Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OS ÓDIOS E OS AFAGOS

OS ÓDIOS E OS AFAGOS

*Rangel Alves da Costa


Ao longe já se avista as mudanças na estação. Os jardins secretos começam a se alvoroçar, as flores do bem e do mal começam a exalar seus aromas, os canteiros são tomados de ervas daninhas. Por que assim, alguém perguntaria. Ora, chegando a estação mais triste, mais vergonhosa, mais aviltante, mais mentirosa, mais tudo que há de o impensável acontecer, que é a temporada política, das disputas eleitorais, dos confrontos.
Uma temporada tão surpreendente quanto assustadora que faz o já desacreditado se transformar em indecisão ou, num termo mais conveniente, fazendo o espantoso se tornar em absurdo. Sim, eis que nesta temporada tudo acontece e tudo pode acontecer. Há um nó, um desenlace do nó, um aperto e um desaperto, uma soltura na corda, e cai se mantenha de pé quem estiver mais força e resistência. E mais: paixões que passam a se odiar, amores que se acenam em adeus, despedidas e retornos, afagos e sangramentos.
Nada mais medonhamente instigante que a temporada política que se aproxima. Ainda se aproxima e já produz resultados que seriam surpreendentes senão esperados. Sempre acontece assim. Quando, no passado, amigos, grupos e forças se reuniram para semear os frutos de uma possível vitória, e de mãos dadas, beijos e carinhos, prometeram eterna união, somente os desajuizados sabiam que tudo não passava de uma encenação. Tudo para o momento, apenas. Na política é assim: as amizades, os acertos e os conchavos, sempre têm hora para acontecer e para perdurar. E quanto tempo dura? Somente até o próximo pleito.
Buscando um nome apropriado para tal temporada, outro não é possível encontrar senão a conveniência. Considerando que conveniência significa utilidade, valor, proveito, lucro, vantagem e interesse, logo se tem o retrato emoldurado da estação política. Tudo passa a ocorrer segundo os interesses, as vantagens e os lucros que podem advir. E para tal não há limites morais para a ação. Não cabe ética nem integridade de caráter, não cabe honestidade nem compromisso, não cabe honradez nem a palavra dada, pois no jogo de interesses e espertezas tudo passa a valer a pena.
Neste jogo, ou nos ventos que sopram nesta acintosa estação, o que menos importa é o eleitor, aquele votante que no passado acreditou no compromisso firmado. Na verdade, o eleitor, enquanto pessoa, nunca vale absolutamente nada para o político. Seu único valor é o eleitoral, o de votante. No restante é visto apenas como um fardo que cobra, que quer, que faz o político ser forçado a tirar dinheiro do bolso. Por isso mesmo que sua contagem é sempre feita pelo número de votos, pois o político sempre diz que ali tem tantos votos e nunca que ali possui tantos e tantos amigos que podem votar.
Mas sempre foi assim. Sergipe mesmo é recheado de escabrosos exemplos. Político que acusa o outro de ter matado um familiar e depois ser avistado de mãos dadas com o acusado. Político que achincalha o outro até a raiz mais profunda e depois aparece ao lado deste espalhando sorrisos, apertando mãos e pedindo votos. Político que até processa civil e criminalmente o outro, mas na eleição seguinte já parecem dois apaixonados. Namoram, noivam, casam, juram eterno amor. Mas não há mais divórcios do que na política, e por meio de um processo tão vil como vergonhoso. São esculhambações de parte a parte, são baixarias tamanhas que somente de um desamor político se pode esperar.
Os ventos de agora, antes que cheguem os turbilhões e os vendavais, já mostram os queixumes, os lamentos. É uma seara política onde surgem as reclamações, onde começam a serem mostradas as ingratidões e até as raivas. Os ódios e os arroubos ferinos virão mais tarde, assim que as alianças forem definidas e os antigos enamorados estiverem de mãos separadas, soltas ao próprio destino, e cada mão agora segurando uma pedra para jogar no outro. Não só pedras, mas palavras virulentas, gritos exacerbados, acusações saídas de esgotos e ataques e contra-ataques de toda ordem. Um festim de mentiras, aleivosias, hipocrisias, leviandades, pois tudo farinha do mesmo saco, como dizia Totonho da Lagoinha. Aliás, foi o Velho Totonho que esboçou a mais perfeita definição de casamento político: É a união que já nasce para a traição.
Agora mesmo, em Sergipe, os laços matrimonias da política já estão, na maioria, sendo desfeitos. Os processos estão em andamento e as brigas e as queixas de parte a parte se acirram. Mas a expectativa é tamanha que tem gente já namorando com outras siglas e políticos antes mesmo que os vínculos se quebrem de vez. As conveniências mandam que o melhor agora seja apenas se vitimizar, dizer que está sendo traído e assim passar para a opinião pública a ideia de coerência. Contudo, todos sabem que nesse metiê não há vítimas nem culpados, mas apenas espertos tentando atrair atenções.
E logo novos namoros começarão, novas juras serão feitas e os afagos se darão de parte a parte. E de mãos dadas se mostrarão junto aos eleitores. Mas tudo com prazo de validade. Até somente os próximos pleitos ou mesmo antes. Quando o vencedor renega o apoiador, então o romance está desfeito.



Escritor
blograngel-sertao.blogspot.com
Rangel Alves da Costa
Enviado por Rangel Alves da Costa em 16/04/2018
Código do texto: T6310469
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rangel Alves da Costa
Aracaju - Sergipe - Brasil, 55 anos
9002 textos (229072 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/07/18 18:07)
Rangel Alves da Costa