Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SENTIMENTO E PALAVRA

Chega de longe o Verbo, via net, com sua aura de doçura e espanto. Logo começo a pensar sobre os versos, e, de chofre, com absoluta espontaneidade, movido pela emoção e intelecção, enfim, pela “lucidez enternecida” a que o estado de Poesia conduz, o coração é sentimento e palavra:

“O AMOR É SOPRO DE VIDA
Tereza é o céu da minha vida
– Sinto tanto amor que tenho medo de perder-te...
Ela é uma sereia querendo me conquistar
Seus olhos são estrelas
brilhando intensamente
é sol dentro do mar
Seus olhos são estrelas
que brilham sem parar
É o sol dentro da lua
É farol beijando o mar.

SM, Rio/RJ, via whatsapp.”
 
Este depoimento escritural apresentado em versos, nada mais é do que um recado amoroso, denso e derramado, tesudo, que registra, louva e declara o sentir do autor ao seu objeto de desejo. O mais interessante é que o poeta se transmuta, no decorrer do discurso, e, sem cerimônia, curiosamente pretende vir ser este objeto sexual: "... é uma sereia querendo me conquistar". No verso seguinte foge para as estrelas, sol, mar, e coloca os atributos na musa, porque em seu psiquismo confessional percebe que tudo o que ora diz com convicção é em verdade, farsa, fantasia, sonho que ele necessita se torne verdadeiro, prime por veracidade. Aliás, é este sonhar que faz o bardo cantar, dizer o verso doce e derramado, que não chega à dimensão da Poesia, cuja abrangência e destinação é a universalidade e não o intimismo, como é o caso presente. A bem da verdade, o poeta, o vate ou bardo, nunca faz versos para aquilo, aquele ou aquela que possui, que tem sob o seu domínio pleno, e sim para o que não tem, mesmo que por vezes eventualmente a possua... Estrelas, o sol, a lua, em seu texto, são o universo distante, longínquo, impossível de palpável conquista, e o mar (que se movimenta, que se esbate na praia) é a sua inquietação: a angústia de não perder o momento etéreo de felicidade que a poética propicia. No momento não posso analisar sob enfoque das figuras de linguagem que dão estilo e conteúdo poético aos versos, ao assumirem o sentido conotativo da linguagem. Devido ao não comparecimento das metáforas ao texto, o escrito se torna pobre, sofrível. Neste, fala o menino carente de amor dentro da clausura das palavras. E se debate frente à urdidura do cotidiano que lhe é hostil, devido ao insucesso pessoal frente à figura da Amada. O que, em última instância, o poeta-autor resume no seu texto é a sensação de felicidade que o poema lhe dá. Esta é sua sensação de fruição e gozo. E, por esta razão passional, bota a boca no mundo... E eis que o descubro em seu memorável relato intimista...

– Do livro inédito A VERTENTE INSENSATA, 2017/18.
https://www.recantodasletras.com.br/ensaios/6360217
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 10/06/2018
Reeditado em 10/06/2018
Código do texto: T6360217
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
3143 textos (814183 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/06/18 14:56)
Joaquim Moncks