Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Travessia

No fundo do poço da minha alma, nasce um monstro todos os dias. Quando adultos parecem bois guzerás, seus chifres são espadas que cortam o céu como se fossem navalhas nas mãos de  barbeiros. Seus corpos avantajados me assustam literalmente. Já tentei de todas as formas tapar esta cacimba, porém quanto mais tento, mais a alimento. Dizem que são esses monstrengos que nos protegem e que, sem eles, nossas vidas seriam mais complicadas do que já é.

Ainda há pouco estava pensando. Isto é uma raridade em mim, quando me ponho a meditar fico maluco, tudo me leva a labirintos escuros e sombrios. Cada pensamento me custa algumas horas e às vezes dias de sono. Acredito que, para a minha doença, só existe um remédio: a morte das vacas de Presépio.

Veja que coisa complicada: por que você me cheira? Por que você anda pelado? Por que você toma remédio? Estes atos são corriqueiros em nossas vidas, os fazemos sem nem ao menos nos perguntar o porquê de tudo isso. Na maioria das vezes fico é rindo de mim mesmo, pois para mim, não existe nada mais bonito do que as flores; nada é mais belo do que o corpo desnudo e, ainda assim, nos vestimos dos pés à cabeça. E os remédios? Por que os tomamos se nem ao menos conseguimos ler suas bulas?

Certo dia um dos meus ilustres amigos foi atacado por uma cobra. Quando deparou com os dois furos que ela havia deixado em uma de suas pernas, danou a gritar: “traga uma garrafa de pinga”. Imediatamente lhe deram frasco. De um só fôlego bebeu todo o líquido. Não satisfeito pediu novamente que lhe trouxessem uma nova garrafa. Sem pestanejar, tomou a segunda em dois tempos. Não satisfeito pediu outra e mais outras. No último suspiro, sequer sabia o que estava fazendo. Resultado: ficou o resto do dia desacordado. Quando voltou à tona, pensando que estivesse do outro lado do mundo indagou: “será que vou ter que morrer outra vez?” Detalhe: a cobra não era venenosa.

__ Putz! O meu maior prazer é saber que os bois que criei quando era um garoto que amava os Beatles e os Rolling Stones, são os mesmos de hoje “a gente marca, tange, fere, engorda e mata”. Sem eles provavelmente eu seria um psicopata.
Pedro Cardoso DF
Enviado por Pedro Cardoso DF em 29/09/2007
Reeditado em 04/10/2017
Código do texto: T673955
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedro Cardoso DF
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 69 anos
4493 textos (98306 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 05:54)
Pedro Cardoso DF