Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

No passado tempo de hoje

Não sou do tipo
Não vi e não gostei
O não gostar é porque já vi, já sei
Em terra de cego
quem tem um olho é caolho
Derruba governos
Rasga portarias e decretos
Para réus serem tratados como reis

E nós na própria sorte de bobos
Nessa corte, nessa aldeia
Sermos governados por homens de cadeias
Que já passaram com suas malas,
Suas cuecas, suas meias cheias
Seus ternos, suas gravatas
Seus jargões jurídicos
Com veneno correndo nas veias

E nós correndo dos lobisomens
Dos vampiros, dos piratas
Dos corsários com seus saques
Suas cabeças cheias de rum
Proclamando vitórias e bravatas
O temer tremor gélido na espinha
Arrepios de medo de baratas

Já sei onde esse trilho descarrila o trem
Onde é o buraco mais baixo
Em que essa estrada acaba
Mas não desisto de meu grito
Não venderei a minha alma
Àqueles que a querem escrava

Vou esperar o grande trunfo do xadrez
(como diria Seixas)
Para poder lutar com minhas armas:
consciência, atitude, reflexão
Corre em minhas veias a essência
O âmago do que sou e digo na palavra
Marcelo Gênesi
Enviado por Marcelo Gênesi em 13/05/2016
Código do texto: T5634488
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar autoria e site como referência). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marcelo Gênesi
Olinda - Pernambuco - Brasil
633 textos (9667 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/19 20:53)
Marcelo Gênesi