Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CALOR MUNDANO

O sol estava a pino, incontrolável e ao mesmo tempo sutil, menosprezando os seres desfigurados no asfalto quente. A brisa que dobrava a esquina, mais parecia um ventilador antigo,  soprando dizeres aos ouvidos dos transeuntes desfigurados pelo calor mundano.

Sorrateiramente, no arbusto verde da Praça da Estação, um menino  faminto, se deleitava com restos de comida. Apenas um garfo de plástico quebrado e um marmitex  consumido pelas moscas no dia anterior. Em frente à cena, uma senhora enojada procurava os trocados que não foram devolvidos na padaria. Ao lado, um homem que contava as moedinhas prestes a entrar na porta do prostíbulo da Rua Paraná, trombara num poste de luz. As moedas que dão pão e prazer se perderam.

Diante do calor mundano, a senhora com a sacola de pão caminhava lentamente, o homem com as moedinhas que sobraram tomava cachaça no boteco, enquanto o menino começava a mascar a carne esverdeada e bicava a água da fonte luminosa.

Osório Antonio da Cunha
Enviado por Osório Antonio da Cunha em 17/09/2007
Código do texto: T656312

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Osório Antonio da Cunha
Goiânia - Goiás - Brasil, 42 anos
75 textos (4602 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 22:24)
Osório Antonio da Cunha