Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
"Latifúndio ou invasão?"

Eu não queria novamente voltar a escrever sobre a temática “amor”, é no íntimo que se constrói a persistente negativa sobre tal sentimento. Creio na minha própria transformação como uma seqüência daquilo que chamo: aprendizado. Ou você se fortalece ou sempre estará repetindo inúmeras vezes aquela famosa frase “eu te amo”, sem ao menos tomar consciência de que é fútil sentir sem a devida definição do tal sentimento.

Já tentei ver a problemática sob outra perspectiva: “amor é latifúndio, sexo e invasão”; mas tive a prova de que nem sempre a prática elimina a teoria. A prática pode ser a derrocada final, terminando assim naquela “baba” lírica, ou melhor, no brilho dos olhos ao mirar o ser amado, isso é romântico demais.

Talvez você esteja aí pensando: “nossa, como a Anita é mal amada”; e não tiro sua razão, tenho resistência em tocar em tal assunto, pelo simples fato de não querer aceitar o que realmente sinto. Mas, mal amada? Nunca. Fui tão bem amada, que assim fiquei: irresistivelmente intransigente.

Provavelmente o suposto dono do meu coração esteja também relutando contra o tal sentimento. É nato do ser humano confundir sensações com alucinações, se bem que eu não agi como uma alucinação; fui real e enfática, tanto é que acabei caindo na minha própria armadilha. Eu insisto em subestimar as ações masculinas. 

Eu tenho o péssimo hábito de tirar conclusões precipitadas, tanto que me condeno por antecipação. Puno-me com castigos severos, tudo por conta desta minha “maldita” intransigência.

Mas quem é que nunca agiu por pura impulsão? Será que você sempre foi meticuloso em suas decisões, será que sempre aceitou pacificamente um sentimentozinho nascido de uma amizade pura e ingênua? Como é difícil questionar, avaliar e condenar suas próprias atitudes, não é mesmo?

Então, sempre quando me deparo com a página inicial do Recanto das Letras faço uma breve análise por título e sempre chego a triste conclusão: “nunca aceitarei o que realmente sinto”. A explicação para tudo isso? Não sei. É isso, eu não sei.






Anita Fogacci
Enviado por Anita Fogacci em 19/09/2007
Reeditado em 10/01/2008
Código do texto: T658723

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Anita). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Anita Fogacci
Cabreúva - São Paulo - Brasil, 45 anos
532 textos (38856 leituras)
1 e-livros (264 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 01:55)
Anita Fogacci