Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM 'QUE DE LIBERDADE', UM 'QUE DE SOLIDÃO'

Nas manhãs dos domingos, enche-me de prazer a velha rotina matinal: chegar à padaria, procurar a cadeira mais alta que permita balançar as pernas sem tocar o pé no chão, sentar em um canto onde o sol mal possa chegar, pedir o café mais quente e forte para então despertar para a vida. Ali, naquele canto, sem celular, sem televisão ou jornal, fujo da vida e dos problemas porque, afinal é domingo e domingo pede paz, mente limpa, leveza na alma.
Os cotovelos apoiam-se na mesa e as mãos seguram o queixo porque ainda há resquícios de sono da noite. Enquanto a moça prepara o café com muito esmero, é possível ver que algumas pessoas passam pela rua ainda despenteadas e caras abarrotadas levando suas solidões nos ombros. O sol vai subindo e mais solidões vão surgindo, uma daqui, outras dali, outras lá, uma infinidade delas; em questão de minutos a rua está infestada. Ninguém olha no espelho pra não ver solidão dobrada e assim todo mundo zela pela sua.
Depois do café, sempre pego a minha solidão e faço soma as já acordadas pelas calçadas. Falo bom dia para cumprimentar um ou outro que gesticula com a cabeça enquanto volto para casa. A manhã se completa na varanda sentado em uma velha poltrona, contando sempre as mesmas histórias para a minha própria solidão.
Elielton
Enviado por Elielton em 05/09/2019
Código do texto: T6738390
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Elielton
Samambaia - Distrito Federal - Brasil, 26 anos
13 textos (325 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/09/19 19:52)
Elielton