Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TERRA DA GENTE

                  TERRA DA GENTE                          042.000

O mar, treze naus, a Páscoa, monte, porto.
Do brado "Terra à vista!", segura terra!
A uns de longes, terras e caminho torto; aos daqui, aquilo estranhezas encerra.
Uma carta conta, de volta, a nova obra; uma cruz levantada planta uma igreja e aos deuses locais assombro há de sobra.
No ar, revoada de interrogações adeja.
Velha tela que pinta um mil e quinhentos!
Mar, monte e porto suportam outros ventos; intacta, a carta é um dos raros documentos; mil rincões portam cruzes, que são alentos.
Os de acolá para lá levam paus, ouros: aqueles de cá ajudam, com dor no rosto.
Não bastando, vêm outros e resta exposto que este recanto guarda mais que tesouros.
Expedições chegam, chãos são repartidos, colonos lançam mudas de canas, milhos e a terra responde, fértil, sem gemidos.
Entretanto, já são poucos daqui os filhos.
Negociam-se braços negros e fortes.
Tristezas, cantos, comida rala, mortes, longos dias e noites, troncos, chicotes, revoltas, fugas, mas há café e lingotes!
Liberdades acodem alguns humanos, porém somem trezentos e oitenta e oito anos para refulgir redentora Lei Áurea, que apaga triste  ciclo com branda láurea.
Impasse! A carência importa imigrantes.
Os daqui, contaminados, dizimados, pulverizam-se em grupos itinerantes, caçando distantes cantos, intocados.
Descortinam-se vis cenários às plantas e máquinas desdobram-se como mantas que abrigam soluções: removem atrasos.
Simultâneos, florescem modernos casos: males, desemprego, queda de mandantes, brechas tecnológicos, parcos recursos.
Os daqui, embrenhados na mata, como antes; os de lá, quase já daqui, lêem discursos.
Florestas altas tombam a rasos pastos, movem rios límpidos torpes, poluentes.
Os daqui clamam tempos não tão nefastos; os de lá, quase já daqui, reticentes...
Cinco séculos p'ra caminhar adiante, cinco séculos p'ra acordar o gigante!
Hoje cento e setenta milhões de naves p'ra ainda se ancorarem, nunca sem entraves

Sorocaba, aos vinte e seis dias de agosto do ano de 2019.








!
Tito Vernaglia
Enviado por Tito Vernaglia em 26/08/2019
Código do texto: T6729535
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (citar a auroria de tito vernaglia e o site www.recantodasletras.uol.com.br). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tito Vernaglia
Sorocaba - São Paulo - Brasil, 69 anos
171 textos (11128 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/09/19 08:56)
Tito Vernaglia