Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SERÁ QUE COMPREENDI?

Chegando-me às mãos o livro de Wislawa Szymborska (pronuncia-se Vissuáva Chembórska, segundo li na internet), detentora do Premio Nobel de Literatura de 1996, imediatamente fui ler a poesia que lhe empresta o nome, “Um Amor Feliz”, onde a poetisa começa indagando:
“Um amor feliz. Isso é normal,
isso é sério, isso é útil?
O que o mundo ganha com dois seres
que não veem o mundo?”
Confesso que fiquei intrigado! Afinal, a mim parece trivial que um amor seja feliz, assim como se pode dizer que quem é feliz no amor é porque o vê com seriedade e  nunca me passou pela cabeça perquirir sobre a utilidade do amor ou sobre a contribuição que amantes felizes possam dar ao mundo, embora acredite que, no geral, pessoas felizes contagiem outras menos felizes e tendem a encarar o mundo de uma forma melhor ou menos ruim.
Segui com a leitura e na segunda estrofe encontrei a afirmação de que no enaltecimento mútuo dos felizes amantes não há mérito algum: “Enaltecidos um para o outro sem nenhum mérito...”; é injusto para com os outros: “a luz cai de lugar nenhum – por que justo nesses e não noutros? Isso ofende a justiça? Sim.”; e amoral: “Isso infringe os princípios cuidadosamente acumulados? Derruba do cume a moral? Infringe e derruba ,sim.”
Não alcancei o significado deste quadro desolador. Seria uma proclamação de inveja da felicidade alheia ou da incapacidade de amar? Não sei dizer.
Adiante o poema nos manda observar os amantes felizes e nos induz a acreditar que a manifestação, sem disfarces, da felicidade deles é capaz de nos causar algum mal e que “é um insulto” e “parece um complô contra a humanidade!”, apontando nas próximas estrofes que imitá-los poderia afastar as pessoas da religião e da poesia, como se para elas – a religião e a poesia - mais importância teriam o desamor e a infelicidade. Indagando, ainda, sobre a necessidade do amor feliz e afirmando sua inutilidade na procriação humana, dado tratar-se de uma raridade.
Notei aqui algum ceticismo em relação ao amor e a felicidade, enquanto dons inerentes a toda e qualquer pessoa. Prossegui lendo:
“Os que não conhecem o amor feliz que afirmem
Não existir em lugar nenhum um amor feliz.”
Esses versos me pareceram conter uma incoerência em relação a todo conteúdo anterior, na medida em que dão a impressão de enobrecer o amor e a felicidade dos que amam,  produzindo em mim, por isso, o sentimento de incapacidade de compreensão do poema, mas segui adiante e li no último verso:
“Com essa crença lhes será mais leve viver e morrer.”
Esse derradeiro verso, me fez reler o poema uma, duas, três vezes, até extrair dele a conclusão de que a poetisa o tempo todo exorta o leitor a refletir sobre a necessidade de amar, através da percepção de que se assim não o fizer terá que conviver com sentimentos menos nobres e fechar os olhos para a possibilidade de ser verdadeiramente feliz.
Se estiver errado, me rendo: este poema é inacessível para mim.
Hegler Horta
Enviado por Hegler Horta em 31/10/2019
Reeditado em 31/10/2019
Código do texto: T6783783
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Hegler Horta
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 73 anos
232 textos (10633 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/04/20 06:14)
Hegler Horta