Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Construção de um sonho

Por Airton Soares

A vizinhança sorria à-toa. Naquela ruazinha, ia ser erguido um luxuoso prédio. Amélia, sempre sonhadora, também sorria à-toa. Antes mesmo de o material chegar ao canteiro de obras, já preparava terreno para convencer o pai a comprar um apartamento financiado, o que era difícil.

Baixa esse fogo, menina! Ponderava seu Alísio, cinqüentão amadurecido pelas provações do dia-a-dia.

Nem toda novidade é salutar – dizia ele – a idéia de que somente é bom o que é novo tem levado muita gente ao infortúnio. Não saio da minha casa para morar num “pombal”.

Argumentos e argumentos e argumentos... Amélia não se dava por vencida. Mas pai, o senhor tem que entender que um apartamento oferece mais segurança, menos trabalho.

Ia citar a palavra status. Lembrou-se da ojeriza do pai por tal expressão. Continuou seu dilúvio de argumentos.   Se mamãe fosse viva, tenho certeza de que já o tinha convencido a sair dessa casa
velha e empoeirada.

Isto fez com que ele retroagisse no tempo. Quando imaginava, remoía
lembranças. Duas lágrimas denunciavam suas tristezas. A época do namoro na praça da Matriz, as briguinhas enciumadas, filhos, problemas... Hoje, como uma árvore velha, apenas presa à terra, vegetava.

Suas lembranças não permitiam aceitar de pronto o pedido da filha.

Por favor, o senhor rubrica todas as vias do contrato e assina no verso. Não esqueça de...
 
Enquanto a imobiliária dava as devidas instruções, o sr. Alísio viajava através das saudades. Ah! Saudades, lástima solene e pungente da ausência. Dorzinha miúda, disforme se esparramando na alma da gente.

Nutria-se de íntima tortura. Fechava os olhos para a realidade, mas não para as recordações as quais são o único paraíso que não podia ser expulso.

A vizinhança continuava sorrindo à-toa. Naquela ruazinha, ia ser erguido um luxuoso prédio. Amélia, agora solitária e só, desta vez não sorria, apenas diariamente, de seu apartamento, olhava inerte a demolição de uma casa velha e empoeirada.
<><><><><>>
Eutou sempre por aqui:
http://literbra.blogspot.com
LIVROS & LIVROS
que DEUS nunca ME LIVRE dos livros!



AIRTON SOARES
Enviado por AIRTON SOARES em 20/10/2007
Código do texto: T702127

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor para o site http://airton.soares.zip.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
AIRTON SOARES
Fortaleza - Ceará - Brasil, 65 anos
243 textos (63106 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 20:00)
AIRTON SOARES