Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DE VOLTA AO PARAÍSO

        Caros leitores, peço desculpas a quem estava esperando por um conto ou poesia, mas, hoje não estou aqui para falar de literatura. O que tenho a dizer não é de nenhum modo agradável, no entanto, não posso adiar a palavra.
        Na quinta-feira, 7 de novembro de 2019, por 6 votos a 5, o Supremo Tribunal Federal (STF) barrou a prisão de condenados em 2ª instância. Decisão que beneficia, sobretudo, criminosos do colarinho branco condenados por crimes de corrupção, porque pobre não tem dinheiro para recorrer até o chamado trânsito em julgado, quando o próprio STF dá a palavra final sobre a condenação.
        Especialistas analisam que essa decisão foi um golpe fatal no coração da Operação Lava-jato, pois quem fará de agora em diante acordo de delação premiada sabendo que poderá recorrer da sentença sem ser preso e com grande possibilidade de que seus crimes prescrevam? Além disso, muitos corruptos que estavam atrás das grades serão soltos.
        Perde a Lava-Jato, mas nós, cidadãos de bem, perdemos muito mais, pois o Brasil volta a ser a República da corrupção e da impunidade.
        Com direito, os militantes de esquerda podem finalmente gritar seu mantra de Lula livre. Contudo, Lula e outros líderes hão de passar logo, porque a morte não faz concessões. O Brasil terá de sobreviver sem seus pseudomessias. Precisamos de segurança jurídica e de leis rígidas, capazes de demonstrar aos criminosos que o crime não compensa. Todavia, a visão que temos no momento é a de que o crime compensa sim. E vejam, não são somente os crimes associados à corrupção que ficarão impunes.
         Se um poderoso empresário ou playboy filhinho de papai sair de uma balada embriagado e atropelar seu filho que voltava da faculdade, saiba que é quase certo que esse assassino irresponsável e covarde ficará impune, pois seus excelentes advogados impetrarão recursos até não poderem mais. E como justiça que tarda é justiça que falha, ocorrerá a prescrição do crime, isentando o assassino de qualquer pena prevista no Código Penal.
        Juristas afirmam que tanto os que foram contrários ou favoráveis à prisão após a 2ª instância, possuem argumentos válidos. O que fazer então diante duma situação dessas? O óbvio, para quem pensa no bem da nação, é escolher sempre a opção que oferece mais benefícios, equidade e ordem à sociedade. No entanto, seis ministros do STF não pensam dessa forma e num país que se diz democrático, estabeleceram a ditadura do Supremo.
        O recado do Supremo é claro: "No Brasil bandido deve ser tratado com carinho e com perdão de seus crimes".
       Eu, Aldrin Marcelo Félix, brasileiro indignado e envergonhado dessa nossa Justiça para Ricos e Poderosos, afirmo que enquanto o Congresso Nacional não criar vergonha e votar uma lei que restabeleça a prisão após a 2ª instância, não votarei em nenhum candidato _ em quaisquer esferas do poder _ pois quem protege bandido, corrupto e é leniente com a corrupção não me representa.
        E você, o que fará pelo presente e o futuro do seu país?
Aldrin M Félix
Enviado por Aldrin M Félix em 08/11/2019
Reeditado em 09/11/2019
Código do texto: T6790206
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aldrin M Félix
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil, 43 anos
433 textos (62885 leituras)
2 áudios (89 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/11/19 00:15)
Aldrin M Félix