Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

IDEAIS SUPREMACISTA: UM EVIDENTE SINAL DE RETROCESSO!

Onde há um ideal supremacista, quase sempre há um ser confuso, inseguro, invejo e incapaz que procura esconder o que sente por meio de gestos e auto afirmações de superioridade.
*Por Antônio F. Bispo
   Planeta terra, 31 de Maio de 2020!
   Cerca de 6 dias atrás, diretamente dos EUA, imagens de um policial sufocando com o joelho um homem até a morte percorrem o mundo em poucos instantes e isso teve uma série de efeitos colaterais.
    Ao que tudo indica, o “crime” cometido pelo homem que agonizava, era o fato de ter nascido com uma quantidade elevada de melanina em sua pele. Coisa que herdará de seus pais e esses de seus antepassados.
  O semblante do policial que coisificava o indivíduo não demonstrava nenhum tipo de compaixão. Ele parecia não dar ouvidos ao pedido de socorro sujeito, que juntando o restante de ar que ainda conseguia extrair, implorava pela vida, dizendo não poder respirar sob tais circunstancias. Um policial geralmente faz apenas o papel de polícia. Esse, porém se comportava como juiz, carrasco e executor.
   A posição corporal deste serviçal da lei sobre o corpo imobilizado era semelhante ao que podemos ver em certos abatedouros, quando o objeto de abate demonstra resistência e luta pela vida. Sob tais reações, o que abate chega a sentir um misto de raiva, prazer e poder ainda maior ao dominar sua vítima enquanto lhe tira a vida para depois cortá-la em pedaços e ser vendida aos que procuram tais cadáveres como fonte principal de proteína.
  Sem demonstrar culpa e sem compaixão, o policial extrapolava os limites de seu oficio, parecendo apenas cumprir um dever sagrado paralelo, que seria o de alimentar com tais cenas grotescas outras pessoas que tem esse mesmo tipo de ideologia e as cultivam como se fosse isso uma virtude desejável. Ele não mediu as consequências de seus atos e quem sabe pela ideia estupida de superioridade racial, ceifou naquele instante a vida de um homem que não apresentava ameaça alguma.
   O ano é 2020 e fazem cerca de 150 dias que estamos lutando contra um vírus que está fazendo milhares de vítimas humanas diariamente ao redor de todo o globo e ao invés de vermos a piedade esperada de alguns vemos uma cena truculenta como essa.
   Em que anos estamos mesmo? 10 mil A.C? Na idade dos contos bíblicos? Na idade das trevas? No início do século 19? Não, é 2020 mesmo, segundo o calendário cristão!
   Nos perguntamos então: fizemos realmente algum progresso como espécie ou estamos regredindo? É que vendo cenas assim, a nossa mente fica confusa e parece que demos um salto no passado!
   Ainda não sabemos até que ponto os efeitos desse “ato inocente” cometido pelo policial irão ressoar, pois até na Europa os efeitos desse ato já se reverberam.
    Ainda ontem nesse mesmo país (EUA), acompanhamos com orgulho, o lançamento de um foguete espacial que levava suprimentos e tripulantes mais uma vez ao espaço! Era só mudar de canal para vermos revoltas populares, como resposta a um ato covarde e retrógrado.
  Quando olhamos a trajetória da espécie humana nesse orbe nos últimos 10 mil anos, podemos constatar diferentes tipos de evoluções segundo as versões históricas mais aceitas. Evoluções produzidas por nosso próprio intelecto ou forçadas pelo clima e local em que nos instalamos.
   O manuseio do fogo, a invenção da roda, o desenvolvimento de técnicas agropecuárias, o aprimoramento da linguagem falada e escrita, a formação das primeiras civilizações, os diferentes códigos de leis para ordem e preservação de nossa própria espécie, entre outros avanços. Dias gloriosos tivemos!
   Sobre o ponto de vista tecnológico registramos desde o uso da lança para caçar ou de alavancas para deslocamento de objetos pesados, dos computadores mais avançados que temos hoje, até a combinação de inúmeras substancias químicas para produção de fármacos capazes de tornar nossas vidas mais longas, além de diversos males que acometem ainda nessa era, esse frágil involucro qual chamamos de corpo humano.
   Podemos hoje constatar o quanto é magnifico passear por entre as grandes cidades e vermos edificações com mais de 1 km de altura, totalmente verticais, capazes de suportar tempestades e até impactos de alguns projeteis. Além disso, essas edificações são capazes de abrigar vida, gerar energia renovável e algumas destas com capacidade para produzir inclusive até o próprio alimento para os seus residentes, ainda que em pequena escala.
    Séculos atrás, além das cavernas, as residências mais firmes que conseguíamos construir eram feitas de palhas ou peles de animais, e o mais alto que conseguíamos nos abrigar era no topo de árvores, competindo com vários predadores ou insetos capazes de nos matar com apenas uma picada.
    É fabuloso ver a quantidade de máquinas que produzimos quais facilitam nossas vidas, desde as mais simples as mais sofisticadas por meio de conhecimentos compartilhados por centenas de anos e vários povos. Máquinas gigantescas e pesadíssimas cruzando os céus, desafiando a gravidade, transportando absolutamente todos os tipos de coisas em um curtíssimo espaço de tempo. O mesmo podemos dizer sobre as grandes embarcações que navegam na superfície ou nas profundezas dos mares.
   Como toupeiras, máquinas gigantescas escavam o solo, perfuram pedras e faz com que o instransponível seja apenas uma palavra já em desuso. Da mesma forma, maquinas quilométricas andam sobre trilhos como se fossem grandes serpentes, sibilantes, sinuosas, bem articuladas, transportando a maior parte das riquezas que produzimos ou precisamos para manter em funcionamento setores vicinais numa sociedade civil organizada.
   Tudo isso é fabuloso, é grandioso, é fantástico!
   Constatar esses tipos de avanços fazem com que as vezes nos consideramos como se estivéssemos no ápice da evolução de nossas espécies, apesar de deduzirmos que em menos de uma década teremos o dobro de toda a tecnologia que temos hoje.
   Apesar de tudo, algo em nosso comportamento faz com que hora estejamos regredindo ao comportamento de hominídeos primitivos disputando pelos melhores espaços, ferramentas rudimentares, parceiros para acasalamentos ou a atenção dos deuses metafísicos.
  Em certos casos, esse comportamento doentio faz com que nos vejamos como se estivéssemos em um grande navio ancorados permanentemente, cujas ancoras estão presas de tal modo que não conseguimos zarpar.
   A terra firme e o paraíso estão à nossa frente ao alcance de nossa visão, enquanto que águas de um passado negro se aproximam de nosso barco, com um feroz poder de destruição, capaz de desfazer não apenas os nossos feitos tecnológicos, como também o nosso intelecto e a nossa civilidade. Capaz de nos pôr de volta a um estado tão primitivo de nossa espécie, em que a clava e a fé ou poder dos mais forte é quem predominam acima das leis, da lógica, da ciência, da razão e de tudo o que já construímos ou constatamos.
   Esse lamaçal podre tenta constantemente faz renascer a besta que tentamos manter adormecida ano após anos. Esta ancora, essa ideia errônea se chama SUPREMACIA de alguma coisa!
   Essa ideia estupida faz com que alguém acredite ser melhor que outrem devido a sua cor de pele, pelo deus a qual diz servir, por uma afiliação político-partidária ou por uma bandeira de time qualquer que torce freneticamente.  Pura idiotice!
  Os que realmente se “iluminam” de alguma forma, tem como um dos objetivos principais, conduzir de modo sábio a si mesmo, de maneira que pelo exemplo e não por palavras vãs, possam ser útil para clareza intelectual de tantos outros e não para opressão, vergonha e sofrimento dos “menos afortunados”.
   Não há um sinal de retrocesso tão grande em nosso avanço como seres inteligentes nesse planeta quanto o desejo de aniquilação de um povo que passamos a considerar como inferior por motivos étnicos, religiosos, culturais ou de poder aquisitivo.
    Seja qual for a ideia de supremacia apoiada, todos os que conservam em si tal demência, será mais um que estará lançando âncoras nas águas rasas da trajetória da evolução humana!
   Cada um dos que assim agem ou pensam, tem sido o responsável direto ou indireto em nos manter num estado de bestialidade insana enquanto julgam que que suas ações são iguais a de seres angelicais lutando contra demônios, sentindo-se superiores a todas as demais criaturas do universo. São esses que nos fazem mais uma vez nos perguntamos: Fizemos realmente algum progresso como espécie? Estamos regredindo?
   Grupos, grupinhos, grupelhos, de mentalidade baixa e concepção equivocada do mundo e da vida em geral...apenas isso e nada mais que isso! Como um bando de bestas desesperadas, os tais agem como se a vastidão de todo o universo fosse propriedade sua e de ninguém mais! Como se tudo o que existe surgiu para eles, por eles ou em função deles e quem não tem utilidade para servi-los deve ser exterminado com urgência. Mesmo que o outro nada faça, na da pense ou nada diga contra estes, a simples existência dos tais e capaz de provocar um ódio mortal em tal puritano de meia tigela!
   Apesar de tudo, não é assim que eles se enxergam! Os tais acham que algum fator genético, “divino”, político ou de poder aquisitivo os tornam com direitos superiores. Eles não entendem que, se o mundo é um paraíso, estamos todos inseridos nele! Se o mundo é um inferno, estamos todos também no mesmo recinto! Todas as nossas ações e reações estão interligadas, inclusive nossa forma de pensar quando verbalizada ou escrita podem afetar ou influenciar para o bem ou para o mau um número infinito de pessoas por milhares de anos seguidos.
   Os supremacistas parecem não se dar conta disso e vivem em um mundo como se não dependessem de nada ou ninguém, como se a razão de sua existência entre os demais fosse apenas para oprimir e se deliciar com tais opressões.
   Entre tantos tipos de supremacias declaradas, quem sabe A SUPREMACIA RELIGIOSA seja a mais antiga, a mais praticada e a mais perigosa de todas essas concepções equivocadas do mundo, pois faz com que pessoas comuns, geneticamente iguais a todas, se achem diferentes e superiores fazendo justamente o que todos os religiosos fazem: adoram deuses imaginários!
   Pessoas de religiões diferentes, possuem diferentes formas de expressar o mesmo tipo de infantilidade, mas todos costumam se achar especiais, exclusivos, ungidos, povo de deus, etc! Ao declarar frases como “o meu deus, ou a minha religião é a única e verdadeira”, sem percebe todos os que assim o dizem, estão sendo supremacistas religiosos, e devido a isso centenas de batalhas foram travadas no mundo inteiro ao longo dos séculos muita gente inocente morre todos os dias ainda hoje por ideais tão estrupidos. A bíblia está cheia de exemplos assim!
    Independente alguém segue a teoria da evolução, da criação ou de que somos frutos de sucessivas experiencias genéticas feitas algum tipo de inteligência extra terrena, a grande verdade é que estamos todos presos nessa mesma nave chamada terra e assim vamos permanecer até sabe-se lá quando! Então, ou aprendemos a conviver com as diferenças uns dos outros ou em qualquer paraíso que tivermos contato, faremos desse lugar um verdadeiro inferno.
    Se você se acha uma ser especial por algum motivo banal, comum a todos, ou seja lá por qual motivo for, sugiro que REVEJA SEUS CONCEITOS!
  SAÚDE E SANIDADE A TODOS!
Texto escrito em 31/5/20
   *Antônio F. Bispo é graduando em jornalismo, Bacharel em Teologia, estudante de religiões e filosofia.
Ferreira Bispo
Enviado por Ferreira Bispo em 31/05/2020
Código do texto: T6963795
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Ferreira Bispo
Cristinápolis - Sergipe - Brasil, 38 anos
181 textos (12731 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/08/20 18:40)
Ferreira Bispo