Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

foto arquivo pessoal. 

“SER UM PAI, UM VERDADEIRO PAI.” (Texto/depoimento do meu filho primogênito) “Rodrigo Aprígio da Silva.”
 
     Por mais que eu queira expressar em palavras a gratidão e o orgulho que tenho do Senhor, as palavras do nosso vernáculo são poucas e inexpressivas. Mas, ao longo deste texto-depoimento vou sintetizar "uma" que diz tudo, e denota o que de mais sublime um ser humano pode dizer ao outro de coração aberto!
     Obrigado por segurar as pontas ai em casa, enquanto a minha Mãe passava por momentos de inércia; obrigado por não ter feito o que muitos pais fazem por ai quando a coisa aperta, e a dificuldade bate á porta, fogem; obrigado por mesmo nas broncas e surras que levei, e olha que foram muitas, me mostrava o correto, ser justo e imparcial. 
     Obrigado por acreditar em mim, quando me incentivava a estudar, e não me deixava esmorecer pelos tombos no caminho dessa vida de concurseiro; obrigado por até hoje ainda ser o meu conselheiro nos momentos que de sua ajuda necessito; obrigado por me mostrar com suas palavras fortes e postura militar, com ares de educador, que hoje, eu ter apurado discernimento de como proceder na vida.
     Sei que muitas vezes o Senhor deixava de jantar ou lanchar na rodoviária, para que no dia seguinte a gente (cinco filhos e esposa) tivesse um bom café da manhã... Sei que o Senhor não era de nos levar a parques e cinemas, hoje entendo o dinheiro era contado para pagar as contas, e termos o mínimo de conforto em casa...
     Sei que o Senhor entrava ano e saia ano no cheque especial e empréstimos múltiplos, mas tudo isso para pagar os nossos materiais escolares e novos uniformes... Sei que o Senhor teve que segurar a maior barra com a minha Mãe, e nesses vinte anos, não deixou os seus filhos a mercê da sorte, mas sim agarrados na barra da tua calça.
     Sei que não é de seu feitio dizer rotineiramente aos filhos "eu te amo", mas quando jovem nas madrugadas em que o Senhor chegava em casa, depois de uma noite toda de trabalho, e ia nos ver dormindo, eu o via ir olhar um por um dos seus filhos, e dizer baixinho "Boa noite meus filhos dormem com Deus e até amanhã" esse era o teu jeito de dizer que nos amava e que amanhã ainda estaria lá por nos...
     Por tudo isso, OBRIGADO!!! A única palavra do nosso vernáculo, que abrange todas e realça o que hoje sei o que é na pratica ser um pai, um verdadeiro PAI.
 
Rodrigo Aprígio da Silva.
Amapá/AP
Domingo, 12 de Agosto de 2012 – 10h50
 
Rodrigo Aprígio da Silva.
Enviado por JOSÉ APRÍGIO DA SILVA em 12/08/2012
Código do texto: T3827057
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
JOSÉ APRÍGIO DA SILVA
Ceilândia - Distrito Federal - Brasil, 61 anos
1920 textos (183059 leituras)
1 áudios (52 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/04/21 22:29)
JOSÉ APRÍGIO DA SILVA