Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pérolas do Cotidiano - Modernizando o Estabelecimento.

PÉROLAS DO COTIDIANO

* Paulo Guiné – 22/10/2007 *


MODERNIZANDO O ESTABELECIMENTO

A quitanda do Sr. Manuel, um japonês recém-chegado de além-mar, ia de mal a pior.  Nem banana machucada, a um tostão o kilo (embora não existissem mais banana machucada, tostão ou kilo com “k”) ele conseguia vender.  A freguesia estava cada vez mais “cabreira”.  Arredia, mesmo,  podia-se dizer.  Não adiantavam promoções, tipo “COMPRE UM PÉ DE COUVE E GANHE, INTEIRAMENTE GRÁTIS..........., UM PÉ DE ALFACE !!!  Convenhamos, a idéia não era das melhores, nem, tampouco,  um primor, mas, na falta de coisa melhor...  Como o Estabelecimento estava a ponto de ir a pique, o gajo resolveu jogar sua última cartada.

— Báin, acho que vou modernizar esta espelunca !  Ouvi dizer que o negócio é uma tal de INFORMÁTICA.  Vou mergulhar de cabeça.  Chega dessas anotações em caderninhos.  Vou dar um basta nesses “papelinhos” que espeto neste gancho!!!  Vou “adquirire” uma impressora !!!  Chega de basbaquice !!!   Assim expressou-se  o Sr. Manuel, todo empolgado.

Não fez por menos.  Comprou um computador com tudo o que tinha direito (havia descoberto que a impressora não funcionava sozinha).  Por falar em impressora,  escolheu logo uma   made in USA,  última novidade no mercado.  A máquina  infernal, segundo o livreto de instruções,  imprimia em preto e branco e  EM CORES.   Que maravilha!!!  O vendedor instalou tudo direitinho e perguntou ao nosso amigo asiático se gostaria de  obter alguma assistência  no que tange ao manuseio da geringonça,   principalmente quanto à impressora.

—  NÃO !!!  DEIXA COMIGO !!!  VOU LER O MANUAL E MANDAR UMA BRASA SENTIDA !!!   Redargüiu o Sr. Manuel, com o peito mais estufado do que um  CHESTER .

Tão logo se viu a sós,  nosso personagem não perdeu tempo.  Resolveu testar o novo equipamento.  Para começar, decidiu imprimir a figura de um animal.  E não seria qualquer um, não.  Tinha que ser um bicho difícil.  Queria ver se aquela parafernália tava com tudo em cima  mesmo.  Decidiu imprimir o tal bicho em PRETO E BRANCO e, também,  EM CORES.  O teste tinha que ser completo.  Primeiro partiu para o mais simples - impressão em preto e branco.  Sucesso total.  Tudo perfeito, pensou com os seus botões.

— Vamos agora ao “pega pra capar” definitivo !!!  Se o sistema  EM CORES  funcionar perfeitamente,  esta máquina do “demo” estará aprovada.  Amanhã mesmo vou iniciar os negócios usando esta nova tecnologia de ponta.
 
Partiu pra impressão EM CORES.  Bateu de frente.  Ficou tudo como “dantes no quartel de Abrantes”.  Tentou outra vez.  Não logrou êxito.  Tentou de novo.  Nada !!!  O bicho continuava sendo imprimido em preto e branco.  Neca de pitibiriba de cor.  Qual seria a razão ?  A impressora estava com defeito ?  Que azar !   Partiu para a derradeira tentativa, depois de ler atentamente o manual de instruções.  Quebrou a cara.  O animal não era impresso, de jeito nenhum,  EM CORES.  Perdeu a paciência e partiu para  a ignorância.  Começou dando um “catiripapo” na torre.  Depois, um safanão no estabilizador.  Em seguida,  jogou o mouse contra a parede.  Ato contínuo,  varejou o teclado janela a baixo.  Não satisfeito,  deu um golpe de caratê na mesa, partindo-a em duas.  Até àquele momento, só restava intacta a impressora.  Não pensou duas vezes:  calçou os tamancos,  colocou  a infeliz no chão e...  Não dá nem pra descrever.  Ficou tudo em cacos.

No dia seguinte procurou o vendedor e soltou os cachorros:

— COMO É QUE O SENHOR ME VENDE UM APARELHO DESSES QUE SÓ IMPRIME EM PRETO E BRANCO ???   PENSA QUE EU SOU ALGUM OTÁRIO ???

Calma, Sr. Manuel, afinal de contas o que é que o Sr. quis imprimir ???

— Um animal, ora pois,  pois.

— E que animal era esse ?

—  Uma zebra !!!


                                           **************
Paulo Guiné
Enviado por Paulo Guiné em 22/10/2007
Código do texto: T704454

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Guiné
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 74 anos
22 textos (1274 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 01:10)