Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Diário insólito

     Fiquei alvoroçado graças a recente perturbação moral de Sebastiana, coitada, diante da indecisão entre casar e não casar. Grudada na novela até tarde se mantém indecisa.  Por sorte os beijos de Marcela pelo telefone me retornaram ao estado de tranqüila inatividade.
     Corro para o quintal para gastar o dia e ouvir o mesmo sabiá.
     Rosa Helena apareceu com a jarra brilhando suco de laranja e algumas goiabas. Alguém bate.  Fujo do Castanheira. Fuga por fastio.  Chega arrastando  lances da maior  sorte e por isso tenho-lhe inveja e aversão de perceber como consegue ganhar fácil  o que havia perdido. Deve haver mais caminhos do que segredos nesta vida, mas não. Nada lhe digo. Dona Vitorina quem cuida do Castanheira. Balofão. Ela   é  composta de angústia  nas palavras, bem mais do que na história real.  Quisesse a alma viver nas trevas lá estaria o modelo perfeito. Dona Vitorina.  Vitima do pessimismo. Mas cada um com sua bicicleta! Agordalhado Castanheira está no último ano da Faculdade de Leis há séculos porque as leis são muitas e o espírito da lei um desafio.    Qual o motivo de tanta dor Dona Vitorina? -  Tenho gosto pela melancolia... Recolhendo tragédia de mil peças falidas em teatros abandonados... , e ainda mais,  quando a melancolia afeta os cristais já mais nada se pode beber.
         Disse emitindo um ai de cortar a alma. Tinha admirável inclinação  para a clarividência enquanto que eu ao contrário do que se possa imaginar lia apenas os  resumos amistosos.
        Um tio  distante de Minas, havia lhe caído nas graças. Namoro rápido de sala.  Dele se apaixonou durante a era Vargas e passearam de mãos dadas pelo Viaduto do Chá. O pretendente era um  moço de prestígio na cidade pacata. Teria casado com ele, caso se livrasse dos baixos pensamentos que lhe metiam os mais singulares terrores.
        Nesta esquina, ainda ontem, agora,  estava aqui comigo um dos maiores exemplos de marido. Nesta esquina reencontrou  Libório, ex-namorado de Rosália. Foram namorados quando Brasília ainda nem existia. Libório acabou se casando com  Joana, “antigão” dizia estufado: “ ...minhas justas núpcias com Jo-ana...” Há um cinismo às vezes na elegância que muitos não toleram. Eu suporto  e a mim me faz rir. Ria de Libório como ria do Castanheira até alguém rir de mim em escala sucessiva.  Pois Libório cravou em mim seus olhos espantados colhidos de muitos anos de amizade sincera e desinteressada. O seu espanto: Ele a mais de quarenta anos casado e ela virgem de núpcias! Livraria do jugo. Estaria livre como  andorinha ao sabor da primavera. Alegrão como o sabiá no quintalinho. Farto de bilhões de anúncios para casamento somados aos  trilhões de processos de pensão  que o Castanheira  mostrava; soberbão, nos seus zelosos processos, calhamaços  das  infinitas aulas de Leis.  A mim valia como  sinal  sagrado dos céus.
     Saio do quintal para longe e temo retornar imediatamente. Na esquina atraio perdidos.  Pela terceira vez informei a direção do viaduto da Borges para mulher totalmente maquiada. Depois uma pobre  criatura me  pediu dinheiro para o ônibus, nativa da Azenha. Chamei  táxi num dia de alta generosidade. Com  dificuldade observei  a criatura acomodando-se no carro.  Com lágrimas nos olhos lhe doei alguns tostões a mais  ordenando ao motorista que desembarcasse a pobre senhora na Azenha de acordo com o endereço do cartão.  Depois confuso compreendi que talvez não fosse certo  o que fiz por ela.  E se fosse apenas o dinheiro para o ônibus o que ela queria? Confundi tristemente mendicidade com velhice porque ás vezes os velhos marcam o seu caminho ao próprio estilo estético com maior liberdade.   Querem ir de ônibus até a Azenha. Ir até a Azenha somente de ônibus. É ir de ônibus té-a Azenha.  Um estado de coisa como numa lição de simplicidade. Por um momento temi ter reconhecido na bondade algo de estupidez sem a compreensão.   Torci meu tédio e assobiei para dar dez passos curtinhos de gaiato e neurasta. Pela janela está Sebastiana voltando para casa com urgência.
      Trata-se do último capítulo da novela no ar.
       
Tércio Ricardo Kneip
Enviado por Tércio Ricardo Kneip em 26/10/2007
Reeditado em 30/10/2010
Código do texto: T710665
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Poupança Caixa 01300004936-1 ag.0693 SVP. Doe já 0 .10 cent.) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tércio Ricardo Kneip
Santa Vitória do Palmar - Rio Grande do Sul - Brasil, 55 anos
1630 textos (61804 leituras)
2 áudios (78 audições)
1 e-livros (44 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 15:29)
Tércio Ricardo Kneip