Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BOPE - TROPA DE ELITE

Gravação no Morro da Babilônia



Estavam sendo feitas gravações no Morro da Babilônia para o longa-metragem “BOPE: Tropa de Elite na Babilônia" e fui conferir a coisa. Estava  em uma festinha de aniversário, quando da janela vi uma enorme lua atrás da igreja. Não estava bebendo nada, a não ser coca-light. De repente  alguém me disse:” Ô, Vera Maria, não é lua não, é a gravação de um filme. Você não viu no elevador o aviso?” Fui correndo ver: “A Zazem Produções Audiovisuais está produzindo seu longa-metragem.... e tal...entre os dias 25 e 31de novembro, em algumas cenas irão ser disparados tiros de festim.”

Falei para a turma que eu iria subir o morro de moto-táxi. Ninguém se habilitou a me fazer companhia. E fui. Cigarro, cinco reais e identidade. Ao chegar, estava sendo gravada a cena de um baile funk no pátio da Babilônia. Lá fiquei, extasiada, quando um rapaz muito simpático falou comigo, perguntando se eu era figurante. Disse que não, que estava ali só pra checar,ver o que tava rolando.  Ele ficou meu amigo, trocamos telefones, pegou água e café pra mim. Numa determinada hora (a cena foi repetida umas trocentas vezes), enquanto lá permaneci 45 minutos ao todo, apareceu um japonês com uma prancheta na minha frente, anotando nomes.  O garoto me chamou e colocamos nossos nomes e telefones eu nem sabia pra quê.  Quando vimos, havíamos furado uma fila de umas cinqüenta pessoas, mas ninguém reclamou, ninguém xingou, ninguém disse nada. Parecia que isto era muito natural. Era para o jantar. Deveríamos nos encaminhar à Quadra Esportiva, onde seria servida a refeição. Detalhe: era mais ou menos onze e meia.  Não fui porque estava na festinha e já havia comido bastante. Imagina! Resolvi ir embora. Estava de bom tamanho para aquela noite. Desci de moto-táxi. Muito legal! Ao chegar no final da tortuosa Ladeira Ary Barroso, estava zonzinha com a descida. Adorei!

Adorei tanto que na sexta-feira fui para lá de moto-táxi novamente 01:30, sozinha, e lá desembarquei. Logo fiz amizade com um cara de cinqüenta anos, o Gusmão, que é figurante, morador do morro, como eles mesmo se auto-denominam “morráquio”, e que inclusive é aposentado e camelô e vende suas bijuterias na Gustavo Sampaio, muito simpático, que me trouxe café e biscoito, e um rapazinho bonitinho que ficava toda hora falando comigo, me chamando pra lá e pra cá, trazendo café e biscoitos. Também. Num dado momento perguntei se ele era da produção, figurante, ou se fazia faculdade de cinema. Ele riu e respondeu: “Não. Eu sou ator. Na verdade só fiz dois filmes até hoje”.  Perguntei quais e ele disse: “Dois filhos de Francisco. Eu fui o Zezé de Camargo adulto. Meu nome é Thiago Mendonça”.  Disse a ele que havia visto duas vezes. E Thiago perguntou tão simplesmente: “Você gostou do filme?”.  Ao que eu respondi que sim, que tinha me emocionado e até chorei..

Fiquei amiga do Thiago, que a todo o momento vinha me perguntar se queria alguma coisa. “Olha, ali tem água; olha ali tem café e biscoito; Vera, você não está com frio? Você trabalha onde? Faz o quê?”... etc.
A cena que estavam filmando era a da captura do “fogueteiro” pelo esquadrão do BOPE, cujo chefe era o Wagner Moura. Muito lindo, -não imaginava que o fosse - e simpático, por sinal.

O filme é baseado em fatos reais, relatados pelo Coronel Pimentel. Dirigido por Marcos Prado (de Estamira), e produzido por José Padilha, que a cada corte mudava tudo na cena. O “fogueteiro” iria só ser capturado, e assim, muito ao vivo, muito louca a coisa, ele resolveu que iriam matar o pivete. Estava de casaco sem capuz, e, na cena seguinte, Padilha resolveu colocar capuz. O maior barato!
Coisas muito loucas aconteceram. Os galos do morro resolveram cantar às 03h40min, pois havia muita luz dos refletores. Deduzi que isto mexeu com a melatonina deles. Os cachorros começaram a latir e fugiram ganindo ao serem disparados os tiros que mataram o menino.

Fiz amizade com os pais do “fogueteiro”, Janete e Wladmir, que estavam lá quietinhos num canto, sem falar com ninguém. Muito na deles. Trocamos papos, ela me ajudou com os nomes das estrelas do filme e o que rolava na cena. E sobre o roteiro. Trocamos telefones e e-mails também, enfim trocamos muitas figurinhas.
Filei cigarro e dei um maço de cigarro “Black” para uma moça que morava lá e era figurante.

Um outro, que também estava nas filmagens, e é da Babilônia, me contou a triste história dos “fogueteiros”, que sempre, invariavelmente, acabam morrendo. Seja por massacre, assassinato ou drogas. Comovente.

Assim foi, quando eu, com frio, peguei um roupão de um figurante  e fiquei vestida com ele até a hora em que as filmagens acabaram. Precisei ir ao toalete e me mandaram para o camarim. Ao entrar no camarim, era uma casa de morador, havia colchonetes, e uns caras estavam dormindo. Pé-ante-pé, para não fazer barulho, entrei e da mesma forma saí. Com cuidado. Nossa! Foi demais! A esta altura, já não me interessava saber as horas, não tinha mesmo mais moto-táxi, e fiquei até o fim, aproveitando um belo sol a nascer atrás do Morro do Leme, mais conhecido como Pedra do Leme. A turma da filmagem desceu até um barzinho, onde uma moça muito simpática não quis cobrar, um copo de leite gelado pois  eu estava sem dinheiro.  O Wagner Moura estava exausto, transpirando muito, embora estivesse frio. Parou ao meu lado e pediu uma cerveja “bem gelada”. Muito gato! Muito mesmo. Os pais do Brian, “o fogueteiro”, tiraram fotos nossas, ele,Wagner,Thiago e eu.

Desci sozinha a ladeira, a pé, e fui revolvendo a minha adolescência, ao passar pela casa do Zé Roberto, um antigo namorado, o terreno onde a família Burle Marx morou, e tive altos insights. Uma súbita sensação de adolescente realizada me invadiu avassaladoramente. Estava nas nuvens!
Me senti a própria personagem do filme “A Rosa Púrpura do Cairo”, invadindo a tela e vivendo a ficção da minha liberdade.



























Vera Sarres
Enviado por Vera Sarres em 18/09/2007
Reeditado em 11/11/2007
Código do texto: T657173

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.sitedoautor.net"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Vera Sarres
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
114 textos (4197 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 02:24)
Vera Sarres