Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM ENSAIO SOBRE A SABEDORIA E A JUSTIÇA. Parte 2




O interno suspira profundamente, e começou a contar a história que tem a ver com o seu tão intrigante teste:



-- Imaginem que um super carro esportivo importado, novíssimo, que com certeza acabou de sair de alguma famosa revendedora e se desloca no espaço-tempo em uma velocidade superior a cento e oitenta quilômetros por hora, e isso acontece em uma avenida muito comprida que começa plana, e tem uma descida bem acentuada que termina onde tem uma curva para a direita e outra para a esquerda, e assim, formando um gigantesco “T”, e que se localiza em frente a um muro do Parque Nacional. Imaginem que o motorista não consegue fazer a curva nessa velocidade toda, e perdendo desta forma o controle da direção do carro, e na sequência atropela e mata no ato, duas crianças que, inocentemente, brincavam no meio-fio da calçada; uma das vítimas tinha apenas três anos e meio, e a outra mais jovem ainda, ela era quase um bebê, ela tinha apenas e tão somente um ano e meio.

O automóvel parou somente quando se chocou em uma proteção enorme e improvisada feita com pneus usados. O carro fica muito comprometido, houve uma perda deste patrimônio quase que totalmente. O motorista está apenas inconsciente, ele parece está incólume, são e salvo, pois, ele usa um excelente cinto de segurança de cinco pontos e o bem moderno sistema de airbag do seu carro importado e muito caro funcionou perfeitamente. E em apenas alguns minutos depois os pais dos inocentes que moram a uma quadra dali à esquerda da curva do atropelamento em uma ocupação improvisada e totalmente irregular e muito perigosa; eles, os pais, vieram com os seus muitos amigos, além de quase todos os seus vizinhos e ainda outras pessoas que lhes acompanharam, e estes indivíduos olham toda a situação, e planejam e decidem que querem dar cabo da vida do motorista a pauladasa, chutes, a socos, a pontapés; e outras pessoas têm em mãos ferramentas de trabalho e também várias categorias de armas de fogo, e ainda tem muitas outras pessoas com outros tantos utensílios que podem ser muito úteis para quem quer dar fim a vida de um homem de uma maneira muito cruel e sanguinária.

Isso tudo está acontecendo num sábado às vinte horas e trinta e cinco minutos, e tudo isso que está se passando é relativamente perto do palácio real que fica apenas a duas quadras à direita da curva do acidente, e dentro desse palácio agora está sendo celebrada uma solenidade bastante importante, já que, faz apenas um dia que lá dentro foi coroado um novo rei...

 Esse monarca, recentemente, há três meses antes dessa coroação, foi descoberto ser a pessoa mais sábia e justa de todos os tempos, e foi com base em diversos testes feito por uma importante agência super especializada e mundialmente reconhecida.







Mas, agora, enquanto se passa o tal acidente, e nesse mesmo exato instante, ocorre também um segundo evento que tem muita relevância envolvendo esse rei em tão pouco tempo, ele está sendo entrevistado pelas vinte mais respeitadas emissoras de televisão de todo o planeta, e foi por causa dos resultados dessas tais avaliações bem específicas que descobriram tanta sabedoria nesse homem e é por isso mesmo que todos esses profissionais de emissoras de TV estavam reunidos há dois meses anunciando esta seríssima reportagem e agora a transmitem ao vivo para o mundo todo com as suas devidas traduções simultâneas feitas localmente em cada lugar do mundo onde chegam através de sinais via satélite.

Essa solenidade toda, que é bem similar a uma grande entrevista, parte como uma excelente aula, parte como uma poderosa palestra, que foi exaustivamente recomendada por vários dos maiores filósofos, por professores e por psicólogos, por antropólogos, por cientistas e por outros profissionais competentes que estavam muito preocupados de como que estavam a sabedoria e a justiça no mundo todo; e foi por causa desse motivo em especial que esse evento tão importante foi proposto com uma espécie de um maravilhoso e bem útil presente para toda a Humanidade, já que o mundo todo está cheio de ignorância e de muitas injustiças e é por isso que precisaria de alguém para servir de modelo de conduta a todas as pessoas; e a ideia é que, sendo o rei o homem mais sábio, e justo de todos os tempos, pudesse inspirar sua sabedoria, e a sua justiça nas pessoas de todas as nações, uma vez que, há uma finalidade em especial: que é a de tornar o mundo em um lugar completamente seguro, e sobretudo, para todas as crianças.

E no mesmo momento em que aconteceu o fatídico atropelamento e as mortes das criancinhas inocentes esse grande monarca fala sobre grandes feitos realizados pela autoria de sua própria sabedoria, e foi quando inesperadamente se abrem as portas do salão principal e se adentra desesperadamente um dos guardiões da entrada do palácio, e  este se atreve a se aproximar do monarca e o interrompe no meio dessa grande entrevista; e os envolvidos na solenidade acreditam que, “o intruso“, jamais poderia ter feito tal coisa num evento desse porte; e na sequência ele chama o rei em um lugar privado próximo e conta que há uma multidão se organizando para linchar um motorista que matou duas criancinhas em um atropelamento onde por todo o lugar que se olhe se vê uma enormidade de sangue inocente derramado e bem espalhado, e está chocando enormemente e revoltando a todos que estão lá perto e ele ainda diz ao rei que tem muitas pessoas lá ao redor dos corpinhos dos inocentes.

Um grande jornalista, de uma televisão bem famosa, sempre focado e atento, faz um grande esforço a fim de escutar o que o guardião está a relatar ao soberano, e ele, o repórter, ficou sabendo dessa questão tão complicada, comovente, e bem triste, então, ele, atrevidamente, até ainda mais ousado do que foi o próprio guardião, visto que, esse ousou a chamar o monarca na frente de todas as câmeras de TV: e ele sugere e também solicita ao soberano entrevistado: que o poderoso monarca lhe mostre, ao vivo, ao mundo todo, como resolver um problema com toda essa magnitude, com sabedoria, e com justiça, para que seu maravilhoso exemplo de conduta correta possa ser compartilhado com todas as pessoas do mundo todo, porque, é realmente esse mesmo o grande objetivo dessa entrevista, desse evento todo: ensinar o povo a ser sábio, e justo, e como há crianças envolvidas, resolvendo ao vivo um caso tão relevante desse tamanho todo: poderia ser pedagogicamente bem mais educativo do que a própria entrevista coletiva em si, e assim todas as crianças seriam eficazmente bem melhores protegidas das violências e de todas as atitudes erradas dos adultos.

O rei aceita a sugestão e começa a se deslocar em direção ao local onde parece que infelizmente teremos um iminente linchamento; e todas às cerca de setecentas pessoas das comitivas que estão envolvidas na transmissão da solenidade deixam rapidamente as dependências real e, essa gente toda o acompanha: seguindo logo atrás do poderoso monarca.

Nesse momento, toda uma metade da população mundial está vendo todo o ocorrido, já que, essas pessoas se lembraram que haveria esse evento e se interessaram e puderam assistir a essa maravilhosa entrevista, e agora as multidões que estão espalhadas por todo o globo terrestre se encontram acompanhando, pelas suas respectivas televisões, a tragédia  em choque, e bastante comovidas com toda essa situação tão triste; e toda essa metade que está assistindo ao vivo, e em prantos, tem o pensamento idêntico: o de avisar sobre o ocorrido à cada pessoa que eles conhecem e, é a primeira e a única vez em toda a história da humanidade que todos os telefones do mundo inteiro entram em atividade simultaneamente, porque, estão fazendo ou recebendo chamadas: são pessoas avisando para os amigos, avisando para os parentes, ligando para os vizinhos e assim todas as pessoas são avisadas do que está acontecendo, e todas as pessoas que foram alertadas, e prontamente, deixam para depois todos os seus compromissos e seus muitos afazeres, até mesmo os que lhes são essencialmente muito importantes.

Agora o mundo todo está diante de suas televisões, e querem soluções imediatas, visto que, as emissoras estão fazendo com que a coisa toda fique cada vez muito maior, mais intensamente dramática, mais emocionante, e tudo isso, devido a como são mostradas e narradas todas as cenas do acidente pelos apresentadores de televisão sensacionalistas e também pelos jornalistas irresponsáveis; lamentavelmente, eles mostram cabeça em um canto do muro, ainda os bracinhos em outros lugares próximos, e as perninhas em outros cantos distantes, e os sangues tão ''vermelhamente" infantil espalhados por todos os lados, e as pessoas que estão assistindo ficam, cada vez mais comovidas, e profundamente chocadas com o que aconteceu com as criancinhas inocentes nesse impressionante acidente automobilístico.

E todas as pessoas estão extremamente tensas, e todas essas pessoas aguardam ansiosamente para saberem do desfecho desse violento e inesperado atropelamento, e ainda gostariam de saberem como se faz para ser uma pessoa sábia, e justa nessas condições muito atípicas. E muitas das pessoas estão até com bloquinhos de notas ou cadernos e canetas para anotar a cada atitude, cada detalhe e cada reação do homem apontado com o  mais sábio de todo o planeta, porque, não querem esquecer de nada e aprenderem, definitivamente, com é que uma pessoa sábia, e justa revela e conduz os acontecimentos e lê, analisa e interpreta os fatos em sua correalidade mais fiel e honesta.

Ainda, desejam aprender a ser uma pessoa super protetora de crianças.

Talvez seja devido a todo esse sangue, ou, por tudo que esse tipo de situação causa e, mexe com o ser humano: por isso todas as pessoas prometeram para elas mesmas e, também para todos os que estavam perto deles e principalmente para os seus próprios filhos que iriam fazer exatamente tudo o que o poderoso monarca sábio vier a mandar que seja feito: porque, amam as suas crianças mais do que tudo na vida, e cada qual, imaginando as crianças mortas, pegam os seus filhos e lhes abraçam bem forte e, eles ficam muito felizes e muito aliviados por não serem as crianças deles as que estão entre as que foram atropeladas.

E quando o rei chega ao local do acidente logo vê que a criancinha de três anos e meio está apenas com uma das metades do seu corpinho que o impacto o lançou pelo ar lhe depositando sobre o capô do carro que lhe atingiu fortemente -- e o que está ali é apenas o que resta de algo totalmente irreconhecível -- e a outra metade do corpo do pequenino inocente está no interior da máquina que custa meio milhão de dólares, e que lhe ceifou a sua breve vidinha. Esses destroços do corpinho da pequena vítima se encontra sem o braço esquerdo e o resto do seu corpinho tão frágil está todo retorcido; jorra sangue inocente de cada um dos poros de seu cadáver inocentemente infantil e que ainda insiste em reter um pouquinho de calor.

E a outra pequeníssima vítima, de apenas um ano e meio, foi arremessada contra um poste, e tendo a cabeça, também os seus braços e as perninhas totalmente decepadas; o seu frágil corpinho está completamente desfigurado.

E os sangues inocentes das pequeninas vítimas "lavam toda a calçada“.

E o rei, nesse momento, olha fixamente para o motorista que “dorme tranquilamente “como se estivesse em sua própria e tão confortável  cama, como se tivesse feito a coisa mais linda do mundo e agora está dormindo “o sono tão merecido dos que são justos”, e nem passa por seus sonhos que ao seu redor o povo está afoito para fazer o que essas pessoas chamam de justiça com as suas próprias mãos.



Agora, o rei concentra o seu olhar totalmente no condutor do veículo.

E cada pessoa que se encontra ali perto da tragédia oferece ao rei uma "melhor ideia" da qual seria a maneira "mais correta" de punir exemplarmente o motorista, e a maioria absoluta desejava matá-lo fazendo uso das suas próprias mãos, porque, estão muito revoltados com o que estão vendo, e realmente não está com uma boa aparência essa cena toda; e o suspeito ainda está desacordado dentro do seu incrível carro importado.

E o interno ao chegar nessa parte da história do seu teste diz às pessoas que estão no ponto de ônibus:

-- A partir de agora, cada um de vocês serão o rei dessa história e o resultado das suas respostas vão revelar o quanto cada um de vocês são sábios e justos em sua total realidade! Vocês querem mesmo todo o poder para julgar? Terão todo esse poder que desejam e qualquer coisa que vocês disserem será considerado a verdade absoluta suprema e irrevogável, de modo que, tudo o que fizerem, começando de já, vão servir de inspirações para todas as pessoas, portanto, resolvam este problema da forma mais sábia, e justa que forem capazes, já que, será formado um novo paradigma, um novo modelo de conduta para que todas as pessoas que lhes escutando agora o sigam.

Imaginem que vocês estão em um reino onde vocês têm o poder absoluto, vocês terão todos os Três Poderes inteiramente voltados para vocês: por isso, vocês serão o próprio Estado em sua forma mais plena possível, e tudo que vocês acreditarem ser justos podem ser aplicados quando, e, do jeito que "bem-quiserem", vocês serão A Lei; vocês, cada um na sua vez de responderem, serão os agentes principais dessa história, e cada um de vocês quando forem responder o teste, saibam que vocês serão os três poderes em uma pessoa só.

E as quatro pessoas que estão no ponto de ônibus ao escutar cada palavra do interno se entreolham bem espantados e o interno continua:

-- Agora, vocês farão o papel desse rei, e se colocarão no lugar dele, e julgarão o motorista; portanto, façam leis que acreditam ser as mais corretas e o mundo todo vai copiar essas suas atitudes e as leis que vocês acreditam que são justas, então,  mostrem-me como inspirar positivamente com seus ensinamentos e com as suas justiças, espalhem o que há de melhor dentro de vocês e façam fluir dos vossos corações até às vossas bocas toda a verdade que há em vós. Aproveitem a chance que têm e protejam corretamente todas as crianças com os seus exemplos que vocês aplicarão sabiamente… Eu só os advirto e lhes aconselho a que ensinem as pessoas que estão em cada ponto do mundo de um modo que eles entendam o que exatamente cada um de vocês pensam, pois, nem adianta ensinarem o certo se for da maneira errada, é preciso ensinarem o que é certo e fazerem isso da maneira correta, já que, vocês precisam se lembrarem  ainda de que existem as pessoas que têm muitas dificuldades para entenderem os significados das palavras, os conceitos e as ideias, e por conta disso, portanto,  quero que vocês, "desenhem" para essas pessoas humildes entenderem corretamente, quero que façam um perfeito sistema didático num passo a passo bem claro e objetivo, facilite ao povo que tem mais dificuldades em entenderem as ideias, por isso, quero que vocês expliquem-lhes muito bem a cada detalhe do que se deve ser feito, uma vez que, acreditem em mim quando eu digo que realmente existem mesmo muitas pessoas que tem muitos "embaraços" em entender o mundo e toda a sua enorme complexidade; e essas pessoas precisam mesmo de muita ajuda para conseguirem entender o que vocês vão ensinar para elas, e elas dependem disso; elas eram tolas porque nunca tiveram a oportunidades de conhecer alguém sábio e justo como vocês, mas agora elas têm vocês. Mas, como é que elas poderiam ensinar o que não entenderam da maneira bem correta? Então, ENSINEM a elas corretamente! Façam a justiça de um modo que eles possam aplicar todas essas instruções a partir de quaisquer um dos incontáveis locais, em todos os lugares onde vivem... Seja de onde for... Se vocês quiserem, inclusive, podem até começarem todos os sistemas dos seus governos do zero absoluto e reconstruírem totalmente o sistema de se fazer a justiça plena aos seus modos de verem o que é justo; já que vocês acreditam tolamente que os outros poderes do Estado só atrapalham a se fazer a plena justiça segundo o modo de vocês pensarem,  vocês podem até acabarem com todo esse sistema já existente e começarem do zero e fazerem: um novo Estado de Direitos do modo que quiserem, e se precisarem! Mas, lembrem-se que todas as pessoas do mundo todo vão copiar cada um de vocês! Eles vão replicar a cada um ensinamento e atitude de vocês! Mas vai dar ruim o resultado disso tudo, pois, acredito que vocês não são capacitados para esse fim! Ou vocês se sentem mesmo plenamente preparados e querem para si essas responsabilidades toda?



Nesse momento o interno olha fixamente para cada um dos seus interlocutores e diz seriamente:



-- Vocês poderão tomar a atitude que quiserem, mas, o objetivo aqui é apresentar soluções realmente viáveis para que nenhuma criancinha, nenhum inocente morra injustamente.



Dizendo isso o interno suspira outra vez profundamente e em seguida diz:



-- Eu tenho mais uma forma para auxiliar vocês nessa questão… Tudo o que precisarem saber, eu posso lhes dizer, no ato de suas perguntas, responderei tudo. Tudo mesmo! Se vocês acreditarem que é importante saber a cor do carro ou a idade de alguém, se quiserem até um exame ou uma perícia qualquer e eu lhes dou os resultados imediatamente, solicite-me, basta que me perguntem, basta que me exponham as suas dúvidas. Até mesmo se precisarem saber o que surgiu primeiro: se foi o ovo de galinha ou se foi a galinha propriamente dita, eu lhes conto. Respondo a todas e a quaisquer perguntas que me fizerem. Respondo prontamente a todas as dúvidas, porque, já sei todas as respostas: já que foi eu mesmo que inventei esse teste e o conheço em cada detalhe do desenvolvimento dessa história do começo até o fim dela. Por tanto não hesitem em me perguntar… Pois, vou responder cada pergunta de vocês de uma maneira tão clara e rápida.



E os seus interlocutores que estão no ponto de ônibus ficaram de bocas abertas e estáticos, sem nada a dizerem e sem gesto algum; e o interno continua a explicar a parte final do seu teste:



--Portanto, vejam bem toda a enorme complexidade dessa situação… As televisões estão dando closes no rei, nos corpinhos dos menininhos mortos, nos pais deles, no motorista e na multidão.

E o motorista nesse instante acorda e "dá uma olhada em toda a situação” e o povo começa a gritar: "Morte ao assassino! Morte ao assassino! Quem mata crianças inocentes não merece viver não".


O interno sempre com muita paciência explica:



-- E o motorista, completamente assustado, olha em sua volta, e vê os corpinhos das crianças despedaçados, vê a metade completamente ensanguentada e bem machucada do cadáver de um menininho ao seu lado, e ele vê as câmeras de televisão que filmam por ali… Vê tudo isso e se apavora quando vê a multidão com tantas armas e ferramentas em mãos, dizendo frases fortes de:



-- Morte ao assassino! Morte ao assassino! Morte ao assassino!



E ele fica ainda muito mais assustado, já que, percebe que o tal assassino à quem tanto o povo enfurecido se refere é ele mesmo e ele fica tão apavorado que não consegue ter reação alguma  consequentemente, ele começa a suar sem parar e depois fica bem vermelho e perde o fôlego e depois tenta mais uma vez falar algo e novamente não consegue dizer nada, nenhuma única palavra desejou sair de sua boca naquele momento muito tenso; mas o condutor do veículo olha para o rei e se lembra sobre a tal famosa entrevista que haveria no reino de um homem muito sábio e justo, o homem mais sábio e justo que já existiu, e esse tal homem é o novo rei, e ele está bem próximo dele, está ao seu lado; por isso, o acusado olha bem nos fundos dos olhos do poderoso monarca, mas, ainda ele não consegue dizer nada com palavras, nesse instante, por isso faz uso de apenas de expressões faciais e também com os seus grandes olhos negros bem e expressivos que ele suplica ajuda ao poderoso soberano:



-- “Por favor, ajude-me?”.



E o interno ainda diz:



-- Olhem atentamente, no fundo dos olhos do motorista, olhem bem mesmo e depois me contem de maneira bem clara e de fácil entendimento exatamente o que vocês fariam a partir desse ponto; suas respostas vão me mostrar, claramente, e sem uma única sombra de dúvidas se vocês seriam mesmo bons governantes ou não! Mas, lembrem-se, e acautelem-se já que a pós esse evento todas as pessoas do mundo todo e em todas as épocas, inclusive, nas eras bem remotas no futuro, para sempre; todas as pessoas vão se inspirarem em suas atitudes que vocês terão agora nesse momento antes deles resolverem a qualquer um dos seus problemas públicos, sociais, pessoais e de comportamentos: os povos globalmente terão o rei como a única referência, porque, os seus ensinamentos e condutas estarão gravados em cada um dos corações dos que estão ouvindo vocês!



E o interno continua:



-- Digam-me, além disso, o que vocês acreditam que irá acontecer com o mundo todo quando todas as pessoas fizerem exatamente o que vocês lhes propõem? Quando todos agirem como vocês vão ensinar a eles, quero saber, então, eu quero saber, então, como é que nascerão bons frutos dessas suas atitudes que vocês acreditam serem tão corretas? Expliquem para mim…  Quero que tenham atitudes realmente sábias, e justas, impedindo que no futuro próximo ou distante: mais crianças inocentes morram de maneiras tristes e semelhantes a essa que eu acabei de narrar pra vocês! Quero que vocês criem um perfeito paradigma: um excelente exemplo que sirva como modelo para todas as pessoas sempre usarem para serem sábias, e justas efetivamente!



E o interno narrava esses eventos todos de tal modo tão impressionantemente que as pessoas que o escutavam a contar o teste agiam como se o experimento fosse uma espécie de hipnose, ou ainda uma poderosa sugestão hipnótica mental, e ou ainda até mesmo uma leve magia, isso por causa de o tanto que era fascinante o modo que lhe eram narrados a todos os acontecimentos, e por isso que todos eles se sentiam realmente, como que se estivessem no interior de um estranho simulador que, por sua vez, fez com que cada um deles experimentassem de verdade todas as sensações de que estavam efetivamente dentro do ambiente real do acidente, logo, eles percebiam a cada um dos milhares de detalhes do contexto por todos os lados do lugar já citado pelo interno, sentiam os cheiros, todos os sons do ambiente e das pessoas, do clima e todas as coisas como se fossem efetivamente tão reais; e portanto, todos eles sentiam que cada qual estavam mesmo vivendo a personalidade do rei como se fossem uma espécie de avatar e que iriam realmente julgar a questão do motorista e as crianças que foram atropeladas.


E o interno lhes pergunta:



-- Então -- de uma maneira tranquila, responsável e bem ordeira -- digam-me o que vocês fariam se fossem o rei dessa situação e nesse cenário que lhes foram apresentado por mim? Mas me respondam respeitosamente um de cada vez, por favor:
E a vendedora de hot dog, olha para as pessoas que estão ao seu lado, depois, com seu narigão apontando para o interno e já lhe responde em seguida, sem ao menos vacilar um único instante, e convicta de toda a sua sabedoria aguçada e a sua grande e "infalível juridicidade" e lhe disse completamente emocionada:

-- Mandaria matar ele, imediatamente! Porque, com toda certeza, ele é um assassino frio, calculista e imensamente cruel! E eu não tenho nenhuma mínima dúvida disso pelos fatos expostos e apressentados com todos esses grandes detalhes inquestionaveis!

E quando ela diz isso já se imagina na frente do tal "criminoso" e se idealiza portando um fuzil de guerra e que já está executando sumariamente o seu desafeto e ela continua dando a sua resposta com extrema convicção:

-- Assim, todas as pessoas tomariam muito mais cuidado quando fossem dirigir seus veículos importados e bem caros! Agindo desse modo, como eu agiria, tenho a certeza absoluta de que nenhuma outra única criança inocente iria morrer em circunstâncias tristes e semelhantes a essa que vimos agora nesse poderoso simulador. E como vocês todos podem perceber, todas as pessoas pensariam muito bem antes de entrar em um carro e correr igualmente fazem os irresponsáveis, os matadores de criancinhas e inocentes, e ainda como fazem os loucos. E, por isso, eu acredito que agindo assim, teríamos o perfeito exemplo, e as pessoas o seguiriam com muita alegria e satisfação! E eu seria reconhecida como a pessoa, a grande mulher que corajosamente consertou o mundo inteiro, e a Humanidade me seria muito grata, e as pessoas me renderiam muitas homenagens, e muitas honrarias merecidíssimas… E eu, seria a embaixadora e protetora mundial das crianças, e todas elas iriam me respeitar e vão reconhecer a minha imensa sabedoria, e meus pais iriam se orgulhar muito de mim.

E quando ela terminou de dizer todos esses absurdos já estava muito emocionada e com lágrimas nos seus olhos pequenos e castanhos e "derramando gotinhas de choro" pelo seu rosto redondo; e ela se já imaginando na presença de seus pais e eles olhando com muita admiração para filha deles, e então, a infeliz, olha para todos os lados para conferir se as pessoas que havia em sua volta estão anotando todas as suas respostas para aprenderem com a sua sabedoria e para começarem a praticar imediatamente a sua imensa justiça. Mas ninguém lhe deu crédito algum; e ela disse em voz baixa consigo mesma que todos são ignorantes demais para entenderem o que ela lhes ensinou, e a infeliz concorda consigo mesma e se contenta enormente por acareditar que são tão sábia a ponto de ninguém alcançar a sua mente privilegiada e ela sorri sozinha e se convence disso e fica muito feliz por ter descoberto em si mesma tanta sabedoria dentro do seu coração.

E agora é a vez do rapaz magricela que com uma demonstração no rosto de grande reprovação com a resposta da ambulante então, logo articula com os olhos esbugalhados e igualmente a vendedora ele está extremamente convicto de si mesmo e logo, entusiasmadissimo, expõe a sua justiça:

-- E é claro que eu não concordo com nada disso não, com certeza, isso é muito injusto, pois, se o motorista fosse morto assim tranquilamente e em paz plena: o infeliz não iria sofrer nada e morrer seria um alívio e um belíssimo presente para esse assassino, seria um grande prêmio para esse crime gravíssimo desse homem cheio de maldade no seu coração frio; portanto, o melhor a se fazer seria como sempre o meu pai diz, em casos parecidos com esse, o certo é: prendê-lo e mandar lhe dar boas surras todos os dias: uma pela manhã, uma à tarde e uma à noite e, de vez em quando, ainda lhe dar boas surras extras, em plena madrugada, de "surpresa", em especial, nos dias de muito frio, só para ele "ficar mais esperto"; e ainda pegaríamos uma navalha todos os dias, e vamos cortar alguns pedacinhos do seu corpo, e é claro que são nas suas partes mais sensíveis, e lhe jogariámos sal nas suas feridas para que o infeliz pague realmente de maneira correta e justa pelo seu crime horroroso por beber e dirigir dessa maneira, porque, com certeza: está totalmente alcoolizado! E tem um agravante muito sério nesse crime desse assassino: ele não deu nenhuma chance de defesa para as suas pequeninas vítimas inocentes! Portanto, eu digo mais: duas prisões perpétuas completas para esse assassino: completamente louco!

E por se sentir mesmo dentro do simulador, o magricela, quando diz isso faz gestos como que se estivesse pegando a cabeça do motorista e lhe cortando o pescoço de tanto ódio que estava do acusado; e ele continua a falar agora com o seu tom de voz bem mais alto:

-- E agindo assim, da maneira extremamente correta, eu duvido que algum dia alguém assassine outras criancinhas inocentes e desprotegidas! Sabe, estou revoltado só de pensar nisso! Alguém já deveria ter tomado todas essas providências corretas há muito tempo, pois, se assim fosse feito o mundo estaria mais seguro para as crianças! Acredito que mesmo com uma punição exemplar dessa: com muita tortura para esse criminoso, ainda sim, com certeza, é muito pouco para ele! Estou tão revoltado, eu me imagino no futuro eu casado, e já tendo uma família; e se fossem os meus queridos filhos? Filhos esses que ainda nem os tenho e mesmo assim não me conformo! Se essas fossem as minhas crianças assassinadas? Eu arrancaria pela boca dele o seu maldito coração com as minhas próprias mãos!

E a dona-de-casa, balançando os seus cabelos longos e muito bem cuidados, com muita raiva do motorista e bem mais mal-humorada do que já estava, faz uma expressão discordando imensamente tanto da vendedora quanto do que o rapaz magricela falou, e ela com a voz bem alta e quase gritando, sentencia:



-- Acredito que o certo mesmo seria que ele pagasse uma indenização muito alta para a família das crianças mortas, acredito que um valor equivalente ao triplo ou pelo menos o dobro do valor do carro dele, não, melhor o triplo mesmo, não o correto seria quatro vezes mais, isso mesmo, agora sim… Veja bem o porque digo isso! Essas coisas são do jeito que minha querida mamãe sempre diz: que, quando vai doer no bolso dessas pessoas: elas pensam bem melhor antes de fazerem coisas erradas, os muitos crimes… E eu sei muito bem, eu sei, é claro que isso não iria trazer as crianças de volta ao seio de sua família, mas, ao menos, amenizaria a dor da família que amava muito os seus pequenos... E que, com toda a certeza, cuidavam muito bem desses inocentes, eu percebi isso logo de cara, pois, eu senti o amor e o carinho transbordando de dentro dessa família que era muito bonita. Mas seria um bom consolo pelo menos, já que, essa indenização bem robusta poderia pagar os novos tratamentos para que seus pais pudessem tentar outras novas gravidezes e terem outros filhos, e os nascimentos desses novos rebentos poderiam, sem dúvidas, trazerem um pouco de alegria de volta ao lar deles, pois, estão sofrendo muito por causa deste assassino cruel e sanguinário e sem coração e que não liga nenhum pouco com a vida das pessoas de bem.



E quando a dona-de-casa diz isso se imagina estando cara a cara com o acusado, e nessa cena projetada, nesse cenário todo, ela está contemplando a assinatura de um cheque de milhões assinado pelo motorista em benefício dos pais das crianças atropeladas , e ela sorri, feliz, pois, está bastante contente e satisfeita consigo mesma e com a sua "infinita justiça" que acredita possuir, e ela explica o porquê:



-- Eu não acredito que seja nenhum pouco justo este motorista interromper o sonho alheio. Acredito que tirando esse dinheiro dele isso lhe faria refletir bem melhor! É claro que isso iria ser um exemplo a ser seguido por todos os povos do mundo. E todo o planeta seria um lugar mais seguro e tranquilo para todas as crianças, e tudo isso graças a mim e a minha tão profunda sabedoria que aprendi com a minha mãe e com o meu querido paizinho e tudo isso será um legado muito bom para os meus amados filhos e aos filhos dos meus filhos e aos meus futuros queridinhos bisnetinhos!



E quando ela termina de falar isso faz um gesto esperando aplausos pelo seu discurso que acredita ser revolucionário e exemplar; mas, ninguém lhe aplaude e ela fica bem séria e decepcionada e finalmente se cala.



E o homem que está um pouco acima do peso e que já se encontrava muito ansioso e empolgado para dar o seu parecer, e agora é de "fome de justiça" que ele parece estar, e sendo assim, ele, olha com os seus olhos pequenos para o interno que nesse momento coloca a cabeça de volta para dentro do buraco do muro do Hospício, e finalmente esse homem que está do lado de fora articula o seu pensamento e diz:



-- Eu faria tudo bem diferente disso aí que ela quis ensinar completamente errado, ou seja, o certo de verdade mesmo a ser feito é como o meu pai me instruiu desde quando eu era um apenas um menininho, seria bem melhor mandar esse homem assassino ser preso em um tipo de cadeia bem diferente para ele prestar, sem remuneração alguma, é claro, serviços, perpetuamente, à toda a sociedade… Ele teria que trabalhar muito duro para pagar pelo seu crime horroroso demais e pela perda e pelos danos e além da dor que causou a essa linda família e à sociedade como um todo… E com certeza, sendo punido assim, a sua consciência iria atormentá-lo para sempre, e nunca mais ele mataria alguém! E todas as pessoas iriam seguir esse meu exemplo maravilhoso e com isso nenhuma única criança morreria dessa maneira tão vil, nunca mais!pois, eu não acredito ser justo mandar esse assassino para a cadeia onde este comeria bem, já que teria um chefe de cozinha só para ele, beberia só coisas boas, dormiria em camas confortáveis, moraria de graça, se vestiria bem, pois, teria o seu próprio alfaiate, ainda teria mordomos para lhe servir o tempo todo e ainda do modo que ele bem quisesse; e tudo isso à custa das pessoas de bem que pagam os seus muitos impostos que são altíssimos!



E quando ele diz isso se imagina vendo de longe o acusado trabalhando exposto ao Sol sem proteção alguma, na chuva, no frio e na escuridão ao menos quinze horas por dia, seis dias por semana em uma prisão especial bem severa e com muitas restrições bem rígidas. E o homem aperta bem os seus olhos e a sua pressão arterial aumenta muito por causa da raiva que está sentindo mas ele assim mesmo continua a explicar a sua resposta:



-- Esse assassino louco tem é que pagar pelo seu crime com trabalho… Muito trabalho mesmo! Acredito que agindo assim seria o melhor exemplo que poderíamos dar ao mundo todo! Mas é uma pena eu não ser o governador fora do reino desse maravilhoso simulador, senão eu consertaria esse país decadente e seria um grande exemplo para a Humanidade interira, talvez o maior, e com essa atitude as crianças em sua quase totalidade estariam muito bem protegidas… E agora sim vocês tem um bom motivo para aplaudir alguém, sou um verdadeiro herói. Sou um sábio, igualmente ao meu querido pai, ele que me ensinou ser como eu sou, ele que me instruiu a dizer tudo isso que eu disse, e ele me disse outras sabedorias muito maiores do que essas, coisas que são bem mais importantes do que essas que eu lhes ensinei!



Parece que o homem que está um pouco acima do peso, do mesmo modo que os demais que responderam ao teste, quer ser aplaudido quando terminou de discursar os seus pensamentos absurdos. Mas, igualmente aos outros ele também não recebe aplauso algum, pois, cada qual acredita que deu a melhor das respostas possíveis e se sentem profundamente injustiçados por não terem os seus justos reconhecimentos de suas sabedorias pelos demais participantes do teste e pelo aplicador do mesmo.



E depois de ouvir todas essas absurdas respostas, o interno, para a revolta geral, revelou os resultados do seu teste aos participantes:



-- Vocês acreditam que são sábios e justos e que fariam muito bem à sociedade e que seriam bons modelos de conduta e que todos os povos deveriam parar de pensar como pensam e passassem a pensar como cada um de vocês; vocês acreditam que construiriam cada qual o melhor MODELO de justiça e que estão melhorando muito o mundo? E ainda sonham em ser copiados, realmente? Vocês buscam para si as glórias dentre as opiniões das pessoas, e querem e precisam por causa de suas vaidades de reconhecimentos mundiais, além disso buscam a fama, acertei não é mesmo? Porém, vocês, como eu havia previvisto, unanimemente, sem uma única exceção sequer, de acordo com os resultados rigorosíssimos e infalíveis dos meus testes, foram diagnosticadas como pessoas muito injustas, bem perturbadas mentalmente, muito perigosas socialmente, são muito paranoicas, e que tem surtos psicóticos e delírios e são muito pouco sábias e nenhum pouquinho justas sequer… Usam sempre muitas falácias e o tal do construto ficcional para justicarem tudo o que há tão errado e de ruim em vocês... E ainda com base nos resultados obtidos, com vocês no poder, com suas atitudes tolas e bem preconceituosas, então, julgariam sempre erroneamente, pois, sempre julgariam se baseando somente nas aparencias e nas impressões iniciais que tivessem, e por conta disso, vocês piorariam muito o mundo… Vocês arrumariam muitos conflitos totalmente desnecessários com as outras nações, inclusive com os países amigos, e com as pessoas dos seus próprios partidos, e ainda com os seus aliados próximos, dividiriam -- talvez, espero que sim, só a metaforicamente falando -- o país em "vários pedaços", e cometeriam muitos desatinos e outras coisas bem ruins... E as crianças continuariam a sofrerem e a morrerem de maneiras lamentáveis em seus governos pranóicos e delirantes e nos governos de seus seguidores. Vocês não ajudariam em nada as criancinhas inocentes… Vocês entrariam para a história como despotas ou como simples tolos. É tão difícil diagnosticar um tolopois, um tolo é tão parecido com um tirano:pois, a ignorância é (tão) vizinha da maldade... Mas vocês agiram exatamente como fazem os típicos tolos:pois, vocês deram muita importância para o que vocês ACREDITAM... Sem investigação alguma, sem provas, sem evidências, sem darem o direito ao contraditório, sem ouvir o acusado e principalmente sem ouvir ainda devidamente o acusado e deixando que ele se defendesse corretamente... Vocês não quiseram entender nem como aconteceu o fato e nem o porque aconteceu o tal acidente... Suas causas, e suas consequências, nada, nada... Mas, não se preocupem, isso é muito comum aos tolos: Vocês julgam sempre se baseando apenas nas aparências, nas fortes convicções que vocês tem e se comovendo demasiadamente com as mortes de inocentes e se pautando pelo clamor público como o ponto central para dar as suas sentenças… Por isso, eu não esperava coisa diferente vindo de vocês, pois, uma árvore boa quase sempre dar bons frutos, mas uma árvore ruim nunca pode dar frutos bons. Toda a árvore que não dá bons frutos corta-se e lança-se no fogo. Portanto, pelos seus frutos são reconhecidos... Vocês foram testados no nível mais fácil e baixo do meu simulador, pois, todas as pessoas iriam fazer exatamente tudo o que lhes fossem ensinados e mesmo assim vocês foram tão ruins... Não conseguiram descobrir que na primeira parte do teste o motorista é totalmente inocente na questão das mortes das crianças, mas que na segunda parte desse teste esse mesmo motorista é muitíssimo culpado! Mas ele é culpado por outros motivos que vocês nem são minimamente capazes de ao menos vislumbrarem tenuemente quais seriam esses tais fundamentos para essa questão que é de suma importância... E o mundo todo estava super propenso e condicionado a fazer as coisas como lhe fosse orientado e vocês falharam, e foi bem feio o fracasso de vocês! Vocês não ensinaram nada de bom para as pessoas... E vocês nem se lembraram em momento algum de ensinarem a todas as pessoas do mundo inteiro que lhes escutavam sobre o que alguém muito importante fez por todos vocês, mas ele iria gostar enormemente caso vocês tivessem feito, ele deu a sua vida há muito tempo por causa desses ensinamentos que vocês negaram ao mundo todo... Talvez seja porque isso o que ele fez pela humanidade tenha acontecido há bastante tempo e as pessoas já tenha se esquecido dele ou porque o que ele disse foi muito distorcido, ou talvez os povos precisem de uma nova história ou que lhes fossem recontada a sua história original de uma maneira mais fácil de ser assimilada para que isso lhes ajudassem a recordar de sua grande e maravilhosa importância...



E a vendedora de hot dog olha tão revoltada para as pessoas que estão no ponto de ônibus, e com um grande tom de ironia, acreditando que não obteria uma resposta melhor do que a dela por parte desse interno tão falador e então, ela "com muito sangue nos olhos" e um olhar de pessoa muito vingativa lhe pergunta:



-- Agora será nós que vamos julgar a sua resposta, então, você, portanto se coloque no lugar do rei, vossa majestade, e nos mostre o que um rei verdadeiramente sábio e justo faria nesse caso… Vossa majestade, então, poderia nos dizer o que você faria sabiamente, vossa alteza?



Ela diz isso e começa a rir sem parar e todas as pessoas a acompanham na sua grande e tola alegria; mas o interno a responde assim:



-- Eu vou responder sim, mas bem que vocês poderiam com o poder que tinham de influenciar as pessoas, poderiam e deveriam ter usado toda essa autoridade que possuíam e terem criado um bom plano de governo e uma administração inteligente e com muita eficiência e que fosse totalmente voltada ao bem-estar do povo, e que ajudasse as pessoas, principalmente as crianças, sobretudo, as mais vulneráveis; e precisariam também instituir um governo que fosse beneficiar especialmente os que mais necessitam: os pobres, para que eles trabalhem menos horas por dia e que eles tivessem salários justos para que eles pudessem se educar melhor e cuidar corretamente de suas famílias, assim eles teriam mais tempo de estarem com os seus filhos e assim os educando perfeitamente, dando bons exemplos a eles e criando muitos e bons laços afetivos e amorosos e de muito respeito, estando sempre presente e brincando com eles e todos se divertindo muito com isso... E sendo muito felizes! Vocês não fizeram nenhuma justiça... Vocês são péssimos pais e seriam ainda piores governantes, seriam grandes tiranos e trariam, por causa de suas ignorâncias, muitos sofrimentos e injustiças a todo o povo... Mas AGORA eu vou programar o meu Super Simulador Mental para que ele funcione no nível mais alto de dificuldades extremas, e eu vou fazer os habitantes ficarem exatamente como é o comum do povo ser em uma sociedade atual... Ou seja, o nível mais alto de dificuldades é o do povo ouvindo a verdade e não conseguindo concordar com ela, seja por tolices, por ideologias, ou por qualquer um dos motivos possíveis e imagináveis, iguais como são as pessoas que normalmente conhecemos por aí! Então prestem muito atenção... O rei verdadeiramente sábio e justo dessa história faz o seguinte: quando ele olha para o motorista e vê que ele parece está meio tonto e confuso lhe pergunta:



-- Meu amigo, você está bem?



E o motorista balança a cabeça acenando afirmativamente sinalizando que está bem sim e o poderoso monarca lhe pergunta mais algumas outras questões:



-- Você sabe quem é esse que fala com você? Sabe quem sou eu? Você me conhece?



E o suspeito mais uma vez acena com a cabeça do mesmo modo novamente.



E o rei coloca sua mão direita em frente aos olhos do motorista com apenas dois dedos levantados: o indicador e o médio e os demais abaixados fazendo o sinal semelhante ao tal "V da vitória" e lhe pergunta:



-- Quantos dedos você vê aqui?



E o motorista lhe responde prontamente:



-- Cinco...



Mas quando o povo ouve a resposta dele se enfurece muito e levantam suas armas, pedras e ferramentas acreditando que esse "cretino" não poderia de maneira alguma zombar do poderoso monarca de modo tão abusado assim, principalmente depois dele ter matado as crianças da maneira como foi que aconteceu essas mortes violentas, prematuras e tão tristes.



E o povo acredita que a resposta da pergunta que o monarca fez ao acusado é outra e grita enfurecidamente em em uma só voz:



-- Dois dedos! Dois dedos! Dois dedos! Dois dedos!



Mas o rei determinou que o motorista acertou a resposta e assim percebeu que o suspeito está em boas condições de falar, pois, era essa resposta mesmo que o monarca precisava escutar para ele saber se esse homem está bem, já que, como o impacto foi muito forte parecia ser completamente impossível essa pessoa não ter perdido a sua frágil vida, e se ele não morreu era de se esperar que o suspeito perdesse a consciência, pelo menos por algum tempo; e foi por isso que o rei acreditou que precisava se certificar de como estavam as suas condições gerais no momento; o soberano queria saber principalmente se a capacidade dele em raciocinar e de falar para se explicar e para ser removido com toda a segurança de dentro do carro e ter uma excelente auto defesa, caso fosse preciso e possível naquele instante e saber ainda quais seriam as primeiras providências que deveriam ser tomadas para que esse homem pudesse sair do carro sem qualquer lesão em sua coluna cervical.



Mas o povo que está ali muito próximo não se conformava com o rei tendo tantos cuidados com o homem que atropelou e matou as crianças; e o povo entendeu como se a pergunta do rei fosse "quantos dedos levantados você vê aqui?", mas não havia a palavra "levantados" na pergunta do rei, e apenas sim: "quantos dedos vê?".



E o poderoso monarca para ter a plena certeza de que o motorista está realmente bem, e com isso lhe faz uma outra questão ao motorista e a resposta correta não é tão simples como parece ser no primeiro instante e ele então pergunta:



-- Se eu lhe desse dez laranjas e você as levasse para a casa de sua mãe e dissesse a ela que dividiria em quantidades iguais com ela, e logo depois dessa primeira partilha você se lembrasse que ela lhe fez um pequeno favor ontem e para lhe demonstrar o quanto que você lhe é grato por isso você cortaria então uma das suas laranjas ao meio e desse a ela uma das metades, nesse caso, diga-me rapidamente qual é a quantidade exata de laranjas que ela iria ter a mais do que você? Você entendeu a pergunta? Se entendeu me responda imediatamente.



-- Uma laranja inteira!



Mas quando ele responde isso o povo faz um grande tumulto e os que estão ali presentes querem matá-lo imediatamente porque eles viram no motorista, por causa dessa resposta, uma total falta de respeito com grande monarca e por isso eles mostram furiosamente as suas armas e as suas ferramentas de trabalho mais uma vez contra o acusado.



Mas o rei atenciosamente diz:



-- Ele, novamente, acertou a resposta e se mostra capaz de conversar lucidamente, sua capacidade cognitiva está ótima em de acordo com os meus testes, e ele está apto a explicar o que aconteceu, e já é capaz de dar a versão dele dos fatos segundo a sua ótica.



Mas quando o poderoso monarca diz isso o povo fica incrédulo com a atitude dele.



 E o assistente do repórter da televisão famosa questiona o soberano:



-- Majestade, se ele deu, depois da segunda partilha, apenas meia laranja, com certeza, ela só poderia ter meia laranja a mais e, por que o senhor está acobertando tanto esse assassino tão cruel?



E o monarca diz:



-- Eu não estou acobertando um assassino não, estou protegendo a vida de uma pessoa, e ele acertou as respostas, e eu só estou me certificando se esse homem, esse cidadão e esse ser humano se ele é, e se sempre foi, uma pessoa capaz de pensar corretamente e se ainda tem as posses de suas perfeitas faculdades mentais, ou seja, sem danos celebrais relevantes, e se, ele está, agora, por causa de todo esse impacto, capaz de entender, de pensar e de raciocinar corretamente nesse momento e se ele está perfeitamente lúcito e apto a dar o seu testemunho sobre o que aconteceu aqui, pois, ele merece e precisa ser protegido e respeitado em todos os seus direitos mais fundamentais da pessoa humana, o direito a vida e também o direito a liberdade plena que lhe são muito preciosos e garantidos por todos os inúmeros tratados e convenções internacionais, ele merece ser julgado de acordo com as leis por um tribunal capaz, justo e totalmente imparcial, por isso ele só será punido quando for provado a sua culpa e o seu crime, pois, além do direito a vida ele tem o direito a liberdade plena que lhe é muito precioso, portanto ele só será punido depois de ser provado completamente a sua culpa, pois, se o Estado lhe prende injustamente esse mesmo Estado nunca poderá reparar essa injustiça praticada, e se o Estado matar alguém e depois descobre que esse cidadão, esse ser humano é inocente, como, por ventura, o Estado carrasco e assassino poderia lhe devolver a sua tão vaiosa vida? E é por isso que para se aplicar uma pena privando uma pessoa da sua preciosa liberdade e, principalmente, da sua ainda mais preciosa vida: o Estado tem que ter a certeza absoluta, e sem a menor sombra de dúvida da sua culpa, do crime da pessoa, do cidadão e do ser humano... E digo mais: quando acontece um crime ou até mesmo um simples acidente qualquer, todas as pessoas do mundo todo tem algum tipo de envolvimento na culpa do ocorrido em algum grau, em alguma escala, em alguma das partes do que se sucedeu, grandes responsabilidades ou pequenas, quanto mais perto do culpado mais responsabilidades tem as pessoas, quanto mais velhas e sábias são as pessoas menos imputabilidades elas carregam em si; já os tolos e os jovens tem a culpa bem menores do que as dos velhos e dos sábios, pois, os sábios tem condições e consciência de entenderem de que devem ajudar a educarem as pessoas ao seu redor, eles tem condições de em entendendo o mundo e como ele funciona agirem preventivamente, eles precisariam ajudar a prevenir todos os crimes e os acidentes... Agora já os tolos, agem feito o mais vil dos macacos, esses deseducam aos que estão perto deles... Eles não tem noção alguma dos acontecimentos ao seu redor e muito menos do mundo todo... Mas os tolos fazem essas bobagens por acreditarem que estão fazendo o que é profundamente certo, na cabeça desses tolos infelizes, eles estão melhorando o mundo com as suas ideias imbecieis, com as suas atitudes toas, com suas paranóias e delírios... Por isso eles as propagam sempre e sempre... E eles fazem essas coisas erradas com muita alegria e convicção... Agora, já os sábios e os mais velhos não falam e se omitem por causa de muitos fatores, em especial, porque eles não  acreditam que são tão sábios assim e não querem ensinar o que é errado... E essa modestia dos sábios funcionam como uma espécie de omissão e acabam por fim prejudicando a sociedade e ou mundo como um todo, quem sabe é moralmente obrigado a corrigir e a ensinar para o bem comum, para o bem maior... E a tempestibilidade dos tolos e dos jovens ajuda a eles darem as suas opiniões e a terem as suas atitudes completamente equivocadas que acabam por fim prejudicando a eles mesmo e a todos ao seu redor, por isso os tolos ocupam o lugar que os sábios deveriam ocupá-lo por direito e por necessidade da sociedade... E é por todos esses fatos que os sábios precisariam sempre estarem atuando de olhos bem abertos principalmente sobre as atitudes dos tolos e dos paranoicos para o bem de todo o coletivo... Então, agora podemos fazer com que essas tristes mortes se transformem em algo bom para todas as pessoas... Que as mortes desses inocentes não sejam em vão, que essas terríveis mortes possam nos ajudar a evitar que outras crianças morram assim, dessa maneira; podemos homenagear esses inocentes lembrando para sempre desse acontecimento e com isso melhorarmos como cidadãos, como pais, como pessoas e como seres humanos... Por isso temos que entender o que causou esse evento triste desde o seu início e não deixar mais que isso ocorra novamente, nunca mais! Vamos estudar todas as causas até a exaustão para que aprendamos e nos previnamos plenamente!



Nisso o tal assistente chega mais perto do rei e olha para ele bem no fundo de seus olhos, mas o infeliz ignorou completamente tudo o que o rei explicou e lhe diz:



-- Mas, agora, o senhor, vê que ele não tem noção da realidade, não é mesmo? Ele está debochando do senhor, majestade, ele é muito abusado, ele está pedindo para morrer lhe respondendo daquele jeito… "Uma laranja inteira!"... Onde já se viu lhe responder assim?



E o rei ainda bem otimista responde a ele:



-- Pelo contrário, acredito que ele parece está muito bem e que entende muito bem a realidade a sua volta, pois, respondeu corretamente aos testes… Ele não fez um deboche de mim não, ele só está me mostrando que está bem… Eu percebi que você está com muitas dificuldades de entender o teste então vou fazer a mesma pergunta para você, mas, de uma maneira mais fácil de ser encontrada e percebida a resposta correta: se eu lhe desse uma única laranja e você a levasse para a casa de sua mãe e você lhe dissesse que a dividiria em quantidades iguais com ela e depois dessa primeira partilha você se lembrasse que ela lhe fez um pequeno favor ontem e para demonstrar o quanto você lhe é grato e desse a ela a metade da sua laranja, diga-me, nesse caso, qual é a quantidade exata de laranjas que ela iria ter a mais do que você?



E o teimoso assistente do repórter da televisão famosa responde prontamente ao rei:



-- Meia laranja para cada um, despois que eu desse a minha metade para ela então, majestade, eu teria zero laranja e ela uma... Uma laranja inteira, Alteza?



E o rei lhe pergunta:



-- Entendeu agora como ele igualmente a você está certo?



E o assistente do repórter diz ao rei:



-- Sei que eu estou certo de que é uma laranja na minha resposta, mas, na resposta dele sei que está errado, pois, é só meia laranja na resposta delepois, é muito diferente do meu caso.



E o rei explica:



-- Mas, como podem ser diferentes essas equações?pois, os dois casos são idênticos! Nos dois casos a pessoa deu meia laranja e a outra pessoa recebeu meia laranja igualmente, e é por isso que sempre que alguém der meia laranja, a pessoa que recebê-la terá uma laranja inteira a mais do que quem lhe deu a meia laranja não importando a quatidade de laranjas, pode ser uma, cem, mil... Só precisa que o número seja positivo e maior ou igual a uma unidade... Mas se for em números abstratos, pode ser qualquer valor, menos do que "um" e até um valor negativo.



E o assistente insiste com rei:



-- Eu acredito que isso só funciona quando tem apenas uma laranja só.



E quando o assistente diz isso o povo todo concorda com ele e não com o monarca.



E o soberano com muita paciência diz:



-- Vocês têm que fazer duas contas simultaneamente e calcular o que uma pessoa ganhou e o que a outra perdeu, uma perdeu meia a outra ganhou meia, meia com meia, resultado, uma. Uma laranja inteira...



E o assistente persiste na sua grande ignorância:



-- Mas, como é isso, a mesma meia laranja? Como a mesma meia laranja pode ser considerada perdida e ganha ao mesmo tempo? E depois se multiplica e vira uma laranja inteira? Por que o senhor está tão a favor desse assassino tão cruel?



E o rei sempre com boa vontade explica:



-- É que essa meia laranja é ganha e perdida por pessoas diferentes ao mesmo tempo e quando se deseja saber a diferença entre as duas quantidades que uma pessoa ganhou e que a outra pessoa perdeu: basta que se some a perda de uma com o ganho da outra…



E o povo balançava a cabeça incrédulo novamente com o seu soberano e ele finalmente mostrando uma pequena impaciência com os seus súditos então diz:



-- Olha gente, cada uma das pessoas depois da primeira partilha tinha cinco laranjas e quem deu meia ficou com quatro e meia, e quem recebeu meia laranja ficou com cinco e meia, cinco e meia menos quatro e meia o resultado é obvio que é uma, uma laranja inteira.



E no meio de toda essa grande confusão o repórter atento finalmente entende que a resposta do motorista está correta e ele aplaude o rei e o restante das pessoas que lhe olham, mesmo não entendendo muito bem, aplaudem o soberanopois, não querem se passarem por simples tolos.



Por isso o rei dá uma grande bronca no povo:



-- Olha só, meus queridos súditos, eu conseguiria fazer esses simples testes que são tão básicos em apenas um minuto se vocês não me interrompessem a cada instante com tolices e com bobagenspois, agora vocês me fizeram perder um grande e precioso tempo… Portanto, calem-se… Quando a pessoa é uma tola ela sempre deveria se lembrar da sua tolice e perceber que precisaria agir com muita caudela para dar as suas opiniões, principalmente quando ela estiver falando com um grande sábio ou um filósofo ou ainda alguém que sabe muito mais do que ela, então, os tolos devem por questões obvias e de por bom senso escutar bem mais e falar bem menos e tentar entender bem os assuntos antes de ficarem opinando bobagens e sandices e, muitas vezes ainda, o fazem isso acreditando que estão certos sem ao menos entenderem minimamente dos tais assuntos que estão sendo discutidos... Mas os tolos nem fazem ideia que são tolos... E isso os ajudam a permanecerem nessas tristes condições...



E quando o monarca disse isso chegaram as equipes de resgate e logo eles perceberam que o motorista não sofreu dano algum, nem ao menos um único arranhãozinho e ele pôde sair facilmente do veículo como se simplesmente tivesse estacionado o seu carro em sua casa depois de chegar de um passeio e saído normalmente do veículo para entrar em sua residência.



E o grande monarca nesse momento olha bem nos fundos dos olhos do acusado e coloca o nariz perto da boca dele e examina o pescoço dele e os seus braços.



E o povo mais uma vez fez um grande tumulto.



E o monarca novamente disse -- "calem-se" -- e depois volta-se completamente para o motorista e lhe pergunta:



-- Então você está realmente bem? Sabe o que está acontecendo aqui? Sabe que essas crianças foram mortas pelo carro dirigido por você; carro esse que veio em alta velocidade totalmente desproporcional ao recomentado? Você pode nos explicar tudo o que aconteceu? O que tem a dizer em sua auto defesa?



E o motorista apenas acena com a cabeça para dizer que está bem sim e lhe dá outros acenos para dizer sim para todas as outras perguntas que lhe foram feitas pelo monarca.



E o grande soberano pede que tragam água ao motoristapois, ele chorou tanto que ele temia que o acusado ficasse bastante desidratado e passasse mal, mas em todos as situações semelhantes a essa é sempre recomendável oferecer águas as pessoas; e até mesmo em eventos mais leves e menos traumáticos explicou o grande soberano prestativamente.



Mas quando o rei fez aquelas perguntas ao motorista algumas pessoas ao seu lado o questionam:



-- Vossa majestade, ele vai ficar bem mesmo quando estiver morto! Bem morto! Não sabemos o porque o senhor quer dar água para alguém que nós já o condenamos a morte e vai morrer logo em seguida. Ele vai ficar “bem”, igualzinho as crianças que ele as matou covardemente! Queremos matá-lo! Vivo, ele não vai sair daqui, não, nunca mais, Jamais!



E o rei ignora a sentença dada pelo povo e avisa que irá levar imediatamente o motorista para conversar com ele em particular em um ambiente bem mais apropriado e indicado para um caso dessa gravidade toda; e o poderoso monarca explica, ainda, que precisa se recolher imediatamente, pois, ele está muito abalado com as mortes dessas crianças, e espera que a morte deles tragam de alguma maneira a conscientização nas pessoas de todo o mundo, e ele diz ainda que precisa cuidar de sua própria saúde, pois, não dormiu bem essa noite, e está muito indisposto, e que quase que ele cancelou de última hora aquele primeiro evento dentro do palácio, mas, seria muito complicado mudar a data para outro dia distante por causa de toda a infraestrutura, a logística e o número muito grande de pessoas envolvidas e outros tantos muitos fatores, e foi por todos esses motivos que ele resolveu fazer esse grande esforço de ensinar aos povos de todas as nações naquela ocasião. E por isso que fazia algum sentido não ter cancelado naquele momento, mas agora não fazia mais sentido algum continuar, e o poderoso monarca explicou mais, disse que faz apenas quatro dias que chegou de uma longa e cansativa viagem de um país muito distante para tomar posse desse reinado; ele explicou ainda que já é muito idoso e que no mês que está entrando estará completando exatamente cem anos de idade e disse que a sua capacidade de pensar e discernir as informações devem estar seriamente comprometidas por causa de cada um desses fatores e todos esses acontecimentos muitos chocantes, disse também que nunca é bom resolver problemas quando estamos muito emocionados, abalados, chocados, nervosos, muito melhor sempre deixar para refletir quando estivermos descansados e bem tranquilos, e ele ainda disse que a partir de agora ele vai deixar o caso para as autoridades competentes do reino, disse que eles resolveriam os trâmites burocráticos para ser julgado em nome da plena justiça com ministério público, os advogados e os juizes. E ele solenemente disse:



--Portanto o espetáculo acabou e já podem desligar todas as câmeras e todos nós precisamos descansar e poupar as crianças e as pessoas mais sensiveis dessas cenas horríveis.



Mas quando o monarca disse isso e já dava os seus primeiros dois passos para sair daquele lugar, um dos altos funcionários do palácio coloca a mão em seu ombro esquerdo e lhe diz:



-- Majestade, mas nós nem temos um fórum para fazermos um julgamento, não temos juízes, nem promotores e nem advogados no nosso reino; o pai do senhor era um grande tirano e ditador sádico e paranóico, e vivíamos, parece que só até hoje, em uma ditadura muito severa com o vosso pai e o vosso terrível irmão, majestade; esse vosso irmão era bem pior do que o vosso pai, alteza, e aqui nunca houve justiça alguma em toda essa dinastia da vossa família, os reis aqui sempre julgaram os casos de qualquer jeito e do modo que eles achavam melhor, julgavam sempre motivados apenas pela forte impressão ou convicções que tinham no momento dos julgamentos instantâneo ao ar livre, em praças públicas... E muitas vezes os reis deixavam o povo exercer a sua justiça como bem entendesse... O povo podia decidir quem era culpado ou inocente... Majestade, sempre foi assim por aqui, a vossa família fazia desse tipo de evento uma espécie de lazer, de diversão e de entretenimento do povo e isso sempre deixou o nosso povo, que é bem ignorante e sem modos, bastante feliz... Pois, sempre foi assim, as pessoas não conhecem outra realidade... O nosso povo foi condicionado a pensar assim e ser assim, infelizmente, majestade... Parecemos macacos...



E o monarca depois que ouviu isso disse:



-- Mas isso não faz sentido algum. Isso é um absurdo total! Uma aberração sem tamanho! Não somos homo sapiens evoluidos? Somos homens ou primatas selvagens? O fato de uma pessoa ter uma forte convicção em uma questão, esse fato em si somente, essa sensação, isoladamente, sem provas ou evidencias corretamente periciadas, não lhe qualifica para torná-lo juiz de nada, e essa sensação não o ajuda em nada, aliás pode atrapalhar e muito em ver a verdadeira realidade, pois, nunca se deve se prender a convicções tolas. E que absurdo é esse? Deixar o povo decidir? Sem um fórum? Sem juízes? Sem promotores? Sem advogados? Sem as todos as instâncias necessárias? Sem amplo direito a defesa do réu? Sem um julgamento justo? Que país é esse? Que país é esse? Então não temos um senado? Um congresso nacional? Uma suprema corte? Só o rei ditava as leis e as sentença que lhe "dava na telha dele" dependendo do humor dele e de quem fosse a vítima se ele gostasse ou não da pessoa, se fosse uma aliado ou não? Se fosse amigo ou inimigo?



E o alto funcionário do palácio lhe responde humildemente abaixando a cabeça:



-- Sim, sim, majestade, eu sinto muito realmente que tenha sido eu mesmo que lhe tenha dado essa informação tão triste... E eu até fiquei com medo de lhe dar a notíciapois, nesse reino sempre se matava o mensageiro quando a notícia desagradava ao rei. Mas eu percebi que o senhor é bem diferente dos outros governantes desse tão pequeno país.



E nesse momento o mesmo repórter que havia sugerido há pouco ao rei que julgasse o caso ao vivo para ensinar o mundo todo; novamente, então, ele propõe ao monarca que considere a oportunidade dele, na qualidade de a pessoa mais sábia e justa do mundo, continuar ali mesmo o julgamento afim de dar sequencia os ensinamentos que ele já tinha começado para os povos do mundo inteiro; e ainda usa a expressão em nome do BEM MAIOR, "alteza; com todo o respeito que essa situação e que todo esse luto também merecem, espero que o senhor me entenda e atenda ao meu pedido“.



E o monarca diz que é um imenso absurdo que ele julgasse um caso complicado desses assim sem leis, sem o mínimo aceitável com as regras e também com as normas preestabelecidas para ser considerado razoavelmente civilizado, então ele diz também que reconhecer que ele não é capaz de fazer esse julgamento nessas condições é uma boa lição de sabedoria digna de ser seguida e que isso ficaria como um bom exemplo, e diz que jamais um único homem, mesmo sendo considerado o mais sábio e justo dentre todos, poderia, julgar, sozinho um caso complicado desses assim em um tão grotesco improviso, pois, ele poderia, com certeza, cometer muitos erros e punir injustamente alguém, e que aceitar como sendo justo isso seria um péssimo exemplo para as pessoas, e disse ainda que seria muito melhor deixar livre um possível culpado do que correr o risco de punir um possível inocente... Eu nunca iria aceitar ser julgado assim por alguém nessas condições! E o que eu não desejo para mim não desejo também nem mesmo até ao meu maior inimigo! Até as piores pessoas que cometeram os piores dos crimes merecem um julgamento justo por um juiz imparcial e que julga apenas dentro das leis e das provas totalmente verificadas e periciadas com toda a lisura possível! E que não sobre uma única mínima sombra de dúvida sobre as provas, sobre o juiz e nem sobre nada fora das leis que precisam serem soberanas! Eu acredito que seria melhor convocar a cem pessoas mais capacitadas nesses assuntos e que eles debatam exaustivamente até que cheguem a um grande consenso final e após o término de todo esse trabalho que escrevam, de maneira simples e de fácil entendimento até para os mais leigos, um documento para servir de guia e de comportamento para ajudar nos julgamentos futuramente. E eu até posso ajudar de alguma maneira mais efetiva nesse processo todo, mas, talvez seja melhor deixar esse motorista solto, porém, deve ser muito vigiado; e ele só será julgado quando nós todos, os capazes, terminarmos a constituição e os outros códigos: o penal e o civil...



E o mesmo repórter atrevido diz:



-- O mundo está cheio de ignorância e de injustiça e o senhor, majestade, sozinho tem agora uma chance úinica e histórica de ensinar o mundo, talvez essa seja a grande missão da sua vida... Não seja tímido, não se furte a sua obrigação legítima de melhorar o mundo com toda a sua grande sabedoria adquirida.



E o monarca olhou dentro de seus olhos e disse:



-- Mas nesse caso em especial, a coisa mais sábia e justa a se fazer e a ensinar aos povos é que devemos pedir a ajuda de um país amigo que tenha uma justiça plena e consolidada para julgar esse caso para o nosso reino, ou seja, o melhor a se fazer é reconhecer que não somos capazes nesse momento e deixar quem é capaz de fazer e realizar a essa justiça; o ensinamento nesse caso é nunca faça o que não possam realizar sozinhos e peçam ajuda aos povos amigos capacitados!



E o insistente repórter atrevido lhe diz:



-- Majestade, desculpa-me pela minha grande insistência e ousadia em lhe falar assimpois, a Vossa Alteza é uma pessoa muito sábia e justa, e na verdade o senhor é a pessoa mais sábia e justa do mundo e de todos os tempos e eu sou apenas um humilde repórter qualquer, mas eu preciso lhe dizer uma coisa realmente muito importante, Vossa majestade respondeu a um teste com dez mil perguntas, e na história de toda Humanidade a segunda pessoa melhor colocada acertou apenas oitocentas e duas perguntas e o senhor, o soberano acertou todas as dez mil perguntas e ainda Vossa majestade corrigiu a três mil e duzentas e sete perguntas que estavam feitas incorretamentepois, havia algum tipo de falha nas questões, e esse teste foi realizado com a colaboração das cem pessoas mais capacitadas de todo o mundo e havia muitos ganhadores de prêmios Nóbel e outras centenas de grandes pessoas que estudam muito e que são reconhecidas por isso e eles ficaram por dois anos fazendo revisões para deixar o teste muito bem feito; e o senhor ainda respondeu ao teste usando apenas a metade do tempo do segundo colocado... Majestade, a Vossa pessoa é a mais capacitada para ajudar a Humanidade que está assistindo e precisa de alguém para se espelhar, o mundo todo precisa do senhor e o mundo todo quer escutar o que o senhor tem a lhe ensinar, e se o senhor não puder a ajudar, ninguém mais o pode. E se Vossa majestade não o fizer, eu acredito, que tudo estará totalmente perdido para sempre... O que o senhor disse há pouco foi muito bonito mas o senhor poderia fazer esse julgamento aqui e agora para ajudar o mundo já que o senhor é muito sábio e o mundo todo está lhe vendo nesse momento! Talvez o senhor tenha nascido para esse único momento sublime, majestade, pois, o senhor está tão velho e cansado que nós não sabemos se vossa alteza estará vivo amanhã... Eu sinto muito em lhe dizer a pura verdade ao senhor, majestade... Mas todos nós precisamos do senhor hoje mesmo, agora, nesse momento exato, a Humanidade não pode prescindir dos seus conhecimentos, não podemos abrir mão dessa oportunidade, se vossa majestade não o fizer esse julgamento agora mesmo: os livros de histórias lhe colocarão como o maior de todos os covardes! Os livros de história do mundo todo estamparão a vossa foto e ao lado dela estará o vosso nome com os dizeres: AQUI ESTÁ A CARA DO MAIOR COVARDE DA HISTÓRIA DA HUMANIDADE!



E o monarca pensou por alguns instantes e depois disse:



-- Está bem, você me convenceu! Os argumentos são legítimos... E sendo assim, eu concordo em julgar esse caso em especial como um simples e inocente ensaio apenas, uma demostração simplória; mas, só que daqui a seis meses, quando acabarmos com esse reino de tirania, e esse reino se tornar uma grande república e nós dispusermos de uma justa constituição e já tivermos os três poderes independentes, e tudo estiver funcionando adequadamente como deve ser uma república realmente democrática, voltaremos, portanto, a julgar esse homem, com advogados para defendê-lo, um promotor acusando em nome do povo, e um juiz totalmente justo e imparcial se orientando somente pelas provas periciadas por pessoas competentes e idôneas e por todos os elementos comuns ao um Estado Democrático de Direitos onde as leis foram feitas por pessoas, homens e mulheres, dotadas de grande saber jurídicos e em direitos humanos, que entendam a importância das punições e o direito inalienável a vida e a liberdade e assim, então, faremos um julgamento com toda a justiça possível e com todos os elementos das leis justas que nós vamos fazer... E essas leis serão feitas com a ajuda do povo que se mostrar capaz de tal honraria, em nome do povo e para o povo. E esse país será uma democracia completa e plena: será o governo do povo, pelo povo, para o povo. Em sendo assim, desse modo, eu aceito julgar esse caso sim, como vocês querem, mas antes quero um acordo com todas as emissoras de televisões para que no futuro seja feito um outro evento como esse, e se todas toparem que eu possa falar novamente, depois de seis meses, e refazer e corrigir a todas as coisas que eu vier fazer de errado e injusto, se aceitarem essas condições eu topo sim...



E o rei pediu que vinte pessoas se oferecessem como voluntários para defenderem o motorista, mas ninguém quis aceitar defender o acusado que o povo chamava insistentemente de monstro, depois o rei perguntou se entre os estrangeiros havia dez pessoas dispostas a fazer a defesa do réu e ninguém se prontificou.



E logo depois que o monarca disse isso, vieram as primeiras confirmações dos responsáveis pelas emissoras concordando com todos os termos que o poderoso monarca lhes exigiu.



E aquele repórter sempre atento gentilmente se oferece para explicar a questão ao motorista e ver se ele entende a importância da questão e depois irá consultá-lo sobre se ele poderá mesmo participar do evento.



Depois que tudo lhe é explicado, o rei pergunta ao motorista:



--Você se sente capaz de responder isso agora? Ou prefere aguardar o julgamento em um lugar mais tranquilo e que seja bem mais apropriado? Mas se você aceitar eu mesmo serei o seu advogado… E o povo será os pronotores...



Nisso se percebe que ainda tem mais de quatrocentas pessoas que não foram autorizadas mais estão ali por perto misturadas entre os jornalistas do mundo todo e a outras pessoas que os acompanham, pois, se ouve os súditos dizendo:



-- Morte! Morte! Morte! Morte! Morte! Morte!



E o rei olha para as pessoas que disseram isso e diz:



-- Não se manifestem! Deixem-me, pois, sei o que estou fazendo… Não atrapalhem a pessoa do rei quando ele estiver em uma investigação real para algo tão relevante!



E nesse momento já foi preparado um excelente local ao ar livre e ao lado da área do acidente, e com apenas cento e trinta passos todos já estão lá e procurando um melhor lugar para fazerem os seus trabalhos ou só para assistirem ao julgamento.



E o sábio monarca diz ao povo:



-- Olhem bem, prestem muito atenção, pois, isso é muito importante... Para se julgar alguém é preciso ter as leis bem claras, é preciso divulgar as leis e as regras de condutas e todos precisam estar cientes de como funciona a vida em uma sociedade como as regras de trânsito por exemplo; e a gente não sabe se esse motorista é realmente o culpado desse triste acidente, ou se ele é ainda o único culpado, e se ele for o culpado único mesmo assim e se ele também é uma das vítimas disso tudo que aconteceu aqui; e se for assim mesmo, e assim sendo for, o que aconteceu aqui neste momento com essas pobres crianças e esse infeliz motorista pode ser considerado com uma poderosa e maravilhosa vacina para curar essa deficiência que causou todas essas mortes injustificáveis, isso é, se nós aprendermos realmente com tudo isso que aconteceu aqui então será sim uma verdadeira vacina muito muito poderosa, e isso pode nos ajudar a proteger as crianças no futuro. Por isso precisamos investigar tudo o que aconteceu aqui e o porque aconteceu! Então deem mais água para esse homem e na quantidade que ele quiser, pois, precisamos escutá-lo. Esse erro dele pode nos ajudar a todos nós a sermos pessoas bem melhores do que somos agora, isso se ao escutarmos com muita atenção e respeito, quando ele nos contar o que fez com que ele cometesse esse erro terrível, e nós todos, ao refletirmos bem sobre o evento, então nós, com isso, estaremos imunizados por causa da sua horrível experiência e nunca mais algo semelhante ocorrerá novamente e nenhuma única criança morrerá mais em situações semelhantes a essa…pois, nós vamos juntos tomar todas as providências necessárias e cabíveis para resolvermos a todas essas questões relativas ao engano desse cidadão e a cada um dos eventos e de todas pessoas que ajudaram, conscientemente ou não, de alguma forma no erro desse cidadão que tem direitos fundamentais previamente garantidos simplesmente por ele ser um ser humano; e no meu reino jamais alguém será linchado. Jamais no meu reino alguém será condenado sem ter um julgamento totalmente justo e plenamente dentro das leis. Ele só poderá ser preso se houver a necessidade, perigo de fuga, constrangimentos de testemunhas e outras atitudes erradas ou inconvenientes... Portanto, temos que escutar o seu depoimento com grande respeito e atenção e nunca mais nos esquecermos de tudo isso… E quando esse acusado terminar de explicar tudo, nós consertaremos todos os detalhes, cada um dos pormenores que ajudaram ele a errar… E depois, com a posse dessas informações todas, nós todos juntos e unidos e pelo o bem da plena justiça vamos aplicar uma pena totalmente justa que lhe couber adequadamente e com o que lhe for extremamente justo… E todos nós vamos nos beneficiarmos do conhecimento por causa desse experiência sem que precisemos pessoalmente passar por uma punição como vai acontecer com esse motorista… Caso a culpa seja realmente dele... Todos nós vamos nos unir para consertarmos todas as falhas! Não vamos agir como fazem os tolos que, mesmo querendo acertar, sempre estão errando e criando inúmeros problemas por estarem constantemente julgando com base somente na simples aparência dos fatos;pois, existem muitas circunstancias em que um fato parece ser uma realidade e na verdade é outra realidade bem diferente e contrária ao que parecia no seu começo, pois, muitas vezes uma coisa é falsa e parece ser verdadeira, outras vezes o fato é verdadeiro e parece ser falso; eu não quis dizer com isso que uma coisa está certa só quando parece está errada e uma coisa só está errada quando parece está certa, não foi isso que eu disse não, há casos em que o fato parece ser verdadeiro e é mesmo verdadeiro, ainda existem casos que uma coisa é efetivamente falsa e tem mesmo a aparência de falsidade. E sem dizer que em muitos casos, as pessoas de má índole que desejam enganar os inocentes que já tem uma certa sabedoria, colocam uma pequena quantidade de verdade dentro das coisas falsas ou em sua superfície para enganá-los, por isso mesmo que é imprescindível ter cuidado sempre, pois, até quem tem uma certa dose de conhecimento e bom-senso pode ser enganado facilmente. E é por isso que os sábios nunca julgam os eventos e circunstâncias, coisas e acontecimentos simplesmente pela aparência deles em si; e por isso que é sempre inadequado julgar os fatos apenas pelas as aparências como fazem os tolospois, com essa atitude deles estão sempre fazendo com que eles errem vezes após vezes. É muito comum aos tolos ignorarem que a verdade está na essência das coisas e não em sua aparência.



Mas, o povo que está ali perto não gosta de ouvir o que o rei disse, acreditam ser pouco demais, acreditam que o monarca está sendo injusto com os pais, com os parentes e amigos das crianças mortas, querem vingança imediata, eles esperam que o poderoso monarca condene o motorista a morte imediatamente. Mas ele, nesse momento, ordena apenas que os profissionais que irão fazer a remoção dos corpinhos se apressem em começar seus trabalhos; ainda orienta a fazerem um isolamento completo e total da área com muitos guardas que acabaram de chegar e ainda ordena que coloquem alguns tapumes ao redor de tudo e ninguém poderá ver mais as cenas tão tristes, principalmente as crianças e as pessoas mais sensíveis ou emotivas. Sugere ainda que os seus súditos fossem para a suas respectivas casas e que não deixassem que as crianças fiquem vendo pelas televisões o ocorrido, sugeriu, ainda, para ninguém fazer comentários perto dos pequenos para lhes pouparem de toda essa dor e sofrimento; e mandou ainda que todos obedecessem para facilitar os trabalhos dos peritos; mas apenas algumas das pessoas atendem a sugestão dele.



E o rei tranquilamente pergunta ao motorista que aparenta estar bem mais calmo:



-- Você pode mesmo me responder a todas as perguntas que eu lhe fiz há pouco? Você consegue entender todo esse evento, que o mundo todo está vendo pelas televisões?



Mas nesse momento o rei olha para o motorista e nota que os olhos dele se encheram de lágrimas novamente e quase as vertendopois, está muito emocionado e mesmo assim o acusado consegue dizer:



-- Sim, vossa majestade, estou bem… Sim, se o senhor estiver querendo saber se estou bem no sentido de estar consciente e sem dor física… E sei sim, agora, o que aconteceu… E não preciso ir para outro lugar se o senhor puder garantir minha segurança integralmente… Eu colaboro com o senhor nessa questão de educar o povo e me usar nesse processo todo… É o mínimo que eu posso fazer depois do que aconteceu aqui com essas crianças e toda essa dor envolvida e eu fazendo parte dela de alguma maneira. Portanto, eu colaboro pacientemente com esse evento esclarecedor sim… Porque se o senhor for o meu advogado para mim é melhor mesmo; nunca eu iria poder pagar alguém como o senhor, então, para mim, é vantajoso aceitar a sua proposta... É uma chance muito grande para eu conseguir provar a minha total inocência, pois, o senhor é muito sábio e justo, eu vi isso na televisão...



Nesse instante, o povo começa a praguejar muito contra o motorista, mas, o rei vendo, que ele ainda está com receio de ser linchado, então dá ordens para o povo não se manifestar e os seus súditos lhe obedecem prontamente e se calam e o monarca pergunta ao motorista:



-- Poderia me dizer por que estava correndo tanto com esse super automóvel? Você se sente capaz de me explicar ou não? Tem condição de fazer isso, ou não? Pois, só é justo se você estiver em condições de falar a verdade, somente a verdade, para o bem da justiça plena.



E o soberano quis saber se ele fazia uso de bebidas alcoólicas, se usava algum remédio forte, se usava drogas ilícitas ou se ele tinha problemas mentais de algum grau; e o motorista disse que não para todas essas perguntas que lhe foram feitas pelo monarca.



Parece que o rei quer saber o que causou o acidente para poder dar a punição exata para o seu "crime", e só poderá ser justo se ele souber exatamente o que aconteceu.



E o monarca queria saber se o motorista corria por negligência, por loucura, ou se o veículo teve algum problema mecânico ou elétrico em alguma parte e teve uma aceleração involuntária por um desses ou por outro motivo misterioso de qualquer ordem. Ele não conseguia imaginar que alguém, em seu juízo normal e sem a influência de alguma substância, poderia, deliberadamente, pegar um super automóvel e sair por aí matando crianças por simplesmente, apenas, divertimento ou só por não ter medo de ser pego e punido. O monarca acredita que ninguém em sua sã consciência agiria desse modo que o povo acha que o motorista agiu e por isso mesmo ele quis investigar o caso todo do modo correto.



E o grande monarca pede ao motorista o depoimento dele:



-- Fique calmo, meu amigo! Só me responda o motivo pelo qual estava correndo tanto assim há pouco e ninguém vai fazer nada contra você, só se eu os autorizar… E eu não pretendo fazer isso de maneira alguma, não se preocupe, concentre-se somente esclarecer os fatos para ajudar na sua plena defesa…



O motorista agora está muito mais calmo e diz:



-- Sabe, majestade, quando eu tinha apenas quatro anos de idade e morava no interior deste reino; então: tudo começou quando vim para a cidade grande e vi uma máquina que me fascinou muito… Era uma maravilha muito grande que eu nunca tinha visto antes, e quando a vi me apaixonei totalmente por ela, ao fim do mesmo instante…



E o rei, muito calmo, como sempre, quis entender essa historia que já começou muita estranha.



-- E o que seria essa maravilha toda, meu amigo?



E o motorista ainda procurando conseguir mais fôlego e com um estranho brilho nos seus olhos azuis responde:



-- Era um carro… Um veículo muito lindo, quase igual a esse, majestade…



E o rei querendo entender direito o que acabou de ouvir lhe pergunta:



-- Apaixonou-se por um carro, é isso mesmo o que eu escutei?



O motorista, novamente, quase não conseguindo conter as lágrimas e enxugando o nariz com as mandas de sua blusa e lhe responde:



-- Sim, majestade, um carro…



E o rei suplica-lhe:



– Por favor, faça-me entender isso… Eu lhe perguntei o por que você estava correndo tanto hoje e agora, e você fala sobre quando tinha quatro anos… Você entendeu mesmo bem a pergunta que eu lhe fiz?



-- Eu entendi sim, majestade, e vou lhe explicar tudinho sim, aliás é isso que estou tentando fazer nesse instante... Mas não sei como explicar exatamente como foi que começou e nem o porquê isso aconteceu comigo, mas quando eu vi aquele carro novinho fiquei desejando possuir para mim um automóvel igualzinho aquele… Eu queria um desses para mim… Queria um auto vermelho, igualzinho àquele… O lugar em que eu estava era em uma espécie de exposição muito grande e só havia carros muito caros, e foi lá que eu conheci esse tipo de carro... Era uma "jóia" novinha e cheirando a um bebê…



E o rei muito perplexo querendo entender essa história toda sem sentido algum e lhe pergunta:



-- E o que tem a ver isso tudo que você me falou com o motivo pelo qual estava correndo tanto e tirando as vidas dessas duas crianças completamente inocentes e indefesas que não tiveram como se defenderempois, nem sabiam ao menos onde é que estavam?



O monarca fala duro assim como o acusado para vê se consegue perceber alguma informação ou reação além do que ele diz, e o motorista parecendo que se conectou com uma memoria afetiva e se lembrou de um tempo muito especial para ele, e responde com aquele estranho brilho de encantamento em seu olhar:



-- Vossa majestade… Quando eu fiquei loucamente fascinado por aquele carro maravilhoso, talvez o meu sonho tenha sido tão grande que até, sem querer e sem que percebesse, influenciou ao meu pai de tal forma igualmente ao o que aconteceu comigo, pois, ele não se esqueceu mais desse carro; parece que ele gostou tanto do meu sonho que eu tive até a impressão de que ele gostou do meu sonho quase tanto quanto a quantidade e o tamanho que eu mesmo… Eu digo issopois, logo depois que chegamos em casa, no mesmo dia, eu fui brincar de bola com meus coleguinhas, eu adorava jogar futebol, eu, naquela época, queria até ser um jogador profissional e ser muito famoso e rico, lembrei disso agora, então, voltando ao assunto, e meu pai, naquela hora do jogo de bola, ele me mandou chamar na sala lá de casa e já me mostrou que trouxe para mim muitos cofrinhos de todos os tipos; tinha de porquinhos, de cavalinhos, de boizinhos e muitos outros tipos e formas… Meu pai, nesse momento, me disse: "que filho maravilhoso que temos, com quatro aninhos de idade apenas e já tem um sonho, com quatro anos já sabe o que quer da sua vida", e eles tiveram muito orgulho de mim... E meus pais sempre falavam de mim e do meu sonho para os amigos, parentes e conhecidos, esse era o assunto que meus pais mais falavam. Eles falavam de mime do meu sonhos nas filas dos bancos, nas filas dos hospitais... Nisso eu ficava mais encantado ainda, meus pais me faziam me sentir muito importante para eles, e com isso me sentia uma pessoa especial e eu era muito feliz. E foi a partir daquele momento que eu comecei a juntar todas e a qualquer moedinha que passaram por minhas mãozinhas, guardava todas, cada uma delas em cofrinhos para comprar o meu carro novinho… E nunca gastei uma moedinha sequer, acredita? Nunca comprei sequer uma balinha para mim, acredita?pois, esse carro é muito caro… Eu fiz da minha vida uma luta intensa de muitos sacrifícios para adquirir muito dinheiro para mim, pois, tinha que ser um carro novinho cheirando a um bebê… Não sei lhe explicar, mas só um carro assim poderia me fazer feliz… Eu não poderia mais viver sem um carro igual aquele… Eu já sabia desse fato mesmo tendo apenas quatro aninhos de idade, é bem incrível isso, não é mesmo, majestade? Lembro me como se fosse ontem: todo mês meu pai sentava e cruzava as suas pernas e me colocava sentado nelas e eu passava os meus braços ao redor de seu pescoço e lhe abraçava muito e nós contávamos a todas as moedinhas de cada um dos cofrinhos que eu tinha juntado em casa, antes de depositar no banco, era tão bons esses momentos, com meu pai, ele se orgulhava tanto de mim… Ele me ensinava a contar, a fazer motinhos de dez em dez moedas, nós dois separavamos todas as moedinhas, por valores, por cores e por materiais... Majestade, era tão divertido fazer isso junto com o meu papaizinho que me amava tanto... Eu o amava tanto também, ele sempre quis o melhor para mim... Nesses momentos ele me abraçava bem forte e me olhava com tanta admiração, carinho e orgulho… Eu jamais iria desistir de comprar esse carro, meu pai iria ficar muito decepcionado comigo… E eu nunca iria querer isso, tenho muito amor pelo meu pai e ele se orgulhava muito de mim e eu dele... Era um amor verdadeiro e recíproco, majestade!



Mas o monarca não se comove com isso e lhe suplica mais uma vez:



-- Pode ser sucinto, objetivo e explicar com clareza? Você não ganhou um prêmio por um grande feito e está fazendo um discurso de agradecimento, você é um acusado de matar duas crianças, portanto se defenda corretamente! Diga-me o que aconteceu depois disso? Que relação tem sua infância com o que acabou de fazer a esses inocentes?



-- Sim, majestade… Depois que espontaneamente coloquei sozinho esse sonho, esse desejo na minha “cabecinha de menino sonhador”, comecei a juntar moedinha por moedinha para comprar esse carro, porque era um carro muito caro, e ele não é fabricado nesse reino nosso… O problema todo é que tinha que ser um desses.



-- Prossiga!



Disse o soberano se mostrando um tanto severo.



-- Nos meus aniversários, eu nunca queria presentes de verdade, brinquedos, roupas, jogos, passeios, nada disso, sempre eu pedia dinheiro: moedas e cofrinhos de presente aos meus amiguinhos, vizinhos, conhecidos e parentes, para guardar, juntar e para comprar o meu carro de verdade… Meus pais me davam moedas para tudo o que fazia, quando arrumava minha caminha, quando levava o lixo para fora, quando eu ficava uma semana sem falar aquelas palavras feias, eu tinha muitas tarefas para fazer o dia todo e todas me rendiam moedas que iam imediatamente para os cofrinhos… Eu já lhe contei que eu vendi todos os meus brinquedinhos para conseguir mais moedas? E eu fazia ainda pequenos trabalhos para os meus vizinhos e para meus amiguinhos… E essa quantidade de trabalhos aumentou mais ainda quando eu me tornei um adolescente… Mesmo depois que me casei, mesmo tendo que morar de favor, e depois viver em casa de aluguel, mesmo depois que meu querido filho nasceu continuei economizando tudo que podia e até o que não podia para realizar o meu sonho lindo… Meu filho só usa roupas doadas e brinquedos só emprestados… Eu só permito minha esposa comprar as coisas mais baratas e as que estão em promoção, ela nunca usou uma única marca famosa... Nunca passeamos… E tudo isso, todo esse sacrifício, todo esses esforços foram exclusivamente em prol do meu carro…



E ao escutar tudo isso o poderoso soberano coloca a mão no queixo e faz um gesto com a mão para que o acusado continue o seu relato:



-- Majestade, eu trabalhava fazendo horas extras todos os dias até as vinte e três horas e trinta minutos. Trabalhava aos sábados, domingos, feriados e inclusive em todas as minhas férias. Para realizar o meu desejo, trabalhei muito duro por trinta longos anos…Nunca eu tive uma única horinha de foga... A ansiedade quase me matava… Não via a hora de estar com meu carro novinho cheirando a bebê…



-- Hum!



E o monarca nesse momento fica pensativo e anda de um lado para o outro e o acusado lhe diz:



-- Sabe, majestade, eu tenho trinta e oito anos; só hoje que finalmente eu consegui juntar o dinheiro o bastante, faz apenas cinco horas que eu comprei esse carro… Confesso a vocês que nunca passei por esse lugar antes, só hoje, pois, é o aniversário de meu único filho… Uma criança que praticamente nem o conheço minimamente por estar sempre ausente, por estar sempre trabalhando para juntar o dinheiro todo... Na verdade, majestade, por causa do meu sonho de ter o carro eu não conheço muito bem nem a minha própria esposa… E eu estava passando por esse lugar por causa da minha cunhada que mora na rua de cima, ela trabalha perto do meu emprego e me pediu uma carona. Eu a peguei no seu emprego e a levei à sua casa; ela me disse que queria pegar uma lembrancinha que havia comprado para meu filho, o único sobrinho dela… Ela disse que iria entrar e sair rapidinho e que isso só demoraria apenas "dois minutinhos”…



E nesse instante o rei faz um gesto com a mão e o motorista pensa que o monarca vai dizer algo, mas ele permanece calado apenas ouvindo o que o acusado lhe diz:



-- Vossa majestade, acredite em mim, por favor, eu fiquei dentro do meu carro, motor acelerado e o coração disparado pela emoção, a imaginação "a mil quilômetros por hora" . Fiquei feito um bobo, babando pelo meu lindo e maravilhoso carro… E a minha cunhada começou a demorar muito, mas nem me importei realmente com isso, pois, eu contemplava o meu sonho que acabava de virar uma ótima realidade e me distrai completamentepois, eu estava encantado em uma espécie de transe e nada poderia me tirar a felicidade que estava sentindo naquele momento mágico, lindo e feliz… Eu ficava ligando e desligando os botões… Todos! Testava tudinho… Cada um das dezenas de tantos botãozinhos de todos tipos modelos e tamanhos… Comecei a pensar no tanto que havia trabalhado para conseguir realizar o meu sonho… Fiquei imaginando: finalmente havia conseguido comprar e realizar o meu sonho tão desejado… O único problema é que eu queria o meu carro vermelho e só tinha esse carro amarelo disponível na revendedora no momento… Mas, por causa da festa, aceitei dessa cor mesmo... E além disso não pude fazer o seguro do meu carropois, não deu tempo de fazer e eu nem tenho esse dinheiro todo.



-- Que pena!



Diz o rei, fazendo um sinal ao motorista para ele continuar:



-- Majestade, durante todo aquele tempo em que estive esperando a minha cunhada, fiquei imaginando poder passear com o meu filho, imaginei-me finalmente conhecendo o meu lindo filho e poder brincar com ele e poder ir pescar com ele… Eu prometia para mim mesmo que iria repôr todo o carinho que eu não dei, e todo o amor que lhe faltou, todas as roupinhas que eu não lhe dei, passeios que eu não fiz e os brinquedos que não lhe dei, e cada uma das brincadeiras que eu deixei de fazer com ele… Imaginei ensinando o meu menino a jogar bola para ele um dia ser um jogador de bola profissional e ser muito famoso! Imaginava tudo isso… Imaginei uma nova e verdadeira lua de mel com minha querida esposa, e dar a minha família tudo que eu os devia há tempos… Eu me imaginava com meu filho e minha esposa fazendo um passeio à beira de um lindo lago e todos muito felizes e rindo dentro do meu belo carro… Depois, imaginei, eu correndo com meu filho, abraçando ele… Nesse momento, eu estava em êxtase, e pensei: “hoje é o primeiro dia do resto da minha longa e feliz vida”… Mas quando eu estava pensando exatamente em tudo isso, senti algo bem frio encostando no meu ouvido e ouvi uma voz que dizia: “Fique quietinho aí, tiozinho… Se você se mexer eu te mato… Assalto!”.



Ao escutar isso o rei fica ainda mais atento:



-- Nessa hora, majestade, fiquei com muito medo que esse menino que aparentava ter apenas uns dezesseis anos de idade me levasse esse carro… E pensei: meu carro não tem o seguro… Eu não poderia viver sem esse carro… Trabalhei muito tempo por ele, não era justo ficar sem ele… " Se esse ladrãozinho me levasse o carro eu teria que trabalhar por mais trinta anos para comprar outro "… Certamente, a minha querida esposa não iria me querer mais se ela tivesse que me esperar por mais todo esse tempo, e eu até entenderia a questão dela.pois, lhe prometi que quando finalmente eu comprasse o carro, eu ficaria o tempo todo com eles! Eu não iria conseguir viver sem a minha esposa e filho! E meu filho iria estar com trinta e dois anos quando eu conseguisse comprar outro carro… E o meu pai, meus amigos e parentes? Como eu iria dizer para eles que eu perdi o meu carro? E eu iria ser uma imensa decepção para o meu pai! Majestade, por favor, acredite! Ainda, quando imaginava tudo isso em apenas um segundo na minha mente e veio uma coisa ainda muito pior em meus muitos pensamentos naquele momento: “E se esse ladrãozinho me der um tiro agora?”… “Poxa! eu nem conheço o meu filho, nem desfrutei da minha vida… Meu filho vai ficar sem o meu amor de papai? E minha amada esposa, como ela vai ficar? E a minha mãe, e o meu querido papai, e os meus parentes e os amigos?” Majestade, pensei tantas coisas em apenas uma pequena fração de segundos!



E o motorista se cala por um segundo e olha para o rei e continua:



-- Vossa majestade, quando imaginei que nunca mais iria ver o meu filho e a minha família eu… Eu simplesmente fiquei com muito medo de perder a minha vida… Sempre ouço falar que assaltantes matam suas vítimas em casos assim parecidos com o meu. Majestade, eu pensei que minha vida seria em vão, pensei naquele momento que a vida é algo sem sentido algum, que a existência não tem um verdadeiro propósito, um sentido qualquer… Só trabalhei e trabalhei por toda a minha vida desde que me conheço como gente... E quando pensei nisso tudo, em questão de segundos me desesperei completamente… Acredite, majestade! Eu imaginei o rostinho do meu filhinho tão queridinho lá nas nuvens, e ele abrindo os seus frágeis bracinhos pronto para um abraço e ele me dizia: “Vem me ver, Papai?… Não quero que você morra, Papai… Vem me ver, Papai! Eu lhe protejo!”



 Nesse momento o motorista olha nos olhos do monarca e diz:



-- Nesses segundos eu fiquei terrivelmente apavorado, com muito medo de morrer e ficar sem tudo que tenho! Sem tudo o que eu conquistei ao longo de toda a minha vida... Aquela arma que estava na mão daquele ladrãozinho iria me privar de continuar a minha vida! Minha história! Majestade, eu não queria ficar sem o meu carro que tinha um cheirinho de bebê… Eu não queria morrer naquele momento, sou tão jovem… Eu não achava isso justo! Não queria que tudo acabasse daquele jeito tão besta e tão injusto! Majestade, naquele instante imaginei ouvir a voz do meu filhinho… Acredito que isso possa ter estimulado os meus instintos de preservação da minha própria vida e eu só queria ficar longe daquele revólver! Então, sem que eu percebesse comecei a acelerar… Acelerar e acelerar e acelerar cada vez mais e mais! Eu não queria morrer… Não queria perder a minha vida... Queria sim ver o meu filhinho… Eu queria viver... Viver e viver para sempre... Queria ficar cada vez mais longe daquela arma que, com absoluta certeza, iria me afastar do meu filho e de tudo que planejei para minha vida! Eu estava completamente apavorado! Aquela arma iria me privar de ver o meu filhinho querido e inocente e que me amava e que me queria com ele!



E o motorista encheu os pulmões de ar e disse:



-- Majestade, planejei tantas coisas na minha vida! Eu não estava preparado para morrer, eu só me preparei para viver… Eu acelerava a cada vez mais o meu carro e ia ao encontro da imagem do meu filhinho lindo que minha mente, minha saudade, meu amor por ele e o meu medo projetou nas nuvens… Meu filhinho amado e lindo que faz aniversário de dois aninhos hoje… Aquela perigosa arma iria tirar a vida do papai de uma criancinha inocente… Não é justo que uma criancinha fique sem o seu papai! Majestade, naquele momento eu não me lembrava mais de estar dentro de um carro, na minha mente eu estava flutuando perto das nuvens, indo ao encontro do meu filho no ar, no alto, longe do revólver, longe da rua, majestade… Não me lembrava que havia ruas no mundo, que ruas têm curvas, e que há crianças inocentes brincando no final das curvas das ruas e no final de uma grande ladeira... Nunca eu iria conseguir imaginar tal coisa... Majestade, acredite… Eu não conseguia pensar em mais nada, em coisa alguma a não ser em salvar a minha própria vida e levar os meus abraços até o meu filho e a minha esposa… Abraçar fortemente os meus pais e os meus parentes e amigos… Queria abraçar o meu sonho lindo que havia lutado tanto para comprá-lo... Naquele momento, majestade, eu estava entregue ao medo, ao desespero e a um infinito de emoções intensas e tão contraditórias… Me sentia num abismo sem fim… O medo de morrer estava comigo… A vontade de viver e de ver o meu filho e viver o meu sonho há muito planejado e idealizado me conduzia… Majestade... Eu pensava apenas em ficar cada vez mais longe daquela arma e cada vez mais próximo do meu filho...



E o motorista toma mais fôlego, e ainda com lágrimas nos olhos diz:



-- E quando acordei vi essas criancinhas, inocentes, sem vida; vi vossa majestade me olhando e todas essas pessoas com aquelas expressões de ódio nos seus rostos, e olhando para mim, e querendo me tirar a vida! Chamando-me de assassino e apontando seus enormes dedos indicadores em minha direção… Eu vi apontados para mim também muitos dedinhos de criancinhas, algumas delas são da mesma idade do meu filho. Essas crianças estavam me xingando, imitando os gestos de seus pais… Até enxadinhas de brinquedos elas tinham em suas pequenas mãos… Tinham também armas de brinquedos e tudo que seus pais faziam ou falavam eles imitavam, até os olhares de ódio em minha direção… Acusando-me além disso de ser um assassino… E os seus súditos, majestade… Cada um deles... Ameaçando minha integridade física e ainda mais a minha moral…



Nesse instante o rei começa a andar de um lado para o outro sem parar; as câmeras de televisão o seguem em cada movimento seu e ao fim de um pequeno instante ele pergunta ao motorista que está com uma expressão típica de pessoas que estão profundamente arrependidas do que fizeram:



-- Naquele momento exato, você estava tão apavorado de medo de perder o seu bem maior: a sua preciosa vida, e ainda: o seu filho, a sua esposa, os seus familiares e o seu carro, e foi isso que instintivamente te fez acelerar tanto essa máquina luxuosa, e que, por fim, tirando a vida de duas crianças inocentes?



E o motorista olha para o rei e em uma nova e grande choradeira, diz:



-- Sim, majestade, eu, infelizmente, perdi toda e qualquer noção do que acontecia ao meu redor e principalmente à minha frente, eu nem sabia o que estava acontecendo e o que eu estava fazendo! Nem conseguia pensar nas consequências… Minha mente apagou... Eu estava sendo levado pelo medo e o desespero... Se ao menos eu conseguisse imaginar que poderia ter alguma criancinha inocente… adolescentes... Velhos... Deficientes... Mulheres... Homens... Pessoas... Com certeza... Eu... Majestade... Por favor... Acredite em mim... Eu lhe suplico! Eu jamais teria acelerado tanto o meu carro... Nunca eu mataria alguém em uma situação que eu pudesse evitar... Nunca! Nunca, majestade...



E nesse instante o povo começa a gritar em uma só voz.



-- Morte ao assassino das crianças! Morte ao assassino das crianças! Morte ao assassino de crianças! Como ele iria se sentir se alguém matasse o filho dele?



E outros populares dizem:



-- Matou as crianças, nem pensou nelas em momento algum! Agora chegou a vez dele morrer também!



E o soberano profundamente compreensivo, diz:



-- Sim, ele conduziu sim uma máquina maldita, essa máquina maldita que ele conduzia atingiu sim, as crianças, é um fato… Mas não parece que ele as atingiu deliberadamente… Não creio ser culpa dele… Se o que ele fez foi errado, será que ele errou sozinho? Sem a influência de nada externo a ele? Como vou condenar alguém que cometeu um erro gravíssimo contra a vida de crianças por ter medo de perder o seu bem maior, a sua própria vida? Ter medo de morrer e querer estar com a sua família não pode ser um crime! Quem não foi omisso com a própria vida não pode ser considerado um criminoso… O instinto de proteção à vida e ao seu patrimônio foi ativado nesse caso… Não imagino que alguém em sã consciência possa condenar este homem, se ele estiver realmente falando a verdade. Pelo que eu entendi aqui, me parece que a culpa dele é nula, ou bem próxima disso, pouca culpa… Para mim esse motorista teve um surto…



Quando o rei diz isso, o povo muito compadecido com as crianças mortas e seus pais, parentes e amigos, mais uma vez fica incrédulo com a atitude do soberano e eles se sentem muito traídos pelo monarca.



O rei não tem ideia de como proferir uma justa sentença que pudesse culpabilizar de maneira justa alguém por ter cometido esse tipo exato de crime nessas condições tão improváveis; mas ele não sabe ainda se tudo que o acusado havia dito é realmente verdade; ele precisa de mais informações para fazer uma sentença justa; então houve um grande silêncio momentâneo e ele coloca a mão no ombro do acusado e diz:



-- Meu bom homem, como podemos acreditar em tudo que você nos contou? Há um modo de evidenciar o que disse? Pode nos convencer da sua inocência? Se puder, pode começar, seremos seus ouvintes atentos… Mas cuidado para não cair em contradição! Fale somente a verdade, seja ela qual for e me terá como um amigo, estarei com você e eu serei o seu advogado… Mas, se você mentir ou tentar me enganar acabará por inflamar esse povo e se você tentar me enganar eu e você seremos inimigos e se eu fosse você eu não iria querer ser inimigo de um rei que você tentou enganá-lo, portanto não minta para mim. Aconselho a dizer a verdade, somente a verdade… Nada a além da pura verdade… Senão tudo o que disser poderá ser usado para te condenar! Poderá responder severamente pelo que você disser, mas também poderá se explicar e você só vai pagar por exatamente tudo o que fez e nada além disso e nada à menos igualmente, vamos fazer a justiça plena; ainda você pode ser considerado totalmente inocente… Só depende de você. Não precisa dissimular nem contar a história de outro jeito achando que eu não vou entender, conta como se você estivesse falando para você mesmo diante de um espelho. Nunca minta para mim, senão eu faço uma lei e coloco o seu nome nela e essa lei vai castigar severamente quem mentir para mim sem razão alguma… Vou fazer uma lei que quando o acusado já falar a verdade logo de inicio vou diminuir a pena em um sexto e vou aumentar a pena para o dobro para quem mentir e eu descobrir a farsa.



E quando o motorista ouve isso já aparenta estar um pouqinho mais calmo, e o rei parece acreditar na inocência dele, mas quer ter a certeza absoluta disso e o acusado diz:



-- Majestade, sim, eu confio no senhor, entendo o que o senhor diz, acredito em suas boas intenções, e acredito ser muito justo o que o senhor está me propondo… Olha, eu vim com a minha cunhada, a irmã caçula de minha esposa, ela mora lá em cima…



Quando o motorista diz isso, aponta para o alto da ladeira com o dedo indicador e nisso se ouve um grito no alto da ladeira interrompendo a sua resposta.



-- Cunhado! Meu Cunhado! O que está acontecendo aqui? Eu demorei só um pouquinho apenas… Resolvi tomar um banho rapidinho e trocar de roupas, mas até escolher qual… Você, sabe como é, sou uma mulher muito vaidosa e indecisa! Demorou um pouco mesmo eu sei... Mas me diga logo, o que aconteceu aqui?



Perguntou, aflita, a cunhada do acusado:



E todos que puderam ver ela percebem que a mulher trazia em suas mãos um pacote muito grande embrulhado num papel de presente; e o rei percebe que essa parte da história do motorista pode realmente ser verdadeira e o soberano quer confirmar a veracidade da historia dele e pergunta a sua cunhada:



-- Você realmente estava com esse homem há pouco e ele te deixou em sua casa e estava te esperando?



-- Sim, vossa majestade, é o aniversário do filho dele, o meu sobrinho lindo, ele faz dois aninhos hoje… Há uma festinha simples com em torno de vinte pessoas, todas da família; tem um bolinho, refrigerantes e guloseimas e todos estão nos esperando nesse momento sim senhor, alteza… Iriamos comemorar...



E o rei lhe faz um resumo do que aconteceu e do que motorista lhe falou. E ao fim de um instante pediu para a cunhada do motorista que lhe confirme ou não a sua explicação e ela confirma dizendo:



-- Sim, majestade, tudo que ele falou é a mais pura e cristalina verdade… Ele queria mesmo esse carro maldito. Olha para o meu cunhado, majestade, ele é todo pálido, acredito que ele nunca tenha pego um único raio de Sol, nem mesmo na sua face; majestade, eu lhe pergunto se esse infeliz não parece com um morto-vivo? Ele só trabalha e trabalha; minha irmã inclusive por muitas vezes até ameaçou e tentou se separar dele por conta dessa obsessão maldita pelo carro que cheira a um bebê. Minha irmã quando falava em separação por viver como uma mendiga por causa disso e o meu cunhado entrava em desespero e ela ficava sem saber o que fazer e não se separava dele: ela queria evitar uma tragédia na família, afinal ele é o pai do filho dela… E quando nosso reino tinha inflação alta ou quando tinha a desvalorização da nossa moeda esse carro ficava mais longe dele e ele ficava cada vez mais sobre pressão, da minha irmã, dos pais dele, dos amigos, era muita coisa para uma só pessoa dar conta, todas as pessoas que o conhecia queria ver logo esse carro, e é por isso que esse infeliz tem essa cor de zumbi. O meu cunhado além de tudo isso tinha síndrome do pânico quando ele era uma criança… Veja o rosto dele, é cheio de cicatrizes porque ele, quando era apenas um menininho, tinha medo do “bicho-papão”… E quando sonhava que esse bicho iria pegá-lo, saía correndo feito um tonto no escuro de seu quarto batendo a cabeça e o rosto em tudo que estava à sua frente, por isso fez vários ferimentos horríveis na sua face toda… Olha o rosto dele, majestade… Mas quando ele fez onze anos parou de acreditar nisso, pois, ter medo do bicho-papão pegar e matar é coisa de criancinha, depois disso ele nunca mais sonhou com esse bicho… Nunca mais teve um medo extremo de perder a sua vida… Acredito que foi só mesmo hoje que ele teve novamente outro imenso medo de morrer… Talvez isso explique a sua disparada com esse carro maldito, atropelando e matando esses inocentes…



Quando a cunhada do acasado diz isso tudo o soberano levou a sua mão da própria boca e espantado diz:



-- Eu imanigei que o motorista fosse alpino...



E a cunhada do acusado diz:



-- Pobres crianças e infeliz do meu cunhado! Ele não nasceu albino não! Pobre e desgraçada da minha irmã, eu que apresentei ele para ela, me sinto culpada… Ele teve um grande surto, majestade?



A cunhada do motorista diz isso e derrama uma lágrima pelas crianças mortas e pelo seu cunhado e quando tudo isso foi dito do motorista se aproxima um homem que segurava uma sacola de compras e com muita indignação diz ao rei:



-- Desculpe-me, majestade, mas tenho uma forte convicção que da distância de onde o carro estava até aqui dava muito bem para esse homem se lembrar que estava em um carro, e que carros não voam... Dava sim para ele se lembrar muito bem que havia lugares por onde passam os veículos, pois, todos os lugares tem muitas vias de trânsito… E que carros estão sempre rodando em ruas… E que poderia ter alguém no caminho dele e, é claro, parar o seu automóvel e evitar as mortes dessas crianças inocentes! Até qualquer uma criança que não sabe de nada sabe disso que as coisas são assim! Ele é culpado, muito culpado! Ele é o único culpado dessas mortes desses inocentes! Se esse assassino tivesse se espelhado em mim que faço tudo certo isso não teria acontecido…



E nisso o povo levanta suas armas: paus, pedras e ferramentas para tentarem linchar o motorista e vão dizendo aos gritos:



-- É, esse homem está certo! Totalmente certo!



E o soberano pergunta ao homem que segura a sacola de compras:



-- Meu bom homem, você é profissional da área da mente humana? É psicólogo, psiquiatra, filósofo ou o quê? Qual é sua tese sobre o caso? Qual é o seu campo de atuação?



E o homem da sacola de compras o responde morrendo de vergonha:



-- Não, majestade, eu sou um simples pedreiro, não tenho nenhuma "leitura". Não sei ler nem escrever, mas tenho forte convicção que esse homem está mentindo e deve ser punido! Ele deve ser condenado a morte e isso já, com certeza! Olha para essas criancinhas inocentes mortas e caia na real, majestade! Tem coisa que nem é preciso ficar meditando muito é só olhar e ver e punir imediatamente sem muita conversa fiada! Para que ficar enfeitando tanto o pavão? Ele está errado e pronto!



E com o semblante apresentando muito incômodo o rei olha primeiro para o pedreiro depois para o povo e diz:



-- Esse homem aqui não sabe o que diz, e não tem nenhuma competência para opinar objetivamente… Acha que devemos matar uma pessoa só porque acredita ter, não se sabe baseado em quê, uma culpa sem fundamento algum. É um tolo que com uma boa intenção queria ajudar… Coitado dele, este não passa de um pobre vulgar e infeliz palpiteiro que julga apenas pela aparência dos acontecimentos e não tem sabedoria alguma… Por acaso, aqui tem alguém que realmente acredita que uma pessoa é capaz de pegar um carro super caro e, pelo simples gosto de matar, sair por aí a fim de tirar a vida de criancinhas que estão inocentemente brincando desprotegidamente? Eu não entendo o porque as pessoas que não tem qualificações para o opinar insistem em fazer isso!



E quando o rei disse isso uma mulher de laços no cabelo se aproxima e diz com uma voz muito doce e suave:



-- Mas, majestade, o senhor não acha que esse motorista deveria, ao invés de ficar trabalhando tanto, por longos trinta anos, para conseguir esse carro muito caro e sim que ele deveria era comprar um carro usado? E porque não um carro popular igual o meu? Agindo assim ele viveria ao lado de sua família, veria seu filho crescer, assim como eu vejo o meu… E tenho certeza absoluta que essa atitude muito esquisita dele causou as mortes desses inocentes. Por isso que eu acredito convictamente que ele foi muito mesquinho, egoísta e tolo. Se o senhor quer saber a minha opinião, desculpe-me, pela minha intromissão… Mas eu acredito verdadeiramente que ninguém precisa de tanto luxo para ser feliz! O senhor sabe que esse maldito carro dele custa a equivalente à cinquenta carros iguais ao meu? Se esse motorista egoísta fosse mais humilde, isso, com certeza, não teria acontecido à essas criancinhas! Afirmo com todas as letras que ele merece um castigo muito severo sim, serviria muito bem, como um bom exemplo, para todas as pessoas. Temos que ser humildes, não precisamos de tantos luxos assim para sermos felizes… A falta de humildade dele condenou essas crianças… A ganância dele matou essas criancinhas… Se ele não tivesse toda essas esquisitices no modo de pensar e de agir esses inocentes estariam vivos agora e isso é um fato e o resto é tudo apenas só balelas! Ele é o único culpado, majestade! Se, pelo menos, esse infeliz fosse igual a mim que nunca faço nada de errado e tenho muitos cuidados com todas as coisas, que nunca matei ninguém, essas crianças estariam vivas… Logo, ele deveria morrer, alteza, sangue derramado por sangue derramado... Lágrimas choradas por lágrimas choradas: é assim mesmo que eu penso, majestade...



Ao ouvir isso o rei retruca com a mulher de laços no cabelo:



-- Minha bela e doce senhora, queria lhe dizer que concordo sim com tudo o que você me disse a respeito de que ele poderia sim comprar um carro bem mais barato e ter cultivado apenas os bons princípios e tudo mais. Agora, castigá-lo por ele ser mesquinho, e egoísta e querer luxo para si e cultivar seus sonhos e desejos, isso eu não posso fazer… Isso não me parece um crime… Eu só poderia aconselhá-lo muito bem... Nunca esse motorista recebeu do seu pai, ou da sua mãe e de ninguém de seus parentes e amigos conselhos ou incentivos para mudar de conduta, pelo contrário, ele só recebeu maus conselhos e maus incentivos... Esse desafortunado nunca conheceu alguém que tivesse uma grande relevância e importância na sua vida para orientá-lo corretamente para que ele não juntasse riquezas inúteis para sua vida e ensinou esse infeliz a viver a vida de maneira simples e sempre procurando o amor, a amizade, o respeito e a paz no coração e na conciencia... Nunca ele teve essa pessoa, nunca teve essa influência... Nunca teve essa oportunidade. Ele não conhecia outra perspectiva de vida...



E a mulher de laços no cabelo se revolta com o rei e diz:



-- Mas, Vossa alteza…



-- Mulher… Querer uma coisa cara e trabalhar a vida toda para obtê-la não é um crime, e não é com certeza uma atitude passível de morte… Acredito que ele não deveria ser assim. Mas ele não fez nada contra o que será a lei no futuro… Eu pessoalmente não gostei do que esse homem fez com a família dele: ele praticamente a abandonou… Deveria ficar muito mais presente com a família que ele formou, mas na cabeça dele, nas suas convicções, ele tinha um plano para reparar tudo de ruim que a ausência e a falta de boa atitude dele propiciou. Apesar de não concordar com essa atitude que ele tomou, não posso puni-lo por isso… Acredito que o acusado não tem culpa de não ser sábio o bastante por não ter percebido isso até agora… Não consigo ver o crime de não ser sábio, se isso fosse considerado um crime teríamos que construir uma prisão que coubesse quase todos os habitantes desse reino ou quem sabe se não seria necessário uma que coubesse o mundo todo! Eu acredito que as pessoas envolta dele deveriam ter dado dicas e conselhos a ele; alguém próximo dele deveria avisá-lo que ele estava passando dos limites aceitáveis em sua conduta, poderiam dizer a ele que não eram muito saudáveis as atitude dele; mas ele estava obcecado por esse carro e por isso, sozinho, nem percebeu isso...



E tendo o rei dito isso aparece uma mulher que se diz amiga da mãe das crianças mortas e aos prantos diz:



-- Majestade… Majestade… Por favor, se coloque no lugar da mãe desses inocentes! Coloque-se no lugar do pai delas e faça o que é verdadeiramente justo! Tente entender a dor deles! Veja como eles estão sofrendo tanto! Sinta a dor deles na sua própria pele e faça a justiça corretamente, essa que vem da vontade do povo, não essa sua justiça amiguinha de assassinos e de bandidos! Pare de defender os bandidos e cuide dos interesses de pessoas de bem! Sinta a dor dos pais desses inocentes...



E quando escuta o pedido da amiga da mãe das crianças o rei prontamente lhe responde:



-- Mulher, para que verdadeiramente sejamos pessoas justas e sábias não podemos nos pôr no lugar de ninguém: nem da mãe das vítimas, nem no lugar dos parentes e dos amigos do acusado… Pois, seria impossível se assim fosse feito agirmos imparcialmente e fazermos a justiça plena… Temos que analisar fria e imparcialmente os fatos e encontrar onde está o tal erro e então, a partir daí, fazer com que não aconteça nunca mais os mesmos erros repetidamente… Vamos consertar as falhas, os enganos e as negligências… Temos que apenas nos colocarmos no lugar do acusado para entender o que aconteceu, depois ver se é verdade tudo o que foi dito para entender tudo o que cerca esse caso e agir com justiça... Com toda a isenção necessária que a busca da plena justiça requer... Nunca deveremos agir parcialmente... E muito menos sobre fortes emoções e nem nos orientarmos por preconceitos ou tolices particulares...



Nesse momento, então, se aproxima do rei, um homem de meia-idade, perfumado, muito bonito, sorridente, bem vestido, bem barbeado e é bem articulado, ele olha para as câmeras de televisão e faz uma "cara de cientista", e esse sujeito disse e fez algo que, infelizmente, eu sinto muito mesmo, mas a maneira, o jeito e a performance como esse homem defendeu o seu ponto de vista e seus argumentos é bem mais complexa do que o que foi efetivamente dito por ele, foi tão fascinante ou "fascistante" o modo que ele fez que eu não consigo reproduzir com palavras o que aconteceu na explicação da tese dele: foi tão eloquente, sem falhas, usando as palavras perfeitamente, usou técnicas de teatro, chorou, olhava para as pessoas de maneira convicta, usava as pausas, teve momentos que ele usou o bom humor para enfatizar ou neutralizar pontos que lhe interessava e usou igualmente o drama pelo mesmo motivo.



Portanto, amigo leitor, vou tentar dar ao menos uma pequena noção possível do que realmente esse homem disse:



-- Alteza, alteza, eu acredito que encontrei a solução perfeita para aplicarmos a esse caso, e, se todos concordarem comigo, com certeza, resolveremos tudo isso da melhor maneira possível. É só nós todos em um correto acordo em comum pintarmos completamente esse motorista assassino e sanguinário na cor azul e as pessoas podem votar no melhor tom de cor possível, e fazermos algo semelhante a uma incrível tatuagem, para ficar para sempre nele com um castigo pelo seu crime horrível contra essas criancinhas puras e inocentes além de indefesas… Fazer a tal tatoo no corpo inteiro em um tom bem marcante e feio e soltar esse infeliz por e aí então obrigá-o a só poder entrar em casa apenas a noite, bem tarde e, obrigar ele a viver uma vida normalmente; pense bem, majestade na minha sabedoria, o povo concorda comigo plenamente, e eu concordo com o povo sábio também... Se esse assassino estiver pintado assim, quando o infeliz estiver entrando em um carro, as pessoas todas as vezes vão gritar "ô, você ai, azul, cuidado para não matar mais crianças inocentes, assassino covarde, dirija direito!" E isso vai lhe envergonhar profundamente de tal forma que ele vai se arrepender do que ele fez as crianças. E isso irá torturar a sua consciência para sempre… E todas as pessoas que quiserem poderão cuspir na sua cara quando quiserem e ainda poderão darem pontapés nele quando bem quisessem e o matador de crianças não poderá revidar nunca… E ainda, quando ele estiver dirigindo: todos os outros motoristas que olharem para esse assassino, vão prestar mais atenção e vão se concentrar mais e vão se conscientizarem mais e assim sem dúvidas teremos menos acidentes, e mais vidas de inocentes serão poupadas, graças a minha ideia que eu tive pensando no povo de bem. Olha, majestade, e quando ele estiver em um mercado ou um parque, por exemplo, as pessoas chamarão a atenção dele lhe apontando o dedo, fazendo comentários na sua frente, na frente da família dele e do seu filho, e o infeliz irá se envergonhar muito do que ele fez, e as crianças vão cutucar seus pais na frente dele e lhe vão perguntar "papai, por que esse homem é azul?" E o pai da criança lhe explicará tudo para ela na frente desse criminoso, e ela vai dizer, "papai, papai, então o senhor não corre com o carro não, senão o rei vai pintar o senhor também se você matar crianças, eu não quero ter um pai azul, não, é muito feia essa cor"; e assim o motorista será punido pela humilhação e pela dor na consciência pelo resto da vida dele. E será excelente essa atitude porque todos que o virem pensarão: "Não vou correr de carro, não quero ser pintado de azul, vou prestar atenção". E tem mais um detalhe importante e interessante ainda, majestade, ele será obrigado a responder a todas as pessoas que lhe perguntarem o por que ele é azul; e, com isso, majestade, as criancinhas inocentes do mundo todo estarão salvas de pessoas sem amor por crianças igual é o caso desse criminoso assassino aqui! Pense bem, majestade, ainda não vamos ter que gastar um único centavo sequer para bancar ele na prisão que dá muito custo aos pagadores de impostos… Pense, majestade, no impacto social e educativo disso tudo, toda a família, todos os amigos e os conhecidos dele vão sempre se lembrarem de todo o caso ocorrido… Entende, majestade, todas as pessoas ficarão com tanto medo de passar por isso que o motorista passará que ninguém mais vai matar criança alguma atropelada! E todos esses benefícios vamos ter será sem gastar uma única moedinha sequer das pessoas de bem que são as pagadoras de impostos… Então teremos um impacto financeiro muito bom também...



E o poderoso soberano, ao acabar de escutar esse homem, com muita atenção e cuidado, prestou atenção em cada uma das palavra que esse ser maquiavélico disse, o grande monarca explicou ao povo que ele percebeu que foi usada uma aparência cômica combinada com drama para prender atenção das pessoas, mas, ele, o rei, percebeu que, o que foi dito por esse homem é apenas uma armadilha psicológica profundamente perversa a fim de manipular as pessoas tolas. O rei diz que percebeu ainda o quanto é equivocado esse conceito, há uma falta de lógica, ética, humanismo, sabedoria e justiça nesse discurso maligno. O homem fez parecer que é certo aplicar o que ele disse.



E o maligno conseguiu encantar a muitos e fez com que quase todas as pessoas que o escutaram concordassem com ele. Ele fez o errado parecer ser o certo. Ainda teve algumas pessoas que acreditaram que o homem é apenas um inocente poeta ou um artista espirituoso, não viram a maldade em tudo que saiu da boca dele e de cada um dos seus gestos.



Mas o rei ordenou a esse ser maligno se encontrar com ele amanhã a tarde no jardim do palácio real, pois, acredita que esse homem precisa fazer um profundo tratamento psicológico e psiquiátrico, e ainda afirma formalmente que o motorista é inocente e não vai puni-lo de nenhuma maneira. Ainda disse que mesmo se uma outra pessoa cometesse um crime muito sério, alguém sendo muito negligente, ou se estivesse alcoolizado, ou por algum tipo de tolice qualquer e pegasse um carro e perdesse o controle da direção desse carro e matasse crianças nessas mesmas condições, mesmo assim ele, o rei, jamais lhe penitenciaria, dessa maneira, como esse homem perverso o sugeriu. Pois, se uma pessoa passasse por isso tudo que esse homem citou, a pessoa enlouqueceria ou se transformaria em um sociopata ou em um psicopata ou em algo parecido e poderia fazer muito mais mal a sociedade e aconteceria uma grande tragédia. Ninguém aguentaria ser tão punido assim, dessa maneira. Nunca uma única pessoa poderia ser colocada no centro das atenções com objetivo de dar exemplos de tudo que é ruim em uma sociedade, jamais se deve pôr sobre seus ombros toda essa maldade. Isso não é certo para nenhum ser humano. Nenhum homem, mesmo se ele fosse um super criminoso deveria ser colocado como um exemplo de castigo desse modo e nem ao menos parecido com isso. Essa atitude é tão desumana, e o resultado disso não seria nada bom. Se eu fosse obrigado a sentenciar alguém a passar por isso, com certeza, seria melhor que eu o condenasse a uma morte rápida, bem tranquila, realmente serena e em paz; e essa morte aconteceria quando ele estivesse dormindo, ou melhor, sedado, sem dor alguma. Eu digo mais ainda, se por algum motivo, eu fosse obrigado a ter que aplicar aquela pena desumana, eu me mataria para não ter que aplicá-la, pois, jamais, iria conseguir conviver com toda essa culpa por esse jesto tão macabro e perverso, e morrer seria o melhor para a minha consciência, minha consciência iria me punir para sempre ou, até que eu enlouquecesse totalmente.



E esse homem depois de tudo isso ainda disse ao monarca:



-- Mas ele parece muito que está errado nas atitudes dele, parece tanto que eu acredito ser mais prudente tatuá-lo já, pois, onde tem fortes indícios é porque a pessoa está errada mesmo, senão por que pareceria tanto que a pessoa está errada? Se está parecendo tanto assim é por que está mesmo! Onde há fumaça há fogo... Com certeza!



E o monarca lhe responde:



--Parecer que está errado não é crime, ninguém pode ser condenado por parecer está errado, por ser suspeito ou por alguém ter forte impressão que a pessoa cometeu um crime ou ainda, por as pessoas não gostarem do acusado... É preciso ter provas consistentes e não haver nenhuma única sombra de dúvida para condenar alguém... Entendam, meus súditos, que todas as pessoas tem o direito a vida, a liberdade e a busca plena da sua felicidade, todos temos o direito a ter ideias e ao livre pensamento, todos nós erramos, pois, somos seres humanos que precisamos evoluir, temos que nos corrigirmos diariamente, temos que nos ajudarmos uns aos outros a melhorarmos mutuamente, deveríamos cada um de nós aceitarmos os bons conselhos uns dos outros, deveríamos entender que não sabemos de tudo, deveríamos suspeitar, sempre, da nossa justiça pessoal e não dar tanta importância ao que acreditamos ser o certo só porque as ideias partiram de nós mesmos, deveríamos ter amor uns pelos outros, deveríamos nos tratarmos como irmãos...pois, eu acredito que todos o somos verdadeiramente... Se nós começássemos a agir com amor, sabedoria e justiça, nunca precisaríamos prender nem ao menos um dos nossos, um próximo, um irmão desnecessariamente, muito menos matar o nosso semelhante por vingança ou por não concordar com suas atitudes e ideias simplesmente por não concordarmos com elas, só é preciso desculpá-lo, ajudá-lo a entender onde ele errou e ajudá-lo a se arrepender, corrigi-lo, reeducá-lo, orientá-lo e ajudá-lo a seguir o melhor caminho que seja melhor para todos...pois, eu tenho certeza que nós temos culpa em algum grau do erro de cada indivíduo que está nesse mundo... Devemos ter muito mais empatia com as pessoas que erram, pois, todos nós poderiamos está no lugar da pessoa que falhou... Somos todos tão suscetíveis a fraqueza dos nossos impulsos e a falta de entendimento sempre nos faz cometer a muitos erros...



E o homem revoltado lhe pergunta:



-- Mas se ninguém encontrar as provas necessárias e não conseguir provar o crime que é tão evidente? Eu acredito fortemente que quando algo parece tanto ser um crime é porque só pode ser um crime efetivamente... Devemos acreditar em nossas fortes convicções e intuições quando não encontramos as provas!



E o sábio monarca lhe responde novamente:



-- E se não houver as provas encontradas o bastante necessario para se deter o suspeito teremos então que soltar o cidadão imediatamente...pois, é bem melhor dar um benefício a alguém pela dúvida e soltar um possível criminoso por não encontrar as provas necessarias do que correr o risco de prejudicar um cidadão e prender um inocente...pois, Um Verdadeiro Estado Democrático e de Direitos é um sistema muito forte e extremamente capaz, então O SISTEMA tem como encontrar as provas se elas realmente existirem, se não encontrou as provas e as evidências é porque essas provas e esse suposto crime não existe realmente, o tal crime investigado nem existe, ou, talvez o criminoso seja muito esperto, se for esse o caso, o Estado tem poder para seguir a pessoa, espioná-la bem de perto e fazer muitos procedimentos para se fazer a justiça em paz e dentro da lei de um Estado Democrático e de Direito; e esse Estado pode inclusive, quando entende como o criminoso burlou a lei: pode melhorar essa lei com leis bem melhores para ajudar nas investigações e assim resolver a questão de ter todas as provas licitamente e, ainda, se antecipando os cidadãos foras da lei: espertinhos, e impedir, assim, os futuros crimes e se pode, ainda, também com tudo isso, bem aplicado, desincentivar que outros possíveis foras da lei tentem trapacear o sistema de leis e condutas preestabelecidas... E para ajudar os cidadãos a ficar dentro das leis faz-se-ão bons castigos... E toda vez que um criminoso conseguir trapacear as regras é só ir mudando as leis para melhor e sempre conseguir, dentro das leis pré estabelecidas, investigar e encontrar as provas dentro do mais completo rito legal, condenar e castigar com a prisão e a reeducação para que o tal condenado volte a viver livre em uma Sociedade que igualmente pertence a ele e a todas as outras pessoas que devem viver em paz e em harmonia em um Estado Democrático e de Direito... Um aspecto bem importante em um Estado Democrático de Direito é que temos que descobrir as questões que fazem as pessoas quebrarem as regras da Sociedade e ajudar no que for preciso para que sejam felizes tendo tudo o que precisam e que possam serem cidadãos plenos... Exercendo a todos os seus direitos e deveres...



E quando foi dito tudo isso o pai das crianças mortas surgiu de repente e disse que ele iria matar o filho do motorista da mesma forma, para quitar a dívida dele. E nisso muitas pessoas levantaram suas ferramentas, paus, pedras e armas e apoiaram o que ele falou e disseram que iriam com ele procurar o menino na tal festa.



E o rei disse que ninguém iria fazer nada disso e explicou ao povo que o menino não tem nada ver com o que aconteceu com os filhos dele e mandou o homem se acalmar e não dizer tolices e ele se acalmou, e foi levado para um canto ali perto por seus amigos.



E nesse momento um homem barbudo e bem-vestido que saiu do meio da multidão, que aumenta, novamente a cada instante, sugere ao rei.



-- Majestade, majestade, o senhor acha que ele não tem culpa e nós, o povo todo discordamos do senhor, portanto, respeitosamente, eu sugiro que façamos uma votação, vamos escolher assim: o que for democraticamente mais justo, pois, a voz do povo é a certeza da apuaração da perfeita razão; logo, o que a votação decidir nós vamos aplicar em seguida! Então, por isso vamos proceder assim: em uma cédula vai estar escrito " morte " e ao lado " inocente " e cada pessoa tem um voto, e o senhor terá " um " voto especial que vale por " mil " votos porque o senhor é muito mais importante do que nós, o povo comum.



E o rei suspira profundamente depois diz:



-- Eu não acredito que seja uma boa ideia… Você, sinceramente, acredita mesmo que o povo leigo e sem instrução consegue avaliar bem o caso e ser justo e fazer a plena justiças em relação os fatos que se apresentam?



Insistiu o monarca ao homem barbudo.



-- Sim, sim, majestade, tenho certeza, como têm muitas pessoas, fica bem fácil encontrar o que é democraticamente justo! Como o senhor acha possível todo o povo está errado e só o senhor é único que está certo? O senhor não é nem um pouco democrático… E muito menos é uma pessoa modesta...



 Disse o barbudo com expressão de vitória no seu olhar arrogante.



-- Não, não! -- Disse o rei. -- O povo não pode julgar exatamente por não ser capaz de julgar com justiça; se o povo recebesse essa incumbência, faria uma grandíssima injustiça! A justiça, não é algo que nasce simplesmente do fato da maioria, tola, escolher um ponto de vista baseado em paixões, em fortes convicções e muito menos, em apenas aparências. A justiça, a sabedoria nasce quando nós renunciamos a ignorância e a intolerância dentro de nós e colocamos em seu lugar o que é realmente o correto e o conhecimento verdadeiro bem como também o amor e a empatia... E eu já dei a sentença, e o motorista é completamente inocente! Vou conversar com ele em particular e aconselhar muito ele. Olha, eu não gosto de carros, e acredito que ele errou muito e trabalhar tanto e ficar longe da sua família; portanto, a pena dele vai ser simples, ele vai, obrigatoriamente, ter que ouvir a todos os meus conselhos. Vocês acreditam que receber conselhos meus é uma coisa fácil? As pessoas odeiam tanto a receber os meus conselhos, e depois, ainda, eu " pego muito no pé " dos que recebem os meus conselhos…



E ninguém disse nada e só o rei falou:



-- Eu só queria ver se fosse um de vocês que tivessem, por infelicidade ou escolha ruim, por falta de noção ou por falta de entendimento, ter cometido um erro parecido com esse que o motorista cometeu, ou outra falha semelhante ou equivalente à falha dele… E se fosse um dos seus filhos? Se fosse os seus pais ou mães? Se fosse um parente ou amigo de vocês? Se fosse um vizinho ou um conhecido de vocês? Vocês estariam defendendo esses mesmos argumentos e acusações tão emotivas? Se fosse um de vocês não iriam querer que seus julgadores fossem justos com vocês igual eu estou sendo com esse motorista lhe dando o direito amplo à sua defesa? Não percebem que qualquer um de nós poderíamos está no lugar deste infeliz? Quem nunca cometeu um erro levanta a mão… Esse homem está profundamente arrependido, vocês não percebem isso? Eu entendo sinceramente que, por as vitimas serem criancinhas muito novinhas, isso os comovam intensamente… Entendo verdadeiramente que alguns de vocês conheciam as crianças ou tenham visto alguma vez… E isso os impedem de conseguir ver a coisa como ela é em sua realidade mais gritante…



E tendo o rei dito isso todas pessoas ali presentes simplesmente viram as costas para ele e cruzam os braços para trás em sinal de um desrespeitoso protesto.



E o grande monarca não se incomoda nenhum pouco com essa atitude do povo e diz:



-- Espero sinceramente que nunca nenhum de vocês ou nenhum dos seus filhos ou uma pessoa que vocês amam, cometa um erro desses, e eles sejam julgados por pessoas injustas e vingativas e extremamente punitivas iguais a vocês.



E tendo o rei dito isso a mãe das crianças se aproxima e, desesperadamente, explica ao rei:



-- Mas, majestade, meus filhos morreram e eu continuo sofrendo a dor da ausência deles! Quem vai pagar por isso? De quem é a culpa disso então, majestade? Quem é o responsavel por essas perdas? Deve haver um, não é mesmo? Eu só sei que meus filhos morreram e eles eram completamente inocentes; e isso é um fato incontestável, eles não tiveram como se defenderem em momento algum! Eu acredito, majestade, que a culpa é toda desse assassino que o senhor cisma em protejer ele!



Ela disse isso apontando o dedo para o nariz do acusado que está ao seu lado calado.



E ela tentando forçar o rei a punir o motorista então pensou em algo querendo jogar mais ainda o povo contra o rei então falou em tom de muito deboche por discordar profundamente de todos os pontos da sentença proferida pelo poderoso monarca:



-- Porque se esse assassino frio e calculista, tivesse comprado um carro bem mais barato, isso não teria acontecido de jeito nenhum! Pois, o infeliz teria dinheiro para fazer o seguro do carro; portanto, o assassino dos meus filhos não teria corrido tanto, porque não iria ter o tal do medo de ficar sem o seu grande patrimônio. E se ele tivesse comprado um carro popular não precisaria trabalhar tanto e esse motorista estaria sempre bem perto do filho dele, e, ele, há pouco, não teria saido desesperadamente correndo para conhecer o seu filho que faz dois aninhos hoje. Talvez, se ele tivesse, um outro tipo de carro, não teria passado por aqui, iria por um outro caminho qualquer… Talvez se esse infeliz tivesse feito outras escolhas na vida dele, escolhas bem diferentes dessas que cuminaram no assassinatos daqueles inocentes, esse matador de crianças não passaria por aqui hoje, então, as escolhas dele foram o que realmente determinaram as mortes dos meus inocentes filhos... Sei lá! Porém, se vossa majestade decretou, injustamente, que ele não tem culpa alguma; se é assim que o senhor entende ser o correto e justo, quero que o senhor descubra o verdadeiro culpado, já que o senhor cismou em acreditar que esse assassino é completamente inocente e muito bonzinho e carinhoso com as crianças que só queriam brincar e serem livres… Por que o senhor, majestade, colocou isso na sua cabeça cheia completamente de brancos fios de cabelos? Eu recebo até que o senhor quer levar este monstro para o palácio para cuidar das crianças de lá.



E a tendo dito isso tudo a mãe das crianças atropeladas com muita raiva acusa outra pessoa:



-- E essa cunhada do motorista assassino aí, ela tem muita culpa ingualmente a ele, pois, se essa infeliz não fosse tão vaidosa assim essa cúmplice e o assassino teriam ido embora logo e ninguém teria tentado asssaltá-lo, pois, ele não estaria lá esperando essa vaidosa, a vaidade dela matou os meus filhos, essa mulher é tão linda e elegante; por que ela precisaria se enfeitar tanto se ela já é tão maravilhosa? Era uma semples festinha de família, por que ela quis ir nessa tal festinha arrumadinha igualmente uma miss universo quando participa do concurso? Ela tem muita culpa por eu não ter mais os meus filhos tão amados!



E a cunhuda do motorista confessa:



-- Eu realmente tenho uma grande parte nessa culpa nas mortes das crianças sim, eu assumo isso, sou muito vaidosa de verdade com certeza, mas as pessoas sempre estão falando sobre a minha grande beleza e todos os dias estão me fazendo muitos elogios e querem me ver bem linda e arrumada sempre, e sou um evento a parte em todos os lugares em que eu vou, pois, eu nunca quis decepcionar as pessoas que sempre me elogiam... Majestade eu sou tão linda que se eu demorar três horas para me arrumar as pessoas me esperam sem reclamarem... Então eu nunca me preocupei com não demorar... Eu não gostaria de ser assim, perco muito tempo com futilitades, eu queria sempre e sempre estar tão mais linda que já sou para encontrar um marido que me desse valor e não me trocasse por outra mais linda do que eu, por isso eu queria ser a mulher mais bonita para quem me escolhesse... Se eu tivesse ido na festinha de chinelinho de dedo eu já seria a pessoa que mais chamaria a atenção de todos lápois, só haveria pouquíssimos convidados, e a festinha era o lugar e uma ocasião onde o meu sobrinho que deveria receber toda a atenção e os elogios, não eu, se eu tivesse ido como deveria ter feito essas inocentes crianças estariam vivas...



E o poderoso monarca consola a cunhada do motorista com um abraço e lhe explica:



-- Você não deve se culpar tanto assim, todos nós temos partes nessa questão toda, pasta que investiguemos a cada uma das atitudes de cada pessoa e assim descobriremos tudo o que acontenceu em cada um dos seus muitos por menores... Mas quero falar um dia em particular com você, vou lhe dar alguns muitos bons conselhos... Sobre a sua vaidade e como e o porque você a age dessa maneira... Mas o fato específico de hoje de agora você não tem culpa de nenhuma maneira, foi apenas uma simples coincidência qualquer o seu envolvimento nesse desastre, pois, se você entrasse e saisse rapidamente da sua casa para pegar o presentinho do menino e o assaltante por alguma razão tivesse se adiantado teria tentado assaltar o seu cunhado do mesmo modo "em três minutos" depois q você saiu do carro dele? E se você tivesse achado melhor ter levado o presentinho ao seu emprego e ter ido de lá mesmo? A sua vaidade não foi o ato determinante na morte dessas crianças, foi sim, apenas, uma grande coincidência de hórarios... Um monte de coisas acontecem ou deixam de acontecerem por infinitas coincidências, em apenas alguns segundos que uma pessoa para a sua caminhada para amarrar o cardaço do sapato já altera sutilmente o seu trajeto e apenas isso é o bastante para estar ou não na tragetoria de um projetil perdido de uma arma. E até mesmo quando a pessoa se abaixar para amarrar e o tal projetil pode passar por sobre a pessoa... Um tropeção pode em alguns casos ajudar alguém a encontrar o amor da sua vida... Um simples tropeção pode em alguns casos atrapalhar alguém a não encontrar o amor da sua vida...



E a mãe das crianças atropeladas cada vez mais irritada e inconforma interrompe o soberando:



-- Mas, eu quero saber, então, por favor, onde é que está o verdadeiro culpado? O senhor pode descubrir quem é o culpado da minha dor e punir ele severamente? Pois, eu imagino que deve haver um culpado, não é mesmo? Ou o senhor não entende assim? Ou o senhor entende que meus filhos são os legítimos culpados pelas suas próprias mortes?



E depois de dizer isso tudo, a mãe das crianças chama para perto do rei o pai das crianças e pergunta a ele:



-- Por um acaso os nossos filhos saíram ansiosos de casa hoje pela manhã para brincarem e as suas lindas boquinhas estavam falando que eles queriam muito ser atropelados e mortos injustamente por um motorista egoísta? Falaram que os sonhos deles eram de morrerem dessa forma tão estupida sendo vítimas de um homem que odeia as crianças? Você acha que nossos filhos são os culpados pelas suas próprias mortes? Foi para que eles fossem mortos ainda quando crianças que nós resolvemos formar uma linda família feliz?



E o pai das crianças responde que "não" para cada pergunta da sua esposa.



-- Portanto, com certeza, é o motorista que carrega a culpa dessas mortes inocentes!



Ela diz isso e acredita que com essas palavras colocam o rei contra a parede e ele punirá o motorista e ela terá a “justiça feita” e sai de perto do rei acreditando ter a verdadeira justiça.



Nisso todos os olhares vão para o monarca, e, ao fim de um longo minuto, ele começa a andar de um lado para o outro, por alguns instantes novamente. Todos olham para o soberano e outra vez esperam para ouvir o que ele vai dizer; e logo monarca pergunta à mulher que acaba de perder os seus filhos:



-- Você tem toda a razão, seus filhos são completamente inocentes mesmo e não tiveram como se defenderem, e temos realmente que encontrar os verdadeiros culpados e dar os bons exemplos e além disso punir as más condutas desses matadores de crianças e com isso ajudar a proteger a todas as crianças do nosso reino e do mundo inteiro. Porém, primeiro me diga uma coisa extremamente importante para que resolvamos esse caso, mulher… Onde você estava na hora do acidente? Diga-me o que a senhora estava fazendo enquanto seus amados filhinhos inocentes foram atropelados e mortos por esse carro descontrolado? O que a senhora estava fazendo naquele último e exato momento da vida de seus filhos amados e extremamente inocentes e desprotegidos?



E a mãe das crianças, fica branca como a neve, com medo, ao receber do rei essa pergunta inesperada e ela se assusta e balbuciando lhe responde:



-- Majestade, eu estava em casa, logicamente, preparando com muito amor e carinho os alimentos para o jantar dos meus menininhos, ao mesmo tempo, ainda, eu estava estudando um livro de exercícios de língua estrangeira… Faço esse estudo visando me qualificar, pois, quero arrumar um bom emprego, pretendia educar bem os meus filhos. Agora não adianta mais nada, eles estão mortos… E a culpa é toda desse monstro que o senhor insiste em proteger! A culpa é dele, só dele… Todinha dele!



Ela diz isso apontando o dedo para o nariz do motorista que está sendo consolado por sua cunhada, diz isso e começa a se lamentar muito e a multidão pergunta ao monarca se ele não está vendo as lágrimas que ele causou na mãe das crianças com toda essa insinuação injusta, e o povo sugere que o rei pare imediatamente de punir a mãe das vítimas com perguntas tolas, e diz ainda:



-- Encontre logo o culpado e puna ele logo já que o soberano não acha que a culpa recai sobre o motorista.



E o rei dá ordens para o guarda que está ao seu lado:



-- Sabe onde essa mulher mora?



E o guarda diz que sim.



-- Então vá ver se tem alimento sendo preparado no fogão dela e veja se além disso você encontra algum livro de exercícios de língua estrangeira; e olha ainda como é a casa dela, no geral, faça isso rapidamente e volte logo.



E a multidão fica incrédula com a atitude do soberano.



Quando o guarda volta se desculpa por demorar tantopois, essa mora há um quilometro dali e ele e comunica ao rei logo em seguida que não havia comida alguma no fogão da casa daquela mulher e que só havia comidas industrializadas bem pouco saudáveis no armário e ele diz ainda não encontrou nenhum livro de língua estrangeira, não encontrou um único livro de coisa alguma, não encontrou nenhum caderno sequer e disse ainda: "Majestade, não sei se isso é importante, mas a casa dessa mulher é muito suja, cheira bastante mal, e é uma bagunça sem fim, e não tem brinquedo algum, naquela casa".



O grande sábio monarca já estava muito desconfiado que a mãe das crianças não os tratava corretamente desde o início, convenceu-se disso logo que percebeu a situação desses inocentes: o local onde eles estavam, o horario ainda na rua, na verdade pela idade deles nunca eles poderiam estar nessas condições, jamais; e logo, e o soberano pergunta à multidão ainda incredula:



-- Alguém aqui presente sabe onde esta mulher estava na hora do acidente?



E ninguém, nenhuma pessoa se manifesta para respondê-lo e o rei diz em um tom bem ameaçador:



-- Eu digo que se alguém souber onde essa mulher estava e não me contar, darei, portanto, um castigo muito severo… Vou fazer isso em praça pública… Vocês vão saber quem é a grande pessoa omissa! Eu não descarto de nenhuma maneira a hipótese de amarrar em um poste em uma praça, e deixar a pessoa nua e dar dez chibatadas nos lombos da pessoa que não ajudar o rei na investigação.



O rei nunca pretendia realmente fazer isso, só se precisasse mesmo, em último caso, ele disse isso só para assustar a pessoa que sabia onde a mãe das crianças estava na hora do acidente; ele quis conseguir influenciar a pessoa a cooperar na questão da sua investigação.



Mas, tendo dito isso, em apenas um minuto, uma mulher que tremendo de medo, se apresenta ao rei, e conta:



-- Majestade, majestade, majestade, não precisa me castigar não, eu falo, eu falo sem precisar de castigo algum, por favor; sou a comadre dela… Posso lhe garantir que ela estava no meu portão, como faz sempre, quase todos os dias o dia todo… Ela estava me contando que a vizinha dela chegou ontem de madrugada em casa e veio em um táxi, disse que a vizinha entrou na casa dela em um pé e saiu no outro, entrou e saiu rapidinho; a comadre acredita, com certeza, que a vizinha está traindo o seu próprio maridoporque ele trabalha à noite.



E o soberano pergunta onde é que está a tal vizinha e passa-se um período curto e quando ela é encontrada o rei a interroga:



-- Você realmente chegou de madrugada ontem? Pode nos dizer o que estava fazendo?



E a vizinha da mãe das crianças, em prantos, toda vestida em roupas de luto, começou responder falando com a voz embargada fazendo muitíssimas pausas para parar de chorar e conseguir contar tudo o que o soberano quer saber:



-- Majestade… Sabe… Minha mãe morava no interior e ela veio ver a mim e a minha irmã que mora em outra parte do nosso reino, alteza… Quando ela chegou fomos de imediato para ver essa minha irmã afim de conversarmos todas juntas e minha irmã que é mais velha do que eu estava assando um bolo que mamãe simplesmente adorava… Só que, quando estávamos conversando, depois de muito tempo, mamãe começou a passar mal e ela desmaiou de repente… E a minha mamãezinha querida não voltava a sí… E quando a levamos para o hospital, o próprio médico foi quem me perguntou se mamãe não estava fazendo algum tratamento ou tomando algum medicamento… Mamãe esqueceu a sua bolsa em minha casa… Eu nem imaginei que tinha algum remédio dentro da bolsa dela… O médico me deu uma grande bronca por eu não saber de nada sobre isso… Por não saber que minha mamãe com sua idade avançada não teria alguma doença grave… Majestade, fazia muito tempo que eu não via a minha mamãezinha querida, eu fiquei tão feliz em estar com ela que nem cheguei a pensar em doença alguma… E o médico não descobrir o que se passava com mamãe, aos gritos o doutor me mandou vir pegar a bolsa dela para saber de alguma pista de como cuidar de mamãe… Foi quando voltei de táxi, de madrugada… eu vim pegar a bolsa dela… Entrei em casa em um pé e sai no outro… E o motorista do táxi quase atropelou um jovem casal de namorados que estava na beira da rua: distraídos… Quando cheguei novamente ao hospital… Nós… Descobrimos que mamãe tinha uma doença crônica e muito grave e nunca havia nos avisado, talvez foi porque mamãe não queria nos preocupar… Mamãe sempre foi assim, nunca queria nos preocupar… Mas, foi tarde demais, mamãe faleceu, majestade, não deu tempo de fazer mais nada por ela… Minha querida mamãezinha...



E depois que a vizinha da mãe das crianças fez todo o seu relato, o rei diz que sente muito pela perda dela e lhe deu um forte abraço e se desculpou por precisar convocá-la e lhe pergunta qual é a idade dela. E a mulher responde a idade de sua mãe, e ela responde que ela morreu com oitenta e três anos. Mas o poderoso soberano lhe diz que quer saber a idade dela e não da sua mãe. Mas quando o rei pergunta isso todas as pessoas ficam surpresas com o que eles chamaram de insensibilidade da parte do rei em querer saber uma coisa dessas justamente em um momento que a mulher está tão abalada. A mulher responde que tem quarenta e cinco anos e saiu da presença do rei e foi chorar a sua tristeza, sozinha, em sua casa.



E o monarca disse que era importante ele saber a idade da mulher e ele comunica à mãe das crianças:



-- Eu acredito que a gente já tem um dos culpados das mortes dos seus filhos.



E a mãe das crianças pergunta com espanto:



-- Quem, majestade, a minha vizinha, então, finalmente foi encontrada a grande culpada?



E o rei olha fixamente para a mãe das crianças em seus olhos e responde-lhe friamente:



-- Não, não, não, não é ela não: é Você…



As pessoas se enfurecem com o rei; e a mãe das crianças pergunta-lhe nesse instante:



-- Eu? E como foi que eu fiz isso exatamente, seu maluco?



E o monarca muito decepcionado lhe responde:



-- Você tem a maior parte da culpa, na perda dos seus próprios filhos, você é a maior dos carrascos dos seus próprios filhos…



-- Eu? Você está surtando, majestade? Como eu poderia fazer isso? Eu nem estava perto deles no momento específico… Nem sabia onde eles estavam… Eu nem os vi o dia todo, os deixei brincando com os filhos de outra vizinha…



E ela pergunta isso incredulamente com a audácia do rei dizer aquilo para ela.



-- Por isso mesmo, você nunca estava perto deles…



-- Eu sempre estava com eles, eles são meus filhos, eu os amava… Eu os levava bem dentro do meu coração…



-- Você mentiu para mim… Você não estava fazendo comida nem estudando nenhuma língua estrangeira… Você não cuidava dos seus filhos da maneira que deveria cuidar de crianças, ainda mais porque em se tratando de crianças tão pequenas e indefesas como era o caso dos seus filhos! Você os negligenciava e os maltratava e muito, não tinha cuidado algum com eles… Dá até a impressão que você deliberadamente os entregou a própria sorte, eu digo isso porque isso que você fez nunca ninguém, em sã consciência, faria, de jeito algum!



E ouvindo isso a mãe das crianças fica calada e o rei fala para ela:



-- Você poderia muito bem ter evitado a morte de seus filhos… Você não fez o que uma mãe de verdade faria… Se tivesse cuidado dos seus filhos corretamente isso não teria acontecido… Os seus filhos eram muito pequenos e inocentes, eles não tinham como se defender do perigo, eles não sabiam de nada… Você os deixou ficar no fim de uma ladeira muito íngreme e em uma curva extremamente perigosa onde um carro que poderia perder os freios e matar as crianças que estavam aqui sem perceber o perigo; nunca, jamais em hipótese alguma, eles poderiam está neste lugar, e ainda mais nessa hora da noite…



-- Mas, eu não sabia, eu sou adivinha? Como eu poderia saber dessas coisas?



Pergunta a mãe das crianças mortas, com desdém ao que o rei falou. mas, o rei fala em seguida:



-- Aqui onde as crianças estavam é um lugar muito perigoso, poderia um carro em fuga da polícia, ou um carro desgovernado, ou uma pessoa que tem algum tipo de problema de saúde e dormisse ao volante… Ou um bêbado, ou um drogado e ou alguém dirigindo enquanto faz outra coisa e se distraísse e não conseguisse dirigir corretamente… São várias as possibilidades com carros que poderiam ocorrer e atingir as suas crianças… Ainda se outra criança ou uma pessoa adulta sem juízo ou por uma idiotice qualquer, jogasse uma coisa redonda que rolasse ladeira abaixo e atingisse os seus inocentes e desprotegidos filhos? Em frente a uma ladeira e com curvas não é o melhor lugar, definitivamente, para crianças brincarem; mas, elas não conseguem entender isso; são os pais delas que devem vigiá-las e orientá-los a esse respeito. Você deveria cuidar da vida deles e não da vida das pessoas adultas que sabem o que estão fazendo como é o caso da sua vizinha… Que acabou de me dizer que tem quarenta e cinco anos. Você os matou… Sua negligência os matou… Sua atitude errada os condenou à morte tão prematuramente.



E a mãe das crianças diz desoladamente ao rei nesse momento:



-- Mas, majestade, que culpa eu tenho se as pessoas fazem coisas tão erradas? Se as pessoas dirigem seus carros de maneiras completamente erradas, tenho domínio sobre isso, tenho? Não tenho autoridade por essas coisas acontecerem, tenho? Tenho responsabilidade que esse motorista ficou com medinho de morrer e cooreu feito um covarde e matou os meus filhos? É de minha alçada que existam ladeiras e curvas? Foi eu quem inventou as ruas? Por acaso foi eu quem inventou os carros? Por acaso foi eu que fiz essa ladeira e essa curva tão perigosa onde todos os moradores sabem que já teve aqui muitos e muitos acidentes e onde alguns foram fatais? Eu que, por acaso, mando as pessoas beberem, se drogarem e fazerem todas essa sorte de coisas ai que o senhor me citou há pouco? Não tenho parte em nada nisso não! Não tenho responsabilidade alguma se as pessoas não se preocupam com a vida de uns dos outros!



E o rei calmamente responde a mãe dos pequenos mortos:



-- Responsabilidade das pessoas dirigirem de maneira errada voçê não tem realmente; mas, você deveria cuidar dos seus filhos corretamente. Já estava na hora deles estarem em casa, terem tomado banho e estarem muito bem alimentados e felizes. Se você tivesse feito o que deveria, não os teria perdido. Suas crianças não tinham nem mesmo as minímas condições de saberem onde é o lugar mais seguro para brincarem! Eles não sabiam que horas tinham que tomar banho! Nem a hora certa para comer, nem a hora de dormir... Você que os colocou no mundo tinha a obrigação de orientar e zelar por cada um deles, pois, se você sabe que tem muitas coisas erradas por aí, portanto, então, deveria com mais afinco se preocupar com a segurança e o bem-estar deles... Olha, "mãe", entenda uma coisa muito importante, independentemente da questão se o motorista é inocente ou culpado por vir correndo, se ele estava em seu juízo perfeito ou não, se você tivesse feito o que deveria ser de sua competência em relação aos cuidados das suas crianças, elas estariam vivas, pois, se elas estivessem em casa onde é o lugar correto, e você com elas, onde é o lugar correto, elas não estariam aqui nesse lugar errado, nesse lugar perigoso. Pois, independentemente dos erros do motorista, são os seus erros que mostram a falta de amor as crianças, não a atitude do motorista… Ele nem sabia que seus filhos existiam, mas, você sabia e não zelou por eles em momento algum… Mas quando você errou, mãe, os seus erros aumentaram os holofotes em cima dos erros do motorista. E por isso parecia que ele é o único culpado e a mãe deles, você, não tinha culpa alguma, mas, o motorista, mesmo com todas as questões dele, não teria acertado com o carro as suas crianças; ele teria atingido apenas e tão-somente os pneus velhos reutilizados para barreira de proteção… Portanto, ele, nunca poderia ser acusado de assassinar os seus filhos, ele, então, poderia ser acusado somente de ter más condutas de transito, porque as crianças, nenhuma delas, em hipótese alguma, deveriam estar ali… Não deveriam estar ali, justamente porque tem todas essas questões perigosas de trânsito e as questões dos pais em terem cuidados com os pequenos e com todos os incapazes em geral… Mãe, você entende agora que são os pais das crianças que sempre têm a maior responsabilidade com o que acontece com seus filhos? Você entendeu que a saúde e o bem-estar dos filhos dependem fundamentalmente dos cuidados dos pais delas, independentemente da conduta de como a sociedade com todas as suas falhas, costumes e negligencias?



A mãe das crianças entra em prantos novamente.



E o marido da mãe das crianças a ampara em seus braços e outras pessoas o ajudam.



E o rei, depois de cinco minutos, agora sem expressão alguma de reprovação, e com um olhar de carinho e perdão se aproxima da mãe das crianças atropeladas e lhe pergunta:



-- A senhora pode nos contar como foi a sua infância? Eu acredito que o modo como você foi criada e educada a influenciou muito na sua atitude completamente errada… E muita coisa que aconteceu aqui com os seus filhos têm a ver com a sua infância… E esse desfecho trágico tem muito a ver com o modo que sua infância ocorreu; e me parece que igualmente aconteceu com os pais do motorista, seus pais também tem muito a ver com o que aconteceu aqui hoje.



-- Olha, majestade.. Vou te contar algumas coisas que aconteceram há muitos anos… Quando eu era criança, meus pais me criaram muito presa, eu só vivia trancada… Basicamente eu vivia no meu quarto brincando com minhas bonecas e meus amiguinhos imaginários… E os meus pais estavam muito impressionados pela morte do meu irmãozinho mais velho do que eu, queriam muito me proteger dos perigos, pois, o meu irmão morreu quando brincava na calçada com os amiguinhos dele; ele, o menininho, caiu em um buraco e bateu a cabeça. Então, meus pais, tinham muito medo de me perder da mesma forma; por isso eles não me deixavam ter amiguinhos e não me deixavam fazer muitas coisas, fora do meu quarto… E quando eu era adolescente eu fiz uma promessa para mim mesma e eu a cumpri rigorosamente… Eu disse para mim mesma que quando eu fosse mãe, meus filhos seriam livres, muito livres… Iriam para onde quisessem. Eles fariam o que quisessem quando estivessem a fim de fazerem e como escolhessem! Eu acredito que as crianças têm que serem livres plenamente… Meus filhinhos iriam ter a liberdade que nunca tive… Por isso que eu os deixei viverem assim, livres… Fazendo o que quisessem… Indo para onde bem entendessem… Sempre quis ter filhos para eles terem o que eu nunca tive: a liberdade...



E o grande rei olha para a mãe das crianças e uma lágrima escorre do seu rosto e ele diz:



-- Agora eu consigo entender o porque você agiu tão erradamente, na sua cabeça você, nesse caso especificamente, estava querendo que seus filhos não passassem pelo que você passou e lhes deu o passe livre para "a tal liberdade" que você acreditava ser a ideal.



Nesse instante o rei diz ao povo que está em silêncio e só o observa atentamente e sempre discordando dele, mas ele assim mesmo pergunta ao povo:



-- Vamos descobrir mais partes responsáveis por essas mortes desses indefesos… Onde está o pai das crianças?



O pai das crianças se aproxima:



-- Majestade, estou aqui…



E o rei dá uma boa olhada de reprovação no pai das crianças e lhe pergunta olhando nos olhos dele e diz:



-- Pode me dizer onde você estava na hora em que seus filhos estavam sendo negligenciados pela mãe deles?



O pai das crianças responde-lhe com a voz trêmula:



-- Majestade, estava fazendo horas extras no meu trabalho, pois, queria dar o melhor para os meus filhos…



O pai das crianças diz isso e derrama uma lágrima; e o povo se comove com essa cena. O rei desconfiado de tantos “cuidados” da parte dos responsáveis pelas crianças mortas diz:



-- Eu quero saber se alguém sabe onde esse homem verdadeiramente estava e o que estava realmente fazendo na hora do acidente envolvendo os seus filhos. Quero agora, se eu souber que alguém sabe onde é que ele estava e me omitiu essa informação, vou dar o castigo! Vou fazer isso em praça pública… Todos vão saber quem é o omisso. E não se esqueçam sobre as chibatadas na pessoa nua na praça pública.



Quando o rei diz isso se apresenta um homem que usa óculos de aros azul:



-- Majestade! Majestade! Esse homem é o meu melhor amigo, nós estamos sempre em rinhas de galos para fazer apostas, e isso acontece todos os dias: somos viciados em jogos de azar... Ele estava lá comigo e, muitas pessoas que estão aqui presentes, também se encontravam conosco.



O rei ao ouvir isso fica indignado e diz ao pai das crianças mortas, vítimas do atropelamento:



-- Você, igualmente a sua esposa, é um dos maiores responsáveis pelas mortes dessas crianças inocentes, você igualmente a ela contribuiu muito nas mortes dos seus próprios filhos tão inocentes e desprotegidos… Você preferiu deixar seus filhos abandonados à própria sorte para pôr animais para se agredirem influenciados por seus instintos selvagens e por pessoas mais selvagens ainda… Vocês…



Por muito pouco, o rei não dá um grito com raiva do pai das crianças; ele faz muito esforço para se conter. E, nesse instante, veio à sua presença uma mulher de cabelos longos com um laço vermelho amarrado em seu lindo cabelo e pergunta ao monarca, tentando esconder que discorda profundamente dele:



-- Majestade, então me deixe entender uma coisa, por favor? O senhor está dizendo que esse motorista assassino egoísta é inocente e que o pai e a mãe dessas crianças são os únicos culpados? Eu acredito que isso não é justo. O senhor parece que fez as vítimas serem os culpados e o culpado ser inocente… É isso mesmo que eu entendi?



O rei olha nos olhos da mulher de cabelos longos e responde-lhe:



-- Mulher, eu digo sim que o motorista é inocente, e, eu digo que igualmente os pais são responsáveis por isso que aconteceu com as crianças: sim… Mas, na verdade, digo ainda que eles não são os únicos culpados por isso, digo que, depois que investigarmos, perceberemos que todas as pessoas aqui presentes têm de semelhante forma uma parcela de culpa nessas mortes…



E tendo ouvido isso, "o povo coloca a mão à boca", tampando ela, em sinal de reprovação e de indignação à realeza; e o rei faz uma pausa e, ao fim de um instante, pergunta ao público que não tira os olhos dele:



-- Quero saber quem são as pessoas aqui presentes que viram, hoje, essas crianças sendo negligenciadas, nesse lugar perigoso, pouco antes do acidente?



Quando o rei pergunta isso todas as pessoas respondem que tinham visto essas crianças, hoje, sim.



Como foram muitas as pessoas que relataram que presenciou esse fato o rei, então, pergunta ao povo:



-- Quantos de vocês viram essas crianças nesse lugar em outros dias?



E o povo responde ao monarca:



 -- Em muitos dias, majestade, vimos muitas vezes, as crianças nesse mesmo lugar… Não era a primeira vez que vimos essas crianças nesse lugar.



E foram tantas as pessoas que disseram ao monarca que viram muitas às vezes essas crianças até tarde da noite nesse lugar. Muitos, inclusive, relataram ao rei que eles davam biscoitos constantemente para essas crianças, pois, elas, sempre, estavam sempre com fome. Essas crianças estavam abaixo do peso, disseram outras pessoas.



E o rei ouvindo esses relatos, diz com certa fúria olhando para os seus súditos:



-- Então, vocês têm uma grande parcela de responsabilidade nas mortes desses inocentes… Pois, vocês viram algo muito errado e não fizeram nada, absolutamente nada para ajudar essas crianças vítimas de tantos maus tratos… Vocês foram tão omissos… Vocês são péssimas pessoas… Eu tenho uma enorme vergonha de vocês!



E quando o rei diz isso o povo fica muito irritado e, muitas das pessoas o responde que não entendem o motivo pelo qual ele está culpando todas as pessoas se não haviam feito nada contra as crianças.



-- Nos nem ao menos siquer tocamos em algum fio de cabelo desses inocentes… Até porque eles sempre estavam bem sujinhos e com cheiro ruim por falta de banho... Nem falamos com eles… Só fomos gentis com eles, pois, nós os alimentamos com biscoitos por muitas e muitas vezes…



E ouvindo isso, indignado, com o seu povo, o rei diz:



-- Por isso mesmo que vocês têm muita culpa… Vocês lavaram vossas mãos... Mas é não estão limpas não, vocês lavaram as vossas mãos bem nojentas com os sangues desses inocentes! Todos viram essas crianças aqui sendo mal cuidadas e abandonadas pelos pais negligentes e não fizeram nada para ajudá-las, vocês não as protegeram, vocês são tímidos? Vocês tem o pior tipo de timidez que existe! São covardes e omissos! Pois, deveriam, com toda a certeza, ter encontrado os pais desses inocentes e tê-los alertado de que as crianças precisavam ser melhor cuidadas e amadas verdadeiramente… Mesmo os que viram essas crianças e não sabiam quem seriam os pais delas, deveriam perguntar às próprias crianças quem seriam os seus pais e ter tomado as providências necessárias que a situação exigia… Deveriam perguntar onde moravam e levado elas para casa delas. Poderiam levá-las para as autoridades. Oras, se vocês tivessem agido assim, com essa conduta empática, poderiam ter evitado essas mortes; porém, não fizeram nada, se omitiram, se furtaram ao direito de fazer uma boa ação, e de fazer o que é certo e salvar duas criancinhas inocentes. Às vossas omissões os tornam parcialmente responsáveis pelas mortes dessas crianças também, ou seja, todos vocês são assassinos igualmente! Sim; essas atitudes de omissão os tornaram coautores e cúmplices em partes dessas mortes!



E quando o rei diz isso um homem loiro se aproxima dele e pergunta-lhe:



-- Vossa majestade, diga-me uma única coisinha? Por que eu deveria me preocupar com as crianças alheias? Eu acredito que essa obrigação deveria partir dos pais deles, apenas; não é minha obrigação! Eu não tenho a obrigação de ser babá de quem eu nem conheço… Não acredito que sou um assassino como acaba de nos sentenciar… Não me considero coautor e nem cúmplice de nada disso aqui!



E o sábio monarca o escuta atentamente o que o homem loiro diz e responde-lhe:



-- Meu caro omisso cidadão, gostei muito da sua pergunta, mas, antes de lhe responder vou lhe fazer outra pergunta… Você ficou muito triste com a morte dessas criancinhas?



E o homem loiro responde-lhe:



-- Sim, majestade, fiquei por demais sensibilizado, triste e revoltado e digo-lhe mais o seguinte: se o senhor tivesse demorado mais um segundo para chegar aqui; eu mesmo teria matado esse motorista assassino com as minhas próprias mãos! Essas crianças tinham uma vida inteira pela frente e tudo isso foi interrompido porque esse cretino e seu carro novinho cheirando a um bebê… Acredito que ele deveria ser linchado mesmo! Acredito que isso seria o certo… Se o senhor quer saber a minha opinião é isso que eu penso…



E o rei responde-lhe que não consegue concordar com a opinião dele e olha para o motorista que está abraçado com a sua cunhada e volta o seu olhar ao homem loiro e lhe faz outra pergunta:



-- Amigo, você acredita, verdadeiramente, que matando esse motorista, se baseando, apenas, e tão-somente, na dor dos pais, e por você ver como estão os pedaços dos corpinhos das vítimas, e por, o motorista ter um carro muito caro, então, por isso, só por esses fatos, seria a melhor coisa a ser feita em nome das crianças inocentes? Porque esse procedimento de matar as pessoas que você julga merecedores de sua atitude selvagem, também não é responsabilidade sua; mas, no entanto, você quer fazer uma vingança com as suas próprias mãos vingativas… Há pouco, você me disse que ficou muito sensibilizado e triste com as mortes desses inocentes… Que, por sua vez, essas mortes, poderia ter sido evitadas, se você ou alguém, que, se dizem tão sensibilizados, com essas crianças, simplesmente, pegasse elas no colo e as tivesse levado para a casa delas, ou as ensinasse a brincar em um lugar seguro, pelo menos isso… Ou ainda, se alguém tivesse chamado a atenção de seus pais, para que elas, fossem bem cuidadas. Se você tivesse feito essa boa ação para esses inocentes, eles estariam agora em casa, brincando ou se alimentando, crescendo para ter um grande futuro bem feliz. Eles poderiam viver em paz até morrer de velhice ou de alguma doença, se fosse esse o caso… Mas, você se omitiu, furtou-se do dever e da oportunidade de fazer esse bem a elas… Teve a oportunidade de fazer algo relevante a elas e não o fez… Você, meu justiceiro, infeliz, acreditando, erroneamente, que conhece o que é a verdadeira e isenta e imparcial justiça, quer, na verdade, apenas se vingar de alguém que não fez uma maldade propositadamente, pois, foi somente um terrível e muito lamentável acidente que sem duvidas foi tão impressionante… Mas, por causa desses comportamentos controversos de vocês: tenho a impressão que vocês nem se importam realmente com essas crianças acidentadas e nem estão efetiamente preocupados em dar uma lição para o futuro e só querem mesmo é matarem o acusado apenas porque vocês são bárbaros e estão procurando um motivo ou simplesmente uma bela disculpa para pôr para fora essa ânsia de matar que é latente em vocês: selvagens… Vocês são tão nojentos; oras! Quando devem se intrometer para ajudar, na justiça verdadeira, não o fazem, oras, quando não é para se intrometer para não atrapalhar ou fazer injustiça se metem a fazer com tanta força e certamente com grande prazer!



E o homem loiro não quer dar razão ao rei, e balança a cabeça negativamente e o rei diz:



-- Vocês são realmente demasiadamente estranhos… Na ocasião em que foi necessário que interviessem por esses frágeis inocentinhos não o fizeram; ficaram tão quietos iguais as lesmas mais preguiçosas, ficaram sossegados, passivos e sem ânimo algum para fazer o que é o correto a ser feito por pessoas de bem… Mas, agora, no entanto, depois que às vossas omissões e às vossas timidezes ceifaram a vida deles resolveram então de maneira súbita se animarem exponencialmente sem nenhum propósito útil com toda essa infinita tolice! Mas, agora, que era a hora que deveriam se sossegarem com muita tranquilade para refletirem não o fazem de maneira alguma! Mas, vocês não querem mesmo refletirem… Vocês não ficam sossegados quando é o certo que fiquem… Não fazem pergunta alguma para entender a situação toda como se deve fazer em ocasiões como essas que são absolutamente necessárias, e ainda não fazem considerações para julgarem corretamente e aprenderem com cada um dos seus próprios erros para não haver mais erros no futuro próximo! Por que preferem fazer algo que é totalmente inadequado? Por que, agora, quando não devem agem iguais aos leões, agem ativamente e muito animados? Não lhes cabe fazer a essa justiça totalmente inversa e incrivelmente despropositada… Todos acreditam que podem decidir quem deve morrer ou viver, querem ter esse papel, mas, isso vocês não podem fazer! Isso não é coisa de vossas alçadas! Vocês poderiam ter decidido quem iria viver quando era para ajudar aquelas crianças bem antes do acidente quando elas tinham, pelo menos, algumas poucas chances… Vocês poderiam decidir que as crianças vivessem, mas, não o fizeram… Essa atitude de vocês condenaram essas criancinhas à morte! Por que vocês só querem fazer coisas que não podem, nem devem? Eu fico imaginando que força maligna é essa que os motivam a fazer o que é errado, sempre e sempre! Eu fico pensando e imaginando vocês passando por aqui, e vendo e revendo esses menininhos sendo mal cuidados e se negando a ajudá-los… No entanto, agora choram e lamentam suas mortes e não se sentem culpados em nada por isso; querem encontrar um culpado para matá-lo e depois irem dormir sossegados com as suas consciências limpas, acreditando, erroneamente, que fariam um bem muito grande para essas crianças vítimas da vossas injustificaveis omissões totalmente absurdas! Saibam que as atitudes de vocês ajudaram a matar essas duas crianças! Covardes! Covardes!



E o rei suspira e diz:



– - E eu sei muito bem que esse motorista com o seu sonho esquisito, com o seu medo -- que até é bem compreensível -- e com a sua enorme ignorância fez algo terrível! Sim, concordo que esse motorista é pobre de sabedoria sim… E sei muito bem que se ele não quisesse tanto esse carro com cheirinho artificial de bebê… Não teria nunca atropelado essas crianças, que têm cheirinho de bebê de verdade… Sei também que esse carro pode ser consertado e que essas crianças não vão mais poder ser "consertadas", jamais… Mas, será que vocês não entendem que ninguém compra um carro novo com o seu único propósito de sair por aí matando crianças? Se vocês matassem esse motorista seriam assassinos novamente, pois, já mataram essas crianças por omissão!



Outro suspiro do rei e ele continua a explicar:



–- Por que vocês não fizeram nada de realmente bom aos inocentes garotinhos quando era totalmente possível? Por que querem tanto fazer essa injustiça total agora? Vocês sabem que os seus próprios filhos e outras crianças pelo mundo todo estão vendo isso tudo que está acontecendo aqui? Sabem que todos esses inocentes que são tão influenciaveis absorverão tudo o que estão vivenciando e vão acreditar que isso tudo que estão vendo é o certo a se fazer e e todos eles vão reproduzir esses comportamentos selvagem de vocês, sabem desse fato tão evidente, não é mesmo? Querem mais essa conta em suas costas? Querem mesmo se responsabilizarem por mais isso?



E nesse momento o rei ironicamente ri, e depois diz:



–- Não, não, vocês não têm noção do que fazem: agora vocês se reuniram; têm em mãos pedras, paus, ferramentas de trabalho e armas de fogo e vocês, primatas, selvagens, agem com uma força muito grande, quando é para fazer o que é errado… Unem-se, reúnem-se, dão ideias uns para os outros a fim de fazer a coisa mais errada possível e não têm o mínimo de vergonha de fazer as coisas quando são tão injustas! Eu nem acreditei, vi algumas cenas incríveis de união e ajuda mútua, alguns homens ajudando outros emprestando instrumentos para afiarem suas enxadas, foices e facões para ajudar machucar da melhor maneira o motorista… E outros homens, e mulheres, explicando uns aos outros o modo mais eficaz de espancarem o acusado… A coisa que mais me impressiona, observando vocês é à convicção que há em cada um de vocês! Não há uma gotinha de dúvidas em vocês… Eu me surpreendo como a convicção faz tanto mal na busca da verdade… A dúvida não é ruim na busca da verdade… Ela ajuda e muito, sim, ajuda muito mesmo… A convicção é tão nociva na busca da verdade... Não á uma única gotinha de dúvida em seus olhos... Só há convicções motivadas por aparencias, impressões, convicções e sensações...



E o poderoso monarca ainda diz depois de mais uma breve pausa:



-- Eu já vi nobres gestos e atitudes de profunda empatia até em macacos que são inimigos ferrenho por serem de bandos de outras espécies e que lutam pelo mesmo territórios e por comidas que em certos períodos que lhes eram tão escassas: em uma certa ocasião uma jovem macaca estava fugindo de um leão faminto que lhe perseguia a fim de devorá-la e ela, mesmo estando muita assustada, empurrou dois filhotes de macaquinhos da tribo inimiga e os enxotou para um lugar bem seguro para que o leão não os conseguisse alcançar! E vocês, claro que não... Ninguém nem ao menos, quando perceberam as crianças em perigo eminente nem oa menos os "enxotaram" para sairem daquele exato lugar mais perigoso...



E foi nesse momento que um homem muito alto sai do meio da multidão e diz:



-- O senhor quer saber o que eu ouço, majestade? Eu ouço os corpinhos desses inocentes berrando por vingança! Sangue por sangue! Sangue por sangue! É o que elas berram… Elas me pedem para vingá-las!



E o poderoso soberano faz uma cara de completa desolação e diz:



-- Corpos mortos não pedem absolutamente nada… Eu fico imaginando vocês fazendo essa “justiça” em nome dessas crianças, matando alguém em nome delas sem que elas lhes pedissem… É como se elas fossem mandantes ou cúmplices dessa injustiça toda que vocês querem realizar achando que farão um bem em nome das memorias delas… Acredito que elas pediram sim ajuda para viverem quando elas foram vistas e situação de abandono e vocês as impediram de lhe darem a preciosa vida, vocês todos as privaram do caminho natural: a vida plena. Vocês nem perceberam que, só em olhar para a situação de abandono que aqueles inocentes se encontravam era como se eles estivessem, berrando, berrando, berrando, pedindo-lhes que as ajudassem... A situação daquelas crianças era como se pedissem ajuda de qualquer um que as vissem naquele momento… Ninguém as socorreram… Parece que vocês nem percebem que tudo que acontece no mundo inteiro é causado por nós mesmos; cada um de nós. É tudo culpa de todas as pessoas… Somos vítimas, somos cúmplices, somos testemunhas, somos autores e coautores de cada um dos fatos e eventos que acontecem com todas as pessoas. Tudo, sem exceção, é causado porque nós fazemos ao deixamos de fazer alguma coisa que resultou no produto final das nossas atitudes certas ou erradas, coisas ativas ou passivas… Então todos nós devemos morrer por esse crime desses inocentes! Vocês não percebem que isso tudo que vocês estão fazendo vão influenciar enormemente todas às crianças que estão vivenciando todas essas cenas tão terríveis? Não percebem que estão apresentando a elas um mundo tão selvagem e elas, por inocencias e por sempre copiarem os adultos, vão copiar isso tudo de maneira bem "natural"? Não percebem que elas vão pensar que é assim que devem agir? Não percebem que elas vão fazer uma sociedade ainda pior do que essa por causa da atitude de todos vocês? Vocês são tão selvagens e completamente irresponsáveis e parece que se orgunham grandemente disso… Vocês, meus súditos, me envergonham diante do mundo todo, tenho vergonha de pertencer à mesma raça humana que vocês, pois, não me pareço em nada com vocês…



E nisso uma bela jovem de pele preta, usando um florido vestido curto, pergunta ao rei:



-- Majestade, todos, sem exceção? Acha mesmo que todos nós temos culpa nessas mortes e em todos os eventos de todo o planeta? Explica isso melhor para nós?



A jovem parece ser uma pessoa muito sensata e isso sensibiliza o monarca e ele fica pouco feliz e diz:



-- Sim… Veja bem como são as coisas: esse carro, cheirando a um bebê que estamos vendo aqui… Ele é capaz de correr até a trezentos e vinte quilômetros por hora… Mas, mesmo em uma autoestrada é proibido correr a mais de cento e vinte quilômetros por hora, não é estranho que carros sejam capazes de correr mais do que o limite permitido pelo combinado? Não é estranho que sejam fabricados carros tão velozes desse jeito? Não é bem estranho que as fábricas os fabriquem intensamente? Mas, igualmente não deixa de ser estranho as pessoas não reclamarem e não se manifestarem para que essas máquinas parem de matar as pessoas, você concorda comigo? Pois, todos os pais, mães, filhos, sobrinhos, amigos, e também os conhecidos de todas as pessoas, possivelmente, podem ser atingidos por esses carros, você concorda comigo? E não é por demais muito estranho que as pessoas assistam a essas coisas passivamente, que não façam nada para impedirem tudo isso! Por que as pessoas têm tanta pressa de irem à outros lugares? Por que as pessoas têm tanto essa vaidade de mostrar que tem dinheiro adquirindo essas máquinas mortíferas? Acredito que a pressa das pessoas não justifica de jeito algum as mortes que essas máquinas mortiféras causam quando dirigidas por imprudentes, bêbados, inconsequentes, e por pessoas que têm doenças que podem causar acidentes, e outras coisas… E sem falar nas mortes causadas pela poluição dos seus combustíveis tão tóxicos. Acredito que as pessoas deveriam sim se reunirem e se unirem para fazerem com que essas máquinas nem mais existam, definitivamente. Ou, pelo menos, fazê-las correr no máximo à trinta quilômetros por hora. Acredito que a essa velocidade seria tão melhor! Que vontade será essa? Que força maligna misteriosa é essa que envolve as pessoas e as ajudam os paranóicos sem sabedoria e sem conhecimentos saudáveis a fazerem sempre o que é tão errado? Que força é essa que impede as pessoas a não perceber essas coisas erradas para poderem consertar? Parece que há uma nuvem sinistra invisível adormecendo o entendimento das pessoas…



E quando o rei diz isso, aparece o garoto que estava querendo assaltar o motorista e o fez disparar com o carro, pois, o assustou muito e a vítima acelerou intensamente o carro matando atropelados os inocentes, e criando toda essa grande comoção.

Esse rapaz, veio com alguns amigos; veio se desculpar porque, na verdade, a arma que usava era de brinquedo e o assalto era apenas uma espécie de iniciação para que ele pudesse entrar em uma gang de rua. Ele diz que "se sente muito mal com tudo o que aconteceu". Diz que "não sabia que iria acontecer tantas coisas tão ruins por causa de uma simples brincadeira inofensiva, pois, ele iria devolver o carro, só iria dar uma volta antes com os garotos".



E o rapaz começa a chorarpois, está muito arrependido do que fez e revela ao rei que o motivo que o levou a aceitar ser um membro dessa gang era o fato de precisar de carinho, de amor e atenção e os seus pais não lhe davam, pois, seus pais não queriam ter um menino e sim uma menina; por esse motivo, o desprezavam sempre e sempre.



E o garoto diz ainda que nessa gang havia vários garotos que da mesma forma não eram amados pelos seus próprios pais. Alguns pelo fato dos pais não terem tempo de lhes darem o tal carinho; outros, porque os pais queriam filhos mais lindos, outros porque os pais não queriam ter filhos, outros porque os filhos têm alguma deficiência física; o garoto conta que os pais lhes dão várias desculpas para não amar os seus próprios filhos e lhes abandonarem, a ponto de que esses mesmo jovens desprezados, por conta própria deles mesmo formassem famílias em gangs para terem amor, carinho e alguém para conversarem e se protegerem uns aos outros com em uma verdadeira família.



O rei entende que o garoto era apenas mais um dos culpados por esse acidente ter acontecido e diz:



-- Esse garoto igualmente é uma vítima do que ele mesmo ajudou, sem querer, a causar… Vítima de sua brincadeira sem a menor graça que só causou tantas desgraças. Porém, ele nem precisa de mais punição, a própria consciência desse garoto vai corrigi-lo, ele vai se lembrar disso para sempre. Toda a sociedade tem uma parcela de culpa pelo que esse garoto fez. Os pais do rapaz têm uma parte da culpa por rejeitá-lo, por não saber educar o filho e também por não amá-lo.



E o rei diz ainda que os amigos do garoto também tinham uma parcela de culpa por não cuidar dele e por não aconselhar esse rapaz a fazer as coisas que são necessárias corretamente. E todas as pessoas que conheciam essa questão igualmente têm a cada qual a sua parcela de responsabilidade.



E o rei disse que as pessoas que sabem que existem armas de brinquedos e não fazem nada para que elas não existam mais também têm parte na culpa; disse ainda que as pessoas que sabem que existem armas de verdade e também não fazem nada para que elas deixem de existir igualmente têm parte na culpa. Todos nós somos culpados, em partes, grandes ou pequenas, por essas crianças e por todas as outras que morreram ou foram feridas de alguma forma por todo o imenso planeta e por todos os tempos…



E o rei continua a falar:



-- A sociedade toda se comporta como se ela fosse inimiga mortal das crianças, como se as crianças fossem um estorvo muito grande a ela… A sociedade, a todo o momento, age como se a sua maior preocupação ou seu maior interesse, fosse dificultar a vida dos seus inocentes pequeninos… Tenho a impressão ainda, por causa de como são tratados as crianças que a sociedade quer eliminá-las… Tenho a impressão que, no mínimo, a sociedade quer corromper as suas crianças, digo isso por causa dos comportamentos completamente inadequados que as pessoas têm quando estão perto de crianças… Tenho essa impressão ainda por causa dos exemplos que os pais dão as suas inocentes crianças. O fato que mais me surpreende nisso tudo é que: o que a criança tem de melhor, de mais importante, é o que mais as prejudicam e as condenam… Porque: por elas CONFIAREM em seus pais incondicionalmente: esses inocentes ficam mais suscetíveis as condutas inadequadas deles e, então, as crianças, deixam os seus pais abusarem deles de diversas maneiras, em diversos sentidos, inclusive, sexualmente… E por causa dessa confiança toda, as crianças são muito suscetíveis e recebem os maus exemplos, e os maus hábitos, que elas, depois, os copiam, acreditando que são efetivamente os corretos e verdadeiros… Mas, mesmo os pais que não são maus e nem que são tolos, mesmo esses, não são capazes de criar e educar corretamente os seus filhos…



E quando o rei parou de falar, se escutou apenas um incômodo silêncio, mas, depois de um instante o monarca diz:



-- Eu entendo que vocês nem tem culpa de serem assim, vocês agem assim por serem tolos, vocês não tiveram nenhuma oportunidade como eu tive para me tornar um grande filósofo, eu tive muitas oportunidades, muitos bons professores; vocês se comportam exatamente como a educação que receberam a capacitam a serem. Vocês não tiveram bons exemplos na vossas criações para copiarem… Vocês não têm culpa, a educação que tiveram só os permitem ser capazes de pensar igualmente a um homem primata… vocês não sabem o que fazem, vocês não têm intelecto para decidirem nada; vocês são completamente inocentes porque nunca tiveram oportunidades de serem melhores do que poderiam ser; por isso eu desculpo a todos vocês e vou ajudá-los a serem pessoas melhores, vou dar para todos vocês muitas palestras, muitos cursos e escreverei muitos livros… Vou reeducá-los, a todos vocês! A todos!



E o povo se cala escutando o rei e ele continua a explicar o que pensa:



Por isso, a partir de hoje, vou criar uma lei que: só vai poder ter filhos as pessoas que forem capazes de amá-los, quem souber educá-los e os protegerem corretamente. Para ter filhos, agora, os interessados, terão que fazer um curso, no mesmo nível de uma faculdade excelente, depois terá que fazer uma avaliação provando que fizeram esse curso da maneira correta e que estão aptos a serem bons pais, terão que provar que são capazes de cuidar, educar e amar suas crianças de maneira especial. Não quero que mais nenhuma criança seja maltratada por seus pais incompetentes como esses aqui que abandonaram seus filhos a própria sorte e estes morreram atropelados de um jeito tão estúpido! Não vou mais permitir isso, vou proteger todas as crianças… Vou arrumar pais muito mais qualificados para as crianças do futuro…pois, os inocentes precisam e merecem isso...



E o rei aponta o dedo para os corpos das crianças mortas:



-- Olhem para essas crianças mortas por causa da incompetência de seus pais! Vou desenvolver esse curso imediatamente, pois, não vou permitir que crianças cresçam e sejam como esse motorista aqui, desorientado de valores realmente importantes… Não quero que nenhum única criança do futuro fique juntando moedinhas para comprar um carro tão caro; quero que os pais do futuro sejam capazes de orientar os seus filhos, ensinando-lhes valores bem melhores que esses apresentados por todas essas pessoas aqui… Quero pais verdadeiramente capazes de orientá-los; e quando, eles, os pais do futuro, souberem que seus filhos se encantaram por algo tão caro e absolutamente desnecessário, eles, os bons pais que serão definitivamente bem instruídos, os ajudem a entenderem que esses caprichos tão bobos não trazem felicidade alguma, só trazem desgraças como a que acabamos de ver aqui nesse caso tão triste, mas, com certeza, seria totalmente evitável com boas condutas... Quero que as crianças do futuro não sejam como esse infeliz rapaz que com essa simples arma de brinquedo, que se sentindo carente de amor, carinho e atenção por causa dos seus pais que não lhe davam as coisas que tanto almejava e precisava, resolveu, então, que, para se sentir importante no meio de uma sociedade, foi capaz de fazer uma coisa como essa que ele fez; e ele, o rapaz, a patir de agora vai ter problemas com a sua consciência pelo restante de sua miserável vida… Vou proteger todas as crianças… No futuro que eu vislumbro, nenhuma única criança se sentirá carente de afeto, de amor, de carinho e de atenção por causa de pais ruins e tão despreparados.



E o poderoso e sábio monarca leva a mão ao queixo e diz:



-- Mas, para essa escola que estou planejando, terá muitos e excelentes cursos para prepararem as pessoas; então, todos receberão os ensinamentos sobre como se deve criar um filho da maneira mais correta possível: como alimentá-lo, como protegê-lo e saberão tudo o que for necessário para esse fim absolutamente fundamental. E as pessoas, só terão permissão de ter filhos quando forem totalmente capazes de criá-los sem prejudicá-los… Os postulantes à serem os pais, terão que estarem totalemnte cientes que poderão nascer meninos ou meninas e que nem todos os filhos são tão lindos como eles gostariam que fossem; os interessados terão que provar que os amariam mesmo assim! Não quero que crianças sejam discriminadas ou abandonadas a toda a sorte de atitudes ruins causadas pelos próprios tolos pais!



Nisso o tal repórter atento pergunta ao rei:



-- O senhor, não acha essa lei muito severa demais, majestade? E o direito de livre expressão? E o direito das pessoas criarem os seus filhos como acreditam ser o melhor para eles, onde fica? O direito de ir e vir? E o direito de liberdade de pensamento, onde fica? O senhor vai se tornar um ditador, igualmente ao vosso pai e principalmente ao vosso irmão, majestade? O seu reinado será um regime totalitário? Um regime de exceção?



E o rei simplesmente lhe responde:



-- Não acredito não, pois, quando os casais conseguirem passar nessa boa avaliação, terão, sim, a permissão de terem os seus filhos normalmente! E o meu regime será prioritariamente em prol do bem-estar das crianças... O meu governo será em defesa de cada um dos pequenos... Eu acredito que ter leis tão duras assim é o correto, quando são para causas justas e profundamente humanitária como essa de salvar todas as crianças… Eu não quero ver crianças vítimas morrendo de maneira abominável, não quero ver inocentes sendo responsáveis por mortes de outras crianças, não quero ver outras crianças agirem iguais a esse pobre e infeliz motorista quando era um simples menino! Quero realmente que todas as pessoas tenham consciência para fazer o que é o certo absoluto, justo e verdadeiro; para que no futuro não muito distante, nem precisem mais serem forçadas por lei a agirem assim... Quero, que, no futuro bem próximo, todos percebam, por amor, por empatia, e por entendimento a necessidade de aprender as coisas para sermos realmente felizes em um mundo justo para todas as pessoas… Sem racismo, sem machismo, sem qualquer tipo de discriminação e preconceito, onde todos as pessoas serão iguais em direito, em deveres, em oportunidades, em incentivos e em responsabilidades!



E ao escutar isso repórter atento fez menção de perguntar algo, mas, desistiu e o rei continua a falar:



-- As crianças desse novo futuro proposto, a partir dessa nova lei, quando tiverem uma experiência como esta que o nosso amigo motorista, aqui, teve quando se encantou por um carro tão caro; irão receber de seus pais que serão bem preparados para educá-las, esses escutarão ensinamentos parecidos com os quais vou citar: “Meu filho, esse carro é uma grande bobagem", "ninguém precisa de um carro tão caro para ser feliz"; "só os tolos pensam assim sobre os bens materiais”, “pegue essas moedas e compre tudo de balinhas e divida com seus queridos amiguinhos, faça muitas boas amizades e aprenda a compartilhar ou guarde um pouco das moedas para comprar mais balas amanhã se lhe forem muitas”. E os pais, do futuro, vão ensinar valores como: o amor, a tolerância, a amizade, o compartilhar, a solidariedade e o carinho como forma de comportamentos e de atitudes de serem felizes, como forma de vida. Os pais sábios do futuro, nesses casos, ensinarão aos filhos que eles têm como prioridade apenas de brincarem e aprenderem; nunca a de juntar moedas em cofrinhos para comprar emcarros. E assim sendo, as novas crianças, quando se tornarem adultas, ensinarão isso aos seus filhos também e os seus filhos aos filhos deles e assim será para sempre por todas as gerações… Apesar, que, para mim, nesse caso em especifico, pelo que eu entendi do relato desse motorista, o pai dele é que tinha o sonho de ter um desses carros valiosíssimos e transferiu o sonho que ele mesmo tinha ao vulnerável menininho de apenas quatro anos, sem que ninguém percebesse essa transferência de desejo do coração do pai ao coração do filho. O menino só ouviu no tal evento um outro adulto, uma pessoa qualquer que ele nem o conhecia, dizer que era o sonho dele ter um carro desses e o menino simplesmente repetiu essa frase infeliz perto de um pai mais infeliz ainda, que sem perceber cometeu o maior erro que poderia praticar em sua vida, o engano de fazer uma criança, o seu próprio filho sonhar o sonho dele e fazer esse menino passar por todo o sofrimento e a angustia que ele experimentou involuntariamente... Os pais até agora nesse momento foram completamente despreparados e influencivam muito mal os seus filhos. E os filhos por confiarem demais nos pais acabam sempre fazendo as coisas erradas, pois, quando os pais são tolos e despreparados… É isso mesmo que é o que acaba acontecendo...



Ao dizer tudo isso o rei finalmente consegue ser visto com alegria pelo povo que agora o vê como o homem mais sábio e justo que já existiu.



E tendo acontecido isso todos dão uma pausa para refletir, e nisso, a cunhada do motorista se aproximou do rei e deu-lhe um forte abraço, começou a chorar e disse:



-- Majestade, o senhor realmente é muito sábio, justo e tudo de maravilhoso! Poderia nos dizer onde o senhor se encontrava? Pois, ninguém nunca ouviu falar a seu respeito até o dia que saiu finalmente os resultados daquela estranha pesquisa que todas as pessoas do mundo todo respondeu e que há alguns meses descobriram que o senhor é o homem mais sábio de todo o planeta! Então, conte-nos tudo, pois, a sua vida é um completo mistério para todos nós. Onde foi que o senhor adquiriu tanta sabedoria assim? Pode nos contar tudo sobre o senhor?



E o soberano faz outra pequena pausa e começa a contar sobre o início da sua vida:



-- Olha… Vocês sabem que eu tenho noventa e nove anos de idade, que estou reinando faz apenas dois dias… Sabem que, quando meu pai sofreu aquele acidente e morreu, e meu irmão assumiu o poder e reinou por vinte anos e também morreu, e como eu sou o único da família a ter o sangue real que sobrou, por isso, então que eu fui convocado para ser coroado o rei… Sabem que quando eu tinha apenas quatro anos de idade, minha mãe me deixou ir para um reino distante para estudar a razão da vida, o sentido da vida, encontrar a verdade, com um tio eremita que mora nas montanhas no oriente…



 E o povo agora escutava o relato o poderoso monarca com muita atenção e admiração e ele continuava a narrar sobre o começo da sua vida:



-- E toda essa grande história começou, quando, minha mãe, a rainha -- depois de um sonho muito complexo e talvez até meio místico de alguma forma disse acreditar que teve uma mensagem revelada exatamente no dia em que nasci --, então, ela queria que eu fosse o homem mais sábio e justo de toda Terra; ela queria que um dia eu fosse capaz de governar com sabedoria e justiça… Um dia ela me enviou uma única carta me explicando todos esses importantíssimos fatos e escreveu ainda que só me mandou ir com o meu querido titio por causa desse tal sonho que ela teve onde, se eu fosse estudar com ele, um dia, o mundo todo iria me ouvir como o rei mais sábio e justo de todos os tempos e entre todos os homens e ela ainda me disse que em seu sonho eu iria ajudar a salvar o mundo todo em uma grande conversa; e nessa conversa que eu teria com alguém muito especial toda a Humanidade iria escutar o MAIOR DE TODOS OS REIS, O ÚNICO REI LEGÍTIMO. Mas que, para isso acontecesse assim, desse modo, eu, jamais, poderia me contaminar com os ensinamentos comuns e cheio de maldades e vaidades que poderia me intoxicar se eu ficasse aqui, pois, ao meu redor só havia coisas que iriam prejudicar o meu entendimento. Foi por isso que nunca mais pude falar com a minha família até o dia que eu fosse convocado a retornar ao reino... Foi isso que minha querida mamãe me disse na carta dela... E eu sempre obedeci o que ela me orientou a fazer... Então por isso que eu estudei tanto... E me tornei tão sábio e justo...



Mas quando o poderoso soberano disse tudo isso, aquele mesmo alto funcionário do palácio que já havia lhe contado sobre como foi o reinado da sua dinastia lhe interrompe dizendo para ele:



--Majestade, eu sinto muito mesmo pelo senhor, mas preciso lhe contar outros fatos muito importantes sobre a sua família e sobre o senhor... Alteza, na verdade mesmo eu devo lhe dizer que foi o seu próprio pai que obrigou a sua querida mamãe a lhe exilar nas montanhas com o vosso titio... Ele não lhe queria mais por aqui...



E o monarca ficou incrédulo por um pequeno instante e depois lhe pediu mais detalhes sobre esse fato e escutou isso:



-- Majestade, o meu avô trabalhava para o seu pai, e o meu pai idem e o meu avô falou para o meu pai que depois me contou toda a história que o senhor ainda não sabe: tudo isso começou quando o senhor tinha apenas quatro aninhos e estava com a rainha a sua mamãe e com o tirano do vosso pai, no interior do reino na instância de verão da vossa família, e um dia o senhor estava em frente a uma ruazinha e do outro lado tinha alguém vendendo doces e balas, e o senhor andou com suas pequenas perninhas uns cento e cinquenta metros para o lado contrário de onde estava as balinhas tão desejadas e foi em direção da rainha e chamou a sua querida mamãe lhe pediu para ela se o senhor poderia naquela hora mesmo atravessar a ruazinha para comprar essas balinhas e se já poderia chupá-las, o senhor gostava muito de balas, Alteza; mas foi o seu pai que lhe respondeu antes de vossa mãe, ele falou assim: "Está bem, menino, mas você só atravessa a rua depois que o carro passar, senão ele vem bem rápido te atropela e te mata na hora"... E o senhor estava lá na beira da ruazinha meia hora depois e sua mamãe e seu pai quiseram ver as balinhas e o senhor disse: "Eu não comprei ainda", o vosso pai ficou bravo e lhe perguntou: "você não queria tanto essas balas, por que, então, não comprou ainda?"... O senhor teria respondido: "porque o carro não passou ainda, se eu tentar atravessar antes dele passar ele vem bem rápido e me atropela e me mata na hora, papai, o senhor já esqueceu? O senhor me ensinou isso há pouco". E quando o senhor disse isso todos riram muito do senhor e todo mundo começou a dizer que o filho do rei era retardado... E foi por isso que o senhor foi mandado para bem longe, o seu pai espalhou uma notícia inventada por ele que o senhor tinha morrido, pois, o tirano do seu pai tinha muita vergonha disso que aconteceu, e o senhor ainda no mesmo dia desse acontecido e dois dias antes de ir para bem longe, envergonhou mais uma vez o seu pai; ele contou uma mentira social e o senhor o desmentiu dizendo: "Papai, a mamãe disse que é feio mentir e que os bons meninos sempre falam a verdade"... E isso deixou o seu pai muito mal com os diplomatas de outros países em uma reunião muito importante e o vosso tirano pai ficou furioso. E a sua mamãe ficou muito triste com a sua partida e morreu de tristeza em poucos meses...



E o grande monarca ouvindo tudo isso quase chorou perante os seus súditos e depois disse:



-- Pobre mamãe, eu amava muito ela... Eu acredito que eu tenho autismo bem leve, por isso que teve esse problema com a recomendação do meu pai, eu era muito ligado a mamãe, mas eu não entendia muito o modo de falar das pessoas, o que elas falavam era muito estranho para mim, mas eu confiava muito na minha mamãe, eu ficava impressionado como ela sabia de todas as respostas das coisas que eu lhe perguntava, ela sabia os horários de todas as coisas, hora de comer, hora de dormir, hora de tomar banho, hora de brincar, a hora que vai ficar de noite, e eu ficava muito encantado e impressionado com ela por causa disso, um dia eu falei isso para minha babá, e ela me disse que minha mamãe sabia de tudo isso porque ela olhava no relógio e ele contava para ela as horas de cada coisa, ai eu fiquei mais maravilhado ainda, pois, como ela conseguia ouvir o relógio falar? E ainda dizer as horas das coisas para ela corretamente? ...Mamãe sempre me dizia que os meus brinquedos pediam para ela me avisar que eles queriam ser guardados depois de que eu acabava de brincar com eles... E eu obedecia... E por ela ter todo esse poder de resolver tudo e podia conversar com todas as "coisas"; então, eu não me preocupava mais com nada, pois, eu já sabia que era só obedecer o que ela me mandava fazer e pronto, já que eu percebi que ela sempre queria o melhor para mim, e eu sabia disso porque eu, da mesmo forma que ela queria o melhor para mim, mas eu já sabia que eu não sabia o que era melhor para mim, e eu sabia que ela sabia o que era melhor para mim... E eu tinha até já desistido de tentar entender das coisas, e de querer entender o mundo que estava a minha volta, percebi que era complicado mais... Mas eu percebi que eu não precisava mais tentar entender o mundo, pois, eu tinha a minha mamãezinha só para mim para sempre, todas as horas e era só eu lhe perguntar tudo e ela iria me orientar em cada situação... E antes de eu entender tudo isso, toda vez que eu tentei fazer as coisas por mim mesmo eu sempre errava, eu chupava bala e depois eu levava uma bronca dela porque não estava na hora daquilo era hora de fazer outra coisa, eu brincava e me sujava e levava uma outra bronca porque estava na hora de dormir e não de brincar, tudo que eu fazia por mim mesmo estava sempre errado, todas as vezes, e eu, sendo assim as coisas, percebi que as crianças não sabem das coisas, só as suas mães que sabem de tudo, pensei; logo, eu comecei a sempre perguntar e seguir as suas ordens e ensinamentos, eu entendia que quem lhe dá as orientações, o faz: porque te ama... Foi por isso que, mesmo eu estando perto do homem que vendia as balinhas resolvi andar tudo aquilo e perguntar para minha mamãe, pois, eu não sabia se eu podia comer as balinhas naquela hora, se não iria já anoitecer ou se era hora de tomar banho ou hora de outra coisa e também se eu poderia ir em um lugar sem ela autorizar, e como eu nunca tinha atravessado uma rua sozinho; eu tinha percebido que havia coisas que eu podia fazer e coisas que eu não podia fazar, e coisas que eu precisa de altorizações dela e, sendo assim, eu entendia que eu precisava saber se naquela questão eu tinha ou não autorização e se eu tinha essa opção de perguntar e não levar uma bronca então preferi perguntar, eu não queria levar outra bronca nunca mais, pois, eu não gostava de levar uma bronca da mamãe, e ela ficava tão feliz quando eu fazia as coisas certas e tão triste quando eu fazia as coisas erradas... E eu gostava tanto de deixar a minha mamãe feliz, e, então, eu seguia com muito gosto a todas as orientações que recebia dela... Era por isso tudo que eu confiava tanto em minha querida mamãe, e foi por isso também que acreditei que o meu pai era igual a minha mamãe que sabia de tudo e era só eu fazer exatamente que ele estava ensinando e fazer exatamente o que ele me orientou... E foi por isso que eu prestei bem atenção em cada palavra que ele me disse, e ele disse que "o carro iria vir em uma velocidade muito rápida e me atropelar e me matar se eu atravessasse antes dele passar, portanto, eu obedeci como sempre, eu queria muito as balas, mas eu não queria morrer e nem desobedecer meu pai e levar uma bronca por morrer sem ele dizer que não estava na hora de morrer... O pior que eu não sabia o que era ser atropelado e muito menos o que era morrer, mas eu percebi que eram coisas importantes e que eu não deveria fazer e, nesse caso, era só eu esperar para atravessar somente depois que o carro passasse, eu achei bem simples obedecer e obedeci... Eu imaginei que o carro iria se movimentar bem rápido, como um raio, por isso que seria muito importante só atravessar depois que ele passasse... Senão por que ele falaria aquilo tudo com tanta ênfase e expressões? Mas o meu pai poderia muito bem ter percebido que se uma criança caminha tudo isso para perguntar uma coisa é porque essa coisa é muito importante para ela, e se a criança tivesse capacidade de interpretar corretamente uma ordem que foi dada de maneira tão equivocada, ela não precisaria ter andado tanto para pegar as informações, a criança teria atravessado a rua sozinha e comido as balas sozinha e sem ninguém ficar sabendo... Bem que o meu pai poderia ter falado corretamente: "meu filho, você pode ir sim, nessa rua quase não passa carro, mas preste atenção, olha para os dois lados, se você não ver nenhum carro pode atravessar tranquilamente, mas se você, meu filhinho, ver um carro em movimento espere ele passar e somente depois atravesse em segurança total"... E depois que aconteceu isso a minha mamãezinha me mandou estudar muito sem parar... Para eu conhecer a verdade e ela me libertar... E eu obedeci... Fiz isso por toda a minha vida... Sempre buscando a verdade... Sempre estudando os grandes sábio que esse mundo produziu...



E eles ouviam com atenção e respeito tudo o que o monarca dizia:



-- Por isso que, desde essa tenra idade, quando fui para o oriente, nunca mais tive notícias de meus pais… Eu estudei matemática, física, astronomia, biologia, botânica, psicologia, direito, estudei vários idiomas, estudei música, teatro, dança, artes marciais, todas as ciências e filosofias… Eu diria que os filósofos, os grandes sábios, os cientistas e os poetas de todos os países e de todos os tempos se expressaram, cada qual em sua própria língua, mas, neles inflamam o mesmo fogo do saber. Meus queridos súditos, se vocês soubessem a sublime felicidade que experimento ao entender os grandes sábios de todo o mundo em seus respectivos idiomas, vocês, com certeza, iriam igualmente querer conhecê-los! Eu conheço muitas coisas graças a esses gênios maravilhosos… Consigo entender sobre a natureza, sobre a mente humana e sobre tudo que esses sábios puderam pôr em livros, pois, tudo que o pensamento humano inventou, conheceu e descobriu durante os séculos acha-se gravados bem lá dentro da minha cabeça, graças aos livros que eles escreveram e que foram lidos por mim…

E tendo o rei falado tudo isso, o povo o observa com admiração e ele diz:

-- Sou mais inteligente que cada um dos autores de todos os livros, pois, tive a oportunidade e a grande satisfação de conhecer e de estudar tudo o que, cada um deles pensavam! Eu, por me dedicar a cada um deles, sou capaz de julgar cada evento do mundo segundo os pensamentos de cada um dos grandes filósofos, de cada um dos grandes sábios e poeta que já existiu, pois, eu os conheço profundamente! Sou capaz de me por no lugar de cada um deles e ver o mundo como eles enxergaram e como eles enxergariam hoje em cada evento e ou circunstância.

Quando o rei diz isso tudo isso ele ouve:

-- Longa vida ao nosso grande rei!

Gritou um súdito.

-- Longa vida ao rei!

Responde o povo em uma só voz feliz por ter um rei tão sábio e justo.

E o rei diz:

-- Se vocês estudassem as filosofias de todos os tempos dos os grandes homens como eu fiz, poderiam ser tão sábio quanto eu sou!

O rei ouve novamente:

-- Longa vida ao nosso querido rei!

Grita um outro súdito.

-- Longa vida ao maior dos os reis!

Responde o povo em uma só voz novamente.

E o rei faz sinal com a mão querendo terminar de falar:

Agora vou contar sobre como cheguei até aqui: faz um ano que um grupo de pesquisadores e cientistas foi às do oriente onde eu moro... Eles estavam lá para testar a inteligência e a espiritualidade do meu tio e me testaram do mesmo modo e descobriram que eu era o mais sábio entre dod homens que já existiu; e então, publicaram os resultados dos meus testes em várias revistas e jornais do mundo todo… E é por esse motivo que essas emissoras de televisões estão aqui me entrevistando… Essa entrevista era para acontecer nas montanhas; mas, como tive que me mudar para cá e reinar, todos esses repórteres estão aqui.

-- Vida longa ao rei!

Disse mais uma vez um dos súditos.

 -- Vida longa ao rei!

E mais uma vez em uma só voz o povo falou e o grande monarca disse.

-- Mas, continuando a falar sobre mim; gostaria de dizer que eu não quero ser o rei… Quero voltar logo para os meus estudos, pois, quero ser iluminado, quero encontrar a verdade… Estou aqui porque não tem outro membro da família real que possa reinar e fui convocado para ocupar esse cargo provisoriamente até ser possível coroar outro rei e ele assumir essa responsabilidade de governar… Mas o que eu quero mesmo na verdade, com ajuda dos grandes sábios e entendidos, fazer desse reino uma Grande República e entregar ao povo... E Tudo se transformar em um Estado de Direito...



Eu, com a ajuda de todas as pessoas, vou fazer com que nessa nova república que o mundo vai conhecer e nesse novo lugar, quero que todas as pessoas se empenhem para ensinar uns aos outros o significado de cada uma das palavras importantes para se comunicarem com qualidade para o bom entendimento, quero que vocês se empenhem para ajudar uns aos outros a pensarem criticamente, quero que todos se empenhem para serem pessoas bem melhores que o são nesse momento, quero que esse novo país, essa nova república seja profundamente democrática, e quero que seja uma plena democracia direta onde cada cidadão, pleno, poderá votar em leis ou normas para aprovar elas ou para desaprovar que lhe são de sua competência e de seu interesse. E isso tudo será feito online de sua própria casa; por isso que se faz necessário que entendam as ideias, os conceitos e tudo que lhe é importante saber e entender para ser um cidadão pleno nessa república nascedouro exemplar... Mas quem não conseguir entender corretamente os projetos de leis que está sendo proposto não poderá ter oportunidade de votar, terá que estudar mais, pois, terão que debater as ideias e precisarão fazê-lo corretamente para o bem dele e para o bem de toda a nação. Mas haverá parlamentos, senado, suprema corte e todas as instituição de pessoas notáveis para fazer as leis que o povo não seria capaz de votar, por isso "essas casas" precisam existir para a manutenção e a aplicação das leis...

Nisso o rei aponta o dedo mais uma vez:

-- Vocês estão vendo aquele homem ali na frente com aquela máquina estranha? Ele está filmando a minha espiritualidade, está medindo o tamanho da minha aura! Ele também trabalha para aquela renomada agência espacial do estrangeiro e faz parte dessa equipe de cientistas…

O rei faz outra pausa e diz:

 -- Querem medir o tamanho da luz que fica ao meu redor quando eu estou filosofando e quando estou pensando… Eles me disseram que é uma pesquisa muito importante… Porém, nada disso tem qualquer valor para mim, estou muito velho e preciso muito descobrir a verdade e publicar um livro que possa ajudar as pessoas a serem livres da mesma forma que eu… Não posso perder tempo governando esse país… Eu precisaria ser eterno para ter tempo para encontrar o que preciso, e através dos meus estudos nunca fiquei sabendo que pessoas pudessem viver eternamente, só os livros são eternos, tudo aqui é perecível, tudo morre e logo certamente morrerei… Tenho pressa, tenho sede de saber, preciso voltar à minha busca! Eu me sinto vazio, apesar de todo o meu saber, sinto-me um nada, sou vazio… Quero descobrir o porque que existe a vida na Terra, saber o que justifica a vida, o porque nascemos? Qual o propósito disso tudo? Para onde vamos quando morremos... Quero muito todas essas respostas... Ate agora eu só sei que não sei de tantas coisas assim, sei que devo sempre escutar as pessoas, escutar elas e entender exatamente o que querem dizer com as palavras da maneira como entendem, deve estender o que elas estão falando realmente e nunca entender o que eu quero entender, ver o mundo com os olhos dela, ver o mundo com a verdade dela...



Ao findar suas palavras o rei senta em uma cadeira que lhe trouxeram para descansar; e o motorista fica bem perto do homem mais sábio de todos os tempos, e pergunta-lhe em seguida:

-- Majestade, posso ir então? Posso estar com o meu filho? Eu queria te dizer que vou doar o meu carro para alguma instituição para que eles vendam e cuidem dos pobres com o dinheiro arrecadado… Quero apenas o que realmente vale a pena na minha vida: minha família e o meu amor por eles… De agora em diante, graças ao senhor, majestade, eu não quero mais possuir coisas caras...

O rei responde-lhe com uma expressão de orgulho pelo que o motorista lhe diz:

-- Sim, meu bom homem, pode ir sim; espero que realmente tenha aprendido uma grande lição hoje… Espero que tudo o que aprendeu aqui seja de grande valia para você e sua família… Espero que você ajude ao seu filho a perceber as coisas que têm um valor realmente verdadeiro… Espero além disso que você, sempre que possível, diga a todas as pessoas que encontrar pelo seu caminho, sobre os seus erros e ajude-as a entenderem a importância do que é verdadeiro na vida… Vá em paz; olho para você e não vejo crime algum desde que o vi no primeiro momento, tenho muito estima por você… Vejo apenas uma pessoa que não teve oportunidade alguma de saber as coisas importantes, igualmente a qualquer outra pessoa… Porém, acredito que seus pais igualmente não tiveram oportunidades de saber das coisas realmente verdadeiras e não puderam instruí-lo da maneira correta. Agora, com essa nova lei dos cursos e depois os testes para ter uma autorização para se ter um filho, esse ciclo de educação ruim vai ser quebrado, teremos novas gerações de bons pais; e eu confio em você para ajudar nessa questão de termos bons pais. Vá em paz, meu amigo… Depois vá às universidades, às escolas, aos hospitais, às praças públicas, aos presídios e a outros lugares, e ensine ao povo o que aprendeu com os seus erros; ajude as pessoas a não cometerem os mesmos erros que você cometeu… Volte aqui um dia, antes da minha partida para as montanhas do oriente… Traga o seu filho, pois, eu gostaria muito mesmo de conhecê-lo… Não vejo maldade alguma em você… O meu coração bate junto com o seu! Vá em paz… Meu amigo... Considero-lhe uma pessoa digna...

Quando o rei termina de dizer tudo isso ao motorista ele, em meio a diversas emoções e sensações variadas, lhe dá um forte abraço e muito emocionado diz ao rei:

-- Majestade! Nunca vou me esquecer do que fez por mim, em todos os dias de minha vida, vou lembrar do senhor e vou me espelhar na sua sabedoria… O senhor é um exemplo para mim... Sempre, quando eu estiver em uma situação difícil, antes de tomar uma decisão, vou me perguntar: "Se o grande rei estivesse aqui, no meu lugar, como que ele, de maneira sábia e justa, resolveria isso?". O senhor, alteza, é um modelo para mim e para o mundo! E vou me inspirar em Vossa alteza e resolver todas as questões baseado em você, e sempre vou me perguntar: "como o rei resolveria isso se ele estivesse aqui"? Essas emissoras de TV fizeram muito bem realizar esse evento, pois, eu não conheço outra pessoa que poderia ser um exemplo melhor de conduta, o senhor é o melhor modelo que já existiu em qualquer tempo em todos os lugares do mundo.

 E tendo dito isso o motorista agora já totalmente perdoado pelo grande rei, e em meio a muito pranto em reconhecimento, dá-lhe outro abraço bem apertado em profunda gratidão ao homem que heroicamente agiu se arriscando muito dando lhe salvou a própria vida e diz ao grande e justo monarca:

-- Que o filho de Deus, o ilumine, hoje, amanhã e sempre! Espero que o senhor, Vossa majestade, e meu amigo, meu protetor e salvador da minha vida, seja cada vez mais sábio e justo com a graça e a ajuda do nosso Deus todo poderoso!

Ao ouvir o motorista citar o filho de Deus o rei faz uma grande expressão de espantado e de muito confuso em seu magro semblante e pergunta ao seu interlocutor que ainda está à sua frente se preparando para ir embora e ver o seu primeiro e único filho que faz no dia de hoje aniversário de dois aninhos de idade e lhe espera em uma festa ansiosamente para ver o seu papai que lhe prometeu que nunca mais iria trabalhar demasiadamente e ficar muito tempo com ele. Mas o monarca lhe pergunta quando o motorista já tinha dado meia volta em seu corpo dando um passo pegando o caminho para sua casa ao encontro de sua família:



-- Você falou filho? Filho de um deus? Você é um dos que também conhece essa pouco conhecida e muito desvalorizada lenda que o jardineiro me contou ontem? Ou você estava sorrateiramente próximo de nós ouvindo a nossa conversa? ...É aquela mesma lenda que um deus tem um único filho, e esse tal deus resolveu, depois de muita falta de noção, muita incompetência, falta de planejamentos, muitas injustiças, muitas omissões cometida por esse deus mal feitor e mal feito, finalmente, ele se tronar um deus bem interessante e agradável e quis amar a sua criação; e amar de tal modo toda a Humanidade que pediu ao seu único filho para que ele se sacrificasse no lugar do homem por causa da violação das leis e das normas estabelecidas, por causa do desrespeito e da desobediência dele? Aquele que morreu para tirar todo e qualquer pecado do mundo? O jardineiro do palácio me contou tudo sobre ele ontem a tarde enquanto cuidávamos do Jardim Real... Eu gosto de rosas… Eu gosto muito de lendas... Eu conheço quase todas as lendas que já foram inventadas... Agora conheço todas com mais essa última... Achei uma lenda muito interessante, estranha, agressiva e injusta no seu começo... Mas em sua parte final, apesar das muitas contradições, que foram na verdade, muito boas contradições, pois, essas contradições todas consertaram as muitas injustiças e os muitos devaneios e incoerências que há no começo, e gostei mesmo da questão da comunhão e da empatia que foi estimulada entre todas as pessoas, e, eu achei até muito aplicável no mundo de hoje, sem dúvidas é uma ótima lição, bem amorosa mesmo… Pena que ela é muito desconhecida... Mas como uma simples lenda que ninguém dá mínima relevância, uma lenda que ninguém se interessa por ela, poderia me ajudar a me tornar ainda mais sábio e justo do que eu já sou?





(página 03)





O grande monarca nem falou isso com arrogância como parece que teria sido a primeira vista; ele realmente queria entender essa questão e aprender mais sobre ela, mas dessa vez foi o motorista que se assustou de tão estranha que lhe pareceu a pergunta do monarca e em seguida muito revoltado com o rei por ele se referir sobre o Filho de Deus naquele modo tão desrespeitoso ao seu modo de entender e, então o motorista olha severamente bem no fundo dos olhos dele e grita essas palavras ao rei:



-- O senhor deve estar se equivocando dessa vez, senhor rei… Porque o Filho de Deus não é uma simples lenda como o senhor acaba de insinuar covardemente, pois, em você sendo um rei pode influenciar negativamente algumas pessoas que ainda não conhece Jesus, então elas poderiam ser antipáticas com a santidade dele por você falar dele assim como sendo uma simples lenda apenas... O Filho de Deus é verdadeiro… Ele só é uma lenda, ou melhor, ou na verdade o pior, quero dizer, ele é uma lenda para os tolos… Por que você se referiu a ele como apenas uma simples lenda sem importância? Não acredita nele como Senhor do Mundo, o seu único Senhor e Salvador?



Perguntou o motorista muito surpreso ao rei que está parado à sua frente e parecia estar cada vez mais confuso com essa nova conversa, mas logo ele responde:



-- Achei que a questão da história do filho de um deus se tratasse apenas de uma simples lenda muito nova ou bem pouco conhecida para todas as pessoas, não imaginei que alguém acreditasse efetivamente nela… Eu não a conhecia mesmo, eu somente ouvi falar dessa história pela primeira vez ontem à tarde, quando estava no Jardim do Palácio, replantando as mudinhas de rosas que eu trouxe das montanhas… Ouvi atentamente o jardineiro falar cada palavra sobre esse assunto... Em menos de duas horas demorou toda a sua narrativa… Achei que tudo que ele havia me dito se tratava de apenas e tão-somente de uma desconhecida lenda, pensei mesmo que era apenas um pequeno mito ou até um devaneio do jardineiro, pensei, inclusive, até na possibilidade desse funcionário do palácio tê-la inventado de um genial improviso, só para me agradar a fim de conseguir alguma simpatia ou privilégio da minha parte por agora eu ser o rei... Eu nem consegui dormir essa noite, essa história, na parte que se refere aos evangelhos, mexeu demais comigo, fiquei pensando em tudo isso a noite toda... Eu quase cancelei a entrevista por conta disso... Mas mesmo mexendo muito comigo, eu achei a história fantasiosa demais para mim… Sou um grande filósofo e conheço muitas coisas importantes, conhecia quase todas as lendas já existentes, só me faltava uma única mesmo... Mas eu nunca tinha ouvido falar em coisas como ser possível coisas fabulosas como essas de: Nascer de uma virgem, poder andar sobre as águas, de multiplicar pães e peixes, de curar os enfermos, de ser tentado por quarenta dias por um ser espiritual perverso que lutou com o pai do filho desse tal deus pelo governo do céu, no próprio céu, e foi expulso de lá e agora esse ser malvado governa a Terra com o seus seguidores e os homens corrompidos ou enganados, interesseiros ou simplesmente os tolos... E tem ainda a parte de ressuscitar pessoas dentre os mortos e levar para o Céu em um arrebatamento ou depois de um juizo final os que nele acreditam de tal modo que, voluntariamente, abrem mão, para os sustentos dos pobres, de tudo o que tem de bens materiais e de toda a sua riqueza e renunciam a todos os ensinamentos dos homenspois, esses homens são apenas grandes tolos que tem só ensinamentos mundanos, pois, são cegos guiando os outros cegos, maldito o homem que acredita no outro homem... Então essas pessoas que conheceram essa sublime verdade ensinada através do filho desse deus que obviamente seguem os seus ensinamentos celestiais de renuncias e obediências incondicionalmente...pois, acreditam que vão receber coisas mais valiosas no reino dos céus, além de sua própria salvação... Ainda tem a parte que diz que esse deus que tem esse tal filho, no inicio fez a sua criação com o propósito que ela vivesse na terra eternamente, e por causa das transgressões, tanto as do anjo malvado e igualmente as do homem que, da mesma forma, no principio foi feito para viver eternamente na Terra... E a sua criação perdeu essa graça, por causa do seu pecado muito grave aos olhos desse deus e do seu único filho, e conheceram a doença, o sofrimento e a morte...

E tendo o monarca falado isso o motorista o interrompe aos gritos:

-- Você nem conhece nada sobre o meu mestre e sobre a minha religião, eu não admito que alguém fale na minha presença algo que desconhece sobre a minha crença, alguém que durante duas horas apenas ouviu falar sobre alguém tão importante como o Filho de Deus; imagine, veja bem, alguém que sempre morou isolado em uma caverna com alguns eremitas a vida toda, ouviu falar só um pouquinho, ontem apenas, e com certeza, já se esqueceu de tudo o que ouviu de um simples jardineiro que não sabe de nada sobre as sagradas palavras do Filho de Deus e agora o infeliz que só ouviu, por alto, falar de jesus se dá o direito de ensinar sobre o Filho de Deus para alguém que já nasceu um super seguidor da vontade Dele!

O motorista ficou tão exaltado "protegendo" o nome de Jesus que nem percebeu que ele gritava com o homem que acabou de lhe salvar a vida mas que ainda pode condená-lo a morte.

E o monarca calmamente lhe disse em seguida:

-- Eu conheço sim, vou contar um resumo do que eu aprendi, eu farei alguns cometários e insinuações, mas não fique muito bravo comigo, pois, não sou praticante dessa crença e não sou daqui, não consigo entender essa crença com os meus olhos; as criticas, as minhas analises, as ironias e as explicações que vou fazer lhe ajudarão a entender como eu penso sobre essa crença e, assim, você poderá me ajudar a entender corretamente já que terá consciência das minhas dificuldades, das minhas limitações e do meu ponto de vista individual, portanto você me corrija onde eu estiver errando e quando você me ensinar a ver corretamente todo esse ensinamentos através de seus olhos, eu poderei assim me converter também a sua crença, com sua ajuda: Então, recomeçando, talvez por causa que as pessoas no começo da evolução da Humanidade não sabiam de muitas coisas que a ciência sabe atualmente, então tudo era um mistério para esse povo dos primeiros tempos, e como eles precisavam dar sentidos ao mundo que lhe apresentavam aos seus olhos e explicar a cada um dos eventos que vivenciavam, e como não sabiam qual era a verdade dos fatos que viam e então resolveram dar um sentido alegorico através de um deus que estavam construindo para justificar suas existências e depois, com o passar dos tempos, perceberam que poderiam controlar o povo fazendo as pessoas acreditarem nas suas histórias e esse fato ajudaria a acalmar esse povo, acalmar a e uni-lo sobre uma só nação que pensaria de maneira muito parecida... Então na parte inicial da criação dessa lenda as pessoas igualmente seriam ingênuas demais, e não entenderam de jeito algum a verdade de como são as coisas na realidade, portanto, foi por esse motivo em especial que o mundo que esse deus criou, por intermédio de seus inventores, começou a partir de um lugar totalmente cheio de águas infinitas, preenchido por água por completo: na verdade pelo o que eu entendi da narração do começo de tudo: só existia esse deus e o seu filho e no ao redor tudo era formado apenas por águas em todo o infinito, então existia só esse deus e o infinito que é formado por águas e águas... aguas por cima, por baixo, pelos lados laterais e por todos os lados possíveis... (Talvez essa lenda teria sido criada porque o inventor dela só conseguiu ver o mar azul se juntando ao céu azul e então lhe deu a impressão que todo o infinito é formado por somente águas)... E esse deus separou entre as águas e águas uma porção seca e ao mesmo tempo criando assim um Firmamento ( que é um nome para a abóbada celeste), e separou a Terra que seria a casa da sua futura criação e o Céu, a casa desse deus e dos seres que ele fará para viver lá com ele. E o céu, o Firmamento, ajudará a não deixar que toda aquela água que esse deus separou para formar a Terra firme e o Céu e as águas que está em cima do firmamento caia de volta... Só cairá de volta em forma de chuva quando esse deus mandar ela cair... Então segundo o relato dessa lenda: o mundo é formado por uma parte seca e a parte com as águas e tem ainda o Firmamento e depois tem o Céu onde esse deus mora e mais água depois desse Céu... Então o mundo criado por esse deus é assim, um montão de águas separadas com a Terra e esse tal Céu... Depois do Céu tem mais muita água que esse deus usa para fazer chover quando ele quer... No primeiro dia esse deus cria a luz e a separa da escuridão criando assim o dia e a noite, mas ele ainda não tinha criado ainda os astros que produzem as luzes... E esse deus faz aqui, no chão da Terra, todas as estrelas e o Sol de uma única vez e depois os coloca lá no Firmamento, parece que ele de alguma maneira extraordinária os "colou" lá... Parece que quem inventou essa lenda não sabia que a Terra é redonda e "suspensa no ar" e que o Sol é muito maior que a Terra e que jamais seria possível ele fazer todos esses astros aqui na Terra e depois suspender e colar nessa tal abóbada celeste... E sabemos que há zinhões de estrelas, planetas, buracos negros e uma infinidades de coisas que não daria para esse deus os fazer aqui na Terra e "colar no nesse suposto firmamento", não. Só o Sol possui uma massa quase 333 mil vezes maior que a da Terra. E as estrelas variam em tamanho desde as estrelas de nêutrons, que têm entre 20 e 40 km de diâmetro, até supergigantes como Betelgeuse, na constelação de Orion, que tem um diâmetro mais de 500 vezes maior do que o Sol, cerca de mais de 800 milhões de quilômetros. E há zilhões de estrelas no Universo... Resumo: para essa crença, para essa lenda esse deus a Terra é totalmente Plana, tem uma cúpula como se fosse uma espécie de aquário em forma de uma bacia transparente onde parte concava é voltada para baixo impedindo assim que a água separada caía, e que a chuva vem dessa água suspensa segurada por esse firmamento que gira sobre a Terra fazendo assim o dia e a noite, e todas as estações do ano, e é nessa suposta abóbada celeste que estão colados um solzinho, uma luazinha e um montão de estrelinhas bem pequeninas... E tudo está bem perto do chão da Terra... Tão perto que até com uma "Torre de Babel" pode se alcançar esse tal de firmamento e invadir o Céu... (Será que tudo que está escrito foi feito dessa forma porque esse deus sabendo que as pessoas eram incapazes de entender a verdade? Ou será que quem produziu essa lenda não sabia das coisas e inventou como lhe parecia melhor? Qual será o seu objetivo? Quais as suas intenções? Eram boas ou más?). E a lenda diz ainda que esse deus amassando o barro fez uma Alma Vivente, a sua imagem e a sua semelhança (Imortal?) igual a sua própria figura e a chamou de HOMEM e mandou esse homem lavrar um Jardim Especial que ele fez... E a Mulher, esse deus a fez bem depois, ela foi feita quando esse deus percebeu que todas as outras criaturas que ele fez tinha uma fêmea, menos o homem, e esse deus saiu por ai procurando entre a sua criação uma companheira para o homem e não encontrou nenhuma que fosse idônea, e aí, então, esse deus colocou o homem para dormir em um sono profundo e ele fez finalmente a mulher de uma das costelas do homem... E foi assim que os dois primeiros seres humanos foram criados: o homem que foi feito a imagem e a semelhança da figura desse deus... E a mulher que só foi feita com a menor costelinha do homem, pois, ele iria precisar estar muito bem saudável e com todas as suas partes importantes... E naquela época a mulher era tão inferior ao homem que o pecado nem entrou no mundo quando ela desobedeceu a ordem que esse deus deu ao homem de não comer do fruto proíbido;pois, quando ela comeu o fruto não aconteceu nada com ela... E o tal fruto não era um fruto mágico, não havia nada de diferente nele, era apenas um fruto comum, então a mulher, por não ter acontecido nada com ela, então acreditou por bem, romanticamente, levar para o seu marido para ele também provar, e ela o levou para o homem comer e o homem comeu do fruto proibido a ele pelo seu criador, pois, ele viu que era um fruto comum e não viu nada de errado com a mulher, tudo nela estava igual como era antes, então não viu nada que lhe atrapalharia em provar também, não viu nada de errado em desobedecer ao seu criador, e aí sim, quando o homem comeu do fruto entrou o pecado através dele, por causa da desobediência dele...pois, a proibição era só para ele e não para ela, mas eles não perceberam bem isso, as palavras lhes não eram muito fáceis de entender o sentido delas, e eles eram muito puros, inocentes e ingênuos, nem perceberam que estavam pelados, nus, sem roupas até aquele momento que lhes foram abertos as consciências... (E se eles não tinham consciência, inteligência, nem entendimento o bastante para perceberem que estavam sem roupas, como é que esses infelizes iriam saber o que era desobedecer? Como eles iriam saber o que é morrer? Ninguém havia morrido antes deles para que eles "enxergassem" o que é a morte e isso ajudassem eles para que tivessem mais "juízo"... E esse deus que se diz onisciente e que deveria ser bom "parece" que"se esqueceu" de avisar para o inocente e puro Adão que existiria o inferno, assim isso, talvez, ajudasse ele a pensar melhor se iria comer ou não do fruto do conhecimento... E esse deus entendeu como sendo o ato mais sensato do mundo castigar a sua criação por algo tão infantil e contaminar toda a sua criação que nasceria desse primeiro casal... E esse deus que sabe tudo, estranhamente, não acreditou que nesse momento seria a melhor oportunidade de se ter algum tipo de sacrifício de redenção para perdoar e purificar as suas criaturas recém-criadas que eram ingênuas e inocentes ). Então esse homem e toda Humanidade vindoura caiu perante esse deus por esse homem ter feito a vontade da sua mulher e não o desejo do seu criador. E toda a humanidade pagaria muito caro pela falha do homem em se deixar ser sugestionado a desobediência por escutar a sua mulher, um ser tão inferior a ele. Então o homem que é o responsável por todo o pecado que atingiu toda a Humanidade por ele ter a honra e o privilégio de ser tão ligado ao seu criador através da sua imagem e a sua semelhança da figura desse deus e não o obedeceu e sim acreditou por bem obedecer alguém que foi feito apenas da sua costelinha. Portanto, a transgressão do homem fez toda a Humanidade perder a sua imortalidade, a conhecer a doença e a morte, ainda a Humanidade perdeu a sua proximidade com o seu criador e ainda foi expulso do Jardim Especial e a partir desse momento passou a com o suor do teu rosto começou a comer o teu pão, até voltar ao solo, pois, da terra foi formado; porque ele veio do pó e ao pó da terra vai retornar... E esse deus não quis impedir que fosse comido o fruto do conhecimento, mas o impediu de comer o fruto da Árvore da Vida para que ele se tornasse imortal novamente e vivesse como esse deus para sempre... (Será que não seria melhor que esse deus tivesse deixado que o homem comesse ou os dois frutos ou nenhum deles? Eu digo isso para ser justo

 ou coerente...). E, segundo esse deus, não seria justo fazer o erro da mulher recair sobre o homem por ela ser muito inferior a ele, e nenhum dos homens recebeu uma única punição por causa do erro da mulher; então o castigo dela só recaiu em todas as mulheres: como o aumento das dores no parto dela e de todas as outras mulheres e por receber uma inimizade entre as mulheres e as cobras e também por todas as mulheres terem que serem submissas aos seus maridos e ele os dominarem... E esse deus tinha já ordenado, antes do pecado, que eles se casassem e tivessem muitos filhospois, esse deus queria que toda a terra fosse povoada e queria que a sua criação fizesse isso por ele; esse deus confiou essa missão a eles, ao homem e a mulher portanto, naquele começo, o ato de fazer sexo era importante ao extremo, era sagrado, foi o seu primeiro mandamento, na verdade, pelo o que eu entendi era a coisa mais importantepois, toda a terra precisava ser povoada e a terra era muito grande, então esse deus dependia e precisava muito que eles obedecessem e realmente aceitasse esse compromisso e esse mandamento, então o casamento, por causa da procriação, era muito importante então todos tinham obrigação sagrada de se casarem e de em seguida procriar, dar os filhos a terra, muitos! E como esse deus era muito bravo, seria bom sempre prestar bem atenção no que ele dizia, e sempre fazer exatamente como ele mandava, senão ele castigava no ato... Esse deus gostava muito de ser obedecido... Ele recompensava muito bem os que lhe obedeciam... Para os homens que lhe eram fiel esse deus machista os abençoava muito, dava-lhes muitas mulheres, filhos, riquezas, poder, fama, glórias, saúde e vida longa... (Mas eu me pergunto o por que esse deus não povoou ele mesmo toda a terra, será que tinha acabado todo o barro?). Pelo fato de ser muito importante procriar esse deus não tolerava que os homens, esses escolhidos que tiveram a honra e o privilégio de ser a imagem e a semelhança da figura dele, começassem a fazer sexo com outros homens, ele não tolerava isso por dois motivos bem importantes e intoleráveis (na concepção dele), um dos motivos era que o sexo foi feito apenas para a sagrada procriação afim de povoar a terra e não era para se divertir e dar prazer aos homens e nem muito menos para dar prazer as mulheres... (Será que esse deus agiu assim por causa da desobediência? Será que a sua criação poderia ter o sexo como prazer se não tivesse desobedecido? Era uma punição então?)... Para esse deus inventado por homens machista essa questão era algo muito sério... (Será que foi por conta do machismo dos homens que eles inventaram esse deus mais machista do que eles? E por isso que essa lenda, por as pessoas não entenderem das questões biológicas, conta uma narrativa, querendo dar as explicações para eventos que desconheciam, então, por machismo e por ignorância, esse deus, inventado nessas condições, fez com que as mulheres ficassem "imunda com o fluxo de sangue", e ainda esse deus misógino fez com que durante em quase todo o ciclo fértil da mulher elas sentissem dores e incômodos para que só fizessem sexo no período fértil dela, e esse deus teria agido desse modo tão punitivo porque quis se vingar da mulher por ela ajudar o homem na desobediência dele...?). E o outro motivo era que além de tudo isso, era que os homens que tiveram a honra e o privilégio de serem feitos a imagem e a semelhança da figura desse deus estão renunciando toda essa honra que esse deus lhe deu em ser alguém tão superior a mulher se fazendo por uma delas deitando-se com outros homens... Por isso mesmo que esse deus não tolerava esse comportamento desrespeitoso e de atrevimento, essa insolência e tal desaforamento deles... Esse deus não gostou nadinha que os homens fizessem as vezes de uma mulher renunciando toda a honra e o privilégio de ser a imagem e a semelhança da figura desse deus, e afronta era ainda maior porque não iria nascer pessoas "dessa aberração" (aberração segundo o entendimento desse deus)... A grande Terra precisava ser totalmente povoada... Esse deus demorou muito tempo para entender o que aconteceu com uma parte da sua criação masculina, pois, como poderia isso acontecer? Imagine querer, sendo um homem, se fazer como se fosse uma simples mulher?pois, naquela época as mulheres eram tão inferiores, discriminadas, desrespeitadas e tratadas pelos homens como se fosse um objeto sexual ou apenas como um animal reprodutor; essa misoginia toda, sempre acontecia, às vezes ao ponto de absurdos como o de quando um homem sem moral enganava alguma mulher virgem, que não fosse ainda desposada, e ele se deitasse com ela, certamente ele teria que se casar com ela como parte do castigo para ele... (Mas, imagine você, porque ela teria que ser castigada duas vezes, a primeira por ser enganada pelo homem sem caráter que se aproveitou da ingenuidade dela e a segunda por ela ser uma parte do castigo para ele e ter que viver para sempre com ele e ainda ter ser submissa a ele?)... As mulheres solteiras estavam sempre sob os "cuidados" de seu pai... Elas eram tratadas como prendas de valor, eram quase que “compradas” por seus futuros esposos e às vezes vendidas como escravas... ( Para mim, o que eu entendo do mundo, essa parte dessa lenda aconteceu assim, dessa maneira, em relação a como eram tratadas as mulheres, foi porque os homens sempre foram machistas e muitos eram até misóginos e por isso inventaram essa lenda para ofender, rebaixar as mulheres e a prejudicarem a todas elas, acredito que boa parte dessas atitudes deles vinham da inveja por elas serem tão maravilhosas... E também eles eram contra o homossexualismo só porque eles queriam aumentar a população para aumentar tamanho dos seus exércitos para defender o seu território e a conquistar mais territórios). Mas o tempo passava e passava... E o povo continuava crescendo e se multiplicando e fazendo muitas coisas abomináveis aos olhos desse deus até que um dia que ele fez um dilúvio matando assim 99,99% do povo da terra, mas ele se arrependeu muito de fazer isso com a sua criação e prometeu que nunca mais sacrificaria a sua criação dessa maneira e fez um pacto com ela jurando nunca mais fazer coisa parecida com isso... E o povo continuava crescendo e se multiplicando muito novamente... E teve além disso um ocorrido muito importante, certa vez, onde muitas pessoas se reuniram com objetivo de construir uma gigantesca torre para alcançar o céu e esse deus entendeu essa atitude como mais um grande insulto e uma grande afronta a ele...pois, esse deus fez a terra para ser a morada dos homens e o céu para ser a morada desse deus e o seu filho e dos anjos, e para impedir essa transgressora invasão ele confundiu a linguagem dos homens dificultando assim a comunicação entre eles e impedindo dessa forma a construção e depois disso, esse deus espalhou essas pessoas por toda a terra e assim surgindo dessa questão as diversas nações e seus respectivos idiomas... (O interessante sobre essa parte específica dessa lenda é que existem vários tipos de etnias muito diferentes entre si, tem a questão da cor das peles e outras características; tem a questão que existem vários tipos de sangue e essa lenda ignora tudo isso, e há várias coisas que mostram que essa história da torre e a confusão das línguas e de espalhar as pessoas pelo mundo e assim surgindo os povos e nações não se encaixam na realidade)... E esse deus ordenou que o povo que ele elegeu sem nenhum critério aparente, se tem uma razão ou um por que disso é algo muito misterioso, ninguém sabe o motivo pelo o qual esse povo foi escolhido para ser a sua nação favorita; esse povo ficou vivendo mais de quatrocentos anos como escravos em um pais estrangeiro, depois esse deus se lembrou dele e foi lá resgatar o povo para que esse povo lhe prestassem cultos, então nesse resgate esse deus matou quase toda a população do pais onde seu povo estava, ele fez isso para o povo que ele escolheu o temesse quando se lembrasse do tamanho do poder dele... E esse povo quando, durante esse caminho, ficou andando pelo deserto por quarenta anos para chegar em um lugar que ficava apenas a distância de algumas semanas, foi ordenado que fizesse uma arca para por guardar algo que ele julgava ser muito valioso, as tábuas dos dez mandamentos, e esse deus deu centenas de especificações para a sua construção, mandou ainda construir um tabernáculo onde esse deus iria se comunicar com os seus sacerdotes, e para que esse tal tabernáculo fosse feito, e esse deus deu também para essa construção centenas de especificações para a sua construção para ele estar lá quando ele bem quisesse se comunicar com os seus sacerdotes; coisa bem rara de acontecer, ele ia bem pouco lá e tinha que ficar montando e desmontando esse tabernáculo. E por estarem sempre desobedecendo esse deus ele se irava e destruía sua criação quase por completa e dava mais uma chance, e esses povos, essas nações, sempre estavam cultuando outros deuses e ele castigava mais ainda esse povo, depois perdoava, e o povo voltava a fazer cultos a outros deuses; e essa atitude ofendia muito esse deus, e nunca dava certo, ele sempre estava reprimindo e castigando e educando o seu povo escolhido e nunca a sua criação lhe escutava por muito tempo (esse povo parece ter a cabeça meio oca, ou esse povo não gostava mesmo desse deus e esse deus ficava insistindo demais para ser aceito por esse povo que não o queria como deus dele; eu pessoalmente acredito ser muito estranho isso), e os castigos sempre se repetiam... E outra causa também da grande ira desse deus, é que teve a grave transgressão do anjo malvado que quis derrubar o governo de deus e de seu filho lá no céu, pois, esse anjo mau queria ele mesmo governar o céu... E esse malvado foi severamente punido e expulso de lá do céu junto com uma multidão de anjo corrompidos, deixando o céu com apenas dois terço dos anjos que esse deus fez em número exato e necessários ao governo celestial dele no céu, e esses anjo fariam muita falta lá, e precisariam serem repostos de alguma maneira lá algum dia... E esse anjo do mau começou a governar a terra quase toda, só sobrava mesmo a nação escolhida por esse deus, pois, ele mesmo a governava pessoalmente fazendo as leis e as doutrinas desse povo... Mas depois de muito tempo, quando essa nação escolhida por esse deus a ser a única a ser próxima dele, resolveu, influenciado pelo anjo malvado, a ser como eram as outras nações do mundo, ou seja, os homens que eram próximo desse deus quiseram ser governados por um rei humano, um homem de carne e osso e deixar de ser governadas pelo próprio deus e o seu único filho. Mas o grande problema nisso tudo foi que esse deus e seu filho que governavam esse povo ficaram muito decepcionados pelas as escolhas dessas nações, principalmente do seu povo escolhido. E esse povo escolhido igualmente aos demais preferiu ser governado por homens e suas supostamente leis injustas do que ser governado por esse deus e seu filho e suas leis que esse deus e o seu único filho as consideravam ser justas, e, esse povo escolhido agindo assim estavam desprezando ele e seu filho, e, renunciando assim, na prática, o amor desse deus e de seu único filho, e eles ficaram muito tristes com isso tudo... Sem falar ainda que os reis passaram a serem governados influenciados pelo governo do anjo malvado igualmente a todas as outras nações e esse deus então se afastou de toda a humanidade e deixou que todos fossem governados por esse anjo malvado, sem intervir, esse deus fez isso respeitando as escolhas e vontade da sua criação, pois, todas as nações não queriam ser mais governadas pelos princípios desse deus e do seu único filho... E o rei desse povo escolhido por esse deus quis fazer, uma espécie de um pequeno céu para esse deus morar aqui na Terra, uma casa, um templo, uma moradia permanente, feita de pedra e cedro para esse deus e mas ele não quis, não aceitou e não deixou que lhe fizessem tal coisa, até se ofendeu com tal ideia, e disse que jamais moraria em casa feita por mãos de homens, casa de pedra e cedro, ele disse que mora só no céu e que lá é a casa dele e foi ele mesmo que a fez, e depois perguntou quem é o homem para se atrever a fazer uma casa para deus? “O céu é o meu trono, e a terra, o estrado dos meus pés; sendo assim, que espécie de Casa me haveis de edificar? Tal Casa será o meu local de descanso?" E esse deus disse que haveria um tempo em que um descendente, um filho desse rei atrevido iria edificar uma casa, um lugar para esse deus residir junto ao povo e que até esse dia chegar ele iria estar naquele mesmo tabernáculo, apenas naquele lugar que ele mandou fazer, e que falaria com o sarcedote dele quando ele quiser falar com quem ele mandar chamar... Ele queria que os homens fizessem apenas o que ele mandasse e o que já mandou fazer, isso bastaria, mas nunca esse povo desobediente lembrava de seguir as ordens... Não faziam o que mandava e tentaram agradá-lo com uma ofensa muito grande. Imagine ele deixar de morar no céu e morar em uma casa feita por mãos de homens, uma casa feita de pedra e cedro... É como alguém acreditar que uma casa de pedra e cedro feita por homens é superior ao céu, que atrevimento, que ousadia, como uma casa feita de pedras e cedro feita por mãos de homens podem ser superior ao céu? Se ele fez a terra para os homens morar ser todo isso, imaginem como é o céu... As coisas foram feitas, por esse deus ser onisciente, exatamente como deveriam ser, terra para os homens, céu para o deus... Ele disse eu moro só no céu, mas estou em todo o lugar que eu quiser estar, pois, eu sou onipresente. Mas, segunda a narração dessa lenda, esse deus tinha a mania de ficar ausente por muito tempo, as vezes ele fazia isso por centenas de anos... Então aquele anjo malvado e seus anjos passaram a governar a terra nos lugares que esse deus e seu filho não estavam governando através de seus representantes... E esse deus ao longo dos os tempos enviou muitos profetas para orientar o povo e esses supostos enviados eram sempre hostilizados pelo o seu povo escolhido... E uma vez mais, o rei e o povo, não entendeu corretamente as palavras desse deus... E o sucessor daquele rei atrevido, o filho dele, mandou edificar um templo, uma casa para o divino (será que esse povo não entendeu realmente que o deus inventado por essa lenda teria dito que não queria uma casa feita de pedra e cedro feita por mãos de homens? Parece que o povo entendeu que esse deus só não queria essa casa apenas naquele momento específico e que no momento seguinte já queria essa casa feita por mãos de homens e de cedro e pedra). Como esse deus tem a mania de sumir, as vezes ficava quatrocentos anos sem dar as caras, o rei, espertamente, que fez esse templo e depois levou outros deuses em forma de ídolos para dentro desse lugar quando se corrompeu (ou será que ele já estava corrompido e por isso que fez atrevidamente o templo para os outros deuses e afrontou o deus do seu povo construindo esse templo sem o consentimento dele por ele saber que o deus do povo dele era uma simples lenda e esse rei só se aproveitou da ingenuidade do seu povo? Esse rei era muito esperto, ele sabia que esse deus iria sumir por um tempão outra vez.... (E o povo tolo nem percebeu que esse deus quando mandava fazer algo ele mandava que as suas construções tivessem centenas de especificações... O povo não percebeu que se tivesse sido esse mesmo deus que tivesse mandado realmente fazer esse tempo teria que ser construído com milhares de especificações pelo tamanho da obra? ). Então, esse rei muito vaidoso maquiavelicamente inventou algumas coisas bem interessantes, ele fez um poema onde o personagem que é ele mesmo sonha com o deus e esse rei esperto diz que pediu sabedoria, mas era só um poema, ele nunca foi sábio, esse desejo nunca foi pedido, então nunca foi concedido, mas ele foi muito esperto, ele pegou um único caso que tem a fama de ter sido resolvido com sabedoria, uma questão que havia duas mãe mas só um bebê morto e um bebê vivo, caso esse que um poeta amigo dele inventou para esse rei parecer ser realmente sábio, então ia gente de todo lugar visitá-lo e ele conseguiu muita fama, dinheiro e poder... Mas que na verdade esse rei sempre quis fazer esse templo para os outros deuses mesmo e só quis afrontar o deus do seu povo e ainda fazer o seu povo cultuar outros deuses sem o povo perceber e com isso afrontou o deus daquele lugar?). Mas, segundo a lenda, esse povo, segundo aos novos escritores dessa parte da lenda inventaram que, foi por causa de suas transgressões desse rei, esse deus permitiu que o seu reino fosse dividido em dois povos e esse deus permitiu que eles fossem escravizados e severamente castigados por outros povos por causa da atitude errada so seu povo e esse deus deixou isso acontecer como forma de por o seu povo na linha da obedicência... Depois muito tempo ausente esse deus fez o seu povo voltar a ser um novo reino quando resolveu perdoar o seu povo novamente... Mas depois de muito tempo esse deus resolveu que já era o tempo de repor a quantidade de anjos que foram corrompido lá no céu, sim, esses anjos se corromperam porque queriam fazer o que bem achassem que desse na cabeça deles, queriam viver igual a bagunça daqui da Terra, foi por isso que foram expulsos para cá... Então esse deus, do nada resolveu mudar o seu temperamento e ficou completamente bonzinho com o seu povo, antes quando um casal que nem sabiam o que era está nu ou vestido, foram severamente castigados, e por extensão começou a castigar toda a Humanidade, e agora, finalmente, esse deus que sempre foi extremamente severo resolveu perdoar a todas as supostas incontáveis transgressões dos homens... Depois que todo mundo já tinha um monte de informações?... Então e esse deus "super coerente e constante" e sábio e justo como deve ser os seres onicientes deu na telha dele, convidar as pessoas dentre o antigo povo escolhido dele a serem os filhos dele fazendo parte, inclusive, do números de vagas no céu daqueles anjo expulsos lá do céu... Então, com uma nova aliança e cheio de amor para distribuir, esse deus voltaria as pazes com o seu povo escolhido, e dentre o povo escolhido dele, esse deus iria selecionar o número de pessoas que aceitassem ser santo aqui na terra para se qualificar para viver no céu, onde é uma casa com várias moradas, como filho desse deus e repôr um dos anjos que foram expulsos de lá, e para essa qualificação, quem mais servir aqui na terra mais será servido lá no céu; então, através do sacrifício com a morte desse único filho desse deus, agora o filho dele que não tinha nada a ver com isso, vai ter que sofrer por um crime que ele não cometeu e esse deus vai dar o filho dele para dar as pessoas o exemplo de conduta a ser seguidos aos que querem ser filhos dele... (Será que ninguém contou para esse deus que ele não precisaria ser assim? Ele poderia perdoar sem ninguém ter que morrer, ninguém, muito menos o inocente filho dele?). E com a morte desse inocente haveria assim, então, um resgate do seu povo escolhido, mas o seu povo escolhido não o quis ser salvo, não aceitou o tal resgate, não acreditou em nada do que o filho desse deus disse e o rejeitaram completamente, um dos motivos para esse povo não crer era que eles nunca ouviram dizer que esse deus tinha filho, e entre centenas de outros motivos, o tal deus sempre matava as pessoas que faziam as coisas erradas, essa novidade de o povo estando errado e o filho dele morrer era muita novidade para eles, então, depois de ser extremamente rejeitado por o seu povo escolhido, o filho desse deus convidou a todos que assim o desejassem que pudessem serem salvos por ele, bastando crer nele e sendo igual a ele, todos, de qualquer nação, bastando para isso crer em tudo o que ele disse, e os homens foram perdoados

 do crime da desobediência e por serem corrompidos ou enganados, crime de vaidade ou interesse... O filho desse deus explicou que a casa do seu pai aqui na terra será o corpo das pessoas que acreditam nele e que fizerem a vontade do pai dele e que ainda viver em comunhão com ele e os seus supostos justos princípios, e disse mais ainda que o pai dele iria residir no corpo das pessoas através do espírito santo do pai dele, isso sim seria como trazer uma parte do céu para morar na Terra, na verdade isso é trazer uma grande parte do céu para morar dentro de cada pessoa que se tornar filhos desse deus, mas esse deus não mora em templo sujo, por isso que as pessoas tem que ser santas, perfeitas, ser santas igual ao pai que está lá no céu, pois, esse deus só reside em lugares completamente limpos e santos... E o filho desse deus disse que foi isso o que ele quis dizer quando disse ao pai do rei atrevido que mandou fazer com mãos de homens um templo de pedras de cedros aquele templo que esse deus jamais quis que fosse feito para ele e que jamais mandaria construir e o filho daquele rei atrevido construiu de caso pensado para os deuses de sua esposa e para disfarçar, colocou lá dentro desse templo que fez para os deuses estrangeiros o tabernáculo e dentro do tabernáculo colocou a arca da aliança e para iludir o povo e corrompê-lo... Então foram ainda convidados a serem também filhos desse deus e irmãos do filho dele e dos que aceitassem o convite para a nova aliança e morarem juntos no céu... Sim sim sim com esse deus e o seu filho e com os seus novos filhos... Mas antes disso acontecer, todas as pessoas deveriam renunciar tudo, seus pais, seus irmãos, as coisas materiais, aos ensinamentos de homens, e precisam ser reinados pelo filho desse deus... E os crentes nessa fé, ou súditos do amor desse deus e do seu filho, precisariam, para alcançar essa graça, deveriam viver aqui na terra igualmente, como viveriam ou viverão lá na casa desse deus e do seu filho; viver ligados ao espirito desse deus e não com as vontades e vaidades da carne, da terra, e não com as leis da terra e o governo desse mundo... Terão, enfim, que viver em comunhão plena e absoluta com as coisas do espirito, assim na terra como no céu... E o filho desse deus pediu para que os seus seguidores largassem tudo o que tem e fossem, de dois em dois, pelo mundo pregando e revelando a nova aliança, as boas novas, ele deu a eles, então o dom de falar as línguas estranhas desses povos para que o mesmos entendessem as boas novas, e o filho desse deus disse ainda para que não levassem nada consigo, pois, o pai dele os iria alimentar pelo caminho, pois, ele alimenta até os pardais que não servem para nada e como não alimentaria o seus próprios filhos em missão tão importantes dada por ele mesmo... Então, quando os crentes dessa fé se enxergarem como irmãos e enxergar esse deus como Pai de todos, então, a partir daí, estarão vivendo em espirito e em verdade... E com a terra já cheia de gente e o céu precisando de santos, ou seja, de filhos de deus, pois, o filho desse deus mandou ser santo igual é o pai dele que está no céu, então o céu precisa ser ocupado, então as pessoas não precisariam mais se casar e ter filhos aqui na terra, pois, a partir daquele momento, todas as pessoas já estavam sendo convidadas a ser filhos desse deus então, todos, por definição seriam filhos de deus e irmãos uns dos outros com um único pai de todos, então não precisam se casar, e há outra questão muito importante ainda, o certo é dizer que não deveriam se casar e muito menos fazer sexo e terem filhos por vários motivos, primeiro, todos são irmãos, todos teriam que ser santos como esse deus é, e os filhos de deus estariam muito ocupados com a extremamente importante missão de sair pelo mundo ensinando o evangelho a toda criatura, porque o reino desse deus estaria muito próximo e todas as pessoas precisariam ser avisadas, e para o filho desse deus voltar pela segunda vez e buscar os seus e separar o joio do trigo, os bons e dos maus, os que vão para o céu e dos que vão para o lago de fogo, é preciso que todas as pessoas sejam avisadas, então, se alguém se casar com a irmã (em espirito e em verdade) dela estará perdendo tempo, pois, esse casal teria que usar muito do seu tempo muito precioso para cuidar bem dos seus filhos e familiares em geral e isso iria atrapalhar no trabalho que eles teriam que fazer da divulgação do reino dos céus, e sem dizer ainda, que se uma pessoa se casar com a irmã dela essa pessoa vai amar a esposa dela mais que os outros irmãos nessa crença e a pessoa tem que amar todas as outras pessoas de igual maneira que o filho desse deus amou, e sendo casado e tendo filhos, uma família da carne, isso nunca seria possível, e sem contar ainda que segundo essa crença seriam irmãos em espírito, o seu pai, sua mãe, seu avô, sua avó, seu filho, seu neto e os seus parentes, os seus amigos e até mesmo os seus inimigos... Inimigos até esse pessoa conhecer a verdade e essa verdade o libertar ai esse inimigo será o seu amigo, amigo não, irmão nessa crença, irmão em verdade e em espirito desse deus... E se você estiver muito ocupado como vai ensinar a verdade a esse inimigo? E se você não ganhar almas, fazendo a obra nunca iria conseguir ser filho desse deus... Imagine uma situação onde um casal fazendo sexo para ter filhos, os dois tem o espirito de deus dentro de si, essas mesma pessoas que deveriam ser santos, pessoas essas que deveriam estar pescando almas para essa divindade, mas estão fazendo um filho, sendo que quando o reino do céu vier ninguém se lembrará de quem é que foi o seu marido, quem foi o seu filho, seu irmão de sangue, ninguém vai se lembrar de ninguémpois, quando chegar a glória do céu só haverá filhos desse deus, e irmãos em espírito e verdade desse deus... Então para um crente dessa fé, fazer sexo é algo no mínimo totalmente desnecessário, pois, o sexo nunca foi inventado para o prazer do homem, ou da mulher, ou do casal e sim para povoar toda a terra, e nada daria mais prazer para um filho desse deus do que ser salvo, do que ser filho desse deus, e o prazer de trabalhar nessa obra, nessa missão para esse deus pai e ajudar a salvar os outros filhos desse deus pai, ou seja, salvar os seus irmãos, e sem falar em outra coisa muito importante ainda, quem não pegar a sua cruz e seguir o filho desse deus e fazer a obra de forma alguma entrará no reino dos céus... Precisam se tornarem os pescadores de almas para essa divindade...Então, para os convertidos nessa nova aliança, que deixaram de ser criaturas desse deus para serem filhos desse deus, desse caminho da verdade e da justiça: então nessa nova aliança, casar, ter filhos, ter família é proporcionalmente o que equivalia ao ato que era no começo do mundo quando todos tinham que se casar e terem muitos filhos para encher a terra de criaturas obedecendo as ordem do deus porque ela estava vazia, então, casar, na nova aliança como esse convite para ser filho de deus, morar no céu, ser santo de deus, agora, então é o mesmo que fazer sexo com alguém no mesmo sexo, pois, se o sexo nunca foi inventado para a diversão, nem distração e nem para o prazer e sim para encher a terra de criaturas, então, depois da chegada do filho desse deus, a ordem é encher o céu de filhos desse deus... E depois disso tudo, na nova aliança, com o convite desse deus, o filho dele seria o verdadeiro noivo de todos, e agora, as pessoas seguidoras, ou seja, a comunidade, (a igreja) desse deus que vai levar os seus seguidores para o reino dos céus, sim ele é o noivo e o evangelho da santidade, da irmandade em espírito e em verdade. Então, para os postulantes a filhos desse deus o sexo, mesmo quando o hétero e também o homossexual são igualmente errado para os santos. Mas quem não se interessa pelas coisas desse deus, e abrem mão da "eternidade toda" no bem bom do maravilhoso céu, pode fazer o que quiserem, podem se casar com homem ou mulher, ter filhos podem tudo, aliás, podem fazer o que quiserem, pois, a pessoa tem o livre arbítrio, essas pessoas, que fizerem o que bem querem só precisa se lembrar de algumas coisas bem importantes, tem que fazer as coisas dentro das leis de um país laico, senão vão presas, a não ser que consigam não serem pegas, ou conseguirem burlar as leis... Outra coisa, tem muitas pessoas ruins no mundo e pessoas quem tem muitos interesses, opiniões, ideias e muitas outras coisas, o que eu quero dizer é que tenham cuidado, pois, esse deus te deu a sua vida para você fazer o que quiser mesmo, mas tem muitas pessoas que por diversos motivos, e que por diversos pretextos, por diversas crenças ou razão vão querer te fazer mau, e podem te prender, podem te matar e no mínimo te ofender fortemente, saiba então que não é bom que vocês chamem muito atenção dessas pessoas, viva a sua vida como acha que deve, e se você conseguir fazer o que quiser e for dentro das leis desses homens poderosos, coisas dentro da lei e ficar velho e morrer e ser feliz você será um vencedor dentro desse mundo, dentro do que escolheu, parabéns, e você só vai ser julgado pelo filho desse deus no dia do Julgamento Final, e com certeza você vai para o inferno feliz com a sua escolha, por você ter feito o que bem quis e não a vontade do filho desse deus...pois, quem não faz a vontade dele vai para o inferno e vai sofrer muito para toda a eternidade, mas a pessoa escolhe, quem não é crente desse deus é senhor de si e pode fazer o que quiser, como quiser, e sempre bom obedecer as leis e a ordem dos homens para não sofrer por causa das leis e dos costumes deles... Mas viveu usando o seu livre arbítrio, mas os Crentes dessa fé não, os Crentes precisam fazer só o que filho desse deus mandou, mas as recompensas são muitas, e segundo ele vale muito a pena. Segundo ele, vale muito a pena morrer para as coisas desse

 mundo e viver no mundo do evangelho que quando ele veio do céu o trouxe pessoalmente aos povos, e ele morreu em um sacrifício por todos, mas poucos escolherão o caminho certo. Mas cada pessoa pode escolher se quer conhecer a verdade e a verdade o libertará. E quando toda essa verdade for anunciada a todas as pessoas do mundo todo: começará o Julgamento final do Filho desse deus... E o anjo malvado e todas as pessoas que não seguirem os preceitos desse deus e o do seu filho corretamente, mesmo estando aqui na terra, irão, depois desse julgamento, junto com o tal anjo mau e os seguidores dele e os seguidores do seu governo, irão, sim... Irão para o inferno pagar eternamente pelas suas escolhas feitas em vida...

E depois de fazer uma pequena pausa o rei disse ao motorista:

-- Tudo isso são coisas demasiadamente fantásticas e fantasiosas para mim... De onde eu vim nunca ouvimos falar disso tudo... Não conhecia nada sobre esse tal filho de um deus tão poderoso… Então você acredita que realmente existe um deus assim? E tem um seu filho? E que efetivamente que esse tal filho desse deus veio mesmo ao mundo para libertar e salvar as pessoas do pecado e das tais transgressões todas? E tudo o que ele disse é a verdade, a verdade verdadeira? “Sou o caminho, a verdade e a justiça”, é isso mesmo que ele disse, eu estou correto?

Perguntou o rei com o seu semblante demostrando encantamento ou maravilhamento, feliz ou em uma espécie de estado de graça com a história do Cristo, com a parte que é relacionada em viver em comunhão e em irmandade e o motorista o corrige sobre a sua pergunta:

-- Não, majestade, ele disse “sou o caminho, a verdade e a vida”; e eu não tenho a menor dúvida a esse respeito: eu vou a igreja, sou batizado, e sei que só Jesus é o Senhor dos Senhores, sei que só ele pode salvar o mundo, nenhum outro pode salvar ninguém! Só ele é digno de ser seguido! E ele morreu por nós que cremos dele e na sua glória infinita e absoluta...

E ouvindo isso com muita atenção o rei muda o seu semblante radicalmente e diz ao motorista solenemente:

-- Se tudo isso que ouvi ontem for verdade, e se realmente você acredita em Cristo eu lhe digo que és um miserável! És um homem desprezível!

O motorista que até esse momento nútria uma admiração muito grande pelo rei acha agora que ele não era tão sábio como antes, pois, ele parecia não crê em Cristo e pergunta-lhe com desdém:

-- Sou miserável por ser cristão, por quê? Não entendi mesmo… Pois, todos sabem que miserável é quem não aceita o Cristo... E se o senhor não crê em Jesus quem é miserável é você, mesmo sendo um rei, e eu sinto muito por você e sua alma, a sua vida foi em vão... Sinto muito por você ser do jeito que é...

O motorista se mostrando super convicto disse isso dando de ombros ao poderoso monarca. Mas depois de um instante fica muito confuso com o que foi dito pelo rei, pois, há pouco o monarca se arriscou muito para lhe salvar a vida e ainda lhe disse que sempre acreditou que ele era inocente, e disse mais além, que o seu coração batia junto com o dele.

Nisso o rei olha para o motorista e diz:

-- Agora não o vejo como sem culpa em relação à morte dessas crianças inocente, na verdade, acredito que você realmente é um ser desprezível!

O motorista olha para o rei perplexamente, pois, esse rei acaba de lhe salvar a vida e disse-lhe há pouco que ele era inocente. Mas depois que lhe disse ser um cristão, chamou-lhe de desprezível. Será que o rei odiava a Cristo e por influência desse ódio todo então despreza seus seguidores por vingança?

 Pensou o motorista, o homem mais confuso de todo o Universo nesse instante e pergunta ao rei em voz bem baixa:

-- O senhor odeia tanto o Cristo, majestade, a ponto de ser extremamente injusto assim com os seus seguidores?

-- Não, claro que não… Eu o amo verdadeiramente, desde ontem, assim que o conheci, mesmo acreditando ser uma simples e maravilhosa lenda desconhecida.

E o motorista cada vez mais sem conseguir entender o que está acontecendo, pergunta ao monarca:

-- Por que insinuou que sou um miserável quando lhe disse ser um cristão? Não entendo…

E o rei olha para o motorista que está muito confuso e lhe responde:

-- Você não está entendendo direito a verdade dos fatos e das atitudes mesmo, percebi logo, está evidente isso…

 Disse o rei decepcionado e ainda pensativo e continua falando com o motorista:

 -- Meu tolo amigo, pelos frutos se conhece uma árvore: há uma grande diferença entre as atitudes que você teve e as atitudes de um (verdadeiro) cristão. O modo de agir é diferente se conhecemos ou não a Cristo… Pelas suas atitudes agiu como se não o conhecesse, ou pior ainda, agiu como se tudo que ele ensinou não valesse a pena, pois, você ignorou tudo que o Messias ensinou… Não o vejo mais como um inocente. Como você o conhece então é culpado. A sua atitude foi bem pior do que aquele que o negou por três vezes… Com suas atitudes, o negou por várias vezes… Você o negou a vida toda… Desprezou ele verdadeiramente… Você fez a missão dele ser inútil… Tudo o que Jesus fez, tudo o que Cristo ensinou, tudo o que ele pediu, tudo foi desperdiçado por você… Tudo o que ele vez foi em vão para você... O sacrifício dele lhe foi sem valia alguma.

O rei diz isso ao motorista que quando ouve suas palavras entra em pânico, pois, lembrou que o rei era muito sábio e talvez ele estivesse falando coisa séria e pensa que realmente poderia ser um ser desprezível realmente.

Nesse momento o rei olha fixamente nos seus olhos e diz:

-- Se você, meu amigo infeliz, conhecesse a Cristo e o reconhecesse como um mestre não deveria então ter tido essas atitudes tão “sem espiritualidade”… Você disse há pouco “Só ele é digno de ser seguido!”, mas não o seguiu! Suas atitudes não foram definitivamente de um seguidor de Jesus… Uma pessoa cristã não daria tanto valor a um veículo tão caro como você deu a esse carro cheirando a bebê; agiu muito errado quando o seu carro estava parado e esperava a sua cunhada e percebeu o revólver e pensou em tudo aquilo que me disse… Uma pessoa que conhece as palavras de Cristo, são libertadas por elas, então, meu amigo, você, jamais poderia temer a morte já que Cristo afirmou que a morte não existe; jesus disse que nós apenas dormimos, e seremos acordados no dia do Juízo Final... Alguns depois do Julgamento irão para o céu, a verdadeira vida, a vida eterna, os outros vão para o logo de fogo, para a verdadeira morte...

E o motorista disse ao rei:

-- Mas majestade, entenda, o meu pai sempre me incentivou a ter esse carro, e eu queria lhe agradar, afinal ele é o meu único pai.

E o rei cheio de compaixão do motorista lhe informa:

-- Quando a pessoa conhece Cristo ele conhece a verdade e a verdade o liberta de tudo o que é errado; quando alguém se torna seguidor de Cristo, essa pessoa passa a ser filho de Deus e passa a fazer as coisa que o Verdadeiro Pai incentivou a fazer, você deveria querer agradar ao Pai do Céu; quem ama mais o seu pai ou mãe mais do que ao Pai do Céu não é digno de Jesus Cristo e sua salvação. você, deveria ter renunciado todas as coisas que o Verdadeiro Pai de um verdadeiro cristão manda fazer. Você, mesmo depois que conheceu ao Cristo, continuou a fazer as coisas erradas que o seu pai da terra lhe incentivou a fazer e de tal modo nem se importou com os mandamentos de Deus, o seu novo Pai. Você quis viver na velha aliança, abriu mão da nova, não quis ser filho de Deus. Jamais um filho de Deus poderia juntar coisas que as traças e a ferrugem devoram, antes, deveria ter buscado garantir os tesouros no céu, e a sua eterna salvação.

E o motorista cada vez mais assustado tenta explicar ao monarca:

-- Mas, vossa majestade, não está escrito: "para honrar o pai e a mãe?"

E o monarca lhe esclarece:

-- Sim, mas quem é o Pai de um cristão? Não seria Deus? Essas frases pertencia a velha aliança que caiu por terra quando João começou a preparar o caminho para Jesus, e, foi ratificado quando Cristo cumpriu a sua missão dada pelo Pai, pois, agora estamos na nova aliança há dois mil anos já, na aliança da Graça, somos filhos de Deus, então somos todos irmãos e Filho de Deus, o nosso Pai, e é Ele a quem deveríamos somente a honrar... Você não entende mesmo que deveria renunciar ao seu pai da Terra e só honrar o seu Pai do Céu...

E o motorista cada vez mais assustado diz que jamais poderia não fazer o que o pai dele manda e que sempre vai amá-lo. E o monarca lhe responde:

-- E você faz muito bem em amá-lo, porém, não deve amá-lo como amava antes de conhecer a Cristo, deve amá-lo de maneira bem diferente da qual era antes de conhecer a verdade de Deus que foi ensinada por seu filho...

E o motorista cada vez mais sem saber o que dizer o interrompe mesmo assim:

-- Devo amá-lo bem menos é isso que você insinua que faça, majestade?

E o monarca lhe responde prontamente:

-- Não, você deve o amar bem mais, bem mais mesmo, talvez mil vezes mais do que você o ama agora.

E o motorista fica tonto sem conseguir entender o que o monarca quer dizer:

-- Majestade, eu não entendo, como devo amar então ao meu pai?

E o monarca lhe diz:

-- Deus, o nosso Pai, AMOU DE TAL FORMA O MUNDO QUE DEU O SEU FILHO UNIGÊNITO PARA MORRER POR NÓS... Você deve amar o seu pai igual ao modo que Jesus Cristo, o filho de Deus, amou toda a humanidade. Jesus, deu o seu último mandamento que é o resumo de todo o evangelho, um resumo de toda a nova aliança, AMAI-VOS UNS AOS OUTROS IGUAL EU OS TENHO AMADO. Então saiba que o modo que você ama o seu pai nem se comprara ao modo que você como cristão deveria amá-lo, você deveria amá-lo como um irmão em Cristo e obedecer aos ensinamentos de Jesuspois, foi o Pai dele, o nosso Pai que mandou que assim fosse feito. E se você tivesse obedecido o Pai certo teria honrado o Pai certo.

O motorista muito mais assustado ainda ouve tudo e depois, novamente, querendo se explicar e convencer o monarca que ele sim que está certo e não o monarca lhe diz:

-- O senhor não entende, majestade, tive muito medo de ficar sem o meu filho… Tive medo de nunca mais poder vê-lo novamente! Por isso perdi a noção e corri para poder estar com ele! Eu estava apavorado! Por que o senhor tem tanta dificuldade em entender isso, todo pai quer estar com o seu filho, entendeu?

E o rei com cada vez mais compaixão do motorista que está cada vez mais assustado e chorando lhe explica:

-- Se você seguisse os ensinamentos de Cristo, aquele a quem você mesmo disse há pouco: “Só ele é digno de ser seguido!", então, acreditaria que mesmo que morresse veria o menino novamente, pois, Cristo falou sobre o Reino do Céu e que um dia aqueles que o seguissem viveriam lá no céu eternamente junto a ele… Se você seguisse o que Cristo ensinou, nunca teria essas atitudes que acabou de ter. Um cristão não se apega às coisas desse mundo; ele, em primeiro lugar, busca as coisas do alto, pois, quem crê, entende que Cristo tem razão quando disse para seus seguidores buscarem as coisas que têm realmente relevância e que as outras coisas seriam acrescentadas na sua hora, quando o Pai entender que é para o bem, pois, ele é justo e sabe muito bem o que fazer na hora que ele quiser fazer… Meu amigo, você se apegou demais a um sonho que não tinha nada a ver com as coisas do alto, com as coisas de Cristo… Você viveu para as coisas materiais, coisas terrenas e não ouviu os ensinamentos de alguém que é o seu mestre. Cristo disse certa vez: “por que me chama de mestre se não faz o que ensino?” Eu, meu amigo, digo-lhe que quando você estava dentro do seu carro, que cheirava a um bebê, e aquele garoto o assustou deveria estar preparado para tudo… Deveria saber que os assaltantes matam suas vítimas porque eles igualmente têm medo de morrer, medo de serem surpreendidos por suas vítimas. Se você tivesse se acalmado e se lembrasse de Cristo, teria mostrado ao “assaltante” que você não iria fazer mau algum a ele; teria ficado com suas mãos para o alto à mostra, para que ele não achasse que você teria a intenção de tentar matá-lo; deveria sair do carro sem puxar o freio de mão, para que o “seu inimigo” não achasse que você iria pegar algo para surpreendê-lo; deveria tê-lo acalmado, pois, um cristão tem as mesmas virtudes de Cristo, O Nosso Único Mestre. Acredito que se você mostrasse muita calma naquela hora, sairia tudo bem! Mas um cristão, na verdade, nem passaria por uma situação como essa, pois, um cristão nem teria um carro desses, jamais um cristão trabalharia tanto para acumular bens terrenos, bens materiais desse jeito que você escolheu ter… Sinceramente não vi em momento algum refletido em você a imagem de Jesus. O seu mestre é outro; com certeza não é Jesus… O jardineiro disse ontem que Jesus disse: “Mas aquele que me negar diante dos homens, eu também o negarei diante do meu Pai que está nos céus”.

Quando o rei diz isso o motorista tenta contra argumentar mais uma vez:

-- Eu não queria morrer agora, queria curtir a vida, depois de tanto trabalho. Entenda isso, por favor, majestade!

E o rei lhe responde rapidamente:

-- É você que não consegue me entender, meu amigo… Para um cristão, morrer é lucro; para um cristão, que está livre da ignorância, graças a verdade que ele conheceu e ela o libertou, pouco importa quando morrer, o que importa realmente é morrer em Cristo… Morrer é apenas dormir, sobretudo para um cristão! Você deveria se preocupar em ir para esse “sono profundo e tranquilo” praticando o que o Cristo ensinou… Isso sim… E “curtir” a vida eterna! E ainda eu lhe digo que todos que creem em Deu e seguem os seus ensinamentos são filhos de Deus, então o seu filho é um filho de Deus igualmente a vocês se seguisse os ensinamentos, então no reino dos céus você e seu filho são filhos de Deus, portanto são irmãos! E o Cristo disse que a vida verdadeira é a vida eterna, que essa vida terrena não é valor algum, ele disse que morrer é dormir, disse que morrer é ir para o inferno depois do julgamento dele, então, depois do julgamento as pessoas que abriram mão dessa vida, que renunciaram essa vida ganharão a vida eterna e os que se apegaram as coisas terrenas irão para o inferno junto com o governante desse mundo, Lúcifer, onde eles queimarão eternamente enquanto os filhos de Deus estão com ele lá no reino dos céus...

E o monarca ainda informa ao motorista o seguinte:

-- E você nem deveria ter trabalhado todo esse tempo para ter esse carro, Jesus contava com você para trabalhar para ele, sim, trabalhando para Cristo, pregando o evangelho para as pessoas, alertando sobre a volta dele e o arrependimento e aceitação da palavra! Eu gostaria muito de entender que cristianismo é esse que você conheceu... O que será que os líderes de sua igreja lhe ensinou? Qual doutrina você segue? Será que pode um cego guiar outro?

E o rei olha para todas as pessoas que estão ali e pergunta:

-- Quem aqui entre vós se declaram cristãos e entendem a importância de praticarem os ensinamentos e entendem que a fé sem obras é morta? Levante a mão direita para que eu veja a porcentagens dos que creem e dos ateus.

Quando o rei perguntou, noventa e nove por centos das pessoas levantaram suas mãos, muitas pessoas levantaram as duas para demonstrar ao monarca tamanho da fé que acreditavam ter em Cristo.



E depois disso se aproxima do rei uma mulher com uma criança no colo e olhando-o com desdém e com ironia e diz a ele:

-- O senhor se acha tão sabidão assim como pode desprezar Cristo também? O senhor igualmente não se lembrou dele, lembrou-se dele só agora porque o próprio motorista o citou… O senhor é um hipócrita! Não acreditou que ele era o filho de Deus, por que, então? Você acreditou que o filho de Deus fosse uma simples historinha! Para mim você também o negou! Assuma o seu erro!

O rei olhou com compaixão para essa mulher e disse:

-- Mulher, muita coisa que você disse é verdade… Concordo. Realmente não citei Cristo logo no começo, porém, quando estava dando a minha palestra sobre sabedoria há pouco lá dentro do palácio, pensei muitos vezes em falar... Iria comentar aos repórteres sobre Cristo, mesmo achando que era uma lenda. Porém, como eu pensei que ninguém a conhecia, então pretendia ensiná-la a todas pessoas quando eu arrumasse um bom método para fazê-lo ser conhecido. Eu não falei nada então, pois, na hora pensei em uma ideia muito boa de revelar ao mundo sobre Cristo e me calei sobre esse assunto, pois, veja bem, como ia falar naquele momento? Falar que, mesmo sendo uma lenda, seus ensinamentos são dignos de serem seguidos? Quem iria me dar ouvidos? Então, eu pretendia instituir essa "nova lenda" como uma inspiração divina a ser ensinada nas escolas para as crianças. A ideia era dizer ao povo que esse deus havia entrado em contato comigo. Eu ia mentir para fazer o bem ao mundo, então, foi por esse motivo que eu não citei Cristo na palestra. Mas, amanhã mesmo, pensava eu com os meus botões, iria convocar os sábios do reino para me ajudar a inventar um modo de fazer o povo conhecer essa novidade como uma inspiração divina. Esse era o meu grande plano… Entendia que Jesus poderia salvar o mundo com seus ensinamentos mesmo sendo um mito…

E tendo o rei dito isso, a mulher com a criança no colo, com uma certa ira diz ao rei:

-- Jesus e nem Deus precisam de suas mentiras e o senhor não o citou no começo… Acredito que o senhor não ia citá-lo, muito menos fazer essa lei de ensinar nas escolas para as crianças… Não iria, não, e eu sei o porquê… Porque mesmo o senhor se achando muito sábio, não pode ver que ele realmente é o Filho de Deus e existe de verdade… Você o entregaria aos romanos se pudesse!

A mulher disse essas acusações ao rei olhando para o céu. E o rei diz ainda:

-- Mulher, digo a você que não achei mesmo que ele fosse o filho de Deus, eu já confessei isso, e sim ele era apenas uma lenda para mim... Quando eu ouvi sobre Jesus quando eu estava no jardim real...

Quando rei disse isso, a mulher ficou tão irritada com o ele que sem perceber ela soltou a pequena criança do seus braços que se chocou com o chão mas felizmente bateu o bumbum no solo fofo e ela deu um tapa no rosto do poderoso monarca e o filho dela chorou com a queda no mesmo instante do estralo do impacto de sua mão na face.



O rei não se importou com o tapa no rosto e não deixou os guardas prenderem a mulher e ele quis saber se o bebê estava bem e mulher lhe responde:

-- Sim, está, mas não se preocupe com o meu filho, eu sei cuidar muito bem dele. Mas por que o senhor sabidão acreditou que Jesus Cristo, o filho de Deus era uma simples lenta?

Ela perguntou isso querendo ofender o rei por ele não perceber que isso só poderia ser verdade de tão obvio que é.

E o rei lhe responde assim:

-- Eu realmente achei que Jesus fosse mesmo uma simples lenda, pois, faz dois dias que estou nesse reino e não vi, em momento algum, uma única pessoa, que tivesse uma única atitude realmente cristã... Nesses dois dias que estou aqui, não encontrei nas pessoas nenhuma única atitude que lembrassem os ensinamentos de Jesus cristo... Quando pediram que eu julgasse esse caso para ser um exemplo a ser seguido, pensei comigo mesmo: “se aquela lenda pudesse exercer alguma influência sobre esse povo, essas pessoas, com certeza, seriam a melhor civilização do mundo”… Porém, em momento algum enxerguei vestígios da presença de Jesus Cristo no coração de nenhum de vocês… As atitudes de cada um de vocês me levou a crer mais ainda que, realmente, Cristo só poderia ser uma lenda, e uma lenda desconhecida… Pois, em momento algum, alguém disse algo parecido com o que um cristão diria… Ninguém fez um único gesto que o Cristo ensinou...

Quando o rei disse isso a mulher que já estava com a criança no colo novamente pergunta ao rei:

-- O que diria um Cristão, então?

 E o sábio monarca lhe responde empolgadamente:

-- Citarei exemplos do que pessoas que conhecem a Cristo diriam na hora que o motorista acordou: “não podemos julgar esse homem, só Deus pode julgá-lo, pois, só Ele sabe o que se passa no coração desse homem”; outros diriam além disso" nós somos falhos, julgamos apenas pela aparências; vamos perdoá-lo, pois, é a vontade do Cristo " ou “devemos perdoar esse homem, pois, na mesma medida que o julgamos igualmente seremos julgados”; e outras diriam ainda: “não cabe a um cristão julgar ninguém, cabe ao cristão saber o porquê do seu irmão ter feito algo de errado e ajudá-lo a não érrár mais”; ainda outras pessoas diriam: “é claro que ninguém compra carros novos ou velhos para matar criancinhas, algo deve ter acontecido, vamos ver o que aconteceu e ajudar a sociedade de maneira tal que essas coisas não aconteçam novamente”; aí outro mais consciente da verdade cristã diria: “se acontecem essas coisas ainda é porque, nós, que somos cristãos não estamos fazendo as coisas certas, acreditou que estamos omissos, devemos ajudar as pessoas a entender a Cristo, ele nos confiou essa missão e o mundo não melhorou nada, e a culpa é toda de quem tem a verdade e não dá frutos para Cristo, deveríamos nos envergonharmos, pois, temos culpa de muitas das coisas erradas do mundo; essas crianças aí, por exemplo, nós poderíamos tê-las ajudado e não o fizemos, nos furtamos dessa oportunidade, falhamos”. E outros se lembrando de outra passagem dos ensinamentos: “agora entendo o que o mestre quis dizer sobre os que se omitem, os tímidos, irem para o inferno”.

E a mulher ouve isso tudo se envergonha, vira-se de costas e vai para casa, abre os evangelhos e começa a ler.

Nisso, finalmente, os carros das autoridades responsáveis pela remoção dos corpos das crianças, levam os corpinhos em vários pedaços e o povo não sai mais de perto do grande monarca.

Nesse momento o mesmo repórter atento que sugeriu ao rei que julgasse o caso se aproxima dele e confessa-lhe:

-- Majestade, confesso que em momento algum pensei em Cristo, sinto-me muito mal, pois, se dependesse de mim teria matado o motorista… Quando vi essas crianças, desse jeito, lembrei-me dos meus filhos que têm mais ao menos as idades desses que aqui morreram… Naquele momento, coloquei-me no lugar dos seus pais.

E escutando essas palavras do repórter o rei o interrompe:

-- Há pouco eu havia dito que não devemos nos pormos no lugar de ninguém, porém, agora, digo que esqueçam o que eu disse…

E dessa vez é o repórter que interrompe o rei:

-- Não entendi… Há pouco o que o senhor disse temos que nos pôr no lugar do acusado e que era essa a mais sábia de todas as filosofias dos homens, digna de ser seguida!

E o rei responde prontamente:

-- Eu disse aquilo porque eu era um tolo… Seguia a muitas filosofias dos homens tolos, mas, agora, não sou mais um tolo… Agora eu digo que sempre que acontecer alguma coisa nós devemos na verdade nos pormos no lugar de Cristo e pensar qual seria a atitude dele; devemos em todas as situações de nossas vidas, fazermos as coisas em comunhão com seus ensinamentos e a vontade dele… Eu digo isso porque nós, enquanto seres humanos somos falhos, somos influenciados pela emoção, pela falta de conhecimentos; e Jesus é o único que realmente é sábio e justo… Então a melhor maneira de se proceder é à maneira que Cristo ensinou… E, segundo o que o jardineiro do palácio real me ensinou: Cristo veio à Terra por vários motivos e um deles é ser um exemplo de conduta; o Deus se fez em carne na pele do seu filho para nos ensinar a viver como ele acredita ser justo. Essa vinda do filho de Deus à Terra é um presente de Deus às pessoas. Não se inspirar em Cristo que veio como um presente de Deus, é não querer ser filho Dele. Negar Cristo é negar um presente de Deus, é negar um convite para sermos seus filhos…pois, o filho sempre quer agir como age o pai. Então o filho é como o Pai; age como Ele… Então devemos em todas as ocasiões de nossas vidas nós fazermos uma pergunta: “se Jesus estivesse aqui em meu lugar, o que ele faria?”, com a resposta dessa pergunta as pessoas, os filhos de Deus, fariam as coisas do modo que fazem os filhos de Deus. Mas as pessoas poderiam fazer a pergunta de outra maneira: “se Jesus estivesse aqui do meu lado e eu lhe contasse sobre o que eu vou fazer, o que ele me aconselharia a fazer?”, então com essa resposta é só fazer as coisas de modo que o filho de Deus faria e você será filho de Deus também. Mas é muito importante conhecer os ensinamentos de Cristo para poder se fazer essas perguntas... E para ter as respostas certas... Imagine não entender corretamente os ensinamentos e fazer as coisas erradas e dizer que Jesus faria daquele jeito? Isso, com certeza é bem pior que clamar o nome de Deus em vão...

E nesse momento tudo que se ouviu foi um profundo silêncio e o rei disse:

-- O jardineiro me contou a história de um homem que governava no tempo que Jesus estava na Terra, e ele estava tentando defender Jesus, o homem mais puro, justo e perfeito, e esse governante apresentou perante o povo Jesus e um assassino e perguntou a fim de libertar Jesus, pois, não viu crime algum nele: Qual querem que eu solte? O assassino ou a Jesus? E a resposta que ele ouviu do povo: Solte o assassino, solte o assassino. Depois o governante perguntou: Que farei então com Jesus? E todo o povo: crucifica ele! Então está ai a resposta para o homem barbudo sobre deixar o povo escolher!

Disse o rei emocionado finalmente.

E tendo dito tudo isso o rei se espanta com o que acaba de perceber e diz:

-- Prestem a atenção, todos vocês… Quero dizer-lhes algo muito importante!

Quando o rei diz isso todas as pessoas se preparam para escutar suas palavras e ele declara finalmente:

-- Nos últimos dois mil anos, os homens fizeram muitas coisas, mas, porém, tudo o que a humanidade, criou, desenvolveu, imaginou, sonhou não serve para nada, se não servir para ajudar, entender, ensinar, divulgar (ide por todo mundo, pregai o evangelho a toda criatura), ensinar sobre Jesus, a vida, a missão, os ensinamentos, o amor (amai-vos uns aos outros assim como eu os tenho amado), o sacrifício e ressurreição…

E o monarca ainda diz:

-- Comunico, solenemente, que não vou mais voltar às montanhas, não vou voltar a estudar o que disseram os grandes poetas, cientistas e filósofos ao longo dos tempos… Não vou mais procurar a verdade naquelas montanhas…

-- Vossa majestade irá nos governar? Viva! Viva! Longa vida ao rei… -- diz o repórter atento e o povo felicita “Viva! Viva! Longa vida ao rei… ”

E o rei explica:

-- Eu não vou voltar às montanhas, porém, não vou governar também… Não quero governar nada, tenho coisas muito mais importantes a fazer…

-- Vai procurar a verdade em outro lugar ou em outros livros? O senhor comprará uma nova biblioteca particular, majestade? – Insistiu o repórter atento.

E o rei o responde:

-- Eu desprezo os livros, desprezo todas as coisas e a sabedoria deste mundo. Tudo aqui é frívolo, passageiro, ilusório e enganoso como uma miragem. Os sábios desse mundo são orgulhosos, porém a morte há de apagá-los… A imortalidade dos gênios desaparecerá com toda a terra. Eles são insensatos e seguem o caminho errado. Tomam a mentira pela verdade e o falho pela perfeição. Não trocarei o céu pela terra. Não quero compreendê-los; não quero a glória desse mundo; quero a glória do céu… Fiquei durante muito tempo procurando a verdade e agora a encontrei, na verdade a verdade me encontrou: a verdade é Cristo! Para evidenciar o meu completo desprezo por tudo aquilo que constitui a razão da vida terrena, recuso-me a governar. Não quero nada que possa ser diferente do que o Cristo me aconselharia a fazer! Eu renuncio ao meu reino terrestre; devotarei a minha vida ao reino do céu… Jamais trocarei um reino eterno por uma ilusão… Agora sim, me considero realmente sábio, pois, a minha vida será baseada em Cristo. A sabedoria Dele será a minha vontade atuante sempre e sempre até o fim dos meus dias aqui nesse mundo. E a partir desse instante sairei na minha missão de evangelizar as pessoas que não conhecem a verdade.

O Rei fecha os olhos e se ajoelha e diz:

-- Jesus Cristo e o meu rei, ele que vai governar a minha vida, renuncio a mim mesmo e ele será a minha cabeça, agora eu não sou mais eu mesmo, sou o Cristo que vive em mim…

E após um instante o rei diz ainda -- E acredito ser bem importante ceder agora o poder ao senador mais velho até haver uma eleição democrática. -- E tendo dito isso o rei se aproxima do jardineiro do palácio e pede-lhe curvando-se diante dele: -- Você falou sobre o batismo… Tem algo que o impeça de que eu seja batizado por você, meu bom amigo?

O jardineiro prontamente o responde assim:

-- Sim, eu posso sim, vossa majestade… Vamos ao lago do jardim do palácio real. -- E, tendo dito isso, foram o rei, o jardineiro, os repórteres, os cientistas e os que puderam entrar no imenso jardim real. Ao término do batismo o jardineiro diz ao rei:

-- Vossa majestade já está batizado… Embora esse batismo nas águas é apenas uma ilustração, é apenas o batismo de João, mas você está sendo batizado com o batismo de Cristo, com fogo e com o Espirito Santo de Deus.

Nisso o rei senti uma sensação que não é possível descrever e fica imóvel por uns instantes e quando volta si no instante seguinte responde ao jardineiro:

-- Eu não sou rei, só Cristo é rei; só ele pode nos governar… Eu renuncio a tudo, meus bens, minha fama, meu poder, tudo…

O ex-rei diz isso, dá um abraço no jardineiro e lhe agradece por ter ensinando-lhe a verdade e salvo a sua vida e diz ainda que ele havia perdido muito tempo tentando aprender a verdade através de filosofias inventadas por homens tolos.

Nisso o jardineiro fixa o olhar nos olhos do ex-rei e diz:

-- Não diga isso… Os gênios desse mundo, de certa maneira, ajudaram-no a tornar-se sábio o bastante para que o senhor pudesse reconhecer Cristo como a verdade. E, em verdade, digo-lhe que se o senhor não tivesse ido às montanhas e estudado os gênios desse mundo nunca entenderia a Cristo… O senhor seria igual a essas pessoas; talvez fosse até um péssimo rei… Portanto, meu querido irmão agradeça a eles…pois, mesmo que eu o ensinasse sobre Cristo, o senhor jamais poderia entendê-lo e aceitá-lo sem ter exercitado o seu cérebro; o senhor seria igual a esse povo ignôrante… Esse povo que nem se lembra do nosso mestre… O senhor o chamaria de mestre, mas apenas com os lábios, não seguiria seus ensinamentos com o coração.

-- Sim, meu irmão, entendi tudo isso que você me disse e, aproveitando o próprio conselho que eu mesmo dei ao motorista, vou às universidades, aos presídios, às escolas, aos hospitais, às praças públicas etc, e ensinarei a todos o que eu puder; que, através de Cristo, ou seja, através dos ensinamentos dele, poderemos nos salvar da ignorância desse mundo e começar a viver em Cristo, nos prepararemos para um dia encontrá-lo e poder chamá-lo de Mestre, sem a preocupação de ouvir dele essa resposta: “por que você me chama de mestre se não faz aquilo que eu ensinei? ”. “Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também”. (João 13:15)

E ao findar todas essas palavras o rei sai. Vai pregar a verdade que tanto procurou, e agora muito feliz por finalmente tê-la encontrado.

Ele sai pensando consigo próprio: “estudei com muitos mestres em livros e pessoalmente por oito dezenas de anos e foi em uma conversa de duas horas com um simples jardineiro que eu encontrei a verdade”…

E andando sozinho pensa novamente: “todas essas emissoras de televisões estavam procurando alguém sábio para dar ao povo do mundo todo uma sabedoria… Mas que tolos são eles… Não sabiam que Deus já havia dado ao mundo alguém para ser seguido: Jesus!”.

Dá mais alguns passos e pensa mais: “Há dois mil anos, Deus olhou para a Terra e não viu nenhum justo e mandou seu filho para ser um presente ao povo, para ser exemplo de conduta a ser seguido e isso representava a nova aliança de Deus com o povo; do Pai com todas as pessoas que quisessem ser seus filhos… Mas, todas essas emissoras de televisões do mundo todo viram que o mundo não tinha um justo; e resolveram procurar um sábio em quem o povo pudesse se espelhar… Queriam dar ao povo esse presente; queriam me dar ao povo de todo o mundo… Acreditavam que eu era sábio… Como puderam esquecer de Jesus e seu convite para sermos seus irmãos? Como puderam esquecer que ele é o único digno de ser seguido? Que tolos são os homens!”.



Dois meses após tudo isso acontecer àquela citada agência espacial que estava no dia da entrevista com uma máquina especial para filmar a aura do rei fez um relatório sobre suas descobertas, mas antes de divulgar o resultado disseram que aconteceram coisas muito estranhas com o aparelho de medir as luzes que saiam do pesquisado. O aparelho estava muito perto do ex-rei quando ele chegou próximo ao local onde estavam as crianças atropeladas. Tentaram tirar fotografias que revelariam o tamanho da aura quando ele estivesse filosofando, porém essas fotos sempre queimavam.

Parecia que havia muita luz em volta do rei, porém os cientistas responsáveis pelos estudos não enxergavam luz alguma. Essa máquina era programada para não deixar qualquer coisa desse mundo intervir.

Depois os pesquisadores resolveram ficar bem longe para ver se conseguiriam terminar o trabalho e quando eles finalmente conseguiram ver a aura do entrevistado descobriram que ela não era tão grande como eles imaginavam e isso gerou uma dúvida, o que fazia com que as fotos queimassem se não era a intensidade da aura do rei? De onde vinha a luz que queimava as fotos? Só depois os pesquisadores descobriram que essa luz vinha do jardineiro; descobriram que a aura dele era mais de um milhão vezes de maior que a do rei!

Os cientistas desses estudos, todos, mesmo sendo ateus, não tiveram dúvidas em afirmar que só um ser com a alma do tamanho de Deus, se ele existisse, poderia ter uma espiritualidade assim. E alguns dos cientistas que trabalhavam nas pesquisas se converteram ao cristianismo no mesmo instante.

Os cientistas vendo a sequência em que as fotos foram tiradas afirmaram que no momento em que o rei descobre que Cristo não era uma lenda e sim o maior presente que Deus deu aos seres humanos para ser um exemplo de conduta a ser seguido, a sua aura aumentou cem vezes. E quando o rei renunciou o seu reinado aumentou mais cem vezes a luminosidade de sua aura.

Os cientistas disseram que quando o rei foi batizado perceberam nas fotos uma luz intensa entrando nele e isso fez com que sua aura aumentasse milhares de vezes. E, quando o rei disse que sairia pelo mundo a pregar a verdade que acabou de aprender a sua aura quase que se igualava à do jardineiro; isso porque, segundo o próprio rei, a partir daquela data, não seria mais a sua cabeça que o governaria e sim Cristo. O rei disse que além de renunciar a tudo que ele tinha de bens materiais, renunciaria toda a sua própria sabedoria que aprendeu com as verdades dos tolos homens desse mundo.

E três meses depois que o rei deixou a vida de monarca quase todos os jornais publicaram em suas primeiras páginas que no dia em que houve o atropelamento e morte dos inocentes, o jardineiro visitou o velório das pequenas vítimas e conversou com os seus pais. Ele havia perguntado-lhes se eles queriam os filhos de volta e eles disseram que sim; mas que não poderiam tê-los mais. Disseram ao jardineiro que se eles pudessem tê-los de volta, fariam tudo bem diferente e que cuidariam direito deles. E quando eles acabaram de dizer isso o jardineiro sumiu diante de seus olhos. Eles ainda puderam ouvir um pedido do jardineiro: “daqui a noventa dias vocês poderão contar a todas as pessoas sobre mim”. E, quando a voz do jardineiro sumiu, e eles se abraçaram e ouviram vozes suaves, conhecidas, dizendo que estavam com fome e as pessoas choraram, as crianças por estarem famintas e as lágrimas dos pais eram de alegria. E eles pegaram as crianças e foram para casa alimentá-las e amá-las, dessa vez, de verdade.

E, terminando de contar esta história, o interno do Hospício Municipal coloca a cabeça novamente através do buraco do muro e pergunta para as pessoas que estão do lado de fora no ponto de ônibus:

-- Ei!… Ei!… Psiu! Você se acha sábio? Ei!… Ei!… Psiu! Você se acha justo?

Todos se entreolham e o interno diz para a ambulante:

-- Você não seria uma boa governante; pois, para começar a história, a sua filhinha foi violentada e você nem quis escutá-la… Eu a ouvi comentar com uma amiga ontem, coitadinha dela! Ela disse que você não a escutaria… Se você não foi justa nem com a sua própria filha, como é que seria o seu governo? Mandaria matar todas as pessoas que não concordassem com a sua tirania? O mundo não precisa da sua injustiça… O mundo já tem um modelo de justiça para ser seguido…

E tendo ouvido isso do interno a vendedora sai correndo, desesperada, gritando pelo nome da sua filha, esquecendo ou não dando mais importância alguma ao seu carrinho de cachorros-quentes.



O interno disse ainda:

 -- A verdadeira resposta para um conhecedor do Evangelho, um seguir de Cristo, um convertido, seria assim: eu o perdoaria, pois, só Deus pode julgar, só Ele conhece o coração do homem, e vamos ouvir o motorista a fim de saber como e porque ele errou e o ajudaremos a não érrár mais e ajudar que ninguém erre mais pelos mesmos motivos dele. Quando ouvirmos ele, saberemos de tudo, mudaremos a estrutura da rua, dos carros e de tudo que for necessário para que nós possamos cuidar uns dos outros, pois, somos fracos e não podemos sem ajuda de todos fazer a vontade do Pai que está no céu.

E todas as pessoas que estavam no ponto de ônibus saíram envergonhadas sem dizerem uma só palavra.





FIM



Isaías Francisco de Amorim



Obrigado por ler o meu livro

Pode compartilhar com seus contatos.
POETA ISAÍAS AMORIM
Enviado por POETA ISAÍAS AMORIM em 16/09/2020
Código do texto: T7064679
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
POETA ISAÍAS AMORIM
Diadema - São Paulo - Brasil, 49 anos
71 textos (3031 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/20 13:46)
POETA ISAÍAS AMORIM