Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A volta do prazer esquecido

A volta do prazer esquecido
“Por isso escrevo em meio
Do que não está ao pé,
Livre do meu enleio,
Sério do que não é,
Sentir, sinta quem lê !”
 Fernando Pessoa

Como eu havia previsto, esta semana foi muito corrida. Quase não fiz nada do que deveria ter feito, restringindo-me apenas a planejar ações futuras que, muito provavelmente, jamais ocorrerão. Estou em débito comigo mesmo, e isso me aborrece. Deixei de lado o Conto Conspiratório, assumo agora em público, não por achar que a história seja ruim, mas não tenho paciência no momento para pesquisar sociedades secretas, tampouco criar um clima de suspense. Não quero, nem vou, engavetá-lo como fiz com vários projetos meus. Apenas uma pausa nas atividades, para que eu possa limpar minha mente de assuntos conflitantes. Tenho urgência em resolver algumas pendências de minha vida pessoal, por isso, talvez seja a melhor explicação, não tenha conseguido dar cabo ao projeto firmado há exatamente um ano. Sei que quando livrar-me dos meus tormentos, a história fluirá como no começo e a trama se mostrará límpida como água de fonte — péssima comparação.
Mas nem tudo são espinhos, há também as rosas. Por falar nisso, minha primeira seleção de poemas foi intitulada “Espinhos e Rosas”, em 1996, com quinze anos de sofreguidão sobre a terra; selecionei cerca de cem poemas, todos ultra-românticos, e distribuí algumas cópias para os bons amigos. Mas voltando as benditas rosas, resolvi voltar a participar de concursos literários, depois de bons anos longe dessa loucura. Nem me lembro da última vez que enviei um texto para um concurso, tamanha a minha birra com bancas avaliadoras. De 2000 para cá, meu último contato com prêmios de literatura foi como jurado e membro de, isso mesmo, bancas avaliadoras, para meu próprio espanto.
Não sei se o que me levou a me expor dessa forma foi a vontade de competir com outros colegas em igual situação, se foi por não agüentar mais ouvir o editor dizer que publicar poesia hoje é complicado, ou ainda se a falta de dinheiro pesou em minha decisão, o fato é que, juntamente com Mariana, estou a selecionar o material que já possuo para montar um volume de aproximadamente 80 páginas para o concurso José Lins, de João Pessoa. Tenho material até de sobra, mas de qualidade discutível. Lembrei-me agora de uma história muito engraçada ocorrida com um poeta contemporâneo que enviou à editora algumas poesias e, na página final, pôs o seguinte recado: Não se preocupem, há mais lenha no forno. Passados alguns dias, recebeu a resposta do editor: Que bom para você. Quando tiver poemas, mande para nós.
Estamos ainda na metade do trabalho, nesta semana conseguimos escolher vinte poemas dentre cem. Falta muito ainda para lermos, avaliarmos e revisarmos. Certamente terei que fazer ainda algumas correções, pois tenho a péssima mania de escrevê-los e abandoná-los como um cafajeste que, depois de saciar suas necessidades, deixa a mulher entregue a sua própria sorte. Assim, terei que conquistar meus versos novamente para poder dar-me ao luxo de alterar algumas de suas imperfeitas construções.
Não satisfeito, também decidi participar do concurso literário promovido pela Fundação Escola de Serviço Público do Rio de Janeiro, FESP. Desse, terei o prazo para entrega um pouco maior, mas em contrapartida, a tarefa também. Concorrerei com três poemas inéditos e, três contos também inéditos. Quanto aos poemas não perco o sono, pois, como já mencionado, não me falta material, mas os contos, nenhum dos que tenho estão dentro das regras publicadas no edital. Ser limitado a um número de páginas é o mesmo que tolher a criatividade de uma criança. Portanto tenho que escrever novas histórias que correspondam ao exigido. Comecei dois deles recentemente, mas o que brinquei hoje já me agradou deveras. Só não sei se uma história erótica agradará a maldita banca. Pagar para ver é o que me resta.
Já que esse texto versa sobre voltas e reviravoltas, novamente me pus a poetar com prazer. Escrevo pelo menos um poema por dia e tenho me sentido satisfeito com o retorno textual. Claro que a inspiração vem de Mariana e nossa deleitosa relação. Depois de muito tempo penando os versos, finalmente as palavras fizeram as pazes e se relacionam tão bem que me causam espanto. Tem sido fácil escrever assim; e quando percebo, a estrofe está no cabo e o poema se revela como mágica. Aproveitando a fase criativa, projetei uma série de poemas intitulada “Ela”, em que separo do todo as partes que mais admiro na mulher — amada, obviamente. Discorro sobre elas, para depois, no fim, juntá-las e dar uniformidade aos fragmentos. Até o momento já tenho prontos: Teus seios; Teus pés e Teus cabelos. Resta-me agora compor os olhos, o nariz, os lábios, o ventre...
Apesar de voltar às boas com os textos, tenho pensado nos temas sobre os quais abordo. Sou poeta do amor, gosto de cantar às mulheres e carrego de sentimentalismo minhas composições, quando não, falo sobre o ato de escrever, metalinguagem e minhas limitações criativas, mas gostaria de mudar um pouco meu estilo, abordando questões existenciais e sociais. Eis minha pedra no caminho, no sapato, pois todas as vezes em que enveredei por essas estradas acabei por fazer péssimas construções. Devo tentar novamente, devo arriscar nos exercícios poéticos até que surja o que tanto almejo? Não me custa tentar, pois se não for feliz, apenas terei perdido alguns minutos em minha tediosa existência absurda. E para meu desprazer, isso eu faço constantemente.

Alberto da Cruz
2007, 05 de outubro.
http://vidadeescritor.blogspot.com
Alberto da Cruz
Enviado por Alberto da Cruz em 06/10/2007
Reeditado em 06/10/2007
Código do texto: T682906

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite Alberto da Cruz e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alberto da Cruz
Angra dos Reis - Rio de Janeiro - Brasil, 36 anos
202 textos (26204 leituras)
15 áudios (1095 audições)
6 e-livros (1211 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 23:09)
Alberto da Cruz