Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Convivências e aprendizagem

Diga sim a eficiência e não ineficiência sem ficar exausto ...
Demostrando pela maneira simples as formas de proceder em tudo que for possível de  realizar, sem gerar desencontros, desconfortos e maus  entendimentos. permanecer de forma harmoniosa e saudável, saindo fora da ideia do ter que pagar pelo castigo, haja visto que nem sempre trata-se e erro, da nossa parte, se o que se faz necessário e buscar uma solução mais viável a cada situação. Os erros se configuram por si só, mas cabe análise, tanto no, passado como presente analise a forma como os fatos ocorreram, e no fluir para as causas de tudo segue o foco, percepção e a intuição nessa grande estrada da vida, e tudo pela natureza humana, consertando e aperfeiçoando as nossas relações humanas, que nos envolve e pela proximidade com todos na empatia, se muita etiquetas existe para personalizar uma determinada ação, qual a etiqueta que estamos usando, se o que vale é intuição, a percepção, sintonia e o caráter da revelação nos abre caminho para verdade, haja visto a individualidade, a igualdade, a compreensão e o bom senso, o que não podemos ter como referência, se uma crença, um conhecimento e um auto conhecimento, para discernir, como podemos usar a nossa fé.

"Os milagres ocorrem quando trocamos uma energia densa por energias sublimes, pelo nosso pensamento, atitudes e comportamento, saindo de um padrão atual, e reciclando para um padrão, porque tudo é dinâmico.

E pelo entendimento podemos colocar isso dentro de nós mesmos, mesmo sem técnicas, práticas ou grandes conhecimentos, mas com sabedoria.

A exaustão é gerada pela maneira pesada de executar algo além, e sem a harmonia necessária, forçando a nossa vontade em querer ir além, até de forma desnecessária.

Quem acha que fazer o mal a alguém funciona ? Um sentimento ruim, uma mentalização raivosa e com instinto de vingança, nos trás amparo extra físicos com fins maldosos, quando estamos, gerando transtornos a nos mesmos.

Uma alma não precisa ser iluminada, basta ser normal.

Os mistérios para enviar pensamentos negativos a alguém considerado como nosso inimigo por uma atitude egoica, podem gerar um retorno mediante as diversas situações em não em mentalizações de forças deletérias especificas.

Isso não quer dizer quem tem um dom especial, pode fazer o que quiser, ou como bem entender, para derrubar ou destruir uma pessoa, ou tirá-la de caminho relacionada a sua vida ou bem estar, pelo contrário, também somos errantes pela nossa própria ignorância.

Nos dias de hoje tem muita gente mantendo essa mesma ideia de vingança, rancor e ódio através de sua inconformidade, que se desgasta de maneira desnecessária. Onde as travas da ignorância volta-se para si mesmo.

O retroagir e o reconhecer não deixa de ser uma questão de evolutiva talvez não queira considerar humildade, mas por abnegação e perdão, porque está na soltura do desprendimento da alma e na identificação e comunhão com a nossa identidade.

Mas podemos estar ainda longe um salto quântico, por mudanças que iremos quantificar, os nossos merecimentos, quando soltamos as nossas amarras, da nossa alma, tudo se eleva e assim iremos nos sentirmos melhores, em relação a nossa energia vital, contribuindo com a nosso para psiquismo, bem procurando ampliar a nossa consciência ...

Já no ramo do direito, a nossa auto análise, se configura no próprio direito, pela questão mais material, pela ética do princípios do cosmo, somos humanos do planeta Terra, onde as culturas romanas foi o limiar de conhecimentos sobre a vida estendo a quase todas as demais culturas.

Porém o fato gerador, objeto do direito não deveria prescrever, e nem se descaracterizar, por medidas, cujas lei recentes, hoje vigente não pode protelar o momento do fato gerador, e seus os efeitos recair sobre uma reclamação, ora em andamento, retardando as diversas situações sobre as diversas necessidades já comprovadas e julgados, portanto não se trata de uma situação desconhecida.

Mas o direito é líquido e certo, mesmo que não nos cabe discussões sobre os assuntos a nível de pré questionamentos, em tratando de material julgada, haja todas as discussões fundamentadas. E hoje sobre  uma decisão em nosso meio de vida, tudo pode ocorrer, o que não deveria prevalecer, explorações apenas intelectuais, no destoar do  querer vencer por uma Lei atual, depois de tudo que foi configurado, atingir um efeito sobre uma lei antiga, para um situação, que visa protelar o não pagar

Tem certas análises e decisões que já deveriam ter sido feitas sem um maior critério no tempo decorrente. Mas já que o tempo não foi suficiente, deve se aguardar outros momentos para realizar com mais qualificação, na organização da justiça, considerando atos de desumanidade e animalismo, com atitudes precipitadas, denegatórias e presunçosa.

Nos "seres humanos" atuar com ousadia, no desleixo do tudo ou nada, é covardia e falta de ética.

No Caráter da revelação ...

O Amor nasce de dentro e nos leva para as melhores alianças do bem, desfazendo as tristezas, confortando e gerando confiança, e sentimentos de Gratidão, a tudo que nos está configurado em nossa vida, poderemos aperfeiçoar o passado no situação atual, pensando com mais amplitude, alternativas e bom senso. O que possibilita, atrair a todos para uma renovação, pelo nascer de novo, nessa vida atual, através das nossa superações, onde a vontade e força de vontade, permanece no sentido da vida...

Com muita Paz e Esperança ...a vida segue ...
Pedro Rombola
Enviado por Pedro Rombola em 06/12/2018
Reeditado em 09/12/2018
Código do texto: T6520417
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedro Rombola
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil, 67 anos
106 textos (887 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/18 19:53)
Pedro Rombola

Site do Escritor