Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Solidão e liberdade

Solidão é liberdade má aproveitada.



 Às vezes, questiono minha capacidade de obter novas versões, novas interpretações a respeito da solidão, tanto que há anos valorizo algo que, imaginem, vi em uma novela das oito em 1983. Era uma personagem da Beatriz Segal (não lembro o nome) que era avó da Débora Bloch. Na cena, a Beatriz, pronta para sair, atendia à porta do apartamento em que morava sozinha. Era sua neta (a personagem da Débora) que chegava de mala e cuia.
- Minha neta? Você veio visitar a sua avó?
- Não vovó, visitar não. Eu estou vindo morar com você. Fazer-lhe companhia.
- Mas minha filha! Você deixou seu pai? (os pais estavam separados e ela estava com ele).
- É vovó, você fica aqui tão sozinha!
- Minha filha! Solidão é liberdade má aproveitada, e eu uso a minha muitíssimo bem! Pode ficar, mas só por uns dias e, sozinha, porque eu estou saindo para uma viagem com amigos.
Isto foi uma das maiores lições que já vi nas novelas.

Obs.: “É possível que eu não tenha reproduzido o texto fielmente (estava na memória, que é falha)”
____________________________________________________________________
Nota:
O ator Jardel Filho, um dos principais, morreu próximo ao fim da novela (19.02.1983) e o autor, Manoel Carlos comovido, parou o trabalho. (Lauro Cesar Muniz e Gianfrancesco Guarnieri escreveram juntos os 17 capítulos finais)
Edbar
Enviado por Edbar em 06/02/2007
Código do texto: T371046
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Edbar
Recife - Pernambuco - Brasil, 69 anos
3202 textos (97626 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/09/20 04:43)
Edbar