Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
CORAÇÃO DE MULHER...

CORAÇÃO DE MULHER…

Era um medo gigante de enfrentar a vida sozinha, com os filhos para criar, que mantinha Isabel na companhia de Roberto. O homem era um traste. Não era assim a princípio, mas foi se transformando conforme foram enfrentando as agruras da vida. Quando ficou desempregado por falência da empresa, enredou-se em más companhias. Homens que se aglomeravam na porta do Sindicato ou nos pequenos bares das redondezas. Roberto começou a beber. Passou daí em diante a ser rude com a mulher, até na frente dos filhos. Dando início a uma atitude que viria a ser rotineira. Isabel suportava calada. Seu pânico era evidente, como seria a vida sem aquele homem? Teria condições de cuidar das crianças? No início não trabalhava por exigência do marido, mas como ele seguia desempregado, começou a fazer e vender doces pela vizinhança. Assim que soube, Roberto começou a agredi-la por ciúmes. Finalmente tomou coragem e resolveu romper aquele casamento de nove anos. Não aguentava mais os maus tratos, e além disso, a venda dos doces é que punha alguma comida em casa já há algum tempo. Deixou os filhos com a mãe, e foi para casa esperar o marido para comunicar sua intenção de deixa-lo. Já passavam das nove da noite quando Roberto chegou, bêbado como sempre, comeu com requintes de deselegância, reclamando da comida, arrotando e desacatando a mulher. Quando finalmente entrou no assunto da separação, Isabel viu seu marido se transtornar. Empurrou a mesa para o lado derrubando a comida. Levantou-se e completamente fora de si apontou o dedo para o nariz da mulher e disse “eu te mato! Se você repetir essa bobagem eu TE MATO”. Isabel estava resoluta dessa vez e ignorando a ameaça falou “Bom, se você não sair de casa, saio eu e as crianças”. Roberto enfurecido começou a gritar impropérios e agredir a mulher que tentava se defender. Sendo mais franzina Isabel recebeu uma bofetada que a fez sair do chão e cair entre a mesa e a pia da cozinha. Tentou erguer-se, sua mão alcançou uma faca sobre a pia. Roberto não se conformava com aquela conversa de separação e avançou para mostrar à mulher quem era o dono do pedaço. A última coisa que viu, foi o brilho da lâmina mergulhando macio em seu abdome, e a mulher dizendo “Eu não vou apanhar mais seu bêbado miserável”. Isabel repetiu o gesto várias vezes, até ver o marido com os olhos esbugalhados cair no piso frio da cozinha. Quando recuperou a razão, seu primeiro pensamento foi de arrependimento e de dúvida. “E agora, o que vou fazer sem ele?”. Tem base?
Ailton Vilela
Enviado por Ailton Vilela em 15/04/2019
Código do texto: T6624255
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ailton Vilela
Goiânia - Goiás - Brasil, 67 anos
79 textos (1421 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/04/19 11:11)