do infinito. E, mesmo assim, não passamos a conhecer a nossa realidade no âmbito do universo.

São bilhões de galáxias, trilhões de planetas e uma infinidade de sistemas solares.

Apesar de tudo isso, continuamos a questionar, Quem é Deus? Muitas são as atribuições a ele concebidas. Os nossos infortúnios e suas graças são predeterminadas e ditadas, não obstante as tantas injustiças cometidas à raça humana, temos terremotos, enchentes, guerras e grandes catástrofes. Sempre atribuímos esse poder decisório a Deus.

Assim, a fé se fez presente ao longo da história universal, independente de crenças ou de correntes a seguir: O dedo de Deus, nos conduz e dita-nos as suas leis e vontades, sempre apregoando as suas bondades. Fazendo-nos temer ousar em discordar. Acreditar sem ver? Esse é o verdadeiro jogo da fé. Os registros das manifestações divinas foram amplamente divulgados através das crenças religiosas.

Assim, os homens narraram e descreveram o que eles acreditavam ser o contato do divino com os mortais. No mar morto alguns pergaminhos encontrados falam com exatidão sobre esse fascinante contato entre os homens e a linguagem divina. De Buda a Cristo e ao profeta Maomé, as religiões criaram raízes e foram amplamente aceitas, não obstante todo desconhecimento da nossa existência. A morte? Essa fascinante e desconhecida incógnita, independente de credo, nos aproxima da presença de Deus. Para que isso ocorra, temos que seguir mesmo que obrigatoriamente os seus ensinamentos. A eterna busca da paz celeste nos obriga a aceitar como verdade absoluta os seus ensinamentos.

Deus é amor. Essa é a virtude decantada ao longo de nossa existência. Foi assim que aprendemos a deslumbrar essa luz.

Todavia nos agigantamos no aprendizado da intolerância e da insensatez, marcas registradas dos seres humanos de ambos os hemisférios. As religiões de nada serviram para edificarmos um aprendizado melhor e pregamos palavras soltas, relatadas em livros sagrados. Apesar de todo nosso desconhecimento em relação à onipresença e à onipotência, divina, não conseguimos entender o sacrifício imposto a Jesus Cristo, que teve a sua presença marcada na bondade e no verdadeiro amor.


Conseguimos desvirtuar todos os seus ensinamentos, não colhendo o fruto daquilo que propôs a sua vinda a este planeta. Não absorvemos um só milímetro de suas verdades. Continuamos a não entender este fantástico mundo em que vivemos, e, com toda religiosidade, continuamos a não saber Quem é Deus?

Aprendemos ao longo dos séculos que a figura abstrata do criador é quem tem os poderes sobre os destinos e desígnios. E que é dele a sua bondade, sua misericórdia e o seu perdão. Tanto nos abençoa como pode nos jogar uma eterna maldição.

Um Deus sem misericórdia e impiedoso, capaz de amaldiçoar uma geração inteira, fazendo que descendentes paguem pelos pecados dos seus antepassados.

Aprendemos que com sua bondade infinita ele é capaz de abençoar os seus escolhidos! Demonstrando assim uma parcialidade nos destinos dos filhos de ambos os hemisférios, tendo alguns a vida alicerçada na plenitude da felicidade, na estrutura familiar e com qualidade de vida boa. Outros são eternamente subjugados e espoliados, jogados à própria sorte, sem a interferência, nem a misericórdia do divino.

Todos os fatos ligados aos fenômenos naturais ou não, são atribuições de suas vontades: as grandes catástrofes, os desastres, as epidemias e os fenômenos naturais, ou seja, nada neste universo funciona sem o seu consentimento, nos fazendo acreditar que há muito as forças maléficas encontram-se inertes sem precisar atuar, pois o destino do planeta encontra-se só nas mãos de Deus. Mesmo que isto se traduza em uma infindável injustiça, só nos restando a opção de acreditar sem relutar, sem o direito a questionar e indagar: Quem é Deus?

Assim a humanidade edificou as suas verdades, distanciando-se sobre a real razão de nossa existência, a nossa presença e qual a função da vida no planeta terra. Aonde iremos nós? Quem é Deus?


* Capítulo XVIII do livro "Drogas & Crimes", ed. do autor (2003) - pp. 60-4. Gravado em disco, mar 2003.


Escritor, poeta e teatrólogo.
José Calvino
Enviado por José Calvino em 13/02/2018
Código do texto: T6252861
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Calvino
Recife - Pernambuco - Brasil, 76 anos
404 textos (14053 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/02/18 07:01)
José Calvino