Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TULIPA ROXA

                                          T U L I P A   R O X A


Zé namorava Maria há 5 anos. Uma moreninha de corpo escultural, bundinha perfeita, peitinho durinho e olhar para cima... Simplesmente as medidas de uma Deusa grega. Só havia um problema para José: Até hoje Maria não tinha liberado nada mais que uns amassos. Um dia, os dois a rolar pelo sofá, pega aqui, pega ali, mão naquilo, aquilo na mão, etc. José começou a tirar a blusinha de Maria,abriu sua calça e quando achou que finalmente ia rolar, Maria cortou o barato falando: José, eu sou moça de família. Só vou transar com você depois de casar. Quando acontecer, até tulipa roxa eu farei com você. Sem entender o que era 'tulipa roxa' José levantou-se e saiu. Foi à casa de Joana, uma loirinha que era um caso antigo dele, daquelas que liberava geral.

Ao chegar José não pensou duas vezes e foi logo para cima de Joana.
Rola prá cá, rola prá lá, depois de várias posições ele não pensou mais e
disse:  Joana, não acha que já estamos sem muitas idéias para nossas transas?
- Também acho, Morzinho.
- Então, quem sabe você poderia fazer uma tulipa roxa?
Joana ficou branca e logo gritou:
- QUEM VOCÊ PENSA QUE SOU? POSSO SER SUA AMANTE, FAZER TODO TIPO DE SACANAGEM, MAS VOCÊ ESTA ACHANDO QUE SOU DESSAS QUE FAZEM TULIPA ROXA? - A MOÇA ENFIOU A MÃO NA CARA DO COITADO!
- FORA DAQUI, JÁ!
Jogou tudo o que tinha em cima de José, que não teve alternativa a não ser sair correndo, com as calças na mão.
No dia seguinte José foi para o trabalho, mas não parava de pensar como deveria ser a tal 'TULIPA ROXA'.

Claro que não perguntou para nenhum amigo, pois não queria passar vergonha. A solução seria uma visita ao puteiro local (tipo Café Monique). Para lá se dirigiu, à noite.
Depois de beber umas e outras, sentiu-se preparado e chamou uma das 'garotas', linda, de parar o trânsito. Quando foi para o quarto foi logo perguntando:
- Você faz realmente tudo?
- Claro. Estou aqui pra isso, fofinho.
- Qualquer coisa,mesmo?
- Sendo franca: estou aqui para ganhar dinheiro e faço tudo o que for preciso, anal, oral, o que você quiser.
- Então vamos começar logo com a tulipa roxa?
Sem pensar, a putinha tascou um tremendo tapa na cara de José e foi gritando:
- SEU SEM VERGONHA. SOU PUTA, MAS NÃO SOU QUALQUER UMA. QUEM VOCÊ PENSA QUE EU SOU? A VAGABUNDA ENFIOU A MÃO NA CARA DO COITADO, DE NOVO!

Enquanto fora do quarto todo o mundo escutava seus berros.
Sem entender o que estava acontecendo o 'segurança' (vamos ser francos, o cafetão do local) invade o quarto, irritado, pergunta:
- Senhor, o que está acontecendo aqui?
- Meu caro, eu só perguntei se ela fazia de tudo. - respondeu José.
- Ora, aqui todas fazem de tudo. Não estou entendendo. - disse o cafetão.
- Mas, quando eu pedi para ela fazer tulipa roxa ela enlouqueceu...
Sem deixar José concluir a frase o cafetão saca o revólver e vai berrando:
- AQUI É UM PUTEIRO DE RESPEITO, MINHAS MENINAS NÃO SÃO DESSE TIPO. SAIA DAQUI, SEU FDP, ORDINÁRIO, SENÃO TE FURO O RABO!
E José, novamente sem ter escolha, saiu correndo e foi para a casa de Maria.
Ao chegar, falou:
- Maria, case comigo, agora, por favor.
Afinal, José não agüentava mais não saber o que era tulipa roxa..
Dois dias depois casaram-se e foram para a lua de mel.
José esperançoso. Mas no caminho da lua de mel, sofreram um acidente. Maria morreu. Até hoje José chora. Não de saudade, e sim de raiva, pois não conseguiu descobrir o que é tulipa roxa.

E a gente, também, vai ficar com raiva. Afinal, se José não descobriu o que é tulipa roxa, muito menos eu, que só recebi esta mensagem de um FDP. que também não sabia, e perdi um tempão lendo essa porra deste e-mail e não descobri o que é essa merda de tulipa roxa.
Então pensei,  Por que tenho que ser otário sozinho. Por que não dividir a frustração com vocês, que são meus amigos, né?


(Autor Desconhecido)


(Autor não informado)
Enviado por ELIE MATHIAS em 10/09/2014
Reeditado em 10/09/2014
Código do texto: T4956452
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
ELIE MATHIAS
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
715 textos (109595 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/01/20 14:55)
ELIE MATHIAS