Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A BURRICE QUE ENGANA

De modo singelo, pode-se obter em dicionário a seguinte definição de inteligência: “1.faculdade de conhecer, compreender e aprender. 2.capacidade de compreender e resolver novos problemas e conflitos e de adaptar-se a novas situações.” Não é muito, mas serve para a presente abordagem. Um gremista assiste a um grande jogo do Internacional, que vence e convence. Se mesmo assim disser, “ex imo corde”, que o time vermelho foi apenas razoável, que o árbitro o favoreceu, que o adversário era muito ruim, jogou desfalcado ou estava “no bolso”, é caso típico de falta de inteligência, salvo se for “flauta”. Fanatismo esportivo, político, religioso, seja lá qual for, denota absoluta ausência de descortino. É claro que não estou cogitando aqui de legítimos e duros embates, que envolvem paixão e ímpeto de convencer. Há momentos e momentos para a passionalidade e o facciosismo, que não têm lugar “em campo neutro”. O mesmo vale quando está em jogo o interesse pessoal. Se pleiteio algo em juízo, por exemplo, que me parece justo e perco a causa mediante argumentos sérios, sólidos e finais, é inconcebível ficar esbravejando e supor uma “conspiração” armada por múltiplos interesses. São inconformidades irracionais, que, piedosamente, designamos como “radicalismo”, “causa própria ou interesse ferido”, até paixão. Já fiz as competentes distinções quanto às circunstâncias: quando o desarranjo não tem fim e atropela é caso agudo de falta de inteligência ou pane intelectual. Na linguagem popular, é mesmo burrice, por mais apetrechada culturalmente que seja a criatura. O cara pode ser uma sumidade em física, no direito, em economia, em medicina, mas ter o pensamento absolutamente distorcido com relação à política, literatura, criação de filhos, ao papel da mulher na sociedade ou quanto à vida, em geral. Pode ser um grande físico, advogado, economista ou médico, mas, para simplificar, é burro. Conheci gente humilde, de mínimas letras, mas com visão de mundo de dar inveja a muito intelectual de proveta. Convém que ninguém se impressione com títulos e aparências. Havia um bordão num programa antigo de humor da TV, talvez no VIVA O GORDO, em que o personagem do Jô Soares arrematava “Homem de gravata eu respeito”.
José Pedro Mattos Conceição
Enviado por José Pedro Mattos Conceição em 13/06/2018
Código do texto: T6363586
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Pedro Mattos Conceição
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
422 textos (12388 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/06/18 10:15)
José Pedro Mattos Conceição