Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Trema, apedeuta
 
Há dias, ao publicar mais um de meus textos, recebi uma notificação de um de meus poucos leitores alertando-me que utilizara “tremas”, aqueles dois pontinhos displicentemente postados, entre outros, sobre os “us” de algumas palavras escritas após as letras “g” e “q” , indicando uma pronuncia diferenciada, o que em seu entendimento não era correto, já que haviam sido extintas e não mais admitidas pela nova ortografia e inadmissível para quem se propõe a ser um escritor.
Pacientemente como sempre o sou nessas ocasiões, expliquei-lhe que tinha pleno conhecimento dessa nova imposição que nos foi impingida por um apedeuta e que as utilizava de forma consciente, mesmo sabendo que transgredia as novas normas didáticas, contra as quais me insurgia principalmente por ser um pseudo poeta adentrado em meus setenta e quatro anos bem vividos e o Estatuto dos Idosos me concede tal privilégio no parágrafo da senilidade, se não me engano.
Inicialmente e, confesso, com o propósito de sensibilizá-lo, ponderei sobre a beleza daqueles dois pontinhos que me acompanham desde os primeiros dias de minha vida e cujo carinho adivinha do amor a minha saudosa mãe que solenemente os portava sobre o “i” do próprio nome, indicando que ela era especial e se chamava “Zoraïde” e não “Zoraide” como tantas outras. O que a fazia ainda mais especial. Suprimindo-as, estaria negando sua própria existência e toda uma convivência de amor seria apagada, deixaria de existir, o que certamente me causaria profunda dor, com o que, tenho certeza, todas as irmãs concordam, mesmo as que fingem não se importar.
Por não satisfeito em seu intento de me desmerecer, persisti ponderando sobre a “conseqüência” (com tremas) de nossos atos pela indefectível lei do retorno que rege nossas existências e que faz com que provemos do próprio bem ou mal que espargimos em nossas passagens pela vida, tornando-nos felizes ou infelizes, “freqüentemente”.
Como um bardo, discorri sobre o significado de coisas simples e que repletaram nossas existências como o singelo sabor de uma mera “lingüiça” frita em álcool em um pires como fazíamos quando crianças, o qual seria inteiramente diverso assim não fosse gravada com “tremas”, o que far-me-ia desprovido dessas doces lembranças que hoje ainda me emocionam.

Por isso, por tudo isso, em uma resistência para não ser um desmemoriado e contrariando os preceitos que tentam me impor, continuarei até o fim de meus dias a utilizar tremas em meus escritos, permanecendo eternamente criança.

TREMA, APEDEUTA!!!
LHMignone
Enviado por LHMignone em 14/01/2020
Código do texto: T6841518
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
LHMignone
Mimoso do Sul - Espírito Santo - Brasil
1416 textos (415856 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/09/21 00:10)
LHMignone