Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Por um Mundo Melhor?
 
Eu acredito em um mundo melhor. Acredito que todos que estão aqui caminham para um processo evolutivo – até mesmo aqueles com quem eu não concordo, ou que cometem as maiores atrocidades e crimes contra as outras pessoas e até contra a humanidade. Para estes últimos, a melhor coisa é isolá-los da sociedade e aplicar-lhes a punição necessária; afinal de contas, é através de limites claros e definidos e de punições aplicadas a todos aqueles que os infringem, causando prejuízos aos demais, que aprendemos até aonde podemos ir.

E o melhor limite será sempre o respeito. Se eu sei respeitar o fato de que aqui nesse mundo existem pessoas de gostos e compreensões diferentes, estarei bem. Estarei contribuindo para um mundo melhor. Mas isso não significa compactuar com o mal, fazer vista grossa à intolerância ou aplaudir a criminalidade e a corrupção.

Hoje muito se discute a respeito do que fazer para termos um mundo melhor. Alguns clamam que, caso todos pensassem da mesma forma, não havendo assim a necessidade de divergências de opiniões, o mundo seria melhor; já outros defendem a ideia de que um mundo governado pela esquerda ou pela direita seria um mundo melhor. Enquanto isso, alguns defendem a liberdade sexual, a liberdade religiosa, a liberdade política, e todas essas liberdades convivem juntas e frequentemente se chocam umas com as outras. Porque é exatamente onde começa a minha liberdade que a sua termina. 

Sou livre para acreditar no que eu quiser – desde que não me oponha a quem acredita em coisas diferentes; sou livre para defender a homossexualidade ou a heterossexualidade, contanto que eu exerça aquilo que eu quero e respeite quem prefere o contrário. Sou livre para achar que a minha religião é a mais correta, contanto que eu não interfira na sua. 

As pessoas acham que a melhor forma de se viver é tendo liberdade total para praticar o que quiser onde bem entender. Mas eu acho que é preciso que aprendamos a criar mais quadradinhos, e a ficarmos dentro deles mais tempo quando estivermos expressando as nossas liberdades. Ou então que procuremos quadradinhos iguais aos nossos, sem pisarmos nos quadradinhos alheios. 

Precisamos compreender que nem tudo é para todos, nem todos pensam como nós e que é preciso respeitar isso; se eu condeno as religiões que cobram dízimos de seus praticantes, estarei invadindo um território que não compreendo, já que muitas pessoas pagam esse dízimo com prazer e alegria e se acham desfrutando daquilo pelo qual pagam. Se estão sendo enganadas ou não, é problema delas. Se eu visito um canal esotérico e compro um curso sobre Feng Shui ou desenvolvimento pessoal, estarei pagando por um serviço prestado e obtendo as vantagens ou desvantagens daquilo pelo qual paguei. O problema é meu, e de mais ninguém. 

Todas as religiões cobram um preço, pois todas elas são instituições que precisam sobreviver. Experimente tentar ir a um templo Budista no Tibet ou na Índia, e verá que sem pagar, você não poderá permanecer lá por mais que algumas poucas horas. Se quiser batizar ou crismar seus filhos, ou casar-se na Igreja católica, você precisa pagar (e às vezes, bem caro).

Na última Bienal, muitas pessoas se escandalizaram porque um devido político protestante mandou recolher um livro que tinha uma cena de beijo homossexual. Tal livro chama-se Vingadores – A Cruzada das Crianças. Não li o livro, e não sei do que se trata. Se ele mostra conteúdo inadequado para crianças, não deveria estar sendo vendido abertamente e sem nenhum tipo de aviso. Deveria estar lacrado para que as crianças presentes, atraídas pelo título, não o abrissem e acessassem o conteúdo. Se isto for verdade eu concordo com o político, mas não concordo com a arbitrariedade da ação. Ele poderia ter solicitado que os livros fossem plastificados.

Acho este um exemplo claro de falta de respeito de ambos os lados. Porém, a ação apenas ajudou para que os tais livros fossem vendidos em tempo recorde. Que cada pai e mãe decida o que deseja que seus filhos acessam ou não. Mas para que isso seja possível, é preciso que haja informações disponíveis sobre os produtos. Acho que vender livros assim sem colocar qualquer tipo de advertência é pisar sem dó no quadradinho alheio; ao mesmo tempo, mandar recolher um livro com força de polícia e sem prévio aviso apenas porque seu conteúdo, segundo meus critérios, é inadequado, é arbitrário. 

Faltou respeito aí.


 
Ana Bailune
Enviado por Ana Bailune em 08/09/2019
Reeditado em 08/09/2019
Código do texto: T6740129
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Ana Bailune
Petrópolis - Rio de Janeiro - Brasil, 53 anos
2146 textos (199404 leituras)
6 áudios (721 audições)
8 e-livros (2139 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/09/19 19:09)
Ana Bailune

Site do Escritor