Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COMO FICAR MAL HUMORADO EM UM DIA DE SOL

Acorde atrasado! Esse é o primeiro passo para um dia de cão. Levante correndo, assustado, ofegante e, a caminho do banheiro, bata o dedinho do pé no pé da cadeira. Vá para o banheiro xingando e mancando afinal, “tiraram” o dia pra lhe sacanear. No caminho tropece em algo que se move (pode ser um cachorro, um gato, uma tartaruga, um furão, qualquer coisa). Diga-lhe meias verdades e repare bem na cara de descaso do “indivíduo”. Se você tiver filhos e, principalmente, se forem adolescentes, tente chamá-los, e cruze os dedos para que acordem ao primeiro cutucão – “Filho, acorde. Já são 8:00 horas. MINHA NOSSA, 8:00 HORAS!!! Filhoooooooo, acorda!!!! Moleque mais folgado.”. Saia do quarto pisando firme, apesar da dor no dedo. Tome cuidado com o restante do caminho até o banheiro, pois você ainda poderá ser acometido de algum imprevisto.

Já no banheiro, e nu, perceba que alguma coisa ficou para trás: a toalha! Lembre-se que bem hoje a amiguinha da sua filha mais nova está dormindo na sua casa, e que bem ontem a empregada esqueceu de colocar toalhas no banheiro. Sim, você terá que vestir a roupa e ir até seu quarto buscar a linda toalhinha que ficou pendurada no gancho, ao lado da porta. Na ida, lembre-se do pé da cadeira. Na volta, bata nele novamente. E por já estar conformado com a falta de sorte nesse dia, apenas resmungue uns palavrões pra pessoa que deixou a maldita cadeira no meio do caminho. Entre no box, olhe ao redor. Saia do box. Vá até o armário, pegue um sabonete. Maldiga, mais uma vez, o autor da falta de atenção. Aquele que usa o sabonete até o fim e não o repõe. Abra a torneira, e perca um bom tempo tentando “temperar” a água (maldita hora em que você aceitou que colocassem uma ducha no seu banheiro. Você nunca acerta: uma hora abre demais a água fria, na outra abre de menos). Tome seu banho, e como já está atrasado mesmo, reserve esse momento para organizar mentalmente sua agenda. No ápice de sua concentração seja interrompido por alguém querendo usar o banheiro. Pergunte se o outro não se encontra desocupado, e receba a triste notícia de que o encanador lhe deu o furo ontem. Termine de se enxaguar. Pegue a toalha. Abra o box, e pise no chão frio porque esqueceram de colocar o tapete (o que anda acontecendo com a empregada?). Termine de se enxugar, faça a higiene bucal (que pelos gritos do apressado lá fora resume-se a uma bela escovada nos dentes da frente), abra a porta do banheiro e dê aquele sorriso amarelo pra pessoa que encurtou seu banho.

No quarto, a procura da roupa ideal para o dia em que a meteorologia prometeu ser o mais o quente do ano, vasculhe seu guarda roupa e descubra que a empregada (ela de novo?) não passou sua camisa de algodão. Aquela mesmo, a mais fresca que você tem. A que seria perfeita para o dia que “promete”. Escolha qualquer outra, pois o atraso lhe renderá alguns olhares fulminantes, e passar a essa hora a camisa seria loucura demais. Vá até a gaveta de meias, e queira bem aquela que está solta do seu par... Perca mais uns dois minutos na brincadeira. Feche a gaveta e – ai!- cuidado com dedo! (Essa doeu). De banho tomado e vestido, corra até a cozinha a fim de encontrar alguma coisa “comível” e implore aos deuses que ainda tenha daquele yogurt que você não consegue ficar sem pela manhã. Abra a geladeira e comece a vislumbrar um dia menos trágico, pois seus pedidos foram atendidos e o yogurt está lá.... inteiramente vazio!

Saia de casa achando que tudo conspira contra você e, ao pegar o jornal, tenha certeza disso pois você acaba de pisar no cocô. É, seu dia realmente promete. E seu humor, a essa hora, já nem existe mais...
Bruna Pattiê
Enviado por Bruna Pattiê em 01/12/2006
Reeditado em 03/08/2007
Código do texto: T306773

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome da autora - Bruna Pattiê). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Bruna Pattiê
São Paulo - São Paulo - Brasil, 35 anos
150 textos (13300 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 01:29)
Bruna Pattiê