Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PORTO SEGURO E O ARCO-ÍRIS

Quando o dedo de Deus passou pela América do Sul e tracejou o coração solar do Brasil, encontrou Netuno guardando a costa da Bahia. Era um pedaço do Reino dos Mares onde as sereias despiam escamas e as trocavam por plumagens com as aves do Continente. Netuno, não gostando do que vira, enciumado, tratou de isolá-las no imenso mar de seu reino. Com as escamas das sereias – que eram tantas – formou um imenso arrecife, um colar escarlate, formando uma notável coroa vermelha. Tudo sob um céu claro com tontas brilhantes dançarinas estrelas que, a cada passo, deixavam um sinuoso rastro de luz. Despidas, as sereias foram condenadas ao degredo, em terra. E se tornaram índias no Arraial, por Ajuda. Deus, ao completar a obra e o roteiro dos mares, pediu a Netuno que guiasse o homem ao encontro do divino arraial. Que era de Seu zelo uma pátria plena de belezas agrestes. O Divino, ao encontrar Netuno, na sobriedade dos que obram com as coisas e os bichos, disse-lhe: presta atenção, mestre dos mares, atendi ao teu pedido. Os homens farão o resto. Farão filhos que terão a cara da noite, a cor do ébano. E o Criador disse mais a Netuno, à socapa das ninfas, que desejava uma demonstração de gratidão: todos os dias, antes do sol se pôr, farás um arco-da-velha. E desapareceu no espaço montado num trenó de nuvens. Muito tempo depois, chegado o dia 21 de abril de 1.500, as Sílfides fizeram os ventos. No dia seguinte, o colar de Netuno protegeu o navegador português da ira dessas ninfas dos ventos, que se haviam aliado às sereias. Quando o Almirante Cabral pisou em terra firme, as nuas sereias ofereceram o seu regaço, pois perceberam que os santos assim o desejavam. Esta é a razão pela qual, em Porto Seguro, Netuno risca o céu com o arco-íris em todos os poentes: homenagem às mães da Coroa Vermelha. Durante todo o ano o espetáculo acontece. Menos em setembro, quando é primavera, a estação das flores de Mãe-Terra, época de férias no Reino. Porque afinal nem Netuno era de ferro!

– Do livro O HÁLITO DAS PALAVRAS, 2012.
http://www.recantodasletras.com.br/cronicas/693395
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 14/10/2007
Reeditado em 08/12/2013
Código do texto: T693395
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
2915 textos (777678 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 11:43)
Joaquim Moncks