Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Apólogo - O Salgueiro e a Cerejeira

A Cerejeira resolveu provocar, por meio de soberba, o humilde Salgueiro:
_ Eu sou filha de um Deus que me criou à sua imagem e semelhança. Sou de tronco e de galhos fortes; meus frutos, os mais saborosos; minhas folhas e minhas flores, as mais belas; a sombra de minha copa, o melhor refúgio àqueles que de sol... Você, Salgueiro, só pode ser filho de um outro deus que o representou a suas características, ou seja, o oposto de meu Criador. O teu deus é fraco, pobre árvore!
O Salgueiro nada disse. Nada tinha a dizer e em silêncio reconheceu como retórico o discurso da Cerejeira e não se abalou. Ele nunca se abalava.
Em corridos dias, o sabido inverno chegou e com ele uma surpreendente nevasca. A bela árvore resistiu ao máximo que pode o peso de neve acumulado em suas folhas e em seus galhos, mas resistir ao máximo que pode não foi o suficiente para evitar a sua triste e certa decadência. Já o Salgueiro pouco reteve de neve em suas folhas escorregadias, e, assim, quase nada sofreu.

Moral: A Força é uma questão de Física e não de físico.
Lume de Antão
Enviado por Lume de Antão em 08/01/2019
Reeditado em 08/01/2019
Código do texto: T6545574
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lume de Antão
Guarulhos - São Paulo - Brasil, 51 anos
86 textos (1742 leituras)
1 e-livros (75 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/05/19 10:07)
Lume de Antão