Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Coleguismo profissional*



O Raimundo Nonato batalhou. De modesto começo, como lenhador e camponês, após tanto murro em ponta de faca, a viajante chegou. Boiadeiro, carreiro, carvoeiro, ajudante de pedreiro, muito labutou.

E vindo pra cidade, até na madureza, a mão acertou. E se tornou confiante viajante da Antártica, cobrindo uma vasta região interiorana. Sempre vestido no melhor apuro que a nova condição lhe recomendava. Chegou até a ter a companhia de uma Bíblia. Além da invariável mala marrom, de alça de metal.

Duma feita, tendo tomado o trem para empreender novo giro, custou achar um assento. Justamente do lado do corredor, ao fundo do vagão, onde já se encontrava um padre parrudo, com os olhos metidos num breviário.

Gentil, por natureza, e treino, Nonato - como a maioria dos piauienses
de boa cepa - fez amistosa saudação:

 - Boas tardes, colega, dá a bondade de ser seu companheiro de viagem...?

Ao que o padre reagiu, corado, incrédulo, e em tom desafiador:

- Colega? De onde tirou essa?

- Com todo respeito, Reverendo, afinal, o Senhor não é o representante de Cristo..? Eu, modestamente, sou o da Antártica...

(A partir de uma história contada pelo Doutor Tarcísio Lemos, em Zé Tocafundo)
Paulo Miranda
Enviado por Paulo Miranda em 08/07/2020
Código do texto: T6999762
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Paulo Miranda
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
31837 textos (593868 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/08/20 07:00)
Paulo Miranda