Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RECRIANDO

A dor de que o poeta entende
É tão puro fingimento.
Finge despudoradamente
Que exprime sofrimento.

O sofrimento do poeta
Vê-se pelo pensamento.
Quando a dor o penetra
Desdobra-se em fingimento.

Quase sempre o fingimento
Faz do poeta um eloqüente.
Mas a dor de cada momento
Faz dele um indiferente.

O fingimento do poeta
É algo constrangedor.
Finge como um pateta
Mas sofre do mal de amor.


Wilson Carlos Roberto



   ENÍGMAS DO POETA

Quem dera compreender,
O pensamento do Poeta,
Nos versos do entardecer,
Na sua vivência discreta.

Às vezes, tão despojado,
N’outras, num mundo só seu,
Às vezes, sonha acordado,
Acorda, n’outras... ateu.

Finge a dor, que não sente,
Sente uma dor, que não vê,
Letras borbulham na mente,
Mas, ele nem sempre, as lê.

Decifra de olhos fechados,
Os enigmas de cada verso,
Símbolos entrelaçados,
Nas tramas do seu universo.

Clara Strapazzon

Formatado no Clara Poesias:: O Jardim das Emoções

http://www.cgst.com.br/duetos/d_13.html

Clara Strapazzon
Enviado por Clara Strapazzon em 11/07/2011
Reeditado em 30/09/2011
Código do texto: T3089208

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Clara Strapazzon
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
228 textos (29664 leituras)
9 áudios (1155 audições)
1 e-livros (37 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/11/19 05:20)
Clara Strapazzon