Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Neymar nunca foi ídolo, nem farsante, mas é um excelente jogador de futebol


Neymar não é idolo, nem nunca foi um bad boy, ídolo foi Zico! Mas Neymar tem vaga no meu time, essa mistura de política e futebol não tem nada a ver em minha opinião. Na Copa de 94 quando disse que era besteira barrar o Romário, um sujeito olhou para mim com cara de nojo e disse que achava ruim alguém torcer por "aquele marginal", acho o contrário, Romário, apesar de polêmico, nunca foi marginal, sempre esteve no centro das atenções, muito mais até do que Neymar, mas depois de Maradona e junto com Garrincha foi o jogador mais importante para que um país ganhasse um campeonato mundial de futebol, e foi isso que eu disse ao camarada que me questionou, disse que Riomário ia ajudar o Brasil a trazer o caneco e, de fato, ajudou muito. Maradona, ao jeito dele, tão polêmico quanto Romário, é ídolo porque é argentino, deu exemplo de superação ao não morrer cheirando cocaína, aqui no Brasil Casagrande, que também foi viciado em cocaína, disse que os brasileiros tratam os viciados com preconceito igual a qualquer tipo de racismo; então, no Brasil, Maradona não seria ídolo! Os portenhos sabem idolatrar mais do que qualquer outro país do mundo, hoje os principais ícones idolatráveis argentinos são Che Guevara, Maradona e o Papa Francisco. Mas ao menos uma mulher os argentinos nunca esquecem: Evita!
O Brasil é o país mais burro do mundo na desconstrução dos seus ídolos e até mesmo dos seus heróis, tamanha burrice teve sua maior expressão quando Lula, o cefalópode, disse que o Brasil não possuía heróis desde Tiradentes! Lula a despeito dos méritos que teve como governante e que o mantem como sonho de muitos eleitores cabeça duras ou não, apesar da sua condição de presidiário (preso político?), se autodestruiu como líder político e como o ídolo em que poderia ter se tornado, é um caso a parte, aqui falamos de como os brasileiros são burros na desconstrução dos seus ídolos. Ronaldo Fenômeno em alguns aspectos de sua vida pessoal também se autodestruiu como ídolo, Romário idem, Pelé, pelas besteiras que fala também! Mas Pelé como jogador de futebol sempre será o melhor de todos os tempos.
Se eu tivesse influência para tornar algumas caras famosas, imprimiria um milhão de camisetas com os rostos de Tiradentes, Zico, apesar de seus fracassos em campeonatos mundiais e apesar de este cronista ser vascaíno, Tancredo Neves, o presidente morto, e o rosto de ao menos uma mulher: Clarice Lispector. Frei Caneca também mereceria uma camiseta, Guimarães Rosa também, a lista poderia aumentar, mas esta é um crônica breve sobre a falta de inteligência nacional, e na falta de inteligência paro aqui.
Em tempo: Viva Airton Senna.
Fabio Daflon
Enviado por Fabio Daflon em 12/07/2018
Código do texto: T6387849
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Fabio Daflon
Vitória - Espírito Santo - Brasil, 64 anos
4020 textos (100621 leituras)
13 e-livros (110 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/09/18 14:57)
Fabio Daflon

Site do Escritor