Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A BOLA E O BOLO BRANCO







Tagobar era um ratinho bem pequeno.

Por isso mesmo vivia ainda com sua mãe. E nunca havia saído da sua toca.

Mas cresceu e cansou-se de ficar ali. Chegou para sua mãe e disse-lhe: mamãe! Quero sair e conhecer o mundo!

 -Meu filho. Sabia que isso iria acontecer qualquer dia. Não devo impedir-lhe. Pode ir. Mas devo dar-lhe alguns conselhos.

A casa onde moramos é muito grande. E nossa toca fica na sala de visitas. Quando você sair vai encontrar muita coisa nova, móveis, tapetes, mesas, cadeiras e um enorme aparelho de televisão. Poderá percorrer todo o aposento e brincar a vontade.

Mas muito cuidado quando você encontrar a bola branca. Chama-se novelo de lã. É da dona da casa que costuma tricotar . Mas perto dele costuma ficar um bicho muito feroz e perigoso que se chama gato. É o nosso maior inimigo.

Quando você o avistar desvie e passe bem longe dele.

O outro quarto que você vai entrar em seguida é a cozinha. Sei que você vai adorar porque tem bastante comida. Brinque e coma a vontade mas muito cuidado com o bolo branco. Chama-se queijo e é uma das coisas mais gostosas que existem.

Mas, geralmente, perto dele costuma ficar uma arma terrível e extremamente mortífera. É a ratoeira. Afaste-se dela pois ela pode matar.

Tagobar ouviu tudo direitinho e com muita atenção. Depois pegou sua mochilinha, despediu-se de sua mãe e saiu para conhecer o mundo.

Ficou deslumbrado com a sala. Encontrou alguns móveis grandes que nunca imaginou pudessem existir. Brincou a vontade com tudo que achou, rolou e se divertiu a valer.

De repente avistou a bola branca. O novelo de lã, reconheceu!

Bem ao seu lado um bicho peludo e feio que dormia.

Esse é o gato que minha mãe contou.

Resolveu sair logo dali, passando bem longe desse animal perigoso. E entrou num outro quarto bastante iluminado.

Deve ser a cozinha, pensou.

Gostou muito dela. Entrou em vários armários e achou comida a vontade. Divertiu-se bastante, roeu e  experimentou um pouco de tudo. Comeu até demais.

Foi quando viu o bolo branco. É o queijo, já sabia! E viu, bem ao lado uma máquina montada que poderia matar.

Olhou-a de longe e resolveu ir saindo.

Foi então que viu uma porta que dava para um corredor escuro. Engraçado, pensou. Minha mãe não falou dele. Aproximou-se com cuidado dessa entrada. Olhou bem, não viu nenhum perigo e, resolveu entrar.

Era um pequeno corredor. A única coisa que tinha era uma comprida escada de madeira. E, no alto dela outra porta, pequena, também de madeira.

Resolveu subir e investigar.

Tagobar não sabia mas era o sótão da casa onde estavam guardadas todas as bugigangas descartadas. Uma misturada de coisas de tudo que era tipo, bem velhas, todas com forte poeira a cobri-las.

Tagobar sentiu-se em casa, pois era o que mais gostava para brincar.

E divertiu-se a valer mexendo com tudo, divertindo-se e rolando a vontade.

Entretanto, não sabia, mas não estava sozinho. Nesse local vivia um pequeno morcego.

Que assustou-se com todo o movimento e confusão que Tagobar fazia. E começou a voar em círculos procurando um local para se esconder.

Tagobar nunca vira nem ouvira falar desse bicho mas também se assustou.

Saiu correndo pela porta. Desceu rapidamente a escada, passou pela cozinha e nem ligou para o bolo branco nem pela ratoeira armada. Entrou na sala e cortou caminho sem se importar com a bola branca, quase passando por cima do gato que ainda dormia.

E entrou em casa chamando pela sua mãe.

Mãe! Mãe! Mãe!

Sim Tagobar! Porque está assustado? O que aconteceu?

Mamãe! A senhora não vai acreditar!

Mas eu vi um anjo!


Dedicado aos dois filhos de uma grande amiga: V.A.
Tagobar
Enviado por Tagobar em 25/10/2005
Código do texto: T63624


Comentários

Sobre o autor
Tagobar
Campinas - São Paulo - Brasil
63 textos (28093 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/08/20 04:26)
Tagobar