Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

## NARRATIVA BRECADA ##


Parou a narrativa de vez. Jogou o trem descarrilado serra abaixo. Olhou a cena, enxugou o rosto com as costas da mão. Não, não deixaria o trem seguir seu destino.
Por que não? Literatura é mundo sem lei, não existem algemas, não há o que desrespeitar. Ou há?
O suor frio insistia em escorrer, penetrando nos olhos, já confusos de emoção.
Narra! Narra e fica fora dessa!
Sim, sim, claro. Senão o que fazer com a cena engasgada, com os destinos que clamam por um fim. Mas não há fim, há reticências. Gostava de ser reticente, não no sentido de vacilo, mas os três pontinhos que significa algo que continua ou que pode ser interpretado de várias formas.
Seria um desrespeito largar o sujeito num trem e por um fim assim, fácil para ambos. Mesmo sendo ele um personagem vacilão, fraco, que não soube preservar sua imagem, muito menos tomar decisão. Não! Mata não!
Dava para sentir a respiração ofegante e tensa.
Durante a viagem pensava nas palavras que caberia dizer. Um embrulho na barriga, um desconforto de alma. Calafrios, nervosismo. Sentia os solavancos como tapas nas costas. Sou um bosta! Culpado! Mil vezes culpado!
Sentia pena. Mudaria a narrativa? Não. Não escute o que tem a dizer nem o jogue morro abaixo. Apenas o conduza, friamente, sem hesitação.
Tomou um banho, guardou sua sensibilidade, ajeitou-se diante da tela e decidiu, profissionalmente, o destino do covarde.
(Taciana Valença)
TACIANA VALENÇA
Enviado por TACIANA VALENÇA em 23/06/2018
Código do texto: T6372252
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TACIANA VALENÇA
Recife - Pernambuco - Brasil
1998 textos (152641 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/18 17:04)
TACIANA VALENÇA