Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um dia de minha vida

Acordei bem cedinho
direto pro banheiro,
durante o chimarrão
afago o gato companheiro
Felino ! atentem os fofoqueiros...
E o café da manhã
trivial, fora o suco de maçã
Ah...e um cigarrinho depois.
As eternas crianças
meus filhos, esperanças
se mandam pro trabalho
“pô” e eu aqui na folga, “caralho...”
Não quero ser peso
acho que não atrapalho.
A mulher chama,
reclama
como todas que conheço
eu mereço...
Não quero que ninguém ouça
nem tome conhecimento
no momento
me ponho a lavar a louça.
E daí, macho faz assim mesmo
lava, passa, cozinha e varre,
tudo certinho,
tudo limpinho.
Enquanto isso, ouço música,
da pesada
e compenso esta “lavada...”
Me debruço na varanda,
o mundo me parece igual,
tudo normal.
O sol ainda brilha.
Penso em ligar a televisão,
mas que desperdício, não...
Opto pelo computador
meu senhor,
registro das ilusões,
encontro de corações,
refúgio dos poetas
e poeteiros também.
Pois bem,
suaves momentos
com todos vocês.
“Vige”, quase meio-dia
deixo parte desta alegria
pra alimentar minhas feras
Tudo em paz e harmonia,
família reunida,
a boa comida,
e começa tudo outra vez.
Sou sempre requisitado
e meio amuado,
lavo a louça “traveiz”.
Volto à varanda
olho os pássaros em revoadas
e nas calçadas
a mesma correria,
o dia a dia ...
Acendo mais um cigarro
fico a observar a fumaça,
a multidão passa
não atrapalho ninguém,
já fui neurótico também...
Pego dois livros:
intercalo nas leituras,
entre as fanfarrices do Jabor
e os versos escritos por meu amor.
Alguns instantes depois
retorno ao computador.
Mais um cigarrinho,
estou agora em meu ninho.
Posto alguns pensamentos
caricaturas de poesia,
meus momentos
de mais um dia.
Anoitece
a lua aparece
cercada de estrelas,
é tão gratificante vê-las
nesta suavidade a brilhar.
Me ponho a sonhar,
acendo mais um cigarro,
abro uma cervejinha,
jamais saio da linha,
pois que jamais não existe...
Estou um pouco triste
sozinho
me alinho
na cadeira de balanço
não me canso
de perscrutar o infinito
é tudo tão bonito...
Os familiares assistem a Globo
e o velho lobo
fica a sonhar na varanda.
Pensa que a vida é bela
e o amor é lindo
e “abestado” sorrindo
se atira na cama.
Alguém o chama...
Amanhã...ah...amanhã,
repete quase tudo de novo.
Maurélio Machado
Enviado por Maurélio Machado em 08/03/2007
Reeditado em 04/06/2010
Código do texto: T405979
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Maurélio Machado
São Bento do Sul - Santa Catarina - Brasil
9336 textos (1819138 leituras)
2 áudios (1219 audições)
101 e-livros (6623 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/20 09:27)
Maurélio Machado