Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OS PERIGOS DE UM PREJULGAMENTO

Devemos sempre pensar muito bem antes de julgar alguém...
Osculos e amplexos,
Marcial

O PERIGO DE UM PRÉ-JULGAMENTO
Marcial Salaverry
 
Antes de julgar atos alheios, por algo que não nos agrade, deveremos pensar no reverso da medalha, pois o que julgarmos errado,  nem sempre será motivo para severas críticas.
Além do que, que direito temos de faze-lo? Será justo criticar e julgar pessoas por não estarem de acordo com nossa opinião? Creio que não temos esse direito, pois cada um pode e deve conduzir sua vida da maneira que melhor lhe aprouver.  Salvo se formos diretamente atingidos por algum ato praticado por outrem.  Mas nem nesse caso, nos cabe o direito de julgar, mas sim, de procurar saber o motivo de tal atitude, ou de nos defendermos contra o que nos possa agredir.
Quantas vezes, ao sabermos de alguma atitude tomada por alguma pessoa conhecida,  apressamo-nos em condená-la, se a julgarmos errada, segundo nosso ponto de vista, e isso, muitas vezes sem sequer dar-lhe o direito de se defender.
Achamos a atitude errada, e pronto. Está feito o julgamento.  Afinal, o que ela fez é imperdoável (na nossa opinião). Não paramos para pensar o que poderia tê-la levado a tomar essa atitude.
Na verdade, deveríamos analisar melhor os fatos, pois muitas vezes, à luz de novos fatos, poderemos descobrir que fomos muito apressados em nosso julgamento, e que o bicho não era tão feio como estava sendo pintado.
Nem sempre reconhecemos nosso erro e, pior, nem sempre procuramos consertar o dano causado. É meio desagradável o “voltar atrás”. Muita gente desconhece o que seja um pedido de desculpas.
Li um pensamento muito interessante, atribuído aos índios Navajos. Se alguém por acaso não sabe, Navajos são uma nação indígena, que habitava livremente o território da América do Norte, e que hoje estão confinados em uma pequena Reserva Indígena nos Estados Unidos, mas, questões indígenas à parte,  vejam este sábio pensamento:
"MANITOU, NÃO ME DEIXE JULGAR UM HOMEM, SEM QUE EU TENHA  ANDANDO DURANTE DUAS LUAS COM SUAS SANDÁLIAS”- Prece de um índio Navajo
Quanta sabedoria encerrada em poucas palavras. Que linda lição para muita gente que se apressa em condenar sem se aprofundar nos fatos, sem analisar direito a questão.
Com essas palavras, nosso irmão Navajo simplesmente sugere que nos ponhamos no lugar da pessoa que estamos julgando, e muitas vezes condenando. Assim, colocando-nos em seu lugar, poderemos julgar melhor, pois poderemos ver qual seria nossa atitude, se estivessemos "calçando suas sandálias"...
Efetivamente, é muito fácil condenar.
É muito fácil apontar-se para alguém, acusando-o disto ou daquilo. Mas observem que, ao apontar um dedo para alguém, condenando-o, outros três dedos apontam para seu peito...
Futuramente, antes de condenar alguém, vamos “usar suas sandálias”. Vamos ponderar, e analisar bem qual seria nossa atitude com “suas sandálias” nos pés. Em seu lugar, o que faríamos?
Nunca se pode esquecer de que, cada caso é um caso, e certas atitudes aparentemente inexplicáveis, tem sua razão de ser. E que todos tem direito a ter seu direito e seu espaço respeitado, como queremos que o nosso também o seja.
Agora, se eventualmente fomos açodados e, mesmo sem calçar suas sandálias (talvez o número fosse muito pequeno) tivermos criticado, condenado, e por vezes insultado alguém, e posteriormente descobrirmos que a coisa não era bem assim, e que esse alguém não merecia o que dissemos, será muito importante enfiar-se a violinha no saco, e um pedido de desculpas é indispensável.  A humildade não ocupa lugar nenhum. E se erramos, o mínimo a fazer é isso, reconhecer a mancada cometida, pois desculpar-se pela besteira cometida, se não conserta as coisas, pelo menos  ameniza os seus efeitos, e desarma possíveis reações.
O ideal é procurar sempre viver, mantendo um clima de harmonia com todos aqueles que estão ao seu redor. Se por acaso uma amizade é inconveniente, é melhor cortar os laços, do que permitir que um desgaste nas relações gere inimizades. E mesmo nesse caso, não nos valerá de nada ficar apontando os defeitos e inconveniências cometidas. Será interessante tentar uma conversa esclarecedora para dirimir dúvidas, e depois, então, tomar-se a atitude conveniente.
Nunca esqueçam de que não é interessante deixar inimigos atrás de nós.
Vamos procurar viver de forma a não tê-los, mas se surgirem, é melhor evitá-los, e mesmo ignorá-los, do que provocá-los.
E com essa idéia, e procurando ter mais amigos, desejo a todos, UM LINDO DIA.
Marcial Salaverry
Enviado por Marcial Salaverry em 07/11/2007
Código do texto: T726589
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marcial Salaverry
Santos - São Paulo - Brasil, 79 anos
21171 textos (2102345 leituras)
3 áudios (894 audições)
6 e-livros (2160 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 02:17)
Marcial Salaverry