Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A UM POETA AMANTE/ AMANTE TENAZ

                                            de Freddy Diblu abaixo da réplica)

                     Queres amar perdidamente
                     Alguém que saiba amar também?
                     Que seja pura e indecente
                     Do seu amor doce refém?

                     Mulher criança, fêmea fera
                     Que embora sábia, queira aprender.
                     Misto de pomba com pantera
                     discreta sem se esconder.

                     Que ao seu toque teu corpo trema
                     E o seu beijo te aguce a fome
                     No leito - ai,louca! - grite e gema
                     De intenso amor, prazer enorme...

                    "Alguém dada, vinda do além",
                     Já não mais sente o fogo que arde...
                     E eis que pergunto  então, também:
                     Amar-te assim, sabes quem há de?


                           Miriam Panighel Carvalho

                         --------------------
                               AMANTE TENAZ
                                      "Já nem sei dizer se sou feliz ou não
                                       Já nem sei pra quem eu dou meu coração
                                       Preciso acreditar que gosto de alguém
                                       E essa tristeza...
                                       Vai ter que acabar e custe o que custar"
                                                     (Edson Ribeiro/ Hélio Justo)

                      Hei de amar como ninguém
                      Alguém que saiba amar também
                      Alguém dada, hem! vinda do além
                      Linda e infinda que nada a detém.
                      Tentação imprevista que à vista
                      Sussurra uma canção, suave surra
                      A canção doce e aberta, predestinada
                      Como se fosse à corrente alerta
                      Numa inocente expressão de namorada.
                      Alguém, alguém qualquer coisa de graça
                      Carnadura bela , brunidura de pele mulata
                      Uma tortura sequer delicada - mulher-cela.
                      Aquela, cuja desenvoltura empina a raça
                      E que faça sete juras de fidelidade nela.
                      Gataça audaz! chegada a segredos da mata
                      Que, por apetente e desejada, muito desacata
                      Frente a frente... sinuosamente feraz!
                      Do mio rente, cio e amavios na dança exata.
                      Alguém cujo roçar de pêlos são apelos carnais!
                      E corpos lambidos a marcas de dentes fatais.

                      Hei de amar como ninguém
                      Alguém que saiba amar também
                      A antimachista consciente de seu entono
                      Que me tenha tão mais que objeto-conquista.
                      Ah, nunca o abandono das tardes de outono!
                      Nunca, inda mais assim um tanto passado
                      Perfumado de rosais antigos, num vagar de pista
                      Mendigo de beijos pontuais, de amor requentado.
                      Ai de mim, é demais! A quem amarei, Luz fugaz
                      E por quem tudo serei capaz?

                      Hei de amar como ninguém
                      Alguém que saiba amar também
                      Alguém que caiba bem de Mão-guia
                      Do tipo vem-que-tem, com Termo de Garantia
                      Que nem em Meu Bem, Meu Bem, Meu Bem.

                                                       © Freddy Diblu
Miriam Panighel Carvalho
Enviado por Miriam Panighel Carvalho em 26/08/2007
Reeditado em 26/08/2007
Código do texto: T624682
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Miriam Panighel Carvalho
São Paulo - São Paulo - Brasil, 58 anos
87 textos (25685 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 11:26)
Miriam Panighel Carvalho