Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fragmentos Carolina Salcides ...

"Eu olho nos olhos, falo com a alma, beijo com o corpo e amo por inteiro. Entrego-me e caio de cabeça. Sigo o coração sempre!"

"Sou assim, completa. Sedenta de paixão e de amor, repleta.
Vôo alto mas mantenho os pés no chão".

"Desvende-me, descubra-me, me cubra! Desvende todas minhas ruas enquanto tem acesso a elas"...

"Minha alma não é pura, meu fardo é pesado, contigo divido o agora, levo comigo todo passado."

"O amor toca a todos na sua melhor forma ou pior. Todos sentem,
tantos sofrem, há os que esperam e aqueles que tem sorte."

"Eu me dedico, mas não abdico. Ajoelho-me, mas não rastejo. Te entrego meu corpo, minha alma, meu tudo, todo meu melhor: Meu amor, paixão e devoção.
Tudo que puder. Como gueixa, como Deusa, como mulher".

"A vida inspira, o amor engrandece, a dor nos ensina e a paixão enlouquece".

"Não somos fortes e poderosas todos os dias... Que choremos se preciso for,
que sintamos o amor e o desabrochar de uma flor que um dia foi semente... E que renasçamos sim... Se preciso for... Diariamente".

"Aqui eu oculto, aqui eu revelo, jogo na cara, me rebelo. Sutilmente te digo,
sinceramente eu espero, que sinta o que digo e que me perdoe o que eu erro".

"O amor me toca como uma gota de orvalho á uma flor. Um simples toque...
Uma breve presença, mas tão intensa e profunda que desabrocho e exalo esse amor ao mundo".

"O amor quando é forte, mesmo perdido, a gente encontra... Como uma bússola que aponta para o norte".

"Eu me entrego para o amor. Faço pose. Falo alto. Declaro meu amor. Não escondo meus defeitos. Tiro o salto. Solto os cabelos. Me mostro como sou. Ouso. Arrisco. Vivo. Amo. E você?"

"Toda mulher tem no seu íntimo uma magia própria de fazer acontecer, de dar um jeito, de dar o peito, dar um colo, de fazer bem feito".

"Olho as pessoas como são e amo elas todas. Amo mais eu, pois no fundo você não é meu... Ninguém é de ninguém e ninguém ama sem se amar. Ninguém dá o que não tem. Mas eu dou... Eu vou além. Para amar não tem limites... Para existir também não".

"Eu sou assim... Infinita num mundo limitado. Satisfaço minhas vontades e as suas também. Mas sou só minha... Não sou de mais ninguém. Nem sou do mundo, eu não sou daqui... Eu sou além".

"Eu vôo nessa vida para mim mesma. Não sou meia, não sou mais ou menos. Sou toda. Sou tudo. Sou completa!"

"Me desvende... Tente! Sou misteriosa e surpreendente... Como a lua. Às vezes sou minha, em outras sou tua."

"Eu quero paz... Quero amor. Beleza e liberdade por onde eu for. Toda beleza me atrai, todo vento é meu combustível. A liberdade é minha busca e amar meu destino".

"Eu sou da terra, do fogo, da água e do ar. Sou de antes e de agora. Sou flor e espinho. Sou a água, sou o vinho. Simples... Sagrada. Sempre... Mulher".

"As mulheres amam, se entregam, se dividem, acreditam, esperam. Possuem um amor infinito... E outras coisas infinitas... Que mal cabem dentro delas. Tão frágeis e sensíveis. Tão lobas e famintas".

"Sou dona do mundo como podes ver... Dona das minhas vontades... E isso é tudo. Me arrisco num precipício de oportunidades... Não arriscar, para mim, é não viver".

"Ás vezes precisamos olhar para dentro de nós, achar nosso centro, nossa essência que se perde ante as superficialidades, futilidades e medos do cotidiano. A ansiedade nos afasta de nós mesmos, nos afasta do real, do hoje. Não quero o amanhã, quero o hoje, o agora. O eterno agora! "

"Eu me entrego, aceito a mim e as condições atuais. Se for para minguar minguo. Não vou contra meus ciclos. Se for para chorar, choro tudo que houver, vou ao inferno, vou fundo. Se for para amar, também. Amo tudo, intensamente até o fim. Fico cheia, fico nova, me exalo, me recolho, fico de todos os jeitos. Cozinhando ou de molho."

"Ah meu bem, eu sou o que sou, mas finjo também. É preciso mistério e provocação, mostrar o que se deve e ocultar o que não. Sou uma mulher incomum sim, mas veja que o comum está contido no "in". Há dias que serei cinza e em outros carmim. "

"Cumplicidade é ser parceiro e fiel em todos os momentos. É andar junto e não dar as costas ao outro se o momento não for favorável, porque haverá muitos momentos ruins e aí é que serão testados teu amor e cumplicidade. Se fores dar as costas, que elas sirvam de apoio ao outro. Que não sirvam como uma muralha, parede, rocha, rua sem saída. Ser cúmplice é ser luz, caminho, mão dupla. Ter idéias para seguir junto ante as armadilhas do tempo. Ser refúgio e fortaleza. "

"Somos livres... Como as emoções que são cavalos selvagens, eles perdem a beleza e força se controlados. Deixo tudo livre, deixe-me também! Eu solto as palavras, solto o corpo, solto tudo que há em mim... Não queira me segurar, talvez você não esteja preparado para isso, possa achar o fardo pesado de mais para carregar, solte-se junto então e seja livre comigo, e queira o melhor."

"Uma fada é uma mulher e uma mulher é uma fada e mais tudo que quiser. Uma mulher não é só ela, só uma. Uma mulher não se define. É um ser sublime, indefinível... Uma mulher tem muitas faces, muitas vidas dentro dela, muitas fases e amores. Tem também muitas dores e muita garra, cabelos, pele... Muitos olhares (num deles você se perde)... porque ela é o caminho e também a perdição. "

"O que fazer com este Todo, o desejo, esse, de possuir e ser possuída? Desejo de ser consultada, de ser ouvida, desejo de encantar todo dia, e de ser surpreendida. De ser beijada, ser mordida. Eu extravaso esse desejo, eu faço amor, eu faço arte, há desejo de mais em mim... que mal cabe em minha parte."

"Cultive o amor como cultivas uma rosa. É preciso paixão e maestria, paciência e ousadia. A rotina morna mata lentamente e minhas queixas virarão prosa."

"A luz e a sombra estão em mim, preste atenção aos ponteiros do relógio, as estações do ano e nas fases da lua. Saberás quando serei minha e quando serei tua. Saberás quão forte brilha meu sol e sorriso, terás o calor, o corpo e o amor na medida que abrir seus olhos ao sutil."

"O ponteiro na hora certa faz trepidar meu relógio, faz eu despertar ecoando o canto das sereias e faz eu te conduzir a lugares nunca antes revelados. Meu corpo é um relógio, uma bomba, uma rosa."

"A sedução e o mistério te atraem, sei que primeiramente vens pelo meu brilho e pelo meu desenho de fêmea, mas não sabes que sou alma antiga, alma guerreira, alma ferida. Tenho meus medos, fraquezas e fúrias... são tantas as minhas ruas e todas elas se encontram. Por quais você quer andar, que horas, que lua, que mulher vais querer?”

***
Carolina Salcides
Enviado por Carolina Salcides em 14/09/2007
Código do texto: T652151
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Carolina Salcides
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 37 anos
133 textos (53505 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 14:12)
Carolina Salcides