Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mamãe Monstro

   Estava dando uma olhadinha nos dvd´s do nascimento do meu filho e fiquei apavorada, horrorizada, escandalizada, chocada com a minha feiúra no nascimento do guri. É tudo muito lindo, muito maravilhoso. Para os outros que não estão na posição de mãe.

    Eu lá, com a boca parecendo uma câmara de caminhão virada ao meio e o nariz do tamanho de uma jaca, tentando sorrir ao ir para o matadouro. Sim, porque essa é a sensação. Não sabemos o que nos espera na sala de parto e temos a nítida sensação de que estamos a caminho de um.

    O medo que todas as grávidas têm da cesariana e tudo que a envolve, esse passa batido, porque na verdade não sentimos dor alguma ao “darmos a luz”. Lembro bem da cena. Pedi ao meu marido que conferisse com um beliscão se estava bem anestesiada antes de começarem a “me carnear” e quando ele foi dizer isso para o médico a barriga já estava na quinta camada de graxa a ser cortada. Percebi que ele ficou meio estranho, mas deu uma boa disfarçada.

    Enfim, o nascer do filho acontece em meio a muita euforia e na maioria das vezes nos contam só a poesia. O novo papai, a nova mamãe e o filhinho. Mas a verdade nua e crua constatamos depois e isso ninguém nos conta antes.

    Mudam a gente de posição como um saco de batatas pra tudo que é lado. Limpam a bunda da gente como se fosse um telefone. E tu lá. Inflada. Explodindo de gorda e de felicidade. A felicidade é tanta, que se esquece até da feiúra. Só se pensa no bebê.

    Sabe aquelas fotos clássicas que todo mundo tem no hospital? O papai lindo, magrinho, com a aparência normal com seu filhinho no colo e a mamãe... Bem a mamãe fica virada num bofe, com a cara deformada, toda escabelada e por estar deitada a papada fica mais evidente ainda.

    Como se não bastasse as enfermeiras enfiando as mãos em meus seios para fazer descer o leite, depois minha irmã tentava espremer mais um pouco. Não duvidaria de mais nada, nem se alguém começasse a chupar meu seio para ver se descia aquele leite teimoso. Eu já estava apavorada. Senti-me uma vaca leiteira deficiente ainda por cima, pois todo mundo tentava tirar leite e não conseguia. Ter filho é assim? Eu pensava que era como nas poesias.

    Não importa. Divirto-me com a mamãe monstro que fui durante alguns meses, mas afirmo que valeu muito à pena e que daqui uns dias vou estar horrorosa de novo com muito gosto. Porque não existe nada nesse mundo que substitua a alegria e a explosão de amor que é gerar e parir um filho.

     Mesmo que pra isso a gente tenha que assumir o papel de “um monstro que foi picado por diversas abelhas” para poder dar a chance de o filho atuar no palco da vida.
Renata Miranda
Enviado por Renata Miranda em 05/09/2007
Reeditado em 05/09/2007
Código do texto: T639819

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Renata Miranda
Caçapava do Sul - Rio Grande do Sul - Brasil, 37 anos
44 textos (10964 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 08:32)
Renata Miranda