Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Primavera,
um novo suspiro de vida



 

Aquilegia  
Bela flor invertida,
num pequeno cacho pendida,
solitária divaga...
sobre tudo um pouco.


Branca esteva
Bela breve e pura flor,
és real ou apenas imaginação de algum pintor?




Cosmos chocolate
Flor selvagem sabor cacau.
Contempla-se fascinada.
Ninguém te quer adocicada.
Ainda bem.




Dália
Amarelo douroado.
Na sua mais bela forma.
Jóia perfumada em flor.




Edelvais
Supremo talismã do amor.
Vê-la assim já me traz uma doce emoção à alma.




Flor de lótus
Tão limpa, tão bonita,
tão especial para muitos,
porque se abre todas as manhãs
com o ressurgimento do sol.




Girassol
Admirável!
Altiva flor!
"Quando não há sol se vira para outro girassol" 




Hortênsia
Teu azul se aproxima do azul
que há muito já tenho contemplado.




Iris
A flor de Mariazinha escondia
o encanto de um pequeno poema,
o afago que somente ela via.
Mariazinha era Senhora
de olhar e caridade tão divina!




Jasmim
Resista à chuva de hoje, 
por mim,
quero amanhã ofertar-te molhado
ao meu ser amado.




Lavanda 
Oh,"Planta de Virgem Maria"!
Nos jardins de seu castelo uma rainha te plantou.




Magnólia
Fico pensando quem te resiste
nesta tua linda cor-de-rosa pálido.




Narciso
És uma obra de arte Narciso!
Porque nasceste flor e única!




Orquídea
Meu olhar te admira.
Há certo prazer em te admirar.
És paisagem!
Te admirar, é a glória!




Peônia
Estou encantada com a tua beleza!
Eu não te colheria peônia,
nem às escondidas.




Rosa de porcelana
Imaginei-te sublime.
Quando te encontrei,
sentei-me para te escrever.
Sublimemente eternizar-te
como Flor-da-redenção.




Sapatinho de Judia
O beija-flor te cheira,
o beija-flor te beija, beija, beija...
Eu te protejo do vento,
para o beija-flor que te beija...




Tigridia
Como surgiu no meu pequeno jardim, trêmula flor?
As árvores não falam, nem se calam.
Preciso aprender ouvi-las.
Por ora vou te cuidar acanhada flor.
Por todo o sempre, vou te cuidar.




Urze
De violeta ou rosa,
espontâneamente enfeita 
terras pobres,
às vezes se deita, despretensiosa,
sobre areias igualmente pobres,
de cores.




Violeta
Minha janela é teu lar.
Impossível olhar pro céu e não te ver.




Zinia
Não apenas pelo teu colorido, que é lindo,
mas vou te colocar num capítulo solitário,
que chamarei de pequeno paraíso,
porque é a flor que minha avó mais amava.



Que esse tempo novo seja de experiências alegres, de renovação, de um novo suspiro de vida para todos nós.

 
Matilde Diesel Borille
Enviado por Matilde Diesel Borille em 21/09/2017
Reeditado em 28/09/2017
Código do texto: T6121205
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Matilde Diesel Borille
União da Vitória - Paraná - Brasil, 59 anos
116 textos (4779 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/02/18 07:53)
Matilde Diesel Borille

Site do Escritor