Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

As cores das letras

   

   Não sou eu quem escolhe as palavras, certas ou erradas.
   Sim, são elas que me escolhem, ocultando-se no sótão de meu cérebro, naqueles nichos despercebíveis e ocultos. Um eterno brincar de Esconde Esconde, para se achar a hora certa e a medida exata.
   Quando não percebidas, em outras ocasiões,  brincam com minha boca de onde saem, às vezes, sem minha permissão.
   No entanto, as tímidas palavras, mas persistentes, cutucam o cérebro, coçam a garganta, passam e-mails à minha pessoa, pois desejam a liberdade imediata. E se não as atendo no ato, ou elas desistem e morrem de impaciência; assim, como punição as esqueço de imediato, ou resistem até o fim e explodem exalando sentimentos e impressões.
   Daí, não sou eu quem as escolhe, mas elas que vivem em mim, decidem a hora do parto, partindo em letras, traços, imagens, desejos e sons.
   E ao partirem, tanto umas como as outras, deixam a casa limpa; porém vazia, querendo a alegria de novas palavras em família, correndo soltas em meu cérebro espaçoso e bobo.
anna celia motta
Enviado por anna celia motta em 11/10/2018
Reeditado em 11/10/2018
Código do texto: T6473410
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
anna celia motta
São Paulo - São Paulo - Brasil
789 textos (15381 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/18 19:45)