Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pais, Filhos e Listas

 
Faço listas como sempre as fiz. A vida se organiza assim: listras de zebras  e vistas de águia.
 
Em minha idade de grisalhos que vão caindo sobre a blusa de lã, na cama que deito ou no chão que começo a arrastar os pés faço rol de medicamentos e suplementos para recuperar um pouco a vitalidade que já não tenho mais. Com esta lista na mão vou à farmácia e encontro amigos que lá estão. 
 
Sinto um privilégio e nenhum amargor há nisto: envelheço em uma época que a expectativa de vida aumenta. Meu pai não teve este privilégio e nem listar cuidados podia. Sua “macheza”  não deixava e o punha completamente na dependência de quem tinha paciência e reconhecimento. A cultura era outra e ditava: homem que é homem não se cuida: tem que fumar,  beber e desafiar a vida. Cuidado era sinal de fraqueza.
 
Lembro-me de tantas outras listas!
 
Trago a reminiscência de minhas listas de material escolar: cadernos, livros, estojos... sempre encapados pela minha mãe ou irmãs. Meu pai nem olhava. Homem não tem estes cuidados que são tarefas femininas.
 
Mas saudade mesmo era quando eu saía com meu filho para   comprar as listas de seu material que a escola havia pedido para sua aprendizagem. A mentalidade mudava:  “pai que é pai tem que participar”!
 
Outra foi quando meu filho se apresentou para o serviço militar obrigatório. Fomos nós comprar uma parafernália que havia naquela lista que o recruta tinha que providenciar. Eu, enquanto isto, no início daquele ano,  tinha que organizar listas de material didático para meus alunos do ensino fundamental e médio. E tinha que organizar a lista bibliográfica para meus alunos do ensino superior.
 
E aí meu pai, telúrico que eu  sou, já era um rol de substância química oriunda de sua forma biológica e física. Eu sei, ele vive no céu de nossas memórias.
 
Enquanto meu filho prepara sua lista de material de construção que tem que providenciar para o engenheiro civil construir sua casa, eu o chamo de lado e lhe digo:
– Tenho que fazer a lista da farmácia! Anote aí...
 
E aí vão  os remédios terminados em “mol” e “flex” para as dores, as vitaminas e minerais de A a Z, os ômegas, os cloretos, os de tireoide, os de... Logo entrará na lista  os remédios  para o Mal de Alzheimer e Parkinson. 
Nada anormal. Tudo natural! A vida segue suas fases.
 
Eu hoje listei tantas saudades de presenças e ausências de ti que nem mais crédito ou débito imprimo: saldo zerado. Tudo  memória virou que aos poucos, como nós, também se esvai.
 
Foto:  Bolo para homenagear os PAIS. Delícia da Grace Kelly do
 https://www.facebook.com/atelierduchocolate/
 
 
Leonardo Lisbôa
Barbacena, 08/2018
Direitos do texto e foto
reservados e protegidos segundo
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998.
 
 
 
Gosta de Poesias e Crônicas?
Então curta a página POETAR:
https://www.facebook.com/PoetarPoesiaArte
 
 
_ POETAR_
https://www.facebook.com/PoetarPoesiaArte/
http://www.leonardolisboa.recantodasletras.com.br/
#poetarfacebook      #leonardolisboarecantodasletras
 
 
 
ESCREVA PARA O AUTOR:     
conversandocomoautor@gmail.com
 
Leonardo Lisbôa
Enviado por Leonardo Lisbôa em 10/08/2018
Reeditado em 10/08/2018
Código do texto: T6415171
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Leonardo Lisbôa
Barbacena - Minas Gerais - Brasil, 59 anos
1709 textos (36896 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/10/18 15:14)
Leonardo Lisbôa

Site do Escritor