Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VIAGEM A MG

AQUELA VIAGEM A MINAS

Nelson Marzullo Tangerini

          Um vento gelado me leva à canção que escrevi, certa vez, em Curvelo, pequena cidade de Minas Gerais, no meio do caminha para Diamantina, de parceria com Nelson Maia Schocair e Roberto Carlos Costa de Oliveira: “Amigos, fotografias, trem fantasma, ferrovias, gente me recriminando, 2322. Quase digo adeus ao mundo; por um triz, por um segundo, não te vejo mais meu Rio, 2322. Nesse doce mistério, vândalo vampiro da noite me aparece de repente, com a certeza indecente de estar jurado, de estar marcado, como um cavalo bravo, como um cavalo bravo”.
          Fotografias perdidas, que não pudemos revelar e o tempo não traz de volta; fotografias que ficaram registradas em nossa memória. Porque Roberto, distraidamente, abriu a câmera fotográfica, depois de ter tomado um aperitivo.
          Aquele amigo se foi. Carregou consigo a tristeza que nunca soube transmitir. E eu queria lhe dizer que a sua vida poderia ser mais longa e bela. Ficam na memória aqueles momentos em que a felicidade, fruto de nossa grande amizade, brilhava em nossos corações e olhos imaturos. Música e viagens, meninas e Minas eram nosso universo.
          Trens fantasmas, ferrovias, e um carro assassino [2322] veloz, audacioso, tentando tirar a vida de meu xará, Nelson Maia Schocair.
          Naquela noite, dormimos na casa de nossa amiga Marta. Ela tinha um quarto com três camas. Schocair, de cara, ficou com a cama de lençol azul. E Roberto e eu ficamos com as camas de lençol rosa e roxo. Houve um cara e coroa entre nós dois e eu fiquei com o roxo, o que ninguém queria, depois do episódio do carro 2322.
           A árvore dos enforcados, robusta, cheia de vida, contava histórias de mortes, enquanto vozes tristes tentavam nos pedir socorro e prece.              Mas por que  pensar nisto, agora? Por que pensar naquele amigo que não está mais presente entre nós? É que a idade avança e costumamos nos lembrar dos amigos que se foram. E eu queria homenagear Roberto, aquele amigo que assistiu comigo ao show de Mercedes Sosa, no Ginásio Caio Martins, em Niterói. Depois do show, fomos ao Hotel NovoRio, onde a cantora argentina nos recebeu. Já escrevi sobre isto, numa crônica dedicada à Argentina.
          Um vento gelado, um vento mineiro, leva minha triste canção ao amigo ausente para sempre.
          Roberto, receba, em sua nova morada, o meu abraço amigo. Nelson.
Nelson Marzullo Tangerini
Enviado por Nelson Marzullo Tangerini em 14/07/2019
Código do texto: T6695626
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nelson Marzullo Tangerini
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 64 anos
310 textos (24098 leituras)
9 e-livros (127 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/10/19 18:01)
Nelson Marzullo Tangerini