Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A roupa nova do Rei

A ROUPA NOVA DO REI
De: Hans Christian Andersen
Texto: Filipe Enndrio





Prólogo
Um casal de tecelões surge pela platéia. O homem segura uma luneta e a mulher um mapa.
Niko – Ao que tudo indica Nika, o reino do Rei tolo fica pra lá.
Nika – No mapa diz que fica pro outro lado, Niko.
Niko – Esse mapa sempre erra.
Nika – Devem ter desenhado errado.
Niko - Dessa vez eu me superei. Que idéia genial.
Nika – Você? Quem planejou tudo fui eu. Você sempre rouba minhas idéias e diz que são suas.
Niko – Ai, como você se apega a detalhes, Nika. Ta bem, a idéia foi nossa. Mas mesmo assim não deixa de ser GE-NI-AL!
Nika – Os aldeões me disseram que é o rei mais bobo da região e é muito vaidoso.
Niko – E com certeza, como o festival se aproxima, ele precisará de uma bela roupa para o evento.
Nika – E ninguém melhor que os dois tecelões mais premiados do mundo para costurar esta linda roupa!
Niko – Mas não será barato.
Nika – Cobraremos muito caro pelo trabalho.
Os dois caem na gargalhadas e saem
Cena 1
Cenário do castelo, uma poltrona real ao centro e algumas bandeiras espalhadas pelo cômodo.
Rei – Que dia corrido! Tantas coisas para fazer. Este festival está me deixando cada dia mais velho. Tenho pavor de envelhecer! Pavoooor! Os meus súditos merecem ter sempre um rei jovem e belo assim como eu. (Para a platéia) E ai de quem discordar.
Ministro (entrando) – Vossa majestade, muito bom dia!
Rei – Bom dia Ministro PABLO DIEGO JOSÉ FRANCISCO DE PAULA JUAN NEPOMUCENO MARÍA DE LOS REMEDIOS CIPRIANO DE LA SANTÍSSIMA TRINIDAD RUIZ Y BRAGANÇA, alguma novidade?
Ministro - Quando vossa majestade fala meu nome completo Chego até a ficar arrepiado. Mas, mudando de assunto: Chegou aos meus ouvidos, vossa majestade, que estão chegando ao reino dois tecelões premiadíssimos e que já costuraram para todos os reis do país.
Rei – Será que eles costurariam belíssimas roupas para o festival? Preciso está impecável diante da corte.
Ministro – Majestade desculpe-me a intromissão... Mas será que nenhuma de suas mil roupas servem para o festival?
Rei – Ficou maluco, ministro? Um rei da minha categoria jamais pode repetir roupas. Já usei todas as mil. Estou completamente sem roupas. Tenho pavor de ficar sem roupas. Assim que os tecelões puserem o pé no reino traga-os até mim.
Ministro – Com toda certeza, majestade. Como desejar.
Rei – Agora me deixe sozinho, ministro. Preciso fazer um repouso da beleza.
Ministro – Como disse majestade?
Rei – (sarcástico) Ah! Desculpe-me, ministro. Eu disse: Beleza. Isso aqui que habita em meu rosto. BE-LE-ZA. Algo que você nunca conhecerá.
Ministro – Claro vossa majestade! Com sua licença. (Sai)
Rei – Acabou de chegar um creme caríssimo da França. Dizem que rejuvenesce dez anos em dez minutos. Vamos ver o que essa maravilha pode fazer. (Passa o creme no rosto) É bem refrescante. Tem um cheirinho de hortelã. (se olha no espelho) Ih! Olha só... Nossa! Como eu sou bonito. Impressionante. Tive 12 irmãos, sempre fui o mais bonito. E agora dez anos mais jovem, eu estou irresistível.
Ministro (voltando) – Majestade! Majestade! Eles... Majestade?
Rei – O que foi ministro? Nunca viu um rei dez anos mais jovem?
Ministro – Hein? Digo, digo... Como disse, majestade?
Rei – Eu não vou perder meu tempo contigo! Você não entende nada de cosmética francesa. Esse creme francês me rejuvenesceu dez anos.
Ministro – Majestade, isso é creme dental.
Rei – Como assim?
Ministro – Creme dental, majestade. Um creme que colocamos na escova de dente para fazermos a higienização bucal.
Rei – Eu sei o que é creme dental seu grande imbecil.
Ministro – Se majestade sabe o que é, Por que pôs no rosto?
Rei – Porque, por que... Eu... Soube... Que creme dental fazia bem pra pele do rosto.
Ministro – Entendi. Não teria o rei sido enganado por algum charlatão, teria? (oferece um lenço ao rei)
Rei – (limpando o rosto) JAMAIS! Ninguém me faz de idiota, ministro, NINGUÉM. Sou muito inteligente! Mas em todo caso, mande prender o vendedor de cosméticos que veio aqui ontem, sim?
Ministro – Como queira, majestade.
Rei – Mas não pedi pra me deixar sozinho? O que faz aqui?
Ministro – É que já encontrei os tecelões que vossa majestade precisa para a roupa nova que usará no festival.
Rei – E onde estão?
Ministro – Em frente ao castelo.
Rei – Mande-os entrar imediatamente!
Ministro – Que entrem os tecelões Niko e Nika da Nicarágua!
Entram os tecelões admirados com o castelo
Niko – Que castelo lindo!
Nika – Nunca vi nada igual em toda minha vida!
Rei – Eu mesmo que decorei!
Niko e Nika – (fazendo reverencia) Majestade!
Rei – É verdade que são os melhores tecelões do país?
Nika – Na verdade, majestade, é que somos muito modestos.
Niko – Sim, a grande verdade é que ganhamos cinco anos consecutivos o prêmio “tecelão universo”.
Rei – Tecelão universo?
Nika – Um concurso famosíssimo que acontece todos os anos na Grã Bretanha e premia os melhores tecelões do mundo.
Niko – Claro que vossa majestade, inteligente como é, já deve ter ouvido falar no concurso, não?
Ministro – Nunca ouvi falar em tal concurso...
Rei – Porque é desinformado! Eu já ouvi falar sim. Muito conceituado por sinal. Então estou diante dos melhores tecelões do mundo.
Niko e Nika – Modéstia a parte.
Rei – Então vão poder me ajudar.
Ministro – O Rei precisa de roupas...
Rei – Sim, mas não qualquer roupa. Deve ser a roupa mais linda que esse reino já viu. Roupas reais lindíssimas, dignas do rei que sou.
Nika – Para um rei da sua categoria temos algo mais que especial.
Niko – Será que podemos contar a ele, Nika?
Rei – Claro que podem me contar, não me escondam nada. Contar o quê?
Nika – Nas andanças por este mundo descobrimos muitos tipos de tecidos e cortes diferentes.
Niko – Exato. Anos atrás, em Bruxelas, conhecemos um mago.
Rei – Um Mago?
Ministro – É como um feiticeiro, majestade!
Rei – Eu sei o que é um mago, seu grande imbecil!
Nika – Mas os “magos” são muito mais poderosos que os feiticeiros.
Niko – Nos tornamos amigos deste mago. E no dia que precisávamos retornar ele nos presenteou com um corte especial de tecido.
Rei – Um corte especial? Então, foi feito para mim.
Nika – É um tecido mágico, majestade.
Niko – Sim, com este corte, qualquer roupa real ficará deslumbrante e ninguém conseguirá imitar o modelo.
Rei – Contem mais.
Nika – Só há um detalhe.
Niko – Este corte é invisível aos tolos e ignorantes.
Nika – Apenas pessoas inteligentes e expertas podem enxergá-lo.
Ministro – Estou achando esta história um pouco...
Rei – Não se meta, ministro! Estão contratados. De quanto precisam?
Nika – Como é um corte especial mágico e inigualável custará uma pequena fortuna.
Niko – Mas nada que vossa majestade não possa pagar. Afinal soubemos que é o rei mais rico e generoso de toda região.
Rei – Vocês estão certos. Sou mesmo. Ministro, pague aos tecelões a quantia que eles desejarem.
Nika – Um último detalhe alteza.
Niko – Precisamos nos instalar no castelo em quanto costuramos a roupa. Só assim conseguiremos terminar a tempo para o festival.
Rei – Isso não será problema. Temos 108 quartos de hospedes.
Niko e Nika – 108?
Rei – Sim, podem ficar com um deles. Ministro oriente nossos convidados até seus aposentos.
Ministro – Pois não, majestade.
Niko – O rei não irá se arrepender!
Nika – Ficará impressionado com a beleza da roupa e do corte.
Rei – Eu espero. Agora vão e comecem já!
Ministro – Por aqui!
Os três saem
Rei – (Animado) Roupas especiais! Eu não posso acreditar! Onde estavam estes dois que não chegaram antes? Meu povo ficará impressionado com tamanha beleza. Era disso que eu estava precisando para começar bem meu dia. Roupas novas! Acho que até rejuvenesci mais cinco anos com esta notícia.
Ministro (voltando) Majestade, não achou estranho? Roupas mágicas que só pessoas inteligentes conseguem ver?
Rei – Estranho? Não achei não. Ah! Entendi. O ministro está com medo de não enxergar as roupas, não é? Afinal é uma mula manca.
Ministro – Não é isso, majestade. É que achei a história fantasiosa de mais.
Rei – Ministro! Sabe que não pode ter inveja do seu rei, não sabe?
Ministro – Ah desisto! (sai)
Rei – (cantarolando) Roupas novas! Roupinhas mágicas! Para o reizinho! Que sou eu! Há-há-há!
Cena 2
Cenário dos aposentos reais onde será costurada a roupa
Niko – Que reizinho mais idiota!
Nika – Foi mais fácil que tirar doce de criança.
Niko – Mas aquele ministro é experto. Temos que dar um jeito dele acreditar nessa mentira também.
Nika – Somos tão expertos, Niko meu irmão. Nossos pais ficariam orgulhosos.
Niko – Com todo o ouro que vamos ganhar poderíamos voltar para Nicarágua.
Nika – E ir embora de vez desse país de terceiro mundo.
Entra o rei
Rei – E então? Vamos tirar as medidas?
Niko – As o que?
Nika – As medidas, para fazermos a roupa.
Rei – Isso. Peguem a fita métrica.
Niko – (sem entender) Fita?
Nika – Isso, Niko. A fita métrica para medirmos vossa majestade.
Rei – Você não sabe o que é uma fita métrica, meu caro?
Niko – (rindo sem graça) Claro que sei majestade. Eu estava apenas fazendo uma brincadeira.
Rei – Uma... Brinc... Nossa... Há há há há há há há! Agora que eu entendi! Muito bom! Você é muito engraçado! Adoro pessoas com senso de humor.
Nika – O Niko realmente é muito engraçado.
Rei – Já pensou em ser bobo da corte, meu rapaz?
Niko – Nunca majestade, amo meu ofício.
Rei – Então, onde está a fita?
Nika – A fita também é mágica.
Niko – Isso mesmo. Invisível aos olhos dos tolos. Majestade deve não ter notado, estava aqui diante dos seus olhos.
Rei – (disfarçando) Eu... eu... eu... Claro que vi. Só não sabia que iriam usar esta.
Os tecelões começam a fazer de conta que tiram as medidas do rei.
Nika – Será uma roupa translumbrante!
Niko – Fantástincrivel!
Nika – Maravilinda!
Niko – Exuberótima!
Rei – Estou gostando, estou gostando! Façam a roupa mais incrível que este reino já viu e serão muito bem recompensados.
Niko e Nika – Com toda certeza, majestade!
Cena 3
Salão do castelo
Ministro está sentado no trono real dormindo quando chega o rei.
Rei – Ministro!
Ministro - (levantando de supetão) Majestade. Mil perdões! Acabei cochilando em seu trono.
Rei – Traga álcool em gel imediatamente.
Ministro – Claro, majestade.
Ministro sai
Rei – (Dramático) Meu trono. Que foi do meu bisavó, depois do meu avó, depois do meu pai e agora é meu, contaminado com bactérias de subalternos. Que péssimo rei eu sou.
Ministro volta com o álcool.
Ministro – Não precisa de tanto, majestade. Só sentei por alguns minutos.
Rei – Limpe tudo depressa. Hoje é o grande dia.
Ministro – Todos verão a sua roupa nova!
Rei – Todos não. Só os expertos e inteligentes. Garanto que o senhor não conseguirá enxergar nada, ministro.
Ministro – Com toda certeza, majestade.
Niko e Nika entram segurando uma roupa invisível e um biombo.
Nika – Majestade, a sua roupa ficou pronta.
Niko – Não está linda?
Rei – (disfarçando) Está... é... como posso dizer... Do jeito que eu imaginei.
Niko – Que bom, fizemos com muito carinho.
Nika – Vamos provar?
Rei – Vamos provar. Minha roupinha nova. Como é linda!
Niko – Eu irei ajudá-lo, majestade.
Os dois vão para trás do biombo.
Ministro - (a parte para Nika) Eu sei bem o truque que vocês estão aplicando. Podem enganar ao rei, mas a mim não enganam.
Nika – (falando alto para que o rei ouça) O ministro está me falando que também achou a vestimenta linda, majestade. Quais as cores, das que usamos que mais gostou, Ministro?
Ministro – Gostei de todas de um modo geral!
Nika – (a parte para o ministro) O rei não iria gostar de ter como ministro uma pessoa tola e ignorante não é mesmo?
Ministro – Ele vai descobrir mais cedo ou mais tarde e eu vou ter pena de vocês quando isso acontecer.
Rei – (por trás do biombo) Se preparem! Já estou pronto! Uuummm... doooooiiis... trêeeeeees... e... Já!
O rei sai só com roupas de baixo
Nika – (segurando a risada) Ficou perfeito, majestade!
Niko – Quando o rei aparecer tão incrível assim na frente de todos capaz d’eles chorarem de emoção.
Rei – E então, ministro? Achou minha roupa nova linda?
Ministro – Está... Eu diria que... Fora do normal, majestade.
Rei – Agradecido! Ministro, peça que abram as portas. Vou aparecer para os meus súditos neste dia de festa, e vocês tecelões estão convidados. Podem comer e beber tudo o que quiserem e aguentarem.
Os tecelões comemoram discretamente e saem correndo
Som de abertura dos portões
Rei – Meus queridos súditos...
Som do povo sorrindo muito
Rei – (sem entender) Meus queridos súditos...
Continuação de risadas
Rei – Do que eles riem ministro?
Ministro – Acho que não conseguem ver as suas roupas novas, majestade.
Rei – Ah, é verdade! Que cabeça a minha, esse povo é tolo, como eu não pensei nisso... Meus queridos, não se assustem! Estou vestindo roupas especiais que aos olhos dos tolos e ignorantes será invisível. Por tanto... Gostaria de dar as boas vindas ao festival...
Voz de criança – O rei está peladão!
Voz de criança 2 – O que deu nele, mamãe? O rei está só com roupas de baixo.
Rei – Crianças tolas! Silêncio!
Ministro – Não são crianças tolas, majestade. São os dois meninos que ganharam o prêmio de alunos mais inteligentes do reino, dado pelo próprio rei.
Rei – E eles não conseguem enxergar minhas roupas?
Ministro – Para ser sincero, acho eu, que ninguém ver roupas que não existam majestade.
Rei – Como assim?
Ministro mostra dois cartazes com o rosto dos tecelões como procurados.
Rei – Procurados? Então fui enganado? De novo? FECHEM OS PORTÕES!
Ministro – O que quer que eu faça majestade?
Rei – Tragam-nos aqui! Imediatamente!
Ministro – É pra já majestade!
Rei – (Chorando comicamente) Como é que eu pude cair no conto do vigário? Eu sou o rei mais tolo de todos os tempos. Que vergonha! Eu to arruinado!
Ministro entra com os dois tecelões pelo colarinho
Ministro – Aqui estão eles majestade!
Niko – Perdão, majestade! Tenha clemência!
Nika – Não fizemos por mal...
Niko – Não nos castigue! Eu imploro.
Nika – Faremos tudo para nos redimir!
Niko – Não nos leve para as masmorras...
Nika – Nem para os jacarés...
Rei – Silêncio palermas! Nada de Masmorras nem de jacarés.
Niko e Nika – Ufa!
Rei – Mas serão castigados sim, por mentirem e enganarem o rei! O seu castigo será: Costurar roupas todos os dias e de graça até o resto de vossas vidas.
Niko – Mas, não sabemos costurar...
Nika – Era tudo uma farsa majestade!
Rei – Quem não sabe, aprende. Agora fora daqui!
Os dois saem
Ministro – Majestade, eu bem que...
Rei – Se você disser: Eu bem que avisei, ministro! Vai fazer companhia aos dois. Sabe costurar?
Ministro – Absolutamente nada, majestade.
Os dois riem e os tecelões entram com várias roupas vestindo o rei sob uma música final.
Fim
Filipe Enndrio
26 de setembro de 2015



Filipe Enndrio
Enviado por Filipe Enndrio em 29/01/2018
Código do texto: T6239404
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Filipe Enndrio
Abreu e Lima - Pernambuco - Brasil, 26 anos
3 textos (54 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/02/18 17:26)