Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A escolha do príncipe

Era uma vez num tempo e país muito distante um Rei que estava preocupado com seu filho Gabriel,que já tinha 17 anos e só pensava em brincar. O Rei achava que seu filho devia ser mais maduro para estar preparado para eventualmente assumir o reino caso alguma coisa lhe acontecesse. Achava-o muito sem iniciativa e que vivia num mundo à parte onde as coisas ainda eram separadas entre o seu mundo e o mundo dos adultos.
Conversando com seus conselheiros, velhos sábios que lhe ajudavam a tomar decisões, ouviu que um casamento traria mais responsabilidade ao príncipe. O Rei achou uma boa idéia e disse a Gabriel que ele teria que casar quando completasse 18 anos e caso não tivesse encontrado ninguém, o próprio Rei escolheria sua esposa. Gabriel ficou muito contrariado, mas sabia que quando seu pai decidia era difícil mudar.
-Pai eu não queria nem casar, então escolher a moça seria o mínimo que você poderia me conceder. Afinal sou eu que terei que conviver com a escolhida pelo resto da minha vida.
-Parece justo. Mas você ainda tem muitos meses antes do seu aniversário e até lá a escolha é sua. De qualquer forma ainda vou te ajudar. Caso até lá ainda não tenha escolhido uma moça para ser sua esposa eu buscarei duas moças para que ainda neste caso a escolha continue sendo sua., escolhendo aquela com a qual você vai se casar.
Gabriel não gostou da idéia, mas caso retrucasse já sabia que ouviria do pai que se ele quisesse impedir que o pai escolhesse duas moças era só ele escolher uma antes do prazo e pronto. Mas o tempo foi passando e a princípio a decisão parece não ter sido boa, pois Gabriel querendo aproveitar seus últimos dias como solteiro tratava de ir brincar mais e mais, sem se preocupar em encontrar uma moça para ser sua princesa.
O fato é que ele completou 18 anos e seu pai anunciou na festa que dali uma semana ele e mais seus conselheiros escolheriam duas pretendentes para se casar com Gabriel e ele beijaria a sua escolhida.
Gabriel ficou irritado e falou com seu pai que ele é que deveria escolher a moça. Seu pai disse:
-Você teve muito tempo, mas não quis procurar e agora será como eu te falei lá atrás. Você lembra?
Gabriel calou, pois sabia que ele poderia ter escolhido neste meio tempo alguma moça, mas como não se preocupou deixou a decisão escapar de suas mãos. Pelo menos poderia escolher entre duas aquela que seria a princesa.
A notícia correu pelo reino e até por terras estrangeiras. Gabriel era um moço muito bonito e já fazia parte do imaginário de muitas moças que gostariam de ser princesas casando-se com um lindo príncipe. A oportunidade estava posta. Era Real, Real de Realeza. As pretendentes deveriam se apresentar no sábado e a decisão de Ricardo entre as duas finalistas ocorreria no domingo.
O júri formado pelo Rei e seus conselheiros iriam avaliar numa rápida entrevista quesitos como beleza, educação, prendas domésticas, que como princesa nunca usaria, mas que seriam importantes para avaliar serviços de suas criadas.
Um rico fazendeiro tinha duas filhas muito lindas, Nadir de 15 e Yasmin de 14 anos, que tinham o sonho de casar-se com o príncipe. A mais velha sempre pleiteava para si os maiores direitos. Ela considerava que por ser a primogênita teria por direito a primazia dos privilégios. O pai concordava e sua predileção por Nadir por vezes prejudicava Yasmin. As meninas pediram para que o pai as levasse para as entrevistas. Nadir queria ser a primeira a ser entrevistada e exigiu do pai que montasse uma barraca já no mesmo dia onde ela iria ficar para aguardar até sábado para a avaliação. Yasmin também gostaria de ser entrevistada logo no começo, tanta era sua ansiedade, mas sabia que sua mãe precisava de ajuda nos afazeres de casa e então não ia ficar aguardando o grande dia no portão do castelo.
No sábado, filas se formavam fora do castelo e seguiam por quilômetros. Era difícil de imaginar que o Rei e seus conselheiros conseguiriam avaliar tão grande quantidade de corações esperançosos. Yasmin estava perto do final, mas guardava a esperança de agradar o Rei e ao Príncipe. Nadir era a primeira. O Rei perguntou desde quando ela estava no portão para ter conseguido ser a primeira. Ela explicou que desde o dia em que o Rei havia anunciado que faria uma escolha. O Rei gostou e cochichou com seus conselheiros
-Vejam só está bela jovem. Gosto da sua iniciativa. Acredito que seria uma boa princesa. – os conselheiros assentiram e anotaram os dados de Nadir.
Muitas outras belas moças, educadas e bem prendadas passaram por ali mas a 1ª impressão que Nadir tinha lhe causado ainda era bem forte.
Quando chegou a vez de Yasmin o Rei percebeu a semelhança com Nadir e perguntou se eram parentes. Yasmin confirmou quer eram irmãs. O Rei quis saber por que ela não estava junto com a irmã na fila. Yasmin explicou que até gostaria, mas que uma das duas tinha que ficar ajudando a mãe nos afazeres de casa. O Rei também se sensibilizou com a história de Yasmin e comentou com seus conselheiros que por ele já teria a segunda moça para que Gabriel escolhesse sua princesa. Os sábios também tinham ficados encantados com a simplicidade de Yasmin e concordaram com o Rei. Continuaram as entrevistas, mas ao final do dia mandou tocar as trombetas e saindo para uma grande janela que dava para o pátio do castelo anunciou para uma multidão de pais e moças e curiosos que tinha escolhido duas moças Nadir e Yasmin para que seu filho, o príncipe Gabriel escolhesse ao meio dia do dia seguinte, domingo ali mesmo naquela janela.
Um grande alvoroço se deu, onde o choro das que não foram escolhidas era engolido por gritos entusiasmados do povo que aplaudiam a decisão.
As duas irmãs que estavam juntas se abraçaram num choro de felicidade. O Rei ofereceu aposentos do castelo para elas e seus pais passarem a noite para esperar o grande dia. De manhã, às 7 horas as duas foram chamadas para tomar o café da manhã com o príncipe. O Rei já tinha isto em mente para que Gabriel pudesse conversar com elas um pouco e ter melhores condições de escolher sua preferida.
No café estavam todos meio sem jeito, mas Gabriel, sabendo que talvez pudesse ser a única chance de conhecê-las melhor perguntou:
-Quem é Nadir? E quem é Yasmin
Nadir tomando a dianteira disse:
-Eu sou a Nadir e esta – completou apontando sem deixar Yasmin falar – é minha irmã Yasmin.
-Dormiram bem? – perguntou Gabriel
-Dormimos que é uma beleza – disse prontamente Nadir.
-Na verdade eu não consegui dormir muito bem estava meio nervosa. - falou Yasmin
-Acho q ue é natural. Fique tranqüila. – disse o príncipe Gabriel com um sorriso acolhedor. Nadir ficou vermelha. Não gostou da sinceridade de Yasmin ter sido tão bem recebida. Arrependeu-se por tentar agradar mentindo sobre como tinha sido sua noite e ficou muito brava por Yasmin tê-la contrariado.
-Sabe Gabriel esta noite foi tranqüila, mas nos dias anteriores eu também não tive noites fáceis: Estes sete dias em que aguardava para a entrevista fiquei acampada dormindo numa barraca no portão do Castelo para que pudesse ser a primeira mostrando como era importante para mim a realização deste sonho. Assim quando tive uma noite numa cama quentinha, num quarto do Castelo, para mim foi o céu. – Gabriel disfarçou uma admiração.
O café transcorreu com Nadir procurando sempre monopolizar a conversa e respondendo pelas duas, sem deixar quase que Yasmin falasse.
Quando terminaram o café, o Rei disse que se elas quisessem poderiam ir se arrumar para a hora da decisão do Gabriel. Pediu para que a Rainha as ajudasse, orientando-as e disponibilizando criadas para se arrumarem, conseguindo vestidos apropriados para a ocasião.
A rainha que não tinha filhas se encantou com as meninas. E disse para que elas a vissem como uma mãe. As duas agradeceram, mas Nadir sem perder tempo acrescentou:
-Óh querida Rainha, já que nos destes tão sincera oferta gostaria muito de arrumar meu cabelo pois nas minhas noites passadas na barraca – neste momento todos já tinham ouvido da Nadir sua história de devoção – não pude tratá-los como gostaria.
-Mas é claro querida Nadir, providenciarei para que meu cabeleireiro pessoal cuide das duas.
-Talvez para Yasmin ele não seja necessário, pois afinal ela pôde cuidar dos cabelos, já que estava em casa...
-Está me sugerindo que eu disponibilize o cabeleireiro só para você? - Nadir, percebendo que sua proposição não tinha sido bem recebida prontificou-se a corrigir:
-De maneira nenhuma. Talvez que apenas por justiça eu seja a primeira, pois desde sempre priorizei este momento.
-O que você acha Yasmin? - Perguntou a Rainha voltando-se para Yasmin. Yasmin olhou para Nadir que devolveu-lhe um olhar ameaçador.
-Acho que é justo minha Rainha. Na verdade eu não acho mesmo necessário os serviços do cabeleireiro para mim. Obrigada.
-Certo então. Enquanto aguarda a hora fique a vontade para conhecer o Castelo. Nos fundos temos um belo jardim de inverno onde você poderá admirar flores dos quatro cantos do mundo - Yasmin concordou e foi para o tal jardim e Nadir foi para o cabeleireiro. Tinha que ficar maravilhosa para o momento da escolha e não queria que Yasmin estragasse seu futuro como princesa. Disse para o cabeleireiro que sua irmã não dava importância para o talento dele e que não iria querer utilizar os seus serviços. Portanto ele poderia fazer com toda a calma o seu serviço, que ela considerava excepcional. Envenenado na sua auto-estima ele garantiu que iria deixar Nadir maravilhosa para o príncipe.
No jardim de inverno Yasmin encontrou com Gabriel que estava pensativo. Chegou perto devagar e perguntou se poderia ficar ali. Ele disse que sim e perguntou o que ela estava fazendo ali. Ela explicou que estava aguardando dar a hora da escolha.
-E sua irmã, a Nadir?
-O cabeleireiro vai arrumá-la para o momento da escolha.
-E você não vai também?
-Ué, você já não nos viu no café?
-Vi, e daí?
-Bom será que um penteado poderá mudar sua decisão? - Riram juntos pois, concordaram que era algo desnecessário.
-Bom, pelo café não pude conhecer bem as duas... Acho que só agora estou conseguindo ouvir sua voz...
-Como assim?
-Ora, sua irmã Nadir respondia pelas duas.
-Cada pessoa tem um jeitinho – Yasmin não quis falar mal de Nadir.
-O jeito dela é vir antes de tudo... – Yasmin não comentou e preferiu mudar de assunto. Perguntou sobre a vida de Gabriel e das coisas que ele gostava de fazer. Conversando foram se conhecendo e vendo vários pontos em comum. Deram boas risadas contando passagens hilárias de cada um. Depois de algum tempo uma troca de olhar um pouco mais demorada e uma falta de assunto causou certo constrangimento, do qual foram salvos por um criado que avisava a Yasmin que a Rainha queria vê-la.
-Deve ser para provar um vestido que ela iria conseguir para a ocasião.
-Eu gosto de vermelho. – Gabriel piscou para Yasmin que deu um sorriso e saiu.
Quando Yasmin chegou num quarto que mais parecia um salão viu Nadir provando vestidos já com um penteado maravilhoso.
-Não pude te esperar. Como sempre cheguei primeiro – falou como que tripudiando o fato de Yasmin ser a segunda – dizem que você estava lá nos fundos do Castelo num jardim de inverno... – Yasmin preferiu não falar que todo este tempo ela pode ficar conversando com o príncipe.
Chegando o momento tocaram as trombetas e com o príncipe de um lado e as duas moças de outro o Rei anunciou para um povaréu que se acotovelava para ver a escolha de Gabriel:
-É chegado o momento filho e você deverá decidir qual será sua princesa dando um beijo na escolhida.
-Pai, conversei ontem com os conselheiros e fiquei sabendo da boa impressão que lhe causou a 1ª impressão da 1ª moça a ser entrevistada.  – Nadir ficou excitada e esperançosa - Mas tive deles que uma escolha sábia só terei quando tiver o maior número de impressões possíveis. Assim, tive muitas e boas e fiquei muito impressionado com o jeito simples e singelo de Yasmin, que quero para minha princesa.
O beijo na Yasmin foi apaixonado. Casaram-se e foram felizes para sempre.

*
 *     *


Extra

Dois motoqueiros queriam ir para uma cidade onde diziam haver um mirante de onde se podiam ver lindas paisagens.
Um com uma moto muito veloz, tratou de ir na maior velocidade que seu equipamento e sua atenção e perícia permitiam, para chegar lá e apreciar por mais tempo as tais lindas paisagens.
Outro com uma moto de menor potência, foi devagar e aproveitou para parar algumas vezes para tirar fotos de paisagens lindas que seu caminho lhe oferecia. No final chegou no tal mirante onde encontrou o primeiro motoqueiro que disse:
-Estou aqui há horas. Pena que hoje está com cerração e ainda não pude ver as tais paisagens maravilhosas.
-Veja então as minhas fotos.
-Nossa que lugares lindos! Aonde foi que você tirou estas fotos?
-Estas fotos são as que eu tirei pelo caminho...

Moral da história: Como nem sempre a velocidade ou chegar primeiro é garantia de vitória aproveite seu caminho.




Dalton LA Carvalho
Enviado por Dalton LA Carvalho em 03/07/2018
Código do texto: T6380749
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de Dalton LA Carvalho e o site https://daltonlacarvalho.blogspot.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dalton LA Carvalho
Curitiba - Paraná - Brasil, 51 anos
222 textos (2194 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/18 15:37)
Dalton LA Carvalho