Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O VALOR PEDAGÓGICO DO DEDÃO

       No meado do primeiro semestre, no final dos anos 90, fui convocado para assumir as aulas de geografia da professora Geni. Eram quatro turmas de 6as séries. A professora Geni  havia deixado o Cenecista para ir lecionar em sua terra natal no    interior do estado da Bahia.
       A turma D era a menor de todas as 6as séries  em número de alunos. Uma turma com apenas 38 estudantes  recém-chegados e repetentes de outras escolas. Nos primeiros dias de aula observei que a freqüência na turma  oscilava em torno de 70 a 80% de presença. Com o passar dos dias a freqüência decaiu e ficou estável em torno de 11 alunos. Observei que o fenômeno da ausência dos educandos ocorria também com os outros professores. O registro de faltas dos alunos feitos no “Diário de Classe” pela ex-professora Geni   evidenciava o mesmo comportamento dos educandos.
      Logo quando iniciei a reger classe  nessa turma   a freqüência  era maior, talvez porque eu fosse novato como  professor e eles desejavam  me  conhecer melhor.
     Os professores se queixavam da falta de motivação desses alunos. A coordenação pedagógica procurava ajudar os professores fornecendo materiais didáticos  para a aplicação de práticas educativas. A direção fazia convocação aos pais para reunião de “pais e mestres”. No entanto, somente apareciam  os pais e responsáveis de alguns  alunos assíduos.
    A maior parte desses alunos gazeteava as aulas da seguinte maneira: - Muitos  iam embora antes das três últimas aulas pulando o muro da escola. Outros em vez de ir para a escola tomavam outro itinerário, dirigindo-se para as praças ou jardins, onde ficavam conversando em grupos e fazendo algazarras. Alguns preferiam a praia onde ficavam jogando bola.
   Durante os meus primeiros dias de aulas, quando a freqüência de alunos era em torno de 95% , observei que esses educandos tinham a prática constante de ofender uns aos outros com palavras e gestos obscenos.   O  comportamento desses   alunos me levou a constatar que os gestos obscenos feitos  entre eles, com os dedos, a  língua e as  mãos, irritavam mais do que as palavras indecentes ou palavrões quando um dizia para o outro.
     No momento das minhas reflexões perguntei ao meu “EU”: - Como fazer para que esses alunos freqüentem as aulas? O que posso fazer para chamar a atenção deles?  Quais as formas de expressões que posso usá-las para mudar o comportamento dessas criaturas?
      Veio-me a seguinte resposta:
      - Faça uma prática educativa evidenciando a linguagem, os gestos da turma de uma maneira criativa, lúdica, responsável, identificando o comportamento deles. Uma prática pedagógica construída por eles e que  seja integrada ao comportamento desses educandos.  Conseqüentemente, essa prática será aceito pela turma e você terá sucesso.
     - Como posso criar uma prática educativa para mudar o comportamento da turma?
     Meu “EU”, assim se expressou:
    - Observe entre eles: Quando, habitualmente, um ofende com palavreado indecente a mãe do outro, simplesmente, o ofendido diz: “É a sua!”. E, acabam as ofensas. No entanto, quando algum ofende o outro com gestos obscenos, o ofendido pede a interferência  do professor ou tenta agredir o autor da ofensa com promessa de agressão física.
     Pensei... Pensei... Perguntei ao meu “EU”: - Como proceder?
     - Na sua próxima aula, leve para a sala folhas de cartolina, cola, tesoura, lápis de cores, fita colante, adesivos, folhas de papéis do tamanho grande que dêem para fazer um painel. Com qualquer número de alunos que se encontrar na sala de aula comece a sua prática. Não se preocupe em chamar aluno que esteja fora da sala de  aula.
    Na sala,  você pede a cada um dos alunos para colocar a mão direita na cartolina e contornar com o lápis ou caneta, fazendo um desenho da mão  com o pulso. Em seguida, peça para recortarem com tesoura o desenho na cartolina, fazendo um molde da mão direita  com o pulso. Depois solicite a cada um para colocar o nome na base do pulso do molde. Feito isso, peça a cada aluno para passar cola na base
do pulso do molde e colocar colado em uma folha  de  papel grande. Não se esquecer de quando estiver colando os moldes enfileirados ter o cuidado de deixar os espaço vagos para os alunos ausentes, colados  em ordem numérica e onomástica. Depois peça para colocar na parede da sala de aula, isto é, criando um painel.
      Cada aluno terá um molde de sua mão direita com o número de sala escrito acima do seu nome.Terminado esse trabalho, escreva uma frase na  base do painel que chame atenção dos educandos.
    - Muito bem meu “EU”! Até ai tudo bem... E como funciona?
   -  Funciona da seguinte maneira: cada dedo representará um dia da semana. O dedo mínimo ou mindinho representará segunda-feira; o anelar na terça-feira; o médio na  quarta-feira; o polegar quinta-feira;  e o indicador sexta-feira. Na segunda-feira, por exemplo, quando você chamar o nome do aluno  e disser: Antônio. Antônio responderá a presença, levanta-se, vai até o painel, localiza o seu molde e dobra o dedo mindinho do desenho e assim sucessivamente com toda a classe. Na terça-feira, os estudantes presentes, dobram o anelar, tendo o cuidado de deixarem o indicador para dobrarem, somente, às sextas-feiras.
     Ao chegar na sala à segunda-feira com o material necessário encontrei 12 alunos. Expliquei a esses o que pretendia  fazer e alguns  concordaram dizendo: - Que legal professor! Esta uma  idéia é genial! É uma boa idéia!
    Quando estávamos terminando de confeccionar os moldes, apareceram na porta da sala três alunos demonstrando ar de desconfiança e curiosidade. Dirigi-me a eles, perguntando-os:
- Qual o motivo de vocês não estarem em sala de aula?
- Professor,  eu  estava na secretaria  –  respondeu-me:
Bonesso.
- Professor, eu estava no banheiro – disse-me: Antônio
Carlos.
- Professor  eu   acho    que   estava   na    biblioteca –
 pronunciou-se Carquejo, sorrindo sarcasticamente.
     Convidei-os a entrar na sala de aula e expliquei a eles o que deveriam fazer. E, eles fizeram, demonstrando boa vontade.
    Na base do painel escrevi com  letra maiúscula em cor azul a seguinte frase:  FOMOS CRIADOS PARA   SERMOS ALEGRES E  NÃO TRISTES.
    No dia seguinte ao adentrar na sala de aula, para minha surpresa, percebi que estava lotada, não faltava um único aluno.
    Expliquei aos faltosos o que deveriam fazer e a finalidade dos moldes. A maneira como construíam os moldes deixaram -me a impressão de que  haviam aprovado a idéia e acharam interessantes.
     Na aula seguinte constatei a presença de todos os alunos. No entanto, Caio, Fernando, Adriano e Malaquias, que tinham espírito de liderança, sentados nas cadeiras da  frente da turma me disseram:
     - Professor, nós e a turma toda estamos pedindo para  Senhor mudar a forma de dobrarmos os dedos dos nossos moldes.
- Como assim Malaquias!... Explique-me!
- Caio, explique a ele como combinamos...
- Professor,  antes    de   o   senhor chegar, combinamos
que às segundas-feiras continuaremos dobrando o dedo mínimo ou mindinho; o anelar nas terças-feiras; o indicador nas quartas-feiras, em vez das sextas-feiras como o senhor nos ensinou; o polegar as  quintas-feiras e o médio as sextas-feiras – fez o gesto obsceno com o dedo médio sorrindo – e disse: - Assim não fica melhor turma?
    E a turma em peso respondeu:
- Claro que assim fica melhor...
Olhei para  Caio demonstrando que não havia gostado da
brincadeira dele. E ele me disse:
   - Professor me desculpe! O senhor me desculpa? Eu não fiz para ofender o senhor! É que todo mundo quer... A voz do povo é a voz de Deus!
   - Sim, está desculpado Caio.
   Diante da reivindicação unânime da turma eu falei:
-Pessoal a maneira como vocês pretendem, é de     um
gesto obsceno conhecido internacionalmente. Não é ético adotarmos este prática em sala de aula. Não fica bem para mim como educador ter um comportamento desse...Adotar ou admitir práticas obscenas em sala de aula. Onde está o respeito aos bons costumes? Onde está o Regimento Escolar? E os ensinamentos domésticos da nossa família? Devemos respeitar a opinião da maioria quando é uma  sugestão sadia ou sábia. Finalizando as minhas palavras sobre este assunto, eu tenho a dizer as vocês que a nossa proposta inicial está mantida. Caso vocês façam a prática  diferente da combinada ou da que eu lhes  ensinei, não assumo qualquer  responsabilidade. A responsabilidade  é de quem  fizer.
      Na aula seguinte e nas posteriores constatei, na sala de aula, a presença de todos os alunos. No entanto, a turma toda continuou adotar a maneira como havia reivindicado. E eu sempre pedindo que não fizessem. E a turma toda fazia. Uns me diziam:
    - Professor não se meta! Deixe com a gente! O senhor não tem nada com isso...
    - Não fique assim com essa  cara de tristeza... Veja  que o senhor mesmo  escreveu no nosso painel: - “Fomos criados para sermos alegres e não tristes” – disse Venâncio.
   - Você está certo Venâncio.
        Na sexta-feira faltaram apenas dois alunos. Os dois moldes pertencentes a esses alunos foram os únicos que ficaram com os dedos médios sem dobrar, em posição ereta. Foi um comentário geral de graças e piadas na sala.
      Uns diziam:
      - Pó!... Essa não véio!... Jamais vou deixar meu dedo ficar assim!...
     Outros respondiam:
     - Não falte!... Assista às aulas!... Pra não ganhar uma dedada!...
    Alguns comentavam fazendo o gesto com a mão do molde:
    - É feio ficar com o dedo assim!... Eu não quero!... Quem quer?!!! Tome aqui! – Frisando com o dedo médio bem ereto.
    Passada algumas semanas observei que haviam diminuído bastantes os gestos obscenos entre os alunos e todos encarando  o painel com naturalidade.                                                                                   Com um mês, deixei de  fazer uso do painel para o controle da  freqüência, usando-o apenas para a colocação de  frases, semanalmente.
   Os professores das outras disciplinas começaram adotar o mesmo sistema de controle de freqüência. Assim foi resolvido o problema da evasão escolar. Passamos a ter uma freqüência integral. Graças ao valor pedagógico do dedão médio ereto adotado e defendido com afinco pela turma.


EVERALDO CERQUEIRA
Enviado por EVERALDO CERQUEIRA em 02/12/2007
Reeditado em 29/07/2008
Código do texto: T761836
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
EVERALDO CERQUEIRA
Salvador - Bahia - Brasil
91 textos (89125 leituras)
1 e-livros (193 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 16:05)
EVERALDO CERQUEIRA