Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Velho amigo

Hoje eu parei para escrever sobre você.
Sei que já faz um tempo que você não esta mais aqui do nosso lado, abençoando ou brincando com a paciência curta que todo jovem tem.
Desde que você foi embora eu me descubro pensando em tudo que poderia ter dito, feito, desejado... sabe, pensando sobre aquilo tudo que todo mundo pensa quando perde alguém importante na vida, na verdade, quando PERCEBE que perdeu quem nem imaginava que poderia ir emobra.
Eu não sei como você foi com seu filho, seu cachorro, sua esposa, não sei se você sonhava com netos, casa na praia, menos cabelos brancos. Sei pouco dos seus anos vividos até que nos encontramos, tivemos poucos anos juntos também, mas eu lembro que você sempre entrava aqui sorrindo, o mundo podia estar todo torno, mas você estava sorrindo, cuidando dos amigos, se importando com o bem-estar de todos, TODOS ao redor, como um bom pai faz. Sempre tinha tempo para conversar, escutar, ajudar...
Eu sei que você ficou donte, que teve medo, pode até ter pensado que estava chegando no final da pista, mas eu, como criança pequena, te esperei, todos os dias, imaginado você chegando aqui, sorrindo, como sempre, sabe? Não percebi que todos nós estávamos te perdendo, e até hoje, doí menos pensar que você esta em casa descansando porque trabalhou até tarde. Eu penso assim as vezes.
Sei que não vivi muito, que sei pouco da vida e que ainda vou perder muitos pelo caminho, mas não lembro de ter sentido uma dor tão forte, tão sufocante, tão pesada, quando avisaram que o seu enterro era as 16hs. E eu não fui. Não quis acreditar que estava acontecendo, não assim, por uma doença traiçoeira, achei tão injusto. O mundo não parou, não choveu, não aconteceu nada que o mundo pudesse saber o que estava acontecendo, foi só mais um dia como outro qualquer. Eu chorei, junto com um monte de gente que te admirava, respeitava, amava, gente que achou injusto também, e que como eu, não teve como fazer nada para mudar.
Até hoje quando acho um rastro seu perdido pelo caminho, paro, respiro fundo e sinto os olhos arderem, e tem aquele aperto no coração também. Ai, tento lembrar de você sorrindo e que vai voltar depois, pra não desabar mais uma vez.
Queria que você soubesse que levo os momentos bons comigo, até a onde for permitido, mas gostaria que você pudesse saber que sinto saudades.


----
VML
----

...Acabou
Bebels
Enviado por Bebels em 12/07/2018
Código do texto: T6388342
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Bebels
Cricíuma - Santa Catarina - Brasil, 24 anos
53 textos (705 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/18 06:15)
Bebels